Agosto 2019 - Devoção e Fé - Blog Católico

sábado, 31 de agosto de 2019

Obrigada Senhor por mais um ano de vida!


Boa noite irmãos e irmãs de fé. Paz e Bem!
Hoje completei mais um ano de vida, graças a Deus! E eu só tenho a agradecer a Deus por tudo em minha vida, as alegrias e tristezas, experiências de vida que carrego em meu ser.

Foi meu Senhor e meu Deus que me segurou quando tudo desabou em minha vida, me fortaleceu e continua me fortalecendo a cada dia.Tudo passa, só Deus não passa!

Obrigada Senhor, vou seguindo em frente, com o coração cheio de saudades do meu amado pai e meu amado esposo que estão peregrinando no céu, mas também com o coração cheio de fé e esperança de dias cada vez mais abençoados. 

Queridos irmãos e irmãs de fé, agradeço de coração por seguirem meu Blog e minhas redes socias. Que Deus os abençoem, fiquem com a paz de Jesus e o amor materno de Nossa Senhora.

Adriana dos Anjos-Devoção e Fé Blog

Oração de Agradecimento ao Senhor

Mais um ano de vida completo hoje, Senhor.
E meus olhos voltam-se a Ti, enquanto meu coração agradece. 
Preciso de Tua benção, Senhor, para crescer, para acertar, para seguir em frente, com otimismo, coragem e perseverança. 
Obrigada, Senhor, porque eu existo. 
Obrigada pela fé que eu tenho e pela esperança que ilumina minha jornada. 
A vida é bela e digna de ser vivida.
Obrigada, Senhor!

Nada te perturbe

Nada te perturbe, nada te espante, tudo passa, Deus não muda, a paciência tudo alcança; quem a Deus tem nada lhe falta:só Deus basta.
Eleva o pensamento, ao céu sobe, por nada te angusties, nada te perturbe. A Jesus Cristo segue, com grande entrega, e, venha o que vier, nada te espante. Vês a glória do mundo? É glória vã; nada tem de estável,
tudo passa. Aspira às coisas celestes,  que sempre duram; fiel e rico em promessas, Deus não muda.
Ama-o como merece, bondade imensa;  mas não há amor fino sem a paciência. Confiança e fé viva mantenha a alma, que quem crê e espera tudo alcança.
Do inferno acossado muito embora se veja, burlará os seus furores quem a Deus tem. Advenham-lhe desamparos, cruzes, desgraças, sendo Deus o seu tesouro, nada lhe falta.
Ide, pois, bens do mundo, ide, ditas vãs; ainda que tudo perca, só Deus basta.


Santa Teresa de Ávila







Hoje é celebrada a Virgem das Lágrimas, que chora e intercede pelo mundo


Por Walter Sánchez Silva

Virgem das Lágrimas / Foto: Wikipedia (CC BY-SA 3.0)

REDAÇÃO CENTRAL, 31 Ago. 19 / 06:00 am (ACI).- Hoje é celebrada a Virgem das Lágrimas, uma devoção que surgiu em Siracusa (Itália), onde uma imagem do Imaculado Coração de Maria derramou lágrimas de "dor" e "esperança" pelo mundo, como destacou São João Paulo II.

O fato ocorreu em 1953, na casa do humilde do casal Angelo Lannuso e Antonina Lucia Giusti, que tinham a imagem mariana, de gesso, que ficava pendurada na parede sobre a cama do casal e que derramou lágrimas durante quatro dias, entre 29 de agosto e 1º de setembro.

A imagem foi um presente de casamento e, quando chorou, a primeira pessoa que viu foi Antonina, que estava grávida do seu primeiro filho.
O casal vidente do milagre das lágrimas. Foto: Santuário della Madonna delle lacrime

Segundo assinala Famiglia Cristiana, as autoridades eclesiásticas foram muito cautelosas com o que aconteceu. O pároco Giuseppe Bruno chegou à casa do casal acompanhado por vários especialistas, entre os quais o Dr. Michele Cassola, abertamente ateu.

No local, os especialistas, que mais tarde participariam da comissão investigativa, também testemunharam as lágrimas da Virgem. Depois disso, a imagem não derramou mais lágrimas.

O líquido recolhido foi submetido a diversas análises que foram comparadas com lágrimas de um adulto e uma criança de dois anos e sete meses.

Cassola, que liderava a comissão, não tinha explicação científica para o que os estudos revelaram: efetivamente, o líquido derramado pela imagem mariana era correspondente às lágrimas humanas. O relatório foi divulgado em 9 de setembro de 1953.

Três meses depois, em 12 de dezembro de 1953, dia em que a Igreja celebra Nossa Senhora de Guadalupe, os bispos da região de Sicília declararam por unanimidade que a imagem da Mãe de Deus chorou.

Em 17 de outubro de 1954, o Papa Pio XII se referiu a este evento prodigioso e, em uma mensgem de rádio ao congresso regional mariano de Sicília, disse: "Os homens compreenderão a linguagem misteriosas destas lágrimas? Oh, as lágrimas de Maria? No Gólgota foram lágrimas de dor por Jesus e tristeza pelo pecado do mundo. Ainda chora pelas novas chagas no Corpo Místico de Jesus?".

"Ou chora por tantos filhos nos quais o erro e a culpa extinguiram a vida da graça e ofendem gravemente a divina majestade? Ou são lágrimas de espera pela demora da volta dos outros filhos, que um dia foram fiéis e que agora são arrastados por falsas miragens entre as hostes dos inimigos de Deus? ".

O grande número de fiéis que iam venerar a imagem milagrosa fez com que construíssem um santuário em 1968, que depois foi renovado em 1994. A consagração foi realizada naquele ano por São João Paulo II, em 6 de novembro.

Durante a sua visita pastoral a Catania e a Siracusa, o Papa peregrino disse que as lágrimas da Virgem "testemunham a presença da Mãe Igreja no mundo".

"São lágrimas de dor por aqueles que rechaçam o amor de Deus, pelas famílias separadas ou que têm dificuldades, pela juventude ameaçada pela civilização de consumo e muitas vezes desorientada, pela violência que ainda provoca tanto derramamento de sangue, e por todas as incompreensões e pelos ódios que abrem abismos profundos entre os homens e os povos", acrescentou.

Em 5 de maio, 2016, o Papa Francisco presidiu a vigília de oração "para enxugar as lágrimas", por ocasião do Jubileu da Misericórdia, quando o relicário da Virgem das Lágrimas foi levado ao Vaticano.

Naquela ocasião, o Santo Padre ressaltou que “junto de cada cruz, está sempre a Mãe de Jesus. Com o seu manto, Ela enxuga as nossas lágrimas. Com a sua mão, faz-nos levantar e acompanha-nos pelo caminho da esperança”.

Dois anos depois, em 25 de maio de 2018, Francisco presidiu novamente uma liturgia na presença do relicário com as lágrimas da Virgem.

Na capela da Casa Santa Marta, onde reside, o Santo Padre afirmou: “Trouxeram de Siracusa a relíquia das lágrimas de Nossa Senhora. Hoje estão aqui, e rezemos a Nossa Senhora para que nos dê e também à humanidade necessitada o dom das lágrimas, que nós possamos chorar: pelos nossos pecados e por tantas calamidades que provocam sofrimento ao povo de Deus e aos filhos de Deus”.

O Santuário Mariano de Siracusa recebe cerca de um milhão de pessoas que peregrinam até o local todos os anos.

Fonte: ACI digital



Hoje é celebrado São Raimundo Nonato, padroeiro das grávidas e parturientes (31 de agosto)


Por Abel Camasca

REDAÇÃO CENTRAL, 31 Ago. 19 / 05:00 am (ACI).- Diz-se que São Raimundo nasceu em uma família nobre da Espanha por volta do ano 1200. Foi-lhe dado o apelido de “non natus” (não nascido), porque sua mãe morreu no parto, antes que ele viesse à luz. Por esse fato, é tradicionalmente considerado padroeiro das grávidas, parturientes (que vão dar à luz), parteiras e recém-nascidos.

Ingressou na ordem dos Mercedários, comunidade que São Pedro Nolasco acabara de fundar com a missão de resgatar os cristãos que os muçulmanos tomavam como prisioneiros. Depois de dois ou três anos de sua profissão perpétua, sucedeu o fundador no serviço de “resgatar os cativos”.

Foi enviado para o norte da África com uma grande soma de dinheiro e resgatou muitos escravos. Quando acabaram os recursos econômicos, São Raimundo Nonato se ofereceu como refém pela liberdade de alguns prisioneiros que estavam em uma situação difícil e prestes a perder a fé.

Este sacrifício do santo exasperou os infiéis e o trataram com extrema crueldade, mas não o mataram porque o magistrado principal procurava ganhar muito dinheiro com seu resgate.  São Raimundo aproveitou o “tratamento humano” que lhe ofereceram para poder sair à rua, confortar os cristãos e converter muçulmanos.

Ao inteirar-se disso, o governador o condenou morrer empalado, mas, pelos interesses econômicos, foi apenas flagelado. Isso não desanimou o santo, que continuou ajudando e evangelizando. Como castigo, foi açoitado nas esquinas da cidade, teve os lábios perfurados com ferro quente e colocaram um cadeado em sua boca, cuja chave somente o governador tinha.

Por cerca de oito meses, São Raimundo viveu nesta penosa situação até que São Pedro Nolasco pôde enviar alguns membros da ordem para resgatá-lo.

São Raimundo retornou à Espanha por obediência e mais tarde foi nomeado cardeal pelo Papa Gregório IX. O santo permaneceu simples e não mudou nem suas vestes, nem sua pobre “cela” do convento de Barcelona.

Posteriormente, o Papa lhe pediu que fosse a Roma e empreendeu a viagem como um religioso humilde. Ao chegar a Cardona, a cerca de dez quilômetros de Barcelona, foi surpreendido por uma febre violenta e partiu para a Casa do Pai em 31 de agosto de 1240.

Oração a São Raimundo Nonato por um parto feliz

Oh! Santo padroeiro, São Raimundo Nonato, modelo de caridade aos pobres e necessitados, aqui estou eu, deitada a vossos pés para, humildemente, implorar a sua ajuda nesta minha necessidade.

Como sua maior alegria foi ajudar aos pobres e necessitados da terra, ajude-me, peço-vos, ó glorioso São Raimundo, nesta minha aflição. A vós, oh glorioso protetor, vim para que abençoe a criança que carrego em meu ventre.

Proteja a mim e ao filho das minhas entranhas agora e na hora do nascimento que se aproxima. Em troca, prometo educar meu filho de acordo com as leis e mandamentos de Deus.

Escuta a minha oração, meu protetor amoroso, São Raimundo, e me faça a feliz mãe desta criança que, espero, possa dar à luz através da sua poderosa intercessão. Amém.


Fonte: ACI digital



Sete sacramentos, por quê?


Por Prof. Felipe Aquino
30 de agosto de 2019

Se cada sacramento dá (ou aumenta) a graça santificante à alma, por que Jesus instituiu sete? Não teria bastado instituir um só, que receberíamos conforme necessitássemos?

Assim seria se a graça santificante fosse a única espécie de graça de Deus tivesse querido dar-nos, e se a vida espiritual que a graça santificante institui fosse a única ajuda que Deus tivesse querido dar-nos. Mas Deus, de quem procede toda a paternidade, não determinou prover-nos de vida espiritual e depois deixar-nos entregues à nossa sorte. Os pais não dizem ao filho recém-nascido: “Nós demos a vida a você, mas não haverá alimento quando você tiver fome, nem remédios quando adoecer, nem o apoio de um braço quando se sentir fraco. Portanto, arranje-se e viva como puder”.

Deus dá-nos a vida espiritual, que é a graça santificante; e, depois, provê-nos de tudo aquilo de que necessitamos para que essa vida seja atuante em nós – sem nos privar da nossa liberdade -, para que cresça e se conserve. Em consequência, além da graça santificante, que é comum a todos os sacramentos, há outras ajudas especiais que Deus nos dá, ajudas adequadas às nossas necessidades particulares ou ao nosso estado de vida. A ajuda especial que, neste sentido, cada sacramento dá, chama-se a graça sacramental de cada um dos sete sacramentos.

Seria muito interessante fazer agora uma pausa e perguntar-nos: “Se Deus tivesse deixado ao meu critério a decisão sobre o número dos sacramentos que deveria haver quantos teria eu estabelecido?” Poderíamos ter decidido que fossem três, ou cinco, ou dez, ou qualquer outro número; mas, se estudássemos as nossas necessidades espirituais à luz das necessidades naturais, é muito provável que também chegássemos à mesma conclusão que Deus, acabando por decidir que os sacramentos teriam que ser sete.

Na ordem natural, a primeira coisa que acontece é nascermos. No nascimento, recebemos não só a vida, mas também o poder de renová-la, a faculdade de repor e reparar as células corporais, faculdade necessária para que a vida se mantenha. Parecer-nos-ia, pois, sumamente oportuno contar com um sacramento que nos desse não só a vida espiritual (a graça santificante), mas também o poder de conservar e renovar incessantemente essa vida. Assim, não surpreende que Deus nos tenha dado esse sacramento – o Batismo – pelo qual recebemos a graça santificante, bem como uma cadeia ininterrupta de graças que nos permitem conservar e aumentar essa graça com a prática das virtudes da fé, esperança e caridade.

Depois de nascer, há outra coisa importante que nos acontece na ordem física: crescermos, amadurecemos. Não será, pois, conveniente que exista um sacramento que nos confira a maturidade espiritual e nos livre dos temores e fraquezas da infância, tornando-nos fortes, intrépidos e apostólicos na confissão e nos exercícios da nossa fé? Em resposta a essa linha de raciocínio, temos o sacramento da Confirmação (ou Crisma), que não estabelece também um depósito de graças atuais (a graça sacramental), das quais podemos valer-nos para nos fazermos fortes, ativos e frutíferos exemplos de vida cristã.

Depois do nascimento e da maturidade, o terceiro grande fenômeno do nosso ser físico é a morte: nascemos, crescemos e morremos. A fim de nos prepararmos para enfrentar com confiança o terrível momento da nossa dissolução física, contamos com o sacramento da Unção dos Enfermos e a sua graça especial própria, que nos conforta no sofrimento e nos sustém perante as tentações finais que possam assaltar-nos, preparando-nos para entrar com gozo na eternidade.

Independentemente dos seus três grandes períodos, a vida precisa satisfazer duas grandes necessidades: a do alimento, para podermos crescer e conservar-nos saudáveis; e a dos remédios, que nos curam das enfermidades e nos vacinam contra as infecções. Correspondentemente, temos dois sacramentos que são para a alma o que o alimento e os remédios são para o corpo: o sacramento da Eucaristia, cuja graça sacramental especifica é o crescimento da caridade sobrenatural (o amor de Deus e do próximo); e o sacramento da Penitência, que nos vacina contra o pecado e cuja graça sacramental é curar as enfermidades espirituais do pecado e ajudar-nos a vencer as tentações.

Depois das três grandes etapas e das duas necessidades essenciais da vida, temos os dois grandes estados, que impõem grave responsabilidade pela alma dos outros: o sacerdócio e o matrimônio. Por isso, não nos causa surpresa descobrir que há dois sacramentos – a Ordem e o Matrimônio – que conferem a quem os recebe a sua própria graça sacramental para que os sacerdotes e esposos possam enfrentar fácil e meritoriamente perante Deus as cargas, por vezes pesadas, das suas obrigações de estado.

Como vemos, a “graça sacramental” de um sacramento não é algo que recebamos de uma vez. Trata-se antes de uma espécie de garantia moral da ajuda divina (algo semelhante ao que se passa se dispomos de um talão de cheques com uma conta bancária), para qualquer necessidade que se nos depare e consoante e quando se nos depara, para cumprirmos o fim específico desse sacramento particular. Dá-nos direito a uma corrente de graças atuais. Essa corrente de graças será longa ou curta, conforme se trate de um sacramento que possamos receber uma vez (ou raras vezes) ou com muita frequência.

Se você molha um dedo na água benta e faz o sinal da cruz, receberá uma graça, uma graça atual, se não levanta obstáculos; e também um incremento da graça santificante, se realiza a ação livre já do pecado mortal e com devoção. A água benta é um sacramental, e os sacramentais devem a sua eficácia principalmente às orações que a Igreja oferece (por exemplo, na cerimônia da bênção da água) por aqueles que os usam. A prece da Igreja é o que torna um sacramental veículo de graça. O sinal externo de um sacramental – a água, no casa da água benta -, por si e em si, não tem a faculdade de conferir graça.

No caso dos sacramentos, trata-se de algo muito diferente.

Um sacramento dá graça por si e em si, pelo seu próprio poder; e isso é assim porque Jesus uniu a sua graça ao sinal externo, de modo que, por assim dizer, o sinal sensível e a graça andam sempre juntos. Isto não quer dizer que a nossa disposição não faça diferença. Podemos, evidentemente, impedir por um ato positivo da vontade que a graça penetre na nossa alma; por exemplo, por não querermos expressamente recebe-la ou por não nos arrependermos sinceramente do pecado mortal. Mas, se não se põe uma barreira direta, ao recebermos um sacramento, recebemos graça. O próprio sacramento dá graça.

As nossas disposições interiores, no entanto, afetam a quantidade de graça que recebemos. Quanto mais perfeita for a nossa contrição no sacramento da Penitência; quanto mais ardente o nosso amor ao recebermos o sacramento da Eucaristia; quanto mais viva a nossa fé ao recebermos a Confirmação – tanto maior será a graça recebida. As nossas disposições não causam a graça; simplesmente, removem os obstáculos à sua recepção e, em certo sentido, aumentam a capacidade da nossa alma para recebê-la. Poderíamos ilustrar esta afirmação dizendo que, quanto mais areia tirarmos do balde, mais água poderá ele conter.

As disposições de quem administra o sacramento não influem no seu efeito. É uma grande desordem que um sacerdote administre um sacramento com a sua alma em pecado mortal; mas isso não diminui a graça que o sacramento confere. Quem receber esse sacramento obterá a mesma quantidade de graça, independentemente de que o sacerdote seja pecador ou santo. O essencial na administração de um sacramento é ter o poder de administrá-lo, ou seja, o poder sacramental (exceto no Batismo e no Matrimônio); ter intenção de administrá-lo (a intenção de fazer o que a Igreja faz); realizar as cerimônias essenciais a esse sacramento (como derramar a água e pronunciar a fórmula do Batismo). Se aquele que o recebe não põe obstáculos à graça e aquele que o administra é um sacerdote com faculdade para isso, o sacramento confere graça sempre e infalivelmente.

Além do efeito de distribuir graça (santificante e sacramental), temos que mencionar outro, que é peculiar a três sacramentos: o caráter que o Batismo, a Confirmação e a Ordem imprimem na alma. Ainda que, às vezes, ao ensinarmos o catecismo às crianças, digamos que, com estes sacramentos, Deus imprime uma “marca” na alma, bem sabemos que a alma é espírito e não pode ser marcada como se marca um papel com um carimbo de borracha. A marca própria dos sacramentos do Batismo, da Confirmação e da Ordem é definida pelos teólogos como uma “qualidade” que confere à alma umas faculdades que antes não tinha. É uma qualidade permanente da alma, uma alteração para sempre visível aos olhos de Deus, dos anjos e dos santos.

“Qualidade” é um termo bastante vago, algo mais fácil de entender do que de definir. Se dizermos: “a qualidade da luz solar é diferente da elétrica”, todos sabem a que nos referimos. Mas se nos perguntam: “Que quer você dizer com essa palavra?”, põem-nos em apuros. E só podemos balbuciar: “Bem, que não são iguais”.

Poderia ser-nos útil comparar os caracteres destes três sacramentos – que se recebem uma só vez na vida (porque, sendo o seu efeito permanente, só podem ser recebidos uma vez) – com os talentos. Consideremos alguém com talento para a pintura, alguém capaz de pintar belos quadros. Não passa todo o tempo a pintar, mas o seu talento está sempre com ele. Ainda continuaria a possuir esse talento. Claramente, essa pessoa possui algo que os outros não têm, uma qualidade que é real, permanente, e que lhe concede uma faculdade não possuída por quem dela não tiver sido dotado. O caráter do Batismo é, pois, um “talento” sobrenatural que nos dá a faculdade de absorver a graça dos outros seis sacramentos e de participar da Missa. O caráter da Confirmação dá-nos a faculdade de professar valentemente a nossa fé e difundi-la. O sacramento da Ordem dá ao sacerdote a faculdade de celebrar a Missa e de administrar os restantes sacramentos.

Retirado do livro: “A Fé Explicada”. Leo J. Trese. Ed. Quadrante.

Fonte: Cleofas



Vida de Oração: Para que o amor de Deus se manifeste em nós


Por Padre Reginaldo Manzotti

Filhos e filhas,

Estamos na semana em que celebramos Santa Mônica e Santo Agostinho, dois grandes exemplos de persistência e conversão. Persistência e lágrimas de uma mãe que por 30 anos rezou pela conversão de sua família, em particular seu filho, Agostinho.

O próprio Santo Agostinho, nos seus escritos, interrompe a narrativa de sua vida para falar das lágrimas de sua mãe: “Minha mãe, tua fiel serva, chorava-me diante de ti muito mais do que as outras mães costumam chorar sobre o cadáver dos filhos, pois via a morte de minha alma com a fé e o espírito que havia recebido de ti" (cf. Confissões, III, 11).

Muitas vezes, filhos e filhas, somos como Agostinho, demoramos a ouvir os apelos de Deus, e queira Deus, com intercessão de Nossa Senhora, que quando realmente nos encontrarmos com Ele, tenhamos uma conversão como a de Santo Agostinho.

Quando não ouvimos os apelos de Deus em nossa vida, formamos um escudo em nós mesmos e a flecha divina tem dificuldade de penetrar, porque quanto mais sedimentados aos apegos das paixões, ao mundanismo, à satisfação pela satisfação, menos sensibilidade temos para Deus. E por isso sofremos.

Quem dera se nós deixássemos nos encontrar com Deus! E, filhos e filhas, a cada momento Ele tenta nos encontrar. Mas nós, na maioria das vezes, nos esquivamos. Muitos perguntam, por que não progridem, não crescem, não se desenvolvem, não veem os frutos de sua santificação? Muitos estão ficando cada vez piores, velhos, enrugados e cada vez mais chatos, por quê? Pela postura assumida diante de Deus.

Devemos dizer: “Senhor, eu sou necessitado. Eu preciso de Ti, eu preciso de Tua graça. Sozinho eu não sou ninguém. Não se ausente da minha vida, não me deixe cair em tentação, Senhor! Não me deixe só, porque eu sou fraco; não me deixe, Senhor, cair em tentação. Fica ao meu lado, me amparando, porque eu reconheço que fui feito de pó, pelas Tuas mãos”.

Creio que muitos já tiveram o desprazer de conviver com uma pessoa que não acha necessário mudar, que está pronta, concluída e nada mais deve ser feito, se acha perfeita. Isso a torna horrível, pois ela acaba sendo um poço de arrogância, soberba e grosseria. Não há humildade, fragilidade e nem paciência com o erro do irmão. Essa pessoa fica muito distante de Deus. Mas como evitar isso?

Quem verdadeiramente ama, reza. Quem verdadeiramente reza, ama. Somos chamados a ser tocados pelo Senhor através de uma vida de oração, para que o amor d'Ele se manifeste em nós. Todos os dias somos chamados a estar na presença de Deus em oração. Mas para nos colocarmos diante d'Ele é preciso, primeiramente, silenciar o nosso interior, para então fazer uma oração.

É importante que em cada oração o coração esteja junto, aquilo que rezamos precisa ser nossa vida. Uma alma sem oração é como carro sem gasolina, ou seja, não funciona. O combustível mais seguro para que Deus nos mantenha no caminho do bem é a oração, a fé e o amor.

Ninguém experimenta o amor de Deus se não viver na Sua presença. Quem não leva a sério sua vida com Deus, se perde. Caso deixemos de experimentar o amor de Deus, e se em algum momento da vida nos cansarmos e nos dermos conta de nossa imperfeição, nos coloquemos diante d'Ele e recomecemos. Ele estenderá as mãos para que cheguemos mais perto de Seu amor, pois a Sua misericórdia é infinita.

Deus abençoe,

Padre Reginaldo Manzott
Nota: Boletim semanal recebido por e-mail.
Para receber o seu boletim, cadastre-se no site: 



O que é Vocação na Igreja? 4 orações vocacionais para ajudar em seu discernimento


O que é vocação?

No geral, é dom, aptidão, qualidade para realizar alguma coisa. Na Igreja, vocação é um chamado de DEUS para o serviço de seu reino. Deus é livre para chamar, e o jovem é livre para responder. Deus propõe, não impõe.

São sinais de vocação: ter fé em Deus, vida de oração, participação na Igreja, sensibilidade para com as necessidades da Igreja e do mundo.

Converse com pessoas mais experientes e entre em contato com seu pároco, para conversar sobre a vontade de servir à Igreja e consagrar sua vida a Deus, seja  como padre, religioso, missionário ou leigo comprometido com a comunidade local.

Vocação Religiosa

Jesus escolhe algumas pessoas no meio do povo para se colocarem inteiramente a serviço de sua missão. Essas pessoas doam suas vidas a serviço dos mais humildes. Por sua presença e testemunho, evangelizam e renovam as esperanças dos mais necessitados (doentes, presos, sem teto, crianças, entre outros). Essas pessoas são conhecidas também como imãs e irmãos consagrados. 

Vocação Sacerdotal

São pessoas escolhidas por Jesus Cristo para continuar sua missão através do anúncio da Palavra, da celebração dos Sacramentos, dedicando-se à comunidade cristã, colocando-se a serviço de todos.

4 orações vocacionais para ajudar em seu discernimento e 
também para pedirmos ao Senhor da Messe mais operários:

1ª Oração Vocacional

Senhor, Deus e Pai, que a vossa messe não se perca por falta de operários. 
Despertai nos corações dos jovens o desejo de vos seguir na vida religiosa, sacerdotal e matrimonial. 
Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, ensinai-nos a fazer a vontade do Pai. 
Espírito Santo de amor, fortalecei os que já abraçaram a vocação religiosa, sacerdotal e matrimonial. 
Maria, mãe da perseverança, ensinai-nos a ser perseverantes em nossa vocação. Amém!

2ª Oração Vocacional

Senhor, foi por amor que nos destes a vida.
Por isso, sentimos vosso convite ressoar em nosso coração chamando-nos pelo nome para sermos discípulos missionários vossos.

Fortes na fé, alegres na Esperança, queremos dizer SIM, enfrentando os desafios próprios de nosso tempo, manifestando a todos a alegria de partilhar vossa vida.

Dai-nos perseverança no anúncio da Copiosa Redenção, de modo especial às pessoas marcadas pelo abandono e pelo desânimo, por causa da violência, do tráfico e de tantas desventuras.

Que este ano vocacional redentorista desperte-nos para a vocação que cada um traz consigo!

Que sejamos pessoas realizadas para viver com intensidade o projeto redentor de Cristo, descobrindo nossa missão no mundo!

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, protegei nosso coração cheio de vida e de esperança. Dai-nos a graça de viver sempre junto de vosso Filho Jesus!

Santo Afonso, rogai por nós e por toda a juventude! Amém.

3ª Oração Vocacional

Jesus, mestre divino, que chamastes os Apóstolos a vos seguirem, continuai a passar pelas nossas famílias, pelas nossas escolas e continuai a repetir o convite a muitos de nossos jovens. Dai coragem às pessoas convidadas. Dai força para que vos sejam fiéis como apóstolos leigos, como diáconos, padres e bispos, como religiosos e religiosas, como missionários e missionárias, para o bem do povo de Deus e de toda a humanidade. Amém. (Papa Paulo VI)

4ª Oração Vocacional Redentorista

Senhor, vós suscitastes Afonso Maria de Ligório para continuar a obra de Cristo Redentor e para levar a Boa Nova aos mais pobres e abandonados. Nós vos pedimos que o chamado que ressoou outrora no coração de Afonso, Geraldo, Clemente e de tantos outros, faça despertar uma nova geração de missionários com disponibilidade e zelo pastoral.
Senhor, abençoai os lares e as famílias que acolhem a vossa Palavra. Fazei que pais e filhos vivam em harmonia e, pela vossa graça, sejam fortes na fé, alegres na esperança e fervorosos no amor. Redentor nosso, sustentai a generosidade dos que já foram chamados e despertai em nós o desejo e a coragem para continuarmos a viver e crescer em comunidade.
Que o teu Espírito estimule nossa audácia, a fim de abrirmos novos caminhos de esperança. Que a Virgem Maria, nossa Mãe Aparecida, interceda ao Pai por todos nós e nos conceda a graça da perseverança em nossa vocação e missão, como verdadeiros apóstolos do Evangelho. Amém.

--------------------
Quem são os Redentoristas?

A Congregação do Santíssimo Redentor foi fundada em 9 de novembro de 1732 por Santo Afonso Maria de Ligório. A intenção era evangelizar os pobres e abandonados do interior do reino de Nápoles, na Itália. O redentorista, atento às urgências pastorais do presente, deve colocar-se a serviço da evangelização dos mais pobres e marginalizados, dedicando-se inteiramente a Deus e à obra missionária.

Os redentoristas têm carinho especial por Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Em 1866, o Papa Pio IX confiou o Ícone (quadro) aos missionários redentoristas, com a incumbência de torná-lo conhecido no mundo todo e de propagar a espiritualidade e a devoção ao Perpétuo Socorro.

Santo Afonso Maria de Ligório
Fundador da Congregação do Santíssimo Redentor

Afonso deixou sua riqueza, abandonando suas possíveis glórias terrenas e colocou sua inteligência, vontade, coragem e generosidade a serviço dos mais abandonados e pobres. Abandonou a carreira de advogado por não concordar com a corrupção. Foi ordenado padre aos 30 anos e fundou a Congregação Do Santíssimo Redentor em 1732, com a finalidade de continuar o exemplo de Jesus Cristo Salvador, pregando aos pobres a palavra de Deus.

São Geraldo Majela
Irmão Missionário Redentorista

Geraldo conheceu os Missionários Redentoristas numa missão em sua cidade natal (Muro Lucano), ao sul da Itália. Em 1749, foi aceito na Congregação do Santíssimo Redentor para iniciar o processo de formação para se tornar irmão missionário redentorista. em 1752, fez sua consagração religiosa na Congregação e tornou-se irmão missionário. em seu trabalho como irmão, distinguia-se sempre pelo grande amor a sua comunidade e pelo serviço junto ao povo. Geraldo foi uma dádiva que a Congregação Redentorista recebeu em seus inícios.



Para Saber Mais:



sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Programação da Festa de Nossa Senhora do Monte Serrat 2019 (Santos-SP)


Festa de Nossa Senhora do Monte Serrat 2019


de 25 de agosto a 8 de setembro



Oração a Nossa Senhora do Monte Serrat


Querida mãe, Nossa Senhora do Monte!
Assim como Jesus subia ao monte para rezar, subimos também convosco para o encontro com Deus, que se manifesta no monte da oração para aqueles que o buscam de coração sincero, dispostos a acolher sua vontade e seu projeto de amor.

Mãe querida, no Monte Sinai, Deus se manifestou a Moisés numa pequena árvore que parecia em chamas, como o único Deus, um Deus misericordioso; Moisés disse sim a Deus que o enviou para realizar a missão de libertar o povo da escravidão do Egito. Após a libertação do Egito, Deus estabeleceu a Aliança com seu povo, dando a Moisés as tábuas da lei no Monte Sinai, os mandamentos, e enviou o povo para realizar a missão de preparar a vinda do Messias, o Salvador. E o povo disse sim a Deus, confessando que Ele é o único Senhor.

No mesmo monte, o Senhor se revelou a Elias numa brisa leve, e o fortaleceu, após a luta no Monte Carmelo contra os falsos profetas, demonstrando a vitória de Deus sobre tudo o que se opõe a Ele; Elias ouviu a voz de Deus e retomou o caminho para continuar sua missão de profeta. Numa montanha, Jesus anunciou as Bem-aventuranças, que indicam o novo caminho para realizar a vontade de Deus, e participar de seu Reino; foi aí também que deu a seus discípulos a missão de serem sal da terra e luz do mundo.

No Monte Tabor, Jesus proporcionou aos seus discípulos a revelação de sua identidade de Filho de Deus muito amado, e a visão de sua glória; os discípulos ficaram encantados com esta experiência, e desceram para continuar a missão com Jesus. No Monte das Oliveiras, Jesus dá ao Pai o seu sim definitivo, entregando sua vida pela salvação da humanidade:  "Pai, se quiseres, afasta de mim este cálice; contudo, não seja feita a minha vontade, mas a tua!" No Monte Calvário, nos sofrimentos e dores da cruz, Jesus diz suas últimas palavras demonstrando ter realizado a missão que lhe foi confiada: "Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito".

Querida Mãe, ajudai-nos também a subir o Monte que é Deus, e realizar a missão que Ele nos confia, dizendo um sim generoso ao seu chamado, como vós dissestes corajosamente o sim à missão que o Senhor lhe confiou de ser a Mãe do Salvador e nossa Mãe.

Nossa Senhora do Monte Serrat, rogai a Jesus por nós!

Dom Tarcísio Scaramussa, SDB
Bispo Diocesano de Santos

-------------------------------------------

Programação do dia 30 de agosto a 8 de setembro

30 de agosto - Sexta-feira

1º Dia da Novena. Tema: Maria, a escolhida de Deus
9 horas - Santa Missa - Pe Joseph Thomas Puzhakkara
12 horas - Reza do Santo Rosário - Pastoral do menor
14 horas - Celebração - Cactus e Pastoral da Sobriedade
15h30 - Novena, bênção da água e matérias religiosos
17 horas - Santa Missa - Pe João Chungath - Encontro Matrimonial Mundial
19 horas - Missa e Novena. Gesto concreto: Arroz.
Paróquias: São Tiago Apóstolo, N. Sra. Aparecida, S. Benedito e S. Jorge Mártir


31 de agosto - Sábado

2º Dia da Novena. Tema: Maria, na escuta de Deus
9 horas - Santa Missa - Pe. Renan Fonseca e Censi e Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão
12 horas - Momento Mariano - Legião de Maria
14 horas - Celebração - Pastoral da Educação
15h30 - Novena, bênção da água e matérias religiosos
17 horas - Santa Missa - Frei Lino de Oliveira, OC, Pe. Luís Alfonso Betancourt Cerqueira e Equipes de Nossa Senhora Setores A e B
19 horas - Missa e Novena. Gesto concreto: Feijão.
Paróquias: São Paulo Apóstolo e Caminho Neocatecumenal

1º de setembro - Domingo

3º Dia da Novena. Tema: Maria acolhe
9 horas - Santa Missa - Pe. Antonio Baldan Casal, Pastoral Vocacional e Coroinhas da Diocese
12 horas - Reza do Rosário - Jovens Sarados (Missões Santos e São Vicente)
14 horas - Celebração - Movimento da Mãe Rainha de Schoenstatt
15h30 - Novena, bênção da água e matérias religiosos
16 horas - Santa Missa, no Santuário N. Sra. do Monte Serrat Pe. Claudenil Moraes da Silva
17 horas - Santa Missa na Forma Extraordinária do Rito Romano (Tridentina) - 
Pe. Ricardo de Barros Marques
19 horas - Missa e Novena. Gesto concreto: Farinha de trigo e Leite condensado.
Paróquias: N. Sra. da Assunção e Santuário S. Antônio do Valongo

2 de setembro - Segunda-feira

4º Dia da Novena. Tema: Maria, humilde serva do Senhor
9 horas - Santa Missa - Pe. Francisco José Greco
12 horas - Momento Mariano - Irmãs Franciscanas Terceárias da Catedral
14 horas - Celebração - Comunidade Pantocrator
15h30 - Novena, bênção da água e matérias religiosos
17 horas - Santa Missa - Pe. Elmiran Ferreira Santos 
19 horas - Missa e Novena. Gesto concreto: Leite.
Paróquias: Senhor dos Passos, S. Antônio do Embaré, N. Sra. dos Navegantes e Igreja S. Edwiges

3 de setembro - Terça-feira

5º Dia da Novena. Tema: Maria é fiel ao projeto de Deus
9 horas - Santa Missa - Pe. Claudio Scherer da Silva, CMF e Universidade Católica de Santos
12 horas - Grupo de Oração S. Josefina Bakhita
14 horas - Celebração - Liceu Santista
15h30 - Novena, bênção da água e matérias religiosos
17 horas - Santa Missa - Pe. Wilson José da Silva 
19 horas - Missa e Novena. Gesto concreto: Óleo de cozinha e bolachas.
Paróquias: Sagrada Família, S. Margarida Maria e São João Batista

4 de setembro - Quarta-feira

6º Dia da Novena. Tema: Maria, mãe e modelo das famílias
9 horas - Santa Missa - Pe. Davy Pavunny Thattil
12 horas - Momento Mariano - Irmãs Franciscanas Terceárias da Catedral
14 horas - Celebração Colégio Stella Maris
15h30 - Novena, bênção da água e matérias religiosos
17 horas - Santa Missa - Pe. Claudenil Moraes da Silva
19 horas - Missa e Novena. Gesto concreto: Material de limpeza.
Paróquias: São José Operário e Sagrado Coração de Jesus

5 de setembro - Quinta-feira

7º Dia da Novena. Tema: Maria, auxílio de todos os cristãos
9 horas - Santa Missa - Pe. Fernando Gross

12 horas - Reza do Rosário - Apostolado da Oração

14 horas - Celebração - Colégio São José e Colégio Coração de Maria
15h30 - Novena, bênção da água e matérias religiosos
17 horas - Santa Missa - Pe. Claudenil Moraes da Silva
19 horas - Missa e Novena. Gesto concreto: Refrigerantes em lata.
Paróquias: Jesus Crucificado, Imaculado Coração de Maria e São Judas Tadeu

6 de setembro - Sexta-feira

8º Dia da Novena. Tema: Maria, missionária de Jesus Cristo
9 horas - Santa Missa - Pe. Élcio de Assis Machado
12 horas - Reza do Rosário - Toca de Assis
14 horas - Celebração - Voluntárias da Santa Casa de Santos e da Beneficência Portuguesa
15h30 - Novena, bênção da água e matérias religiosos
17 horas - Santa Missa - Pe. Isac Carneiro da Silva e Pastoral Carcerária
19 horas - Missa e Novena. Gesto concreto: Refrigerantes em lata.
Paróquias: N. Sra. do Rosário de Pompéia e N. Sra. do Carmo

7 de setembro - Sábado

9º Dia da Novena. Tema: Maria, Mãe dos vocacionados
9 horas - Santa Missa - Frei Lino de oliveira, OC e Legião de Maria
12 horas - Reza do Rosário - Irmandades da Catedral
14 horas - Momento Mariano - Músicos Católicos da Baixada Santista
15h30 - Novena, bênção da água e matérias religiosos
17 horas - Santa Missa - Pe. Rogério Tanan Diniz, MIC. e Renovação Carismática Católica
19 horas - Missa e Novena. Gesto concreto: Materiais de higiene pessoal. Seminário Diocesano São José.

No Santuário do Monte Serrat
10 horas - Santa Missa - Pe Jair Cardoso da Silva
16 horas - Santa Missa - Pe. Claudenil Moraes da Silva

8 de setembro - Domingo (Festa da Padroeira)

Na Catedral:
7 horas - Santa Missa - Pe. José Geraldo Pérez Cárdenas, CM
9h30 - Missa Campal, em frente à Catedral, presidida por Dom Tarcísio Scaramussa, Bispo Diocesano - Em seguida acontecerá a procissão, conduzindo a  imagem de Nossa Senhora até o Paço Municipal de Santos, onde havrá Renovação da Consagração da Cidade a Nossa Senhora do Monte Serrat, retornando para o Santuário.

No Santuário do Monte Serrat:
9 horas - Santa Missa - Pe. Luís Alfonso Betancourt Cerquera
11 horas - Santa Missa - Pe. Luciano Barbosa
16 horas - Missa Campal - Dom Tarcísio Scaramussa
19 horas - Missa Campal de Encerramento - Pe. Claudenil Moraes da Silva

Abaixo, o folder com a programação para imprimir:



Fonte: Diocese de Santos



Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog