2019 - Devoção e Fé - Blog Católico

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

O que um católico deve fazer com as correntes de oração do WhatsApp?


Imagem referencial / Crédito: Pexels

REDAÇÃO CENTRAL, 15 Nov. 19 / 06:00 am (ACI).- Há alguns anos, tornou-se comum receber através do WhatsApp algumas “correntes de oração” para que sejam enviadas a todos os contatos em um período de tempo e, assim, receber uma bênção de Deus e evitar “um castigo”.

O que um católico deve fazer quando recebe uma dessas mensagens?

O sacerdote mexicano Sergio Román respondeu a esta inquietude em um artigo publicado no meio católico 'Desde la Fe'.

O que fazer?

“Em primeiro lugar, o que devemos fazer é recordar que Deus não colocou condições na hora de convidar seus discípulos para rezar, por isso, o recomendável é apagar o texto, embora quem nos enviou seja nosso melhor amigo. E não acontece nada? Absolutamente nada! Não se preocupem”, assegurou.

O presbítero disse que se pode “aproveitar esse tipo de correntes como uma recordação para rezar pelas muitas necessidades do mundo”, mas não se pode “deixar de assinalar que intrinsecamente são ruins e não devem ser feitas nem seguidas, porque apresentam uma imagem errada e supersticiosa de Deus”.

Em terceiro lugar, recomendou ter uma legítima devoção a Jesus, a Virgem e aos santos, porque, “dessa maneira, estariam fazendo uma propaganda boa que serviria para instruir outras pessoas e para incentivá-las a compartilhar sua devoção”.

Razões pelas quais as correntes não são recomendáveis:

1. Causam desconforto

Embora essas correntes sejam feitar por “pessoas de boa fé que pensam que desse modo ajudarão a fomentar a devoção a algum santo”, Pe. Román assegura que “a única coisa que fazem é causar desconforto aos seus contatos sobretudo àqueles que, por falta de conhecimento, se deixam escravizar pelas correntes”.

2. Fomentam superstições

Fomentam a superstição ao fazer acreditar que as graças divinas dependem da repetição sem sentido de uma ação que não tem nenhuma importância, indica o presbítero.

3. Assemelha-se à magia ou bruxaria

“As correntes fazem fronteira com magia ou bruxaria, o que atribui às coisas o poder que só Deus tem e que considera que existem fórmulas infalíveis para forçar Deus a fazer os nossos caprichos”, concluiu Pe. Román.

Fonte: ACI digital



Papa pede medidas para evitar abusos de menores na internet


Papa durante a audiência. Foto: captura do YouTube

Vaticano, 14 Nov. 19 / 05:00 pm (ACI).- O Papa Francisco pediu às empresas de tecnologia um maior compromisso na luta e prevenção dos crimes de abusos sexuais e exploração de menores e difusão de pornografia por meio do uso de novas tecnologias digitais e da Internet.

O Santo Padre fez esse pedido durante a audiência que concedeu nesta quinta-feira, 14 de novembro, no Palácio Apostólico do Vaticano, aos participantes do congresso "Promoção digital da Dignidade da Infância: do conceito à ação".

Em seu discurso, o Pontífice lembrou que as empresas de tecnologia não devem se limitar a desenvolver novas tecnologias e não se responsabilizar pelo uso indevido que lhes pode ser dado. Por isso, pediu que façam parte da solução e que participem na busca de estratégias para proteger os menores nos ambientes digitais.

O Papa explicou que “nas últimas décadas, a Igreja Católica, devido às dramáticas experiências vividas em seu corpo, desenvolveu uma consciência viva da gravidade dos abusos sexuais de menores e de suas consequências, do sofrimento que causam, da urgência de curar as feridas, de combater estes crimes com máxima decisão e desenvolver uma prevenção eficaz”.

Ressaltou que não há dúvida de que o desenvolvimento vertiginoso das tecnologias da informação e comunicação no campo digital "oferece novas oportunidades para os menores, para sua educação e formação pessoal".

No entanto, explicou que "o desafio diante de nós é favorecer o acesso seguro de menores a essas tecnologias".

Infelizmente, "o uso da tecnologia digital para organizar, comissionar e participar de abusos de menores à distância, também além das fronteiras nacionais, está crescendo rapidamente".

"A difusão de imagens de abuso ou de exploração de menores está aumentando rapidamente, e se referem a formas cada vez mais graves e violentas de abusos de menores cada vez mais jovens".

Da mesma forma, “a difusão da pornografia no mundo digital cresce vertiginosamente. Trata-se de um fato muito grave, resultado de uma perda geral do sentido da dignidade humana e vinculado com frequência ao mundo do tráfico de pessoas”.

"O fenômeno é ainda mais dramático devido ao fato de que esse material também é amplamente acessível aos menores através da internet e, acima de tudo, através de dispositivos móveis".

O Papa alertou sobre “as duras consequências sobre a psique e o comportamento dos menores. São consequências que durarão para toda a vida com fenômenos de grave dependência, propensão a comportamentos violentos e relacionamentos emocionais e sexuais profundamente perturbados”.

De fato, “não basta compreender, é preciso agir. A condenação moral dos danos provocados ​​aos menores pelo uso indevido de novas tecnologias digitais deve ser traduzida em iniciativas concretas e urgentes”.

Portanto, "é necessário encontrar um equilíbrio adequado entre o exercício legítimo da liberdade de expressão e o interesse social de garantir que os meios digitais não sejam utilizados para cometer atividades criminosas que prejudiquem os menores".

Para ajudar a empreender as medidas apropriadas para evitar abusos, o Papa Francisco pediu que se foque em dois pontos concretos.

Em primeiro lugar, "as autoridades devem ser capazes de agir com eficácia usando instrumentos legislativos e operacionais apropriados, no pleno respeito ao Estado de Direito e do justo processo, para combater as atividades criminosas que prejudicam a vida e a dignidade dos menores".

Em segundo lugar, explicou que as empresas de tecnologia "não podem ser consideradas alheias à utilização dos instrumentos que colocam nas mãos de seus clientes". "Sem o pleno envolvimento da sociedade do setor, sem uma plena consciência das repercussões morais e sociais de sua gestão e de seu funcionamento, não será possível garantir a segurança dos menores no contexto digital".

“Como já acontece com o crescimento da sensibilidade social no campo ambiental ou do respeito à dignidade do trabalho, a atenção à proteção eficaz dos menores e o combate à pornografia deve estar cada vez mais presente nas finanças e na economia do mundo digital. O crescimento seguro e saudável da juventude é um desafio nobre pelo qual vale a pena trabalhar e vale muito mais que o mero benefício econômico obtido com o risco de causar danos aos jovens”.

O Papa Francisco encerrou seu discurso defendendo que "a criatividade e a inteligência do homem são maravilhosas, mas devem ser orientadas na direção positiva do bem integral da pessoa ao longo de sua vida desde a infância".

Fonte: ACI digital



Papa Francisco pede que acabem os ataques contra judeus


Papa Francisco durante a Audiência Geral. Crédito: Daniel Ibáñez / ACI Prensa

Vaticano, 14 Nov. 19 / 08:52 am (ACI).- O Papa Francisco denunciou os ataques contra cidadãos e fiéis judeus e pediu o fim do antissemitismo.

Durante a Audiência Geral de 13 de novembro, o Pontífice lembrou que “o povo judeu sofreu muito ao longo da história. Foi expulso, perseguido... E, no século passado, vimos muitas, muitas brutalidades que fizeram ao povo judeu e todos tínhamos pensado que isso havia acabado”, disse em referência ao genocídio sofrido pelos judeus durante a Segunda Guerra Mundial. .

“Mas hoje, o hábito de perseguir os judeus começa a renascer aqui e ali. Irmãos e irmãs, isso não é humano nem cristão. Os judeus são nossos irmãos! E não podem ser perseguidos. Entendido?”, acrescentou, na Praça de São Pedro.

Não é a primeira vez que o Papa Francisco clama contra o antissemitismo. Durante sua viagem a Israel e à Palestina, em maio de 2014, pronunciou um discurso em Tel Aviv, no qual definiu o Holocausto, também conhecido como Shoah, cometido na Alemanha nazista como uma “tragédia que permanece símbolo dos extremos aonde pode chegar a malvadez do homem, quando, atiçado por falsas ideologias, esquece a dignidade fundamental de cada pessoa, a qual merece respeito absoluto seja qual for o povo a que pertença e a religião que professe”.

"Peço a Deus que jamais se repita semelhante crime", disse naquela ocasião. Na mesma viagem, durante sua visita ao Memorial Yad Vashem, onde se lembra das vítimas do genocídio judeu cometido pelos nazistas, voltou a exclamar: "Nunca mais, Senhor, nunca mais!".

Além disso, durante sua visita à sinagoga em Roma em janeiro de 2016, Francisco também lembrou os seis milhões de judeus que morreram no Holocausto. Em seu discurso, destacou o Concílio Vaticano II, especificamente a Declaração Nostra Aetate, promulgada por São Paulo VI, na qual estabeleceram-se as bases da "redescoberta das raízes do cristianismo" e rejeita-se "todas as formas de antissemitismo".

O Papa também rezou em julho de 2016, durante sua viagem apostólica à Polônia, no contexto da Jornada Mundial da Juventude em Cracóvia, no campo de concentração nazista em Auschwitz, onde mais de um milhão de pessoas morreram durante a II Guerra Mundial, muitos deles judeus. Lá, nas memórias do Museu de Auschwitz, escreveu a seguinte mensagem: “Senhor, tenha piedade de teu povo! Senhor, perdão por tanta crueldade!”.

Em janeiro de 2017, postou uma mensagem em sua conta da rede social do Twitter, por ocasião do Dia da Memória do Holocausto, para lembrar as vítimas e pedir "que seus sofrimentos e lágrimas nunca sejam esquecidos".

Mais recentemente, em 10 de junho de 2018, enviou por meio do Secretário de Estado, Cardeal Pietro Parolin, uma carta ao Caminho Neocatecumenal para agradecer a homenagem às vítimas do Holocausto com a interpretação na Alemanha da sinfonia “O sofrimento dos inocentes”, Composta por Kiko Argüello.

Em sua mensagem, o Santo Padre disse que "a memória da violência atroz da Shoah nunca deve cessar, da dor indescritível e do extermínio de um povo".

Fonte: ACI digital



Hoje é celebrado Santo Alberto Magno, o “grande doutor” por um acordo com a Virgem (15 de novembro)


REDAÇÃO CENTRAL, 15 Nov. 19 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 15 de novembro, celebra-se Santo Alberto Magno, Doutor da Igreja e padroeiro dos estudantes de ciências naturais. Era considerado um grande especialista, mas a sua memória prodigiosa e seu notável espírito científico se devem a um acordo com a Virgem Maria.

Santo Alberto nasceu em Lauingen (Alemanha), por volta de 1206. Aos 16 anos, começou a estudar na Universidade de Pádua (Itália), onde conheceu o Beato Jordão da Saxônia, da Ordem de São Domingos, que o acompanhou em seu processo para ingressar nos dominicanos. Mais tarde, ocupou altos cargos como professor na Alemanha.

Em Paris, centro intelectual da Europa Ocidental naquela época, obteve o grau de professor e, diz-se que eram tantos os estudantes que frequentam suas aulas, que teve que ensinar em praça pública. Este lugar leva o seu nome, é a Praça “Maubert”, que vem de “Magnus Albert”.

Foi eleito superior provincial da Alemanha e, posteriormente, nomeado reitor de uma nova universidade em Colônia, onde teve como discípulo outro grande nome da Igreja, Santo Tomás de Aquino.

Foi uma grande autoridade em filosofia, física, geografia, astronomia, mineralogia, alquimia (química), biologia etc., assim como no que diz respeito à Bíblia e à Teologia. É o iniciador do sistema escolástico. No entanto, mantinha-se humilde e nunca deixou a oração e os sacramentos.

Em Roma, chegou a ser teólogo e canonista pessoal do Papa. Depois, foi ordenado Bispo de Regensburg, serviço ao qual renunciou tempos depois para se dedicar a formar e ensinar. Em 1274, participou ativamente no II Concílio de Lyon.

Até então, não cabia dúvida de que se tratava de um intelectual fora do comum. Porém, em 1278, enquanto dava aulas, subitamente sua memória falhou e perdeu a agudeza do entendimento. Então, compreendeu que seu fim estava chegando.

Santo Alberto contou que, quando era jovem, os estudos eram difíceis para ele e, certa noite, tentou fugir do colégio onde estudava. Quando chegou ao topo de uma escada encostada na parede, encontrou a Virgem Maria.

“Alberto, por que em vez de fugir do colégio não reza para mim, que sou ‘Casa da Sabedoria’? Se tem fé em mim e confiança, eu te darei uma memória prodigiosa”, disse-lhe a Mãe de Deus.

“E para que saiba que fui eu que te concedi, quando for morrer, esquecerá tudo o que sabia”, acrescentou a Virgem. Isto se cumpriu. Dois anos mais tarde, o santo partiu para o Céu muito pacificamente, sem doenças e enquanto conversava com seus irmãos em Colônia.

“Santo Alberto Magno – disse o Papa Bento XVI em 2010 – recorda-nos que entre ciência e fé existe amizade, e que os homens de ciência podem percorrer, através da sua vocação para o estudo da natureza, um autêntico e fascinante percurso de santidade”.

Fonte: ACI digital



quinta-feira, 14 de novembro de 2019

O que é ser católico?


Cathopic

Padre Joãozinho, SCJ | Nov 13, 2019

O Padre Joãozinho recebeu essa pergunta de um jovem em crise de fé. Mas e se a pergunta tivesse sido direcionada a você?

Um jovem me fez essa pergunta. Disse que há algum tempo está em crise de fé e tem buscado a solução em igrejas evangélicas. Em uma delas, ao se confessar católico, ouviu dizer que a palavra “católico” nem sequer está na Bíblia. Pedi que ele abrisse a sua Bíblia no Evangelho de Mateus, capítulo 28, versículos 18b-20.

“É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém”.

Você percebeu que fiz questão de colocar em negrito uma palavrinha que aparece de modo insistente no texto: “todo”. Jesus tem todo o poder; devemos anunciá-Lo a todos os povos, guardar todo o ensinamento d’Ele, na certeza de que estará todos os dias conosco. Essa ordem de Cristo foi levada muito a sério pelos discípulos. Em grego, a expressão “todo” pode ser traduzida por “Kat-holon”. Daí vem a palavra “católico” (em grego seria: Καθολικός). Ao longo do primeiro e segundo séculos, os seguidores de Jesus Cristo começaram a serem reconhecidos como “cristãos” e “católicos”. As duas palavras eram utilizadas indistintamente.

Ser católico já significava “ser plenamente cristão”. O catolicismo, portanto, é o cristianismo na sua “totalidade”

A riqueza de ser católico

O catolicismo é a forma mais completa de obedecer ao mandato do Mestre antes de sua volta para o Pai. O mesmo mandato pode ser lido no Evangelho de Marcos 16,15: “Ide e pregai o Evangelho a toda criatura”. Há, portanto, uma catolicidade vertical, que é ter o Cristo todo, ou seja, ser discípulo; e uma catolicidade horizontal, que é levar o Cristo a todos, ou seja, ser missionário. Isso é ser católico: totalmente discípulo, totalmente missionário, totalmente cristão!

Ao que tudo indica, o termo “católico”, tornou-se mais popular a partir de Santo Inácio de Antioquia (discípulo de São João) no ano 110 d.C. Pode significar tanto a “universalidade” da Igreja como a sua “autenticidade”. Quase na mesma época, São Policarpo utilizava o termo “católico” também nesses dois sentidos. São Cirilo de Jerusalém (315-386), bispo e doutor da Igreja, dizia: “A Igreja é católica porque está espalhada por todo o mundo; ensina em plenitude toda a doutrina que a humanidade deve conhecer; conduz toda a humanidade à obediência religiosa; é a cura universal para o pecado e possui todas as virtudes” (Catechesis 18:23).

Veja que, já estão bem claros os dois sentidos de “católico” como “universal e ortodoxo”. Durante mil anos, os dois significados estiveram unidos. Mas, por volta do ano 1000, aconteceu um grande cisma que dividiu a Igreja em “Ocidental e Oriental”. A Igreja do Ocidente continuou a ser denominada “católica” e a Igreja do Oriente adotou o adjetivo de “ortodoxa”. A raiz das duas palavras remetem ao significado original de Igreja: “autêntica”.

A Igreja católica reconhece que cristãos de outras igrejas podem ter o batismo válido e possuir sementes da verdade em sua fé. Porém, sabe que apenas ela conserva e ensina, sem corrupção, TODA a doutrina apostólica e possui TODOS os meios de salvação.

Devemos viver e promover a sensibilidade ecumênica favorecendo a fraternidade com os irmãos que pensam ou vivem a fé cristã de um modo diferente. Mas isso não significa abrir mão de nossa catolicidade. Quando celebramos a Eucaristia, seguimos à risca a ordem do Mestre, que disse: “Fazei isso em memória de mim!”. A falta da Eucaristia deixa uma grande lacuna em algumas Igrejas. Um pastor evangélico, certa vez, disse-me que gostaria de rezar a Ave-Maria, mas, por ser evangélico, não conseguia. Perguntei o porquê? Ele disse que se sentia incomodado toda vez que lia o Magnificat, em que a Santíssima Virgem proclama: “Todas as gerações me chamarão de bendita” (Lc 1,48). E se questionava sobre o porquê de sua geração tão evangélica não fazer parte dessa geração que proclama Bem-aventurada a Mãe do Salvador!

Realmente, ser católico é ser totalmente cristão!

Por Padre Joãozinho, SCJ, via Canção Nova

Fonte: Aleteia



Emblemática Basílica de São Marcos é inundada em Veneza


Por Walter Sánchez Silva

Basílica de São Marcos inundada. Crédito: EWTN Notícias

Veneza, 13 Nov. 19 / 04:00 pm (ACI).- A famosa cidade italiana de Veneza sofreu a inundação mais grave desde 1966, com um nível de água que chegou a 1,87 metros de altura e deixou pelo menos um falecido e afetou várias igrejas, como a emblemática Basílica de São Marcos.

A mídia internacional relata que as escolas fecharam, muitas casas e alguns hotéis foram afetados. Trata-se de uma "devastação apocalíptica", disse o presidente da região de Veneto, Luca Zaia.

Segundo informa Associated Press (AP), o prefeito de Veneza, Luigi Brugnaro, acredita que a inundação se deve às mudanças climáticas. Em sua conta no Twitter, escreveu que ocorreram "enormes danos com a água do mar, isso não é água doce". “Veneza está de joelhos. A Basílica de São Marcos sofreu graves danos, assim como toda a cidade e as ilhas”, indicou depois em uma declaração.

Em uma coletiva de imprensa, o prefeito disse que está muito abalado porque viu as pessoas chorarem "porque perderam tudo". Chegou o momento de dar "uma resposta histórica" ​​para recuperar uma das cidades mais importantes da Itália.

O governo italiano informou que a situação de Veneza será discutida em um próximo conselho de ministros para rever "as intervenções necessárias e urgentes para proteger a cidade e os habitantes". O presidente Giuseppe Conte e alguns devem chegar hoje à cidade para avaliar os danos.

A Basílica de São Marcos não é o único templo católico afetado. Segundo o Patriarcado de Veneza, "a situação também é muito complicada para Sant'Alvise, São Girolamo, Santa Sofia, São Marcuola (Cannaregio), São Giacomo dall'Orio e São Simeón Grande.

As igrejas que estão completamente debaixo d’água são São Moisè, São Cassiano, a igreja dos Carmini, de São Polo e de São Donato di Murano. Em outras igrejas como S. Maria Mater Domini também não se pôde entrar.

O Seminário Patriarcal e a Basílica da Saúde também foram afetados.

“Muita amargura pelo que aconteceu. Mas meu primeiro pensamento é para os venezianos, com muita proximidade, pois mais de 80% da cidade está debaixo d'água e há um grande desastre”, disse sobre a enchente o Patriarca de Veneza, Dom Francesco Moraglia, enquanto percorria preocupado a Basílica de São Marcos, já que a cripta ficou cheia de água.

“Eu já pedi à Cáritas para que se ative de todas as formas possíveis para que coloquem os fundos de emergência para a caridade à disposição, especialmente para as pessoas mais frágeis. Penso nos que dormem nas ruas ou não têm lugar para ficar”, continuou o Arcebispo.

"Espero, estou convencido, que também nossas paróquias se façam disponíveis nestas horas para o que seja necessário e façam tudo o que seja possível para ajudar e acolher”, expressou o Patriarca.

O Arcebispo disse que já conversou com as autoridades locais para ver as formas de ajudar os afetados. "O sentimento de amargura, muita amargura, também está ligado a esse fato: o silêncio das autoridades centrais diante de Veneza que foi provada recentemente”, indicou.

“Em 29 de outubro do ano passado tivemos um fenômeno, não dessa magnitude, mas certamente semelhante e que alarmou aqueles que pedimos várias coisas às autoridades. Nós sempre os acolhemos bem quando vêm inaugurar a Bienal (de Veneza), as exposições e muitas outras belas manifestações e festas venezianas, mas gostaríamos que estejam presentes também numa mesa para falar juntos sobre a nossa segurança, porque não se fala da segurança da nossa cidade”, explicou o Patriarca.

Em sua opinião, explica o Arcebispo no site do Patriarcado de Veneza, "seria oportuno saber o que nós venezianos podemos esperar depois de tantas promessas e esperanças".

Este, ressaltou Dom Moraglia, "é o sentimento que temos, além de que possam visitar em breve os lugares e as pessoas mais afetadas por essa enchente, que com o passar das horas se torna uma situação cada vez maior".

Durante a noite, "dormi muito pouco e rezei muito pelo meu povo", disse. Depois, o Patriarca dialogou com algumas pessoas afetadas no entorno da Basílica de São Marcos.

Diante da emergência, a Cáritas diocesana já iniciou as ações de ajuda instalando alguns locais para acolher pessoas e famílias em dificuldade.

Também disponibilizaram o refeitório de San Martino na zona de Tana, para que permaneça aberto durante as 24h, pelo menos dois dias, para acolher as pessoas necessitadas.

Fonte: ACI digital



Sacerdotes exorcistas convocam jornada de oração e jejum para 6 de dezembro


Shutterstock

Redação da Aleteia | Nov 13, 2019

Intenção: “expulsar toda influência diabólica na Igreja, resultante de acontecimentos recentes”

Quatro sacerdotes exorcistas dos Estados Unidos, que pediram anonimato, lançaram apelo mediante o respeitado jornal católico norte-americano National Catholic Register para que, em todo o mundo, os católicos se unam numa jornada penitencial de oração e jejum no próximo dia 6 de dezembro com a intenção de “expulsar toda influência diabólica na Igreja, resultante de acontecimentos recentes“.

Eles pediram que os fiéis ofereçam nessa jornada a oração do Santo Rosário, além de sacrifícios pessoais como o jejum e a abstinência, o ato de consagração da humanidade ao Sagrado Coração de Jesus e o ato de reparação ao Sagrado Coração de Jesus.

“Outros atos recomendados que encorajamos por essa intenção é fazer uma Hora Santa diante do Santíssimo Sacramento e assistir à Missa nesse dia, oferecendo os méritos da Missa por essa mesma intenção. Estamos incentivando todos os católicos que reconhecem o mal desses eventos a se unirem a nós num dia de oração e penitência, em 6 de dezembro, com o propósito de expulsar toda influência diabólica dentro da Igreja, resultante desses eventos recentes, junto com qualquer outro evento”.

Os exorcistas destacaram a importância da luta espiritual na Igreja e denunciaram pecados como a idolatria, enquanto que a reparação pede perdão pelos pecados pessoais, as ofensas à modéstia cristã, os ataques à inocência, a profanidade aos domingos e dias de preceito e as blasfêmias.

Ato de consagração da humanidade ao Sagrado Coração

(da Carta Encíclica ‘Annum Sacrum’, de Leão XIII)

Ó Dulcíssimo Jesus, ó Redentor do gênero humano, lançai um olhar sobre nós, humildemente prostrados diante do vosso Altar! Somos vossos e vossos queremos ser; e para podermos viver mais estreitamente unidos a Vós, eis que cada um de nós se consagra ao vosso Sacratíssimo Coração. Muitos, porém, já não vos conhecem; muitos, ao desprezar os vossos Mandamentos, repudiam-Vos. O Benigníssimo Jesus, tende piedade de uns e de outros; e atraí todos ao vosso Coração Santíssimo.

Oh Senhor, sê o Rei não só dos fiéis que não se distanciaram de Vós, mas também destes filhos pródigos que Vos abandonaram; fazei com que estes retornem à Casa Paterna o quanto antes para não morrerem de miséria e fome. Sê o Rei de todos os que vivem no engano do erro ou que por discordarem de Vós se separaram; chamai-os ao Porto da Verdade e da Unidade da Fé para que assim, em breve, não haja mais que um só rebanho sob um só Pastor.

Sê finalmente o Rei de todos os que estão envoltos nas superstições do paganismo e não recuseis tirá-los das trevas para traze-los à Luz do Reino de Deus.

Obtende, ó Senhor, a integridade e liberdade segura para a vossa Igreja; dai a todo o povo a tranquilidade da ordem; fazei com que de uma extremidade à outra da Terra ressoe esta única voz: “Seja louvado este Coração do qual provém a nossa salvação! A Ele a Glória e a Honra pelos séculos! Amém!”.

Ato de reparação ao Sagrado Coração

Dulcíssimo Jesus, cuja infinita caridade para com os homens é por eles tão ingratamente correspondida com esquecimentos, friezas e desprezos, eis-nos aqui prostrados na Vossa presença, para Vos desagravarmos, com especiais homenagens, da insensibilidade tão insensata e das nefandas injúrias com que é de toda parte alvejado o Vosso amorosíssimo coração.

Reconhecendo, porém, com a mais profunda dor, que também nós mais de uma vez cometemos as mesmas indignidades, para nós, em primeiro lugar, imploramos a Vossa misericórdia, prontos a expiar não só as próprias culpas, senão também as daqueles que, errando longe do caminho da salvação, ou se obstinam na sua infidelidade, não Vos querendo como pastor e guia, ou, conculcando as promessas do batismo, sacudiram o suavíssimo jugo da Vossa santa lei.

De todos estes tão deploráveis crimes, Senhor, queremos nós hoje desagravar-Vos, mais particularmente da licença dos costumes e imodéstia do vestido, de tantos laços de corrupção armados à inocência, da violação dos dias santificados, das execrandas blasfêmias contra Vós e Vossos Santos, dos insultos ao Vosso Vigário e a todo o Vosso clero, do desprezo e das horrendas e sacrílegas profanações do Sacramento do divino amor e, enfim, dos atentados e rebeldias das nações contra os direitos e o Magistério da Vossa Igreja.

Oh! Se pudéssemos lavar com o próprio sangue tantas iniquidades!

Entretanto, para reparar a honra divina ultrajada, Vos oferecemos, juntamente com os merecimentos da Virgem Mãe, de todos os santos e almas piedosas, aquela infinita satisfação, que Vós oferecestes ao eterno Pai sobre a cruz, e que não cessais de renovar todos os dias sobre nossos altares.

Ajudai-nos Senhor, com o auxílio da Vossa graça, para que possamos, como é nosso firme propósito, com a vivência da fé, com a pureza dos costumes, com a fiel observância da lei e caridade evangélicas, reparar todos os pecados cometidos por nós e por nosso próximo, impedir, por todos os meios, novas injúrias de Vossa divina Majestade e atrair ao Vosso serviço o maior número de almas possíveis.

Recebei, ó benigníssimo Jesus, pelas mãos de Maria santíssima reparadora, a espontânea homenagem deste nosso desagravo, e concedei-nos a grande graça de perseverarmos constantes, até à morte, no fiel cumprimento de nossos deveres e no Vosso santo serviço, para que possamos chegar todos à pátria bem-aventurada, onde Vós com o Pai e o Espírito Santo viveis e reinais por todos os séculos dos séculos.

Amém.

Fonte: Aleteia



Igreja que custodia fragmentos da Cruz de Jesus no Chile sofre incêndio


SANTIAGO, 13 Nov. 19 / 01:00 pm (ACI).- Em meio às manifestações que ocorrem em Santiago, Chile, na terça-feira, 12 de novembro, registrou-se um incêndio na paróquia da Vera Cruz.

aldus vidal @aldusvidal
8:34 PM - Nov 12, 2019

Os bombeiros chegaram à igreja localizada no bairro Lastarria por volta das 20h, enquanto o templo queimava por dentro, emanando fumaça para o teto.

José Ignacio Zaninetti @jizaninetti
8:52 PM - Nov 12, 2019

Ao tentar entrar pela porta principal para apagar o fogo, não tiveram sucesso, pois estava trancada por dentro.

O templo já havia sido atacado nos dias anteriores com pichações em sua parte externa.

A igreja da Vera Cruz começou a ser construída em 1852 e foi abençoada em 1857. De estilo neoclássico, foi declarada monumento histórico em 29 de junho de 1983.

Esta paróquia conservava no presbitério, atrás do altar, uma das duas relíquias no Chile que contém pequenos fragmentos da cruz em que Jesus foi crucificado. A relíquia foi retirada antes do ataque.

O templo incendiado se soma a outras cinco igrejas gravemente atacadas desde que se iniciaram as manifestações no Chile contra o governo de Sebastián Piñera.

Ontem ocorreu uma greve geral convocada por diferentes grêmios e sindicatos que se refletiu em manifestações massivas ao longo do país e manifestações de diferentes índoles.

Fonte: ACI digital



quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Desconhecidos profanam e atacam igrejas no Chile em meio às manifestações sociais


Ermida de Santo Expedito em Reñaca. Crédito: Twitter Paróquia Reñaca - Igreja Maria Auxiliadora. Crédito: Diocese de Talca.

SANTIAGO, 13 Nov. 19 / 09:30 am (ACI).- Após o saque da Paróquia da Assunção em Santiago, Chile, e em meio aos protestos contra o governo de Sebastián Piñera, outras igrejas também foram alvo de grupos de manifestantes nos últimos dias.

Por volta das 22h no domingo, 10 de novembro, alguns atacantes forçaram as portas do Santuário de Maria Auxiliadora, em Talca (Chile), onde destruíram imagens religiosas e depois as levaram para a rua junto com os bancos do templo para queimá-las e assim fazer uma barricada.

Antes de a polícia chegar ao local, os vândalos profanaram o Sacrário.






Em uma coletiva de imprensa em 12 de novembro, Pe. Pedro Pablo Cuello, diretor da presença salesiana em Talca, disse que "o Chile precisa crescer, precisa se reconciliar, com paz, com justiça e com equidade". "Isso é uma profanação ao próprio rosto de Jesus", assegurou.

Ao mesmo tempo, o Administrador Apostólico de Talca, Dom Galo Fernández, mostrou-se “afetado e comovido pela violência experimentada, que se intensifica no país e entre nós. Não são apenas danos materiais, é uma atitude de desacordo e que agride os sentimentos mais profundos de uma pessoa, nossos sentimentos religiosos. A profanação do Santíssimo nos dói profundamente”.

"Dói-me que a alma do Chile esteja ferida, incapaz de dialogar, que a alma do Chile, reivindicando coisas legítimas que compartilhamos em grande parte, caminhe por um caminho que não constrói", refletiu.

Nesse sentido, Dom Fernández incentivou a prática da "paz, do diálogo, a valorizar a verdade da pessoa diferente e a caminhar por um caminho que significa progresso para todos no Chile".

Por sua vez, em um comunicado à imprensa, a comunidade salesiana convidou “a buscar a paz e os caminhos de entendimento e diálogo entre os chilenos”, “convencidos de que o grande desafio de toda sociedade é conseguir uma boa integração na qual todas as pessoas tenham espaços dignos, especialmente os idosos e as crianças”.

“Trata-se de nos respeitarmos e colaborarmos entre nós. Todos queremos construir um novo Chile, um Chile verdadeiramente justo e solidário, e continuaremos trabalhando de onde devemos fazê-lo como sacerdotes e como Colégio Salesiano”, afirmou.

Ao meio-dia de 12 de novembro, foi realizada uma Missa pela paz no templo profanado, celebração presidida por Dom Galo Fernández.






Também em Viña del Mar

No domingo, 10 de novembro, durante uma manifestação em Viña del Mar, no litoral da zona central do Chile, uma multidão atacou a Paróquia de Santa Maria dos Anjos, em Reñaca, onde fica uma famosa ermida de Santo Expedito.

Os atacantes arrancaram a imagem de Santo Expedito e de Santa Teresa dos Andes de suas custódias e as destruíram. Também destruíram alguns vitrais e vidros, fizeram pichações e tentaram entrar no templo.

“Essa ação violenta nos dói profundamente, pois o Santuário de Santo Expedito sempre foi um refúgio para aqueles que sofrem e precisam de um lugar de paz e esperança. Não quebraram apenas uma imagem sagrada, mas também violaram a casa que abriga milhares de peregrinos que com fé depositam seus anseios e esperanças”, expressou a comunidade paroquial em um comunicado.

Ao expressar seu apoio às demandas sociais legítimas, a comunidade também condenou o vandalismo e a violência sem controle e indicou que "é tempo de um verdadeiro diálogo construtivo e de buscar caminhos de unidade de todos os que vivemos nesta terra".

Do mesmo modo, recordaram as palavras de São João Paulo II em sua visita ao Chile em abril de 1987, quando disse que "o amor é mais forte". "Essa convicção nos encoraja a continuar trabalhando para um Chile onde o amor de Deus vença o ódio; a paz à violência; e a justiça ao egoísmo", concluiu a mensagem.

Assim como aconteceu em Santiago, após o ataque à paróquia da Assunção, voluntários e a comunidade também foram limpar e arrumar o templo.





Outras igrejas atacadas durante esses dias foram a Paróquia da Assunção, em Santiago, a Catedral de Valparaíso e a Paróquia de Santa Teresa dos Andes, em Punta Arenas. Enquanto isso, outros templos foram apedrejados e tiveram os seus muros arranhados.

As manifestações começaram em meados de outubro em Santiago, devido ao aumento da passagem no metrô subterrâneo. Com o tempo, outras regiões se uniram para exigir do governo novas políticas públicas que permitam uma vida digna para as pessoas.

No entanto, em meio às manifestações pacíficas da grande maioria, outro grupo realiza excessos, saques, confrontos com a polícia, ataques a propriedades públicas e privadas, prédios históricos e templos.

Fonte: ACI digital



Audiência: os leigos dão o húmus para o crescimento da fé (Papa Francisco)


A catequese do Papa Francisco na Audiência Geral foi dedicada ao casal Áquila e Priscila. “Devemos rezar a estes dois santos para que nos ensinem a ser como eles, uma igreja doméstica, onde haja o húmus para que cresça a fé.”

Bianca Fraccalvieri

Uma chuva intermitente marcou a Audiência Geral desta quarta-feira no Vaticano. Os doentes foram acomodados na Sala Paulo VI e receberam a saudação do Pontífice antes que se dirigisse à Praça São Pedro.

A catequese foi dedicada ao casal Áquila e Priscila, prosseguindo o ciclo sobre os Atos dos Apóstolos.

Na semana passada, o Papa falou da chegada de Paulo a Atenas. Nesta quarta, comentou a prossecução da viagem.

Ao deixar o coração da Grécia, o Apóstolo se dirige a Corinto, onde ali encontra hospitalidade na casa de Áquila e Priscila, que, por serem judeus, foram obrigados a abandonar Roma por ordem imperador Cláudio.

Perseguir os judeus não é humano

O Papa fez um parêntese para recordar que povo judeu sempre sofreu na história com expulsões e perseguições. “No século passado vimos tantas brutalidades que foram cometidas e estávamos convencidos de que isso tinha acabado”, afirmou. Mas hoje começa a renascer o hábito de persegui-los.

“ Irmãos e irmãs, isso não é humano nem cristão. Os judeus são nossos irmãos e não devem ser perseguidos. ”

Retomando a catequese, o Papa afirmou que o gesto do acolhimento dos esposos leva a “descentralizar de si para praticarem a arte cristã da hospitalidade e abrir as portas de sua casa para acolher o Apóstolo Paulo”.

Deste modo, eles acolhem não só o evangelizador, mas também o anúncio que ele leva consigo: o Evangelho de Cristo.

Com o casal, Paulo compartilha também a atividade profissional, isto é, a construção de tendas.

“Domus ecclesiae”

De fato, Áquila e Priscila abrem as portas também para os irmãos e irmãs em Cristo, formando uma comunidade, uma “domus ecclesiae” para a escuta da Palavra de Deus e a celebração eucarística. “Também hoje em alguns países onde não existe liberdade religiosa, os cristãos se reúnem em uma casa, um pouco escondidos, para rezar e celebrar a eucaristia.”

Depois de um ano e meio na cidade, Paulo parte rumo a Éfeso com o casal, e também ali a sua morada se torna um local de catequese. Por fim, os dois esposos fazem regresso a Roma e o Apóstolo chega a fazer um agradecimento ao casal na Carta aos Romanos, afirmando que eles arriscaram as suas cabeças para salvar a sua vida.

“Quantas famílias em tempo de perseguições arriscam suas cabeças para manter escondidos os perseguidos. Este é o primeiro exemplo”, afirmou Francisco.

Os leigos oferecem o húmus

Entre os inúmeros colaboradores de Paulo, destacou, Áquila e Priscila emergem como modelos de uma vida conjugal responsavelmente empenhada a serviço de toda a comunidade cristã e recordam que graças à fé e à evangelização de tantos leigos, o cristianismo chegou até nós. “O cristianismo foi pregado pelos leigos, são eles, em virtude do seu batismo, os responsáveis por levarem a fé”. O Papa citou uma expressão de Bento XVI, que afirma que os leigos oferecem o “húmus” para o crescimento da fé.

Ao se dirigir especialmente aos recém-casados presentes na Audiência, Francisco concluiu:

“Peçamos ao Pai que efunda o seu Espírito sobre todos os casais cristãos para que, a exemplo de Áquila e Priscila, saibam abrir as portas de seus corações a Cristo e aos irmãos e transformem suas casas em igrejas domésticas. Bela palavra... Uma casa é uma igreja doméstica onde viver a comunhão e oferecer o culto da vida vivida com fé, esperança e caridade.”

“ Devemos rezar a estes dois santos para que nos ensinem a ser como eles, uma igreja doméstica, onde haja o húmus para que cresça a fé. ”

13 novembro 2019

Fonte: Vatican News



Papa Francisco recebe sacerdote atacado por extrema esquerda


Por Walter Sánchez Silva

Pe. Mario Ghisaura. Crédito: Facebook / Papa Francisco: Crédito: Daniel Ibáñez / Argentina

Vaticano, 12 Nov. 19 / 06:00 am (ACI).- No sábado, 9 de novembro, o Papa Francisco recebeu no Vaticano Pe. Mario Ghisaura, um sacerdote que foi duramente atacado pela extrema esquerda da Argentina no início deste ano.

A Sala de Imprensa do Vaticano só informou sobre o encontro e não deu detalhes do mesmo.

Pe. Ghisaura é pároco de Nossa Senhora de Fátima, no bairro de Isla Maciel, na diocese argentina de Avellaneda-Lanús.

No início deste ano, o sacerdote foi duramente atacado por setores da extrema esquerda que solicitaram sua retirada após a decisão de cobrir em um templo algumas imagens como a do Pe. Carlos Mugica, referência da teologia da libertação e membro do Movimento Sacerdotes do Terceiro Mundo, assassinado em 1974.

O Movimento de Sacerdotes para o Terceiro Mundo foi fundado em 1967, na Argentina, e teve um acentuado viés político e social. Esteve formado principalmente por sacerdotes ativos em vilas de miséria e bairros de operários. Vários de seus membros participaram de organizações guerrilheiras.

Pe. Ghisaura também decidiu retirar as imagens das ‘Mães da Praça de Maio’, que após o fato solicitaram ao Bispo de Avellaneda-Lanús, Dom Rubén Frassia, a retirada do sacerdote.

Em 25 de fevereiro deste ano, o jornal ‘La Prensa’ fez um relato desses fatos e divulgou algumas declarações do anterior administrador paroquial, Pe. Francisco Olveira, que se manifestou várias vezes a favor do aborto.

"Queremos guardar a memória de um Jesus subversivo", disse o sacerdote em um vídeo no qual apareceu cercado pelas ‘Mães da Praça de Maio’. "Não vamos permitir que o mural das Mães, com o rosto de Hebe e os desaparecidos de Isla Maciel, seja tapado. Estamos em pé de guerra. Se eles continuarem avançando, iremos juntos".

Em fevereiro de 2018, em uma entrevista publicada no YouTube, Pe. Olveira reconheceu que, devido a suas posições, “tinha, mais do que qualquer outra coisa, digo isso como uma piada, mas é verdade, um prontuário. Não era fácil que qualquer bispo me recebesse”.

Nessa oportunidade, também disse que “João Paulo II e Bento XVI foram papados muito conservadores e os bispos nomeados desde então também eram, na grande maioria, de uma linha muito conservadora. Isso está mudando”.

O sacerdote também se expressou a favor da Igreja ter uma papisa: “Teríamos que ter uma mulher Papa há muitos anos, mas bem, a Igreja também faz parte de uma sociedade que é patriarcal e se alimentam mutuamente. A Igreja alimentou o patriarcado durante muitíssimo tempo e hoje ainda é uma das instituições mais patriarcais que há”, afirmou.

A carta das Mães da Praça de Maio

Em 26 de fevereiro deste ano, Hebe de Bonafini, líder das Mães da Praça de Maio, entregou uma carta ao bispo de Avellaneda-Lanús, na qual falavam contra Pe. Ghisaura.

“A Associação das Mães da Praça de Maio se dirige ao senhor, alarmada por toda a violência desencadeada por Mario Ghisaura, sacerdote que o senhor impôs no lugar do Padre Francisco 'Paco' Olveira. Ghisaura se diz sacerdote de opção pelos pobres, mas sua atitude parece a de alguém que serviu a Hitler”, assinala a carta.

“O senhor, como autoridade, deve responder a tudo o que ele jogou e tirou com muito ódio da capela: o quadro do São Oscar Romero, a Virgem de Luján, a fotografia de Dom Angelelli, do Padre Mugica e as imagens dos Santinhos populares”, continua a carta.

"Esperando que o senhor escute a nossa denúncia, dizemos-lhe que Deus o perdoe... porque o seu povo jamais o perdoará”, conclui a carta.

Hebe de Bonafini atacou a Igreja em diversas ocasiões. Em janeiro de 2008, foi uma das Mães da Praça de Maio que profanou a Catedral de Buenos Aires para jejuar em protesto pela falta de entrega de verbas do Estado destinadas para os seus projetos de casas populares na capital argentina.

Naquela oportunidade, Bonafini declarou à imprensa que, como os banheiros da catedral estavam fechados, “tivemos que improvisar um atrás do altar”.

Não foi a primeira vez que as Mães da Praça de Maio tomaram a Catedral. Já haviam feito isso em junho de 2002, quando entraram para protestar "pelos meninos argentinos com fome".

Em junho de 2007, Hebe de Bonafini criticou duramente o então Cardeal Jorge Mario Bergoglio e o vinculou à última ditadura militar na Argentina.

O site ‘Cristãos Gay’, que se descreve como “um espaço de encontro de cristãos unidos contra a LGBT-fobia”, publicou em maio deste ano um artigo intitulado “O Bispo de Avellaneda-Lanús (Argentina) expulsa sacerdote do grupo Padres em Opção pelos Pobres, entre outras coisas, por 'defender' o aborto”.

O texto assinala que o Prelado "acaba de expulsar de sua diocese o sacerdote Francisco 'Paco' Olveira, um membro do Grupo ‘Padres em Opção pelos Pobres’, cujos membros simpatizam com o kirchnerismo, colocando em risco a unidade de sua comunidade, e porque se pronunciou a raiz deste debate no Congresso a favor da legalização do aborto”.

Além disso, a nota também afirma que na beatificação do "bispo Enrique Angelelli, dois sacerdotes e um leigo, em La Rioja, Olveira se aproximou da vice-presidente Gabriela Michetti e disse: 'Com todo o respeito, a sua presença insulta a memória de nossos mártires pela política de fome e repressão' de seu governo”.

O bispo também decidiu retirar as licenças ministeriais ao Pe. Olveira.

"Levando em consideração a intransigência e a pouca vontade do Padre Francisco Olveira e não querendo causar um dano profundo à comunidade diocesana e à atividade pastoral da Igreja, a partir desta data (28 de abril), retiro-lhe as licenças ministeriais na Diocese de Avellaneda-Lanús, portanto, não é lícito que celebre publicamente os sacramentos nesta diocese”.

Entre os motivos de sua decisão, o Bispo indicou que “há algum tempo vinha assinalando para ele determinadas atividades e manifestações públicas, que no caso de um leigo são tratadas de uma maneira, e em um clérigo de outra; por exemplo, o tema do aborto, um tema que está muito claro no Catecismo da Igreja Católica e também em um contundente magistério do Papa Francisco, que não é compatível com o exercício do sacerdócio manifestar-se contra a doutrina comum da Igreja”.

Solidariedade dos sacerdotes ao Pe. Ghisaura

Em março deste ano, mais de 50 sacerdotes da Diocese de Avellaneda-Lanús assinaram uma declaração na qual se solidarizaram e apoiaram Pe. Ghisaura diante dos ataques que recebeu.

“Como irmãos no presbitério, nem todos temos as mesmas ideias e critérios em matéria pastoral, mas entendemos que Pe. Mario não agiu fora de seus deveres como pároco, legitimamente designado pelo bispo diocesano, e que as situações originadas por suas decisões não vêm exclusivamente de uma posição ideológica, mas de opções pastorais e de gestão”, indicaram.

"Sabemos que Padre Mario trabalha desde sua ordenação como diácono e, depois, sendo sacerdote, como pároco na paróquia de São Paulo Apóstolo de Villa Tranquila, que sempre exerceu seu ministério ao lado dos mais pobres e que cuidou espiritual e socialmente de sua comunidade, criando e sustentando, por mais de 10 anos, diversas propostas de assistência social, humana e espiritual para a comunidade paroquial”.

Pe. Ghisaura, recordaram os sacerdotes, “criou refeitórios, as chamadas panelas da caridade, atendeu pessoas em situação de rua, intercedendo e mediando em problemáticas sociais de todos os tipos. Tudo isso fez com o apoio de pessoas de todos os tipos e ideologias, privilegiando o comunitário em função de uma melhor atenção a todos os membros da paróquia e privilegiando os mais pobres. ”

Por isso, destacaram: "Opomo-nos a que seja tratado como 'fascista', ‘capelão de Hitler’ ou outras expressões do mesmo teor, uma vez que essas avaliações não correspondem ao seu trabalho e suas ideias. Sabemos que a única coisa que motiva Pe. Mario em sua ação pastoral é a mensagem do Evangelho e a ação comprometida da Igreja que se aproxima dos mais necessitados”.

“Por isso, solidarizamo-nos a ele e rezamos para que os fatos que aconteceram na paróquia recentemente assumida possam se solucionar no marco da comunhão, da solidariedade e do encontro, tal como propõe a ação mais legítima da Igreja e como é comum na pregação de nosso Papa Francisco”, concluíram.

Fonte: ACI digital



terça-feira, 12 de novembro de 2019

Após 46 anos, vidente de Akita anuncia ter recebido nova revelação


Redação da Aleteia | Nov 12, 2019

A irmã Agnes, 88 anos, experimentou recentemente a cura de um tumor no pescoço e apresenta hoje condições de saúde condizentes com a sua idade

Nossa Senhora de Akita é o título de uma aparição mariana relatada em 1973 pela freira japonesa Agnes Katsuko Sasagawa na região de Akita, noroeste do Japão. As mensagens transmitidas a ela por Nossa Senhora enfatizavam a oração e a penitência.

Passados 46 anos desde a última mensagem reconhecida pela Igreja como autêntica, a irmã Agnes, hoje com 88 anos de idade, relatou ter recebido uma nova revelação privada no último dia 6 de outubro de 2019, por volta das 3h30, quando, segundo ela, um anjo lhe apareceu e lhe deu a seguinte instrução:

“É bom que diga a todos: cubram-se de cinzas e rezem o rosário penitente todos os dias. E você tem de se tornar uma menina e oferecer sacrifícios todos os dias”.

A irmã Agnes disse que ficou em dúvida sobre divulgar ou não a mensagem, mas, na Santa Missa de dois dias depois, a liturgia falava da profecia de Jonas, que pregava o arrependimento mediante os mesmos sinais pedidos pelo anjo. Considerando que a mensagem da revelação privada não contradizia o que Deus mesmo nos pede constantemente, ela resolveu relatar o ocorrido.

A mensagem, traduzida para o inglês, foi difundida nos Estados Unidos pela emissora católica de rádio WQPH, de Massachusetts, que, ao ser questionada sobre a veracidade do relato, emitiu um comunicado oficial para respaldar as fontes que lhe haviam transmitido o texto:

“Sabemos que a irmã Agnes sofreu muito desde a última mensagem de Akita e nos preocupa que esta nova mensagem, este simples chamado ao arrependimento, que obtivemos através de fontes próximas a ela, tenha acarretado novas tribulações a ela e aos seus confidentes. Não temos razão alguma para assumir riscos associados à publicação de uma história sensacionalista. As fontes são confiáveis e corajosas e nos pediram que divulgássemos diretamente a sua mensagem. A nova mensagem pede que cada um de nós reze diariamente um rosário penitente e se cubra de cinzas como os moradores de Nínive ao escutarem a profecia de Jonas. Até obtermos mais informação de nossa fonte, pedimos a vocês, nossos irmãos e irmãs em Cristo, que façam um discernimento, com fé e razão, sobre a veracidade do relato, e lhes agradecemos pela prudência e devota preocupação com a integridade do legado de Nossa Senhora de Akita e com a reputação dos seus mensageiros”.

A irmã Agnes apresenta condições de saúde condizentes com a sua idade. Recentemente, ela experimentou a cura de um tumor no pescoço.

Ao repercutirem a nova revelação privada relatada por ela, vários meios de comunicação observaram que ela ocorreu na mesma data da abertura da Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica.

Fonte: Aleteia



Papa: o diabo existe e semeia ódio no mundo


Antoine Mekary | ALETEIA

Vatican News | Nov 12, 2019

“Mas padre, eu não destruo ninguém”. “Não? E as fofocas que você faz? Quando fala mal de outra pessoa? Você a destrói.”

O Papa Francisco falou hoje em sua homilia na Capela Santa Marta sobre a existência do diabo.

Ao comentar um trecho do Livro da Sabedoria (Sb 2,23-3,9) proposto pela liturgia na primeira leitura, o Papa afirmou que o diabo existe e quem, por sua inveja pelo Filho de Deus que se fez homem, semeia o ódio no mundo, ódio esse que provoca morte.

O Papa comentou o primeiro versículo da passagem bíblica, no qual o profeta recorda que “Deus nos criou à sua imagem, somos filhos de Deus, mas logo em seguida acrescenta, “mas pela inveja do diabo a morte entrou no mundo”.

Francisco explicou que “a inveja daquele anjo soberbo que não quis aceitar a encarnação” o levou “a destruir a humanidade”. E assim em nosso coração entrou algo: “o ciúme, a inveja, a concorrência”, quando, ao invés, “podemos viver como irmãos, todos, em paz”. Assim tem início “a luta e a vontade de destruir”.

O Papa retomou seus “diálogos” com os fiéis: “Mas padre, eu não destruo ninguém”. “Não? E as fofocas que você faz? Quando fala mal de outra pessoa? Você a destrói.” E citou o apóstolo Tiago: “a língua é uma arma feroz, mata”. “A tagarelice mata, a calúnia mata”.

“Mas padre, eu sou batizado, sou cristão praticante, como posso me tornar um assassino?” Porque, recordou ainda o pontífice, “dentro de nós temos a guerra”, desde o início. “Caim e Abel eram irmãos, mas o ciúme, a inveja de um destruiu o outro.” É a realidade, basta olhar um telejornal: “as guerras, as destruições, pessoas que por causa das guerras morrem também de enfermidades”.

O Papa recordou a Alemanha e o aniversário da queda do Muro de Berlim, mas também os nazistas e “as torturas contra todos aqueles que não eram de ‘raça pura’”. E outros horrores das guerras.

Por trás disso há alguém que nos impele a fazer essas coisas. É o que nós chamamos de tentação. Quando vamos nos confessar, dizemos ao padre: “Padre, tive essa tentação, esta outra, aquela outra…” Alguém que nos toca o coração para fazer-nos trilhar no caminho errado. Alguém que semeia a destruição em nosso coração, que semeia o ódio. E hoje devemos dizer isso claramente, há muitos semeadores de ódio no mundo, que destroem.

“Muitas vezes – comentou ainda o Papa – penso que as notícias são uma narração de ódio para destruir: atentados, guerras.” É verdade que “muitas crianças morrem de fome, de doenças” porque não têm água, instrução, educação sanitária. “Isso porque o dinheiro que poderia servir para esse fim é utilizado para fabricar as armas e as armas são para destruir.”

Isso é o que acontece no mundo, mas também “na minha alma, na sua, na sua”. Pela “semente de inveja do diabo, do ódio”. “E de que o diabo tem inveja? – perguntou-se Francisco – Da nossa natureza humana.”

E vocês sabem por qual motivo? Porque o Filho de Deus se fez um de nós. Isso ele não pode tolerar, não consegue tolerar.

E então destrói. “Essa é a raiz da inveja do diabo, é a raiz de nossos males, das nossas tentações, é a raiz das guerras, da fome, de todas as calamidades no mundo”, explicou o Papa.

Destruir e semear ódio, prosseguiu Francisco, “não é uma coisa habitual, mesmo na vida política”, mas “alguns o fazem”. Porque um político tem muitas vezes “a tentação de difamar o outro, de destruir o outro”, quer com mentiras, quer com verdades, e assim não faz um debate político salutar e sincero “para o bem do país”.

Prefere o insulto, para “destruir o outro”. “Eu sou capaz, mas este parece mais capaz do que eu?”, pensa, e então “o diminuo, com o insulto”.

Gostaria que hoje cada um de nós pensasse nisto: por que hoje no mundo se semeia tanto ódio? Nas famílias, que por vezes não podem reconciliar-se, no bairro, no lugar de trabalho, na política… O semeador do ódio é isso. Por inveja do diabo a morte entrou no mundo, alguns dizem: mas padre, o diabo não existe, é o mal, um mal assim etéreo… Mas a Palavra de Deus é clara. E o diabo tomou Jesus de mira, leiam o Evangelho: que tenhamos fé ou não, a Palavra de Deus é clara.

Peçamos ao Senhor, foi a invocação final do Santo Padre, “que faça crescer em nosso coração a fé em Jesus Cristo, seu Filho”, que assumiu a nossa natureza humana, “para lutar com a nossa carne e vencer na nossa carne” o diabo e o mal. E que essa fé “nos dê a força para não entrar no jogo desse grande invejoso, o grande mentiroso, o semeador de ódio”.

(Com Vatican News)

Fonte: Vatican News



Bento XVI recebe visita dos bispos da República Tcheca

Na visita, o Papa emérito lembrou em detalhes da sua viagem apostólica ao país em 2009

O encontro aconteceu na tarde desta segunda-feira (11) no Mosteiro Mater Ecclesiae, a residência do Papa emérito. Durante a visita, considerada “comovente” pelos bispos da República Tcheca, Bento XVI recordou detalhes da sua viagem ao país em 2009.

Andressa Collet - Cidade do Vaticano

O Papa emérito recebeu a visita dos bispos da República Tcheca na tarde desta segunda-feira (11) na sua residência no Mosteiro Mater Ecclesiae, situado dentro dos Jardins do Vaticano. Os representantes da Conferência Episcopal do país estão em Roma para participar da peregrinação nacional por ocasião dos 30 anos da Revolução de Veludo (17 de novembro a 29 de dezembro de 1989), que levou ao fim do comunismo na então Tchecoslováquia.

O secretário-geral, dom Stanislav Přibyl, através do site do episcopado, descreveu o encontro como “comovente” e declarou que o Papa emérito “recordou todos os detalhes da sua visita na República Tcheca, em 2009”, sobretudo, “todos os nomes e lugares”. O presidente da Conferência Episcopal, cardeal Dominik Duka, acrescentou que Bento XVI, “mesmo com a sua idade, está em boa saúde”.

A bênção do Papa emérito

Durante o encontro com o Papa emérito, os bispos presentearam Bento XVI com a cópia de um busto que o representa e que foi recentemente inaugurado na cidade de Stará Boleslav, região da Boêmia Central, em lembrança à viagem apostólica. Ao final da visita no Vaticano, depois de todos rezarem o Pai-Nosso, o Papa emérito concedeu a sua bênção.

30 anos da Revolução de Veludo

A peregrinação nacional por ocasião dos 30 anos da Revolução de Veludo termina nesta quarta-feira (13) e reúne de milhares de pessoas, além de uma delegação do Parlamento do país. Os três dias de atividades vão culminar com uma missa e também na Audiência Geral com o Papa Francisco.

Dom Jan Vokál, bispo de Hradec Králové, comentou que geralmente os jovens de hoje não dão o devido “valor à liberdade”. Assim, com essa peregrinação, os bispos querem recordar, sobretudo “às novas gerações, que a liberdade é um dom de Deus”.

A visita foi considerada "comovente" 
pelos bispos

12 novembro 2019

Fonte: Vatican News



7 motivos pelos quais um sacristão é importante nas igrejas católicas


Por María Ximena Rondón

Sacristão /Foto: SIAME

REDAÇÃO CENTRAL, 12 Nov. 19 / 05:00 am (ACI).- Durante a celebração da Missa, o sacerdote é assistido pelos acólitos, mas é o sacristão quem ajuda não apenas nas questões litúrgicas, mas também para o bom andamento cotidiano do serviço nas igrejas católicas.

A seguir, apresentamos 7 razões pelas quais o sacristão é importante nos templos:

1. Disponibilidade e serviço

O sacristão é um leigo ou religioso que é responsável pela ordem, cuidado e limpeza da igreja. Encarrega-se de que o sacerdote tenha todo o necessário para presidir a Eucaristia em cada tempo litúrgico, festa e solenidade.

O Sistema Informativo da Arquidiocese do México (SIAME), a partir de uma entrevista feita com um grupo de sacristãos, indicou que nesta ocupação “não há somente homens, mas também sacristães. Aliás, excelentes”.

Também deve “ter a disposição para fazer o que te peçam, por exemplo, trabalhos humildes de limpeza, e para ir onde quer que seja, mudar de paróquia, de rumo, de comunidade”.

“Às vezes, precisa servir também como coroinha, ou leitor. Nunca sabe o que vai ter que fazer e isso faz com que o trabalho não seja monótono, sempre há algo diferente”, indicou uma dos sacristãos entrevistado pelo SIAME.

2. Trabalha quando os demais descansam

Segundo informou o SIAME, um sacristão trabalha “a semana toda, e mais ainda nos domingos e dias festivos”.

“Quando há Missa 7h, precisa madrugar, quando há Missa 21h, precisa se manter acordado”.

O sacristão é o primeiro a chegar ao templo pela manhã e o último a sair. “Verifica se não ficou ninguém. Faz uma última vistoria para assegurar-se de que deixou as coisas em ordem”.

3. A primeira e a última coisa que faz é rezar

O SIAME indicou que a primeira coisa que o sacristão faz ao chegar à igreja “é rezar, encomendar seu dia ao Senhor”. Antes de voltar para sua casa, “faz um breve oração para agradecer a Jesus por seu dia, e apaga a luz”.

4. É paciente e humilde

A maior virtude do sacristão é a paciência e a “exerce constantemente para tratar com afabilidade todas as pessoas, que nem sempre são amáveis nem prudentes”.

Também tem a humildade para realizar tudo o que é preciso. “Adapta-se a varrer, a recolher e organizar os folhetos de Missa que as pessoas deixam, a apagar e tirar as velas gastas, a limpar os bancos e genuflexórios e até a tirar chicletes que alguns mal-educados deixaram colados na parte de baixo de seus bancos”.

5. Capacidade de adaptação

Um dos maiores desafios desta ocupação é “lidar com diferentes sacerdotes”.

Para um sacristão, é fundamental “ter a capacidade de adaptação, boa vontade, e colocar-se pronto para lembrar como cada um prefere que o ajude”.

Também “chega a ter tamanha ligação com seu pároco, que basta que este lhe faça um gesto rápido, um olhar, uma pequena inclinação de cabeça, e capta instantaneamente o que precisa e se apressar a trazer-lhe”.

6. Não é só trabalho

Por outro lado, os sacristãos disseram ao SIAME que o mais satisfatório desse ofício é “lidar com as pessoas. No geral, é muito respeitoso e enriquecedor. Conhece todos os tipos de pessoas, faz boas amizades, aprende”.

O serviço de sacristão é uma oportunidade de “crescimento espiritual. Que não beneficia apenas a mim mesmo, mas que me ajuda muito nas  relação com minha família, amigos e conhecidos”.

Um dos sacristãos comenta que, “apesar dos meus defeitos, Deus me chamou para servi-lo. Sinto-me muito grato. E não considera que seja apenas um emprego. Se fosse assim, já teria renunciado”.

“Para mim, é um apostolado, um serviço a Deus e aos meus irmãos”, ressalta.

7. Desejo de aprender e melhorar

Os sacristãos também disseram ao SIAME que há uma necessidade de cursos de preparação e atualização para seu ofício.

Expressaram seu desejo de que “houvesse bom material que pudéssemos ler, estudar, por exemplo, um manual. E reuniões para nos conhecermos entre nós, nos tornarmos amigos”.

Fonte: ACI digital



Fiéis se unem para limpar igreja atacada e saqueada no Chile


Limpeza da Paróquia da Assunção. Crédito: Iván Peralta.

SANTIAGO, 12 Nov. 19 / 01:30 pm (ACI).- Dezenas de fiéis chegaram na manhã de sábado, 9 de novembro, à paróquia da Assunção, em Santiago, Chile, para limpar e ordenar a igreja que foi atacada por manifestantes no dia anterior.

Na sexta-feira, enquanto ocorria uma nova manifestação em Santiago, um grupo de encapuzados forçou a entrada na Paróquia da Assunção para roubar os bancos, confessionários e imagens religiosas para armar barricadas com estes objetos.

No interior da igreja, os vândalos picharam as paredes, pilares e o altar com fortes frases e insultos à igreja. Depois, foram para queimar a Universidade Pedro de Valdivia, que ficava na frente da calçada.

Os jovens e adultos que foram ao templo no dia seguinte limparam e juntaram os pedaços das imagens destruídas, recolheram os vidros quebrados, entre outras ações.

O pároco, Pe. Pedro Narbona, agradeceu o apoio daqueles que se preocuparam durante os ataques e também pela solidariedade gerada.

"Despertou-se uma corrente de vida solidária, de preocupação, de oração, de vir hoje, de trazer materiais e deixar horas de suas coisas pessoais para nos ajudar a limpar toda a sujeira", assinalou.

Além de expressar sua dor pelo que aconteceu, Pe. Narbona expressou que a Igreja “é construída com pedras vivas, que são aqueles que vieram ajudar. Ainda que fique somente um cristão católico apostólico romano que viva coerentemente a sua fé e seu amor a Jesus Cristo, vai existir a Igreja Católica, porque a Igreja é mais que as tábuas”.

Hortencia Cereceda, vizinha da paróquia há 20 anos e uma das voluntárias que ajudaram a limpar, manifestou que presenciaram o que aconteceu com “muita dor. Tentamos dialogar com as pessoas que vieram para saquear, mas foi impossível”.

“Agora, queremos ser uma contribuição para limpar e que esta paróquia volte a ser um local de encontro. A igreja não são as paredes, somos todas as pessoas que queremos uma mudança. Temos que voltar a nos encontrar, temos que entender que a violência não é a forma para solucionar. Eu estou por reconstruir um conceito de país unido e em paz”, expressou à comunicação da Arquidiocese de Santiago.




No domingo, 10 de novembro, Pe. Narbona, o vigário da Zona Centro, Pe. Francisco Llanca, o Bispo Auxiliar de Santiago, Dom Cristián Roncagliolo, e dezenas de fiéis se reuniram no templo para realizar uma liturgia de reparação. Além de rezar e pedir perdão a Deus, os fiéis beijaram a imagem de um Cristo crucificado que foi salvo do ataque e rezaram o Mês de Maria, que começou em 8 de novembro no país.

Outras igrejas atacadas durante esses dias de manifestações foram a Catedral de Valparaíso e a paróquia de Santa Teresa dos Andes, em Punta Arenas. Enquanto isso, outros templos foram apedrejados e tiveram os seus muros arranhados.

Fonte: ACI digital



segunda-feira, 11 de novembro de 2019

A morte não é a última palavra

Diácono Douglas 

No último dia 9 de novembro de 2019, o jovem Diácono Douglas Ribeiro Lima, da Diocese de Guaxupé (MG), de 27 anos e com apenas 15 dias de ordenado, retornou à casa do Pai. Um acidente automobilístico ceifou a vida deste jovem que caminhava rumo ao sacerdócio.

Padre Arnaldo Rodrigues – Cidade do Vaticano

Sexta, 8 de novembro, a Igreja em Guaxupé (MG) foi surpreendida com o trágico acidente automobilístico que envolveu o recém ordenado diácono, Douglas Ribeiro Lima. O acidente envolveu o carro que dirigia e um caminhão. Após ser levado para o hospital, passado por duas cirurgias (ortopédica e neurológica), não resistiu e faleceu 24 depois.

O diácono Douglas começou a trabalhar aos 14 anos de idade como locutor na rádio de sua cidade, Monte Belo, permanecendo na mesma durante três anos.  Após o período de acompanhamento vocacional, ingressou no seminário em 2011 com apenas 18 anos. Cursou Licenciatura em Filosofia e Bacharelado em Teologia.

Trabalhou em diversas paróquias durante o processo formativo, nas quais teve a oportunidade de amadurecer a vocação. Recentemente, o neo-diácono exercia seu ministério na Paróquia de Nossa Senhora do Carmo em Paraguaçu (MG) e no Serviço de Animação Vocacional, acompanhando os jovens que desejam ingressar no seminário. A ordenação diaconal aconteceu no dia 25 de outubro na Catedral Diocesana de Nossa Senhora das Dores, em Guaxupé, com a participação de um grande número de fiéis.

O Diácono Douglas

Ao falar do ministério diaconal, disse ao jornal de sua diocese:

Decidi, após um longo processo de formação, entregar minha vida definitivamente ao bom Deus. Já era feliz servindo à Igreja como seminarista, agora ainda mais como diácono e Futuramente como padre. Agradeço a Deus por ter me feito vosso filho pelas águas do Batismo e me concedido a graça do Sacramento da Ordem, no grau do diaconado. Dai-me, Senhor, a graça de levar todas as coisas para Ti, ser vosso instrumento, diácono para servir a mesa da Palavra, a mesa da Eucaristia e a mesa do pobre.

Diante desta tragédia, que impacta, recordemos as palavras de Papa Francisco nos relembra que a morte jamais terá a palavra final sobre nós, pois vivemos no amor misericordioso de Deus:

Esta esperança, reacendida em nós pela Palavra de Deus, ajuda-nos a assumir uma atitude de confiança diante da morte: de fato, Jesus nos demonstrou que a morte não é a última palavra, mas o amor misericordioso do Pai que transfigura e nos faz viver a comunhão eterna com Ele. (Papa Francisco – 2/11/2018)

Como Igreja somos um, somos o Corpo de Cristo, e como este corpo único, sofremos juntos as dores da parcela desta Igreja que está na Diocese de Guaxupé.  Nos unimos a seus familiares, amigos e a todos da Diocese representados na pessoa de seu Bispo Dom José Lanza Neto. Nossas orações e proximidade neste momento de dor.

Requiescat in pace (Descanse em paz)!

*Fonte Padre Bernardes, Diocese de Guaxupé.

10 novembro 2019

Fonte: Vatican News



Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog