2020 - Devoção e Fé - Blog Católico

quarta-feira, 23 de setembro de 2020

São Pio de Pietrelcina, um exemplo de contágio bom: o da santidade


A festa litúrgica deste ano do frade italiano também é marcada pela abertura da fase diocesana da causa de beatificação de Frei Modestino, filho espiritual de Padre Pio, que por 42 anos foi porteiro do convento local. Segundo ministro provincial dos Frades Menores Capuchinhos de San Giovanni Rotondo, Frei Maurizio Placentino, o retrato de “um contágio bom, belo, que é aquele da santidade. São Pio nos recordou que a santidade é contagiosa e nós queremos nos contagiar dessa santidade”.

Andressa Collet - Vatican News

Neste dia 23 de setembro, a Igreja recorda a vida e missão de São Pio de Pietrelcina, falecido no ano de 1968, aos 81 anos. O Papa João Paulo II, ao proclamá-lo Santo em 2002, descreveu sobre o legado do frade italiano que serve de testemunho para as nossas dificuldades e dores que, se foram aceitas por amor, “se transformam em um caminho privilegiado de santidade”.
Os devotos de São Pio se apressaram e uma semana antes das celebrações da festa litúrgica do santo já haviam garantido os 1.500 lugares disponíveis na igreja dedicada ao santo capuchinho em San Giovanni Rotondo para acompanhar tanto a tradicional Vigília de Oração, no dia 22, como as duas missas do dia 23. A presença dos devotos respeita as normas das autoridades sanitárias para evitar o contágio do coronavírus. Tanto a novena como as celebrações serão transmitidas pelo canal italiano Padre Pio TV e Rádio Padre Pio.
Ao final do dia da festa litúrgica, além de uma bênção especial às crianças depois da celebração vespertina na Igreja de São Pio, durante a noite, na Igreja de Santa Maria das Graças, será realizado um concerto de música sacra do coro polifônico “Te Deum Laudamus”, de San Marco in Lamis.

Causa de beatificação do filho espiritual de Padre Pio

A Festa de São Pio deste ano também é marcada pela abertura da causa de beatificação de Frei Modestino de Pietrelcina, também conhecido como Damiano Fucci. No dia 14 de setembro, de fato, no início da novena em preparação à celebração litúrgica do santo, no Santuário de Santa Maria das Graças, começou a fase diocesana na qual membros do tribunal e da comissão histórica estudarão a vida e as virtudes heroicas do filho espiritual de Padre Pio que, durante 42 anos, foi porteiro do Convento de San Giovanni Rotondo. O inquérito diocesano consiste na coleta de escritos, documentos e provas testemunhais referentes ao Frei Modestino que serão então transmitidos à Congregação para as Causas dos Santos para avaliação de mérito.

O porteiro do Senhor

Naquela ocasião, na homilia da celebração eucarística, dom Franco Moscone, arcebispo de Manfredonia-Vieste-San Giovanni Rotondo, afirmou que a missão de Frei Modestino, que “tantas vezes abriu e fechou, saudando os peregrinos” e abrindo “o coração de Cristo”, foi a de “porteiro do Senhor”.
Já o ministro provincial dos Frades Menores Capuchinhos de San Giovanni Rotondo, Frei Maurizio Placentino, comentou:

“Hoje queremos nos lembrar que também existe um contágio bom, belo, que é aquele da santidade. São Pio nos recordou que a santidade é contagiosa e nós queremos nos contagiar dessa santidade.”

23 setembro 2020





Começa hoje a novena aos Anjos da Guarda


REDAÇÃO CENTRAL, 23 set. 20 / 06:00 am (ACI).- "Invoque seu Anjo da Guarda, que irá iluminar você e guiá-lo. Deus o deu a você por este motivo. Portanto, valha-se dele”, dizia São Pio de Pietrelcina, que durante sua vida teve uma grande proximidade com seu anjo da guarda, o qual se tornou seu confidente e conselheiro.

Próximo da festa dos anjos da guarda, que é celebrada em 2 de outubro, apresentamos uma novena disponibilizada pela portal Canção Nova para pedir a intercessão do Anjo da Guarda e que Deus o coloque ao nosso lado para que nos proteja, ajude e incentive a seguir Cristo.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém

Oração para todos os dias

Santo Anjo da Guarda, guardai-nos de todas as ciladas do inimigo astucioso.
Deus, vinde em meu auxílio. Apressai-vos, Senhor, em socorrer-me.

(Rezar: 1 Glória ao Pai)

Ó Santo Anjo da minha Guarda, dou-vos graças pelos cuidados que tivestes comigo desde os primeiros dias de minha vida, livrando-me dos perigos espirituais e corporais. Ajudai-me com suas santas aparições, para que, sendo fiel a elas, consiga viver santamente, neste mundo, e gozar, depois, de vossa companhia na pátria celestial. Amém.

(Rezar: 1 Pai-Nosso, 1 Ave-Maria)

Primeiro dia

Intenção: Para que o Senhor nos torne dignos de sermos abrasados de uma perfeita caridade.

Segundo dia

Intenção: Para que o Senhor nos conceda a graça de fugirmos do pecado e procurarmos sempre a perfeição cristã.

Terceiro dia

Intenção: Para que o Senhor derrame em nossos corações o espírito de verdadeira humildade.

Quarto dia

Intenção: Para que o Senhor nos conceda a graça de dominar nossos sentidos e nos corrigir das nossas más inclinações.

Quinto dia

Intenção: Para que o Senhor nos conceda a graça de crescer e fortalecer as virtudes de fé, esperança e caridade.

Sexto dia

Intenção: Para que o Senhor não nos deixe cair em tentação, mas que nos livre de todo o mal e, de modo especial, dos vícios contra a pureza.

Sétimo dia

Intenção: Para que o Senhor encha nossas almas do espírito de uma verdadeira e sincera obediência.

Oitavo dia

Intenção: Para que o Senhor nos conceda a graça da perseverança na fé e nas boas obras, irradiando os preceitos do amor de Deus e do próximo.

Nono dia

Intenção: Para que o Senhor digne-se conceder que sejamos guardados por todos os anjos nessa vida mortal e, depois, sermos conduzidos por eles à glória do céu.




Sente-se deprimido ou triste? Reze esta oração do Padre Pio


Imagem referencial / Crédito: Flickr Jesús Domínguez (CC-BY-NC-SA-2.0)

REDAÇÃO CENTRAL, 23 set. 20 / 07:00 am (ACI).- “Fica Senhor comigo, pois preciso da tua presença para não te esquecer”, é parte de uma oração escrita por São Pio de Pietrelcina e que foi recomendada em um artigo publicado no site da Diocese de Celaya (México) para as pessoas que sofrem de depressão ou enfrentam uma tristeza profunda.

No artigo de 2018, assinala que “o Manual diagnóstico e estatístico dos transtornos mentais (DSM) inclui definições clínicas para a depressão”, mas também se pode recorrer “à explicação sobre a escuridão espiritual que São João da Cruz escreve em ‘A noite escura da alma’”.

“Seja qual for a forma em que tenha chegado a um estado depressivo, seja qual for a história que te levou até aí, a chave nesses momentos escuros é estender a mão, buscar o contato” com Deus, afirmou.

O autor indicou que “o estado de escuridão e depressão não é um vazio”, mas “um espaço cheio de conhecimento diante do qual estamos momentaneamente cegos”. “Quando tentamos alcançá-lo sozinhos, às vezes estamos muito exaustos para continuar a aprofundar e, assim, sucumbimos às ondas de desespero”, assinalou.

“Embora nos tenham ensinado que perder a esperança é voltar as costas para Deus – o que é pecado –, há outro elemento do desespero que às vezes passa batido. Deriva da Regra de São Bento: ‘Que em tudo Deus seja glorificado’”.

O Autor relatou que em uma confissão, “estando eu em uma época de depressão, o sacerdote me deu uma penitência muito concreta. Devia ler sobre Jesus caminhando sobre o mar tempestuoso e sobre o medo de Pedro, em Mateus 14,30-31. Em seguida, teria que refletir, especificamente, sobre o momento em que Pedro se desespera e busca a ajuda de Nosso Senhor, esse segundo exatamente antes de Jesus segurar sua mão”.

“Foi um momento escuro, cheio de dúvida para Pedro, cuja fé tinha fraquejado. Também foi uma resposta intuitiva para uma pessoa que se afoga fisicamente: estender a mão”, assinalou.

Explicou que esta é “uma metáfora para estender a mão para Cristo psicologicamente e espiritualmente. Surpreendeu-me a rapidez com que o instinto de sobreviver espiritualmente se uniu ao desejo de viver fisicamente quando se está esgotado e em águas profundos”.

“Por isso, com tranquilidade de saber que o Senhor pegou minha mão e que não me afogarei, frequentemente, leio esta oração, às vezes até mesmo três vezes inteira”:

Fica Senhor comigo, pois preciso da tua presença para não te esquecer.

Sabes quão facilmente posso te abandonar.

Fica Senhor comigo, porque sou fraco e preciso da tua força para não cair.

Fica Senhor comigo, porque és minha vida, e sem ti perco o fervor.

Fica Senhor comigo, porque és minha luz, e sem ti reina a escuridão.

Fica Senhor comigo, para me mostrar tua vontade.

Fica Senhor comigo, para que ouça tua voz e te siga.

Fica Senhor comigo, pois desejo amar-te e permanecer sempre em tua companhia.

Fica Senhor comigo, se queres que te seja fiel.

Fica Senhor comigo, porque, por mais pobre que seja minha alma, quero que se transforme num lugar de consolação para ti, um ninho de amor.

São Pio de Pietrelcina, Oração para depois da Comunhão.




Cinco fatos que talvez você não saiba sobre o Padre Pio e seu anjo da guarda


Anjo - São Pio de Pietrelcina / Foto: Ximena Rondón (ACI Prensa)

REDAÇÃO CENTRAL, 22 set. 20 / 07:00 am (ACI).- Nesta quarta-feira, 23 de setembro, a Igreja celebrará a festa de São Pio de Pietrelcina, o sacerdote dos estigmas e um santo que tinha muita devoção e proximidade ao seu anjo da guarda.

Confira a seguir cinco fatos que você talvez não conhecesse sobre Pe. Pio e os anjos:

1. Achava que todos podiam ver seus anjos da guarda

Segundo a Obra dos Santos Anjos, associação católica que difunde entre os fiéis a devoção dos santos Anjos e possui estatutos próprios aprovados pela Santa Sé, diz-se que quando o Pe. Pio ainda era muito pequeno começou a ter visões do seu anjo da guarda, de Jesus e Maria. Sua mãe disse que ele pensava que todo mundo podia vê-los.

2. Juntos contra o demônio

Em certas ocasiões, o demônio manchava as cartas que seu confessor lhe enviava e seguindo o conselho do seu anjo da guarda, quando chegava uma carta, antes de abri-la, o santo a aspergia com água benta e desta maneira podia lê-las.

“O companheiro de minha infância tenta suavizar as dores que me causavam aqueles impuros apóstatas embalando meu espírito como sinal de esperança” (Carta. I,321), destacava o santo sacerdote referindo-se ao seu anjo da guarda.

Não obstante, certa vez o demônio estava batendo no Pe. Pio e o santo chamou várias vezes em voz alta seu anjo da guarda, mas foi inútil. Em seguida, quando o anjo apareceu a consolá-lo, Pe. Pio zangado lhe perguntou por que não o socorreu.

O anjo lhe respondeu: “Jesus permite estes assaltos do diabo porque Sua compaixão te faça querido dele e queria que te assemelhasses com isso ao deserto, o jardim e a cruz” (Carta I, 113).

3. Traduzia as cartas

Quando recebia alguma carta escrita em francês, o anjo da guarda a traduzia. Uma vez, Pe. Pio escreveu: “Se a missão de nosso anjo da guarda é importante, a do meu com certeza é maior, porque também deve ser professor na tradução de outras línguas” (Carta I,304).

4. Seu anjo o despertava e rezava com ele

Narrava o Santo capuchinho: “De noite, fechava meus olhos, via descer o véu e abrir-se diante de mim o paraíso; e, consolado por esta visão, durmo com um sorriso doce e feliz nos lábios e com uma grande tranquilidade no meu semblante, esperando que meu pequeno companheiro de infância venha despertar-me e, desta forma, rezar juntos as orações matutinas ao amado de nossos corações” (Carta I,308).

5. Falava com outros anjos da guarda

“Se precisarem de mim – repetia o santo aos seus filhos espirituais –, podem me mandar seu anjo da guarda”. Certo dia, Frei Alessio Parente (Frei menor capuchinho) aproximou-se de Pe. Pio com algumas cartas na mão a fim de fazer-lhes algumas perguntas e o Pe. Pio não pôde atendê-lo.

Em seguida, o sacerdote dos estigmas o chamou e disse: “Não viu todos aqueles anjos que estavam aqui ao meu redor? Eram os anjos da guarda dos meus filhos espirituais que vieram trazer-me suas mensagens. Tive que responder-lhes rapidamente”.

O venerado Pe. Pio de Pietrelcina sempre reconheceu e agradeceu a missão do anjo da guarda como “mensageiro” e por isso recomendava a devoção a eles.




Hoje celebramos São Pio de Pietrelcina, o santo dos estigmas (23 de setembro)


REDAÇÃO CENTRAL, 23 set. 20 / 05:00 am (ACI).- “Oh Jesus, meu suspiro e minha vida, peço-te que faça de mim um sacerdote santo e uma vítima perfeita”, escreveu uma vez São Pio da Pietrelcina, cuja festa se celebra hoje. Sua oração foi escutada e lhe foi concedido o dom dos estigmas.

Durante sua vida, Deus o dotou de muitos dons, como o discernimento extraordinário que lhe permitiu ler os corações e as consciências. Por isso, muitos fiéis iam se confessar com ele.

Outros dons foram o da profecia para poder anunciar eventos do futuro, as curas milagrosas com a oração, a bilocação, que lhe permitiu estar em dois lugares ao mesmo tempo, e o perfume que exala das chagas dos estigmas.

Padre Pio nasceu em Pietrelcina, Itália, em 25 de maio de 1887. Seu nome era Francisco Forgione e tomou o nome de Frei Pio da Pietrelcina em honra a São Pio V, quando recebeu o hábito de Franciscano.

Aos cinco anos, apareceu-lhe o Sagrado Coração do Jesus, que posou sua mão sobre a cabeça do menino. O pequeno, por sua vez, prometeu a São Francisco que seria um fiel seguidor dele. Desde então, sua vida ficou marcada e começou a ter aparições da Santíssima Virgem.

Preferia passar o tempo em oração e estudo porque entendia o sacrifício que seus pais faziam para que recebesse uma boa formação.

Aos 15 anos, decidiu ingressar na Ordem Franciscana de Morcone e teve visões do Senhor em que lhe mostrou as lutas que teria que passar contra o demônio. “Eu estarei te protegendo, te ajudando, sempre a seu lado até o fim do mundo”, disse-lhe Jesus Cristo.

Em 10 de agosto de 1910, foi ordenado sacerdote. Pouco tempo depois voltaram as febres e as dores que o afligiam. Então, foi enviado a Pietrelcina para que restabelecesse sua saúde.

Em 1916, visitou o Mosteiro de São Giovanni Rotondo. O Padre Provincial, ao ver que sua saúde tinha melhorado, mandou-lhe retornar a esse convento onde recebeu a graça dos estigmas.

“Era a manhã de 20 de setembro de 1918. Eu estava no coro fazendo a oração de ação de graças da Missa… me apareceu Cristo que sangrava por toda parte. De seu corpo chagado saíam raios de luz que mais pareciam flechas que me feriam os pés, as mãos e o lado”, descreveu Padre Pio a seu diretor espiritual.

“Quando voltei a mim, encontrei-me no chão e com chagas. As mãos, os pés e o lado sangravam e me doíam até me fazer perder todas as forças para me levantar. Sentia-me morrer, e teria morrido se o Senhor não tivesse vindo me sustentar o coração que sentia palpitar fortemente em meu peito. Arrastei-me até a cela. Recostei-me e rezei, olhei outra vez minhas chagas e chorei, elevando hinos de agradecimento a Deus”, acrescentou.

Certo dia, uma avó lhe levou a sua neta chamada Gema, que tinha nascido sem pupilas. Padre Pio a abençoou e fez o sinal da cruz sobre seus olhos. A menina recuperou a vista, sem necessidade de ter pupilas. Mais adiante, Gema ingressou na vida religiosa.

Em 9 de janeiro de 1940, animou seus grandes amigos espirituais a fundar um hospital que se chamaria “Casa Alívio do Sofrimento”, a qual foi inaugurada em 5 de maio de 1956, com a finalidade de curar as doenças físicas e espirituais.

Segundo fontes que não se puderam confirmar, São João Paulo II sendo um jovem sacerdote visitava Padre Pio para confessar-se e, em uma dessas ocasiões, estando em transe, disse ao futuro Supremo Pontífice: “Vais ser Papa”.

Padre Pio retornou à Casa do Pai em 23 de setembro de 1968, enquanto murmurava: “Jesus, Maria!”.

São João Paulo II, durante sua canonização em 16 de junho de 2002, disse: “Oração e caridade, esta é uma síntese extremamente concreta do ensinamento de Padre Pio, que hoje volta a propor todos”.




terça-feira, 22 de setembro de 2020

Piora o estado de saúde do padre Cláudio Scherer, internado em Santos com Covid-19


Por #Santaportal em 22/09/2020 às 15:33

Os padres Cláudio Scherer e Nelson José Caleffi, da Paróquia Imaculado Coração de Maria, estão internados em hospitais de Santos em tratamento contra a Covid-19.

CORONAVÍRUS - O padre Cláudio Scherer, que tem 50 anos, pároco da igreja Coração de Maria, piorou hoje e foi intubado para que os médicos tenham melhor controle sobre seu estado de saúde. Ele está há uma semana internado na UTI da Santa Casa de Santos, vítima da Covid-19.

O procedimento ocorreu sem intercorrências. O religioso segue estável, sem outras complicações, porém agora sedado e respirando com ajuda de aparelhos. Outro religioso internado, o padre José Caleffi segue na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e o boletim médico sobre seu estado ainda não foi divulgado.

Boletim (18/09/2020)

Padre Caleffi está internado na Casa de Saúde. Segundo informações médicas, houve agravamento em sua condição clínica por causa do novo coronavírus e ele apresenta um quadro de infecção generalizada, além de problemas em suas funções renais. O religioso, de 84 anos, também enfrenta um câncer.




A comunhão diária: graça ou prática excessiva?


KOMUNIA ŚWIĘTA
Piotr Hukalo/EAST NEWS

Edifa | Set 15, 2020

Hoje em dia, é absolutamente normal receber a comunhão toda vez que vamos à missa. No entanto, se essa prática se torna diária, não poderia levar a considerar a Eucaristia uma coisa banal? Ou pelo contrário, poderia ser um caminho de santificação?

É útil receber a comunhão com frequência? 

Esta é uma pergunta que o rei São Luís da França nunca se fez. Ele “ouvia” duas missas por dia, como se dizia antigamente, ou seja, assistia sucessivamente a duas “missas inferiores” mas, como todos os irmãos da Congregação dos Irmãos Menores e os irmãos dominicanos do seu século, só recebia a comunhão sete vezes por ano, nas grandes celebrações. Não se tratava de falta de confiança em Deus, mas faziam isso pelo imenso respeito pelo corpo de Cristo recebido na comunhão: só tomavam a comunhão depois de estar muito tempo se preparando para recebê-la.

Hoje em dia, graças às enérgicas exortações de Leão XIII e depois de São Pio X para voltar à prática primitiva da Igreja, parece normal aos cristãos receber a comunhão cada vez que vão à missa. E uma vez que as regras do jejum eucarístico foram consideravelmente relaxadas, pouco esforço é necessário para receber a comunhão em qualquer momento da missa. Portanto, hoje em dia, muitos cristãos vão tomar a comunhão todos os domingos e até mesmo todos os dias, quando raramente rezam ou quase nunca se confessam! O que podemos pensar disso?

Receber a comunhão tão frequentemente quanto possível, com uma condição

A comunhão só dá todos os seus frutos se, nas horas que a precedem, repetimos intensamente à Jesus que precisamos dele e lhe imploramos que inunde o nosso coração. Depois de receber a comunhão, devemos também reservar um tempo para falar com ele. Então, esse “corpo a corpo” eucarístico será expandido para um verdadeiro “coração a coração” que continuará ao longo do dia.

O santo Cura d’Ars advertia aos seus companheiros contra o hábito de correr para o jornal logo que terminasse a missa, em vez de continuar o diálogo com Aquele que acabavam de segurar em suas mãos e entregar aos fiéis. Por sua vez, a mística Marthe Robin chegou a dizer que a oração era mais importante do que a comunhão diária. Certamente, dizia ela, a oração “requer muito mais esforço. Além disso, a comunhão sacramental pode não ser possível por um longo intervalo devido aos diversos defeitos que Deus envia às suas criaturas para testá-las. A oração é sempre possível, mesmo que apenas por alguns minutos. A comunhão nem sempre implica virtude: podemos ser culpados e receber a comunhão com o corpo e o sangue do Senhor. A oração quotidiana também não quer dizer que sejamos virtuosos, embora seja uma prova de que nos esforçamos seriamente para ser isso”.

Então, vamos continuar tomando a comunhão com a maior freqüência possível, se tivermos esse bom hábito. Mas que essas comunhões sejam o ápice de nossa jornada. Um cume para o qual nos preparamos e cuja descida “nas mãos de Jesus” fazemos com o coração cheio de alegria.

Abade Pierre Descouvemont

Fonte: Aleteia



Vaticano apresenta a Carta "Samaritanus Bonus" na qual confirma a condenação à eutanásia


Por Mercedes de la Torre

Apresentação "Samaritanus Bonus". Foto: Mercedes de la Torre / ACI Prensa

Vaticano, 22 set. 20 / 10:40 am (ACI).- A Congregação para a Doutrina da Fé apresentou a carta “Samaritanus Bonus” sobre o cuidado das pessoas nas fases críticas e terminais da vida, na qual confirmou a condenação à eutanásia e ao suicídio assistido.

A apresentação do documento aconteceu no dia 22 de setembro na Sala de Imprensa da Santa Sé e foi presidida pelo prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Cardeal Luis Ladaria Ferrer.

Na sua intervenção, o Cardeal Ladaria sublinhou que o ensinamento da Igreja sobre esta questão é claro, como o evidenciam documentos do magistério bem conhecidos como a Carta Encíclica “Evangelium Vitae” de São João Paulo II (25 de março de 1995); a declaração “Iura et bona” da Congregação para a Doutrina da Fé (5 de maio de 1980); a carta dos operadores sanitários de 2016 do então Pontifício Conselho da Pastoral para os Agentes de Saúde.

O prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé destacou a importância da presença, de estar ao lado da pessoa doente, “que sinta que não está sendo abandonado, que veja que há esperança, que a esperança nunca termina”.

Além disso, o Cardeal Ladaria advertiu que “uma compaixão que não vai acompanhada pela verdade, no respeito da vida humana em todas as fases de sua existência, é uma compaixão que não é reta” e reiterou a importância de ser próximo, porque “as atitudes são mais importantes do que as razões” e citou São Paulo VI ao afirmar que “o nosso tempo acredita mais nos testemunhos do que nos professores”.

“Não é admissível por parte daqueles que assistem espiritualmente estes doentes qualquer gesto externo que possa ser interpretado como uma aprovação, inclusive implícita, da ação da eutanásia, como, por exemplo, permanecer presente no instante de sua realização”, indicou o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Posteriormente, o secretário do mesmo dicastério, Dom Giacomo Morandi recordou a compaixão de Jesus e aquela relatada na parábola do Bom Samaritano e alertou sobre os erros e ambiguidades sobre a falsa compaixão e a “morte digna”, já que “a compaixão se expressa também em não compartilhar certas escolhas”.

Por sua vez, a subsecretária do Dicastério para os Leigos, Família e Vida, Gabriella Gambino, destacou que “cada um de nós foi criado à imagem e semelhança de Deus e está destinado à comunhão com Ele: nesta vocação está o fundamento da nossa dignidade”.

“A vida humana é sempre um bem intangível e inalienável, do qual ninguém pode privar o outro, nem mesmo sob pedido. Não existe o direito a dispor da própria vida, não existe o direito de dispor da vida dos outros”, alertou Gambino, acrescentando que “isto também se aplica às crianças em idade pré-natal e pediátrica”.

Por isso, Gabriella Gambino indicou que "o aborto seletivo e eugênico é gravemente ilícito, assim como, após o nascimento, a suspensão ou não ativação do tratamento para a criança apenas por causa da possibilidade ou medo de desenvolver deficiências" já que "a criança, antes e depois do nascimento, têm a mesma continuidade de cuidados e cuidados que os adultos, que hoje podem ser implantados em hospitais perinatais”.

A carta "Samaritanus bonus" da Congregação para a Doutrina da Fé foi aprovada pelo Papa Francisco em 25 de junho de 2020 e o dicastério escolheu o dia 14 de julho como data do documento, memória litúrgica de São Camilo de Lellis.

No documento se lê que “nas estruturas hospitalares e assistenciais inspiradas nos valores cristãos, é mais que nunca necessário fazer um esforço, também espiritual, para deixar espaço a uma relação construída a partir do reconhecimento da fragilidade e vulnerabilidade da pessoa doente".

Da mesma forma, confirma o ensinamento do Magistério que proíbe a eutanásia e o suicídio assistido, ao recordar que a eutanásia "é um ato intrinsecamente mau, em qualquer ocasião ou circunstância" e nenhuma autoridade pode legitimamente impô-lo porque "é, de modo definitivo, uma violação grave da Lei de Deus, enquanto morte deliberada moralmente inaceitável de uma pessoa humana”.

Por isso, a carta "Samaritanus Bonus" insiste que "a Igreja é chamada a acompanhar espiritualmente os fiéis nesta situação" e explica que "um acompanhamento para fazer renascer a esperança e modificar a escolha errônea, de modo que ao doente seja aberto o acesso aos sacramentos”.

“A parábola do Bom Samaritano indica qual deve ser a relação com o próximo sofredor, quais atitudes se precisam evitar – indiferença, apatia, julgamentos, medo de sujar as mãos, fechamento nos próprios assuntos – e quais assumir – atenção, escuta, compreensão, compaixão, discrição”.

Para ler a carta completa clique AQUI

Publicado originalmente em ACI Prensa. Traduzido e adaptado por Nathália Queiroz.




Cuidar dos doentes, aprendendo o que significa amar

Hospital “Santa Maria della Pietà”, Casoria 

EDITORIAL

O Magistério sobre os temas do fim da vida reproposto pela carta "Samaritanus bonus", que contém acentos pastorais: a pessoa deve ser cuidada e circundada de afeto até ao fim

Andrea tornielli - Vatican News

Incurável não é jamais sinônimo de “incuidável”: esta é a chave de leitura para compreender a carta da Congregação para a Doutrina da Fé "Samaritanus bonus", que tem como tema "cuidar das pessoas nas fases críticas e terminais da vida". O documento, diante de uma perda de consciência comum sobre o valor da vida e de debates públicos por vezes demasiados condicionados por casos individuais evidenciados pelas notícias, reafirma claramente que "o valor inviolável da vida é uma verdade básica da lei moral natural e um fundamento essencial da ordem jurídica". Portanto "não se pode escolher diretamente de atentar contra a vida de um ser humano, mesmo que ele ou ela o requeira". Deste ponto de vista, a arquitrave que sustenta "Samaritanus Bonus" não contém nada de novo: de fato, o Magistério disse repetidamente não a qualquer forma de eutanásia ou suicídio assistido, e explicou que a alimentação e a hidratação são suportes vitais a assegurar à pessoa doente. O Magistério também se manifestou contra a chamada "obstinação terapêutica", porque na iminência de uma morte inevitável "é lícito tomar a decisão de renunciar a tratamentos que provocariam somente um prolongamento precário e penoso da vida”.

A carta propõe, portanto, de forma precisa o que foi ensinado pelos últimos Pontífices e tem sido considerado necessário face a legislações cada vez mais permissivas sobre estas questões. As suas páginas mais novas são as que têm um acento pastoral, que dizem respeito ao acompanhamento e cuidado dos doentes que chegaram à fase final das suas vidas: cuidar destas pessoas nunca pode ser reduzido apenas à perspectiva médica. Há necessidade de uma presença coral que os acompanhe com afeto, presença, terapias apropriadas e proporcionais e assistência espiritual. Significativas são as referências à família, que "precisa de ajuda e meios adequados". É necessário que os Estados reconheçam a primária e fundamental função social da família "e o seu papel insubstituível, também nesta área, fornecendo  recursos e estruturas necessárias para a apoiá-la", afirma o documento. De fato, o Papa Francisco recorda-nos que a família "sempre foi o 'hospital' mais próximo". E ainda hoje, em muitas partes do mundo, o hospital é um privilégio para poucos, e está muitas vezes muito longe.

"Samaritanus bonus" mesmo que nos faça recordar o drama de muitos casos discutidos na mídia, ajuda-nos a olhar para os testemunhos dos que sofrem e dos que cuidam, para os muitos testemunhos de amor, sacrifício, dedicação aos doentes terminais ou a pessoas em persistente falta de consciência, assistidos por mães, pais, filhos, netos. Experiências vividas diariamente em silêncio, muitas vezes no meio de mil dificuldades. Na sua autobiografia, o cardeal Angelo Scola relatou um episódio que aconteceu anos atrás: "Durante uma visita pastoral a Veneza, um dia, enquanto saia da casa de uma pessoa doente, o pároco local apontou-me um senhor mais ou menos da minha idade com um ar muito discreto. Três semanas antes o seu filho tinha morrido, uma pessoa gravemente deficiente, incapaz de falar ou de andar, e que ele tinha carinhosamente cuidado durante mais de trinta anos, ajudando-o dia e noite e confortando-o com a sua presença constante. Único momento que se ausentava era nas manhãs de domingo, quando ia à missa. Diante desta pessoa senti um certo embaraço, mas como ocorre frequentemente a nós padres, senti-me obrigado a dizer algo. Deus o recompensará por tudo isso, balbuciei um pouco atordoado. E ele respondeu-me com um grande sorriso: "Patriarca, olha, eu já recebi tudo do Senhor porque Ele me fez compreender o que significa amar".

22 setembro 2020




A incrível história do resgate de Nossa Senhora de Bruges


Public Domain

V. M. Traverso | Set 18, 2020

A Madona de Bruges, única obra de Michelangelo que saiu da Itália, foi roubada duas vezes

Quando você pensa em uma estátua inesquecível de Michelangelo, a Pietà pode vir à mente. Mas a Madona de Bruges é provavelmente a obra do mestre italiano com a história mais interessante. Criada em 1503, a estátua foi transportada para Bruges, na Bélgica, pelo comerciante Alexander Mouscron, que costumava visitar Florença a negócios.

Wikipedia|CC BY-SA 3.0

Ela é diferente de outras obras de Michelangelo que apresentam os dois personagens principais da Virgem Maria e do Menino Jesus. Em suas outras peças, Michelangelo representou a Virgem como uma figura piedosa sorrindo para seu bebê. Aqui, Maria é representada numa pose pensativa, olhando para o chão, enquanto o Menino Jesus parece mover-se para fora, em direção ao mundo.

Os críticos acham que esse arranjo pode ter a ver com o fato de que Maria conhecia o destino que aguardava seu filho, pois ela estava segurando as Escrituras em sua mão esquerda. Ambas as figuras apresentam uma forma elíptica que contribui para a sensação geral de monumentalidade da obra.
Mouscron manteve a estátua em sua capela homônima por anos, onde teria sido admirada pelo artista flamengo Durer. Mas o destino da estátua sofreu uma reviravolta inesperada durante a Revolução Francesa. Em 1794, os revolucionários franceses tomaram o controle da Bruges, então domínio dos austríacos, e levaram a estátua para Paris.
Somente após o fim da era napoleônica, em 1816, a escultura foi devolvida ao seu local original. No entanto, ela não permaneceu lá por muito tempo.
Em 1944, a escultura foi levada pelas tropas nazistas que fugiam de Bruges após a chegada de tropas americanas a esta parte da Europa. Junto com a estátua, os nazistas levaram outras pinturas da era renascentista. A preciosa carga foi supostamente embrulhada em colchões e transportada por um caminhão da Cruz Vermelha pela fronteira.

Public Domain

A escultura acabou indo parar em uma mina de sal de Altaussee, da qual foi resgatada em 1945 por Stephen Kovalyak, George Stout e Thomas Carr, que vieram a ser conhecidos como os “Monuments Men”, uma equipe especial encarregada pelo presidente Roosevelt para resgatar obras de arte roubadas pelos nazistas em toda a Europa.
A Madona de Bruges foi finalmente devolvida a Bruges, onde atualmente se encontra dentro da Igreja de Nossa Senhora de Bruges. Na verdade, o interior da igreja e a famosa estátua de Michelangelo são apresentados no filme de 2014 The Monuments Men.

Public Domain

Hoje, qualquer pessoa pode ver esta obra-prima de perto, visitando a Igreja de Nossa Senhora de Bruges, aberta ao público todos os dias até às 16h30. Devemos isso aos bravos homens que arriscaram suas vidas para salvar obras de arte que pertencem a toda a humanidade.

Fonte: Aleteia



Hoje começa a novena da Santa Teresinha do Menino Jesus, padroeira das missões


REDAÇÃO CENTRAL, 22 set. 20 / 05:00 am (ACI).- “Para mim, a oração é um impulso do coração, é um simples olhar lançado para o céu, é um grito de gratidão e de amor, tanto no meio da tribulação como no meio da alegria”, dizia Santa Teresinha do Menino Jesus, Doutora da Igreja e Padroeira das missões.
Santa Teresa de Lisieux, como também é conhecida, nasceu de um casal santo. Seus pais Louis Martin e Zélia Guérin foram canonizados em 18 de outubro de 2015, no marco do Sínodo das Famílias.
Próximos da festa desta jovem carmelita, que é celebrada em 1º de outubro, apresentamos a novena disponibilizada pelo site da Comunidade Shalom em honra àquela que costumava dizer: “quero passar meu céu fazendo o bem na terra”.

Oração:

Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo: eu vos agradeço por todas as graças com que enriqueceste a vida de vossa serva, Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face, nestes 24 anos que passou na terra. E pelos méritos de tão querida santinha, concedei-me a graça que ardentemente vos peço … (fale qual é), se for conforme a Vossa Santíssima Vontade e para a salvação de minha alma (ou da pessoa por quem está rezando).
Ajudai minha fé e minha esperança, Santa Teresinha, cumprindo mais uma vez vossa promessa de que ficareis no Céu a fazer o bem na terra, permitindo que eu ganhe um rosa em sinal de que alcançarei a graça pedida.

Rezar 24 vezes, por cada ano de Santa Teresinha na terra:

“Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo como era no princípio, agora e sempre. Amém.” Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face, rogai por mim (ou o nome da pessoa por quem está intercedendo).

Primeiro dia:
Santa Teresinha doutora e amante da Igreja – Neste dia rezemos pelos que exercem o ministério sacerdotal, pela santificação do Clero e pelas intenções do coração do Santo Padre.

Segundo dia:
Santa Teresinha padroeira das missões – Neste dia rezemos pelos missionários espalhados no mundo inteiro e suas necessidades espirituais e materiais.

Terceiro dia:
Santa Teresinha que teve uma vida de sacrifícios pelas almas – Neste dia rezemos pelos Cristãos que são perseguidos e martirizados por sua fidelidade e amor a Cristo.

Quarto dia:
Santa Teresinha que viveu em uma família santa – Neste dia rezemos pela união e santificação das famílias.

Quinto dia:
Santa Teresinha padroeira dos jovens – Neste dia rezemos pela juventude do mundo inteiro.

Sexto dia:
Santa Teresinha que foi curada pelo sorriso de Maria – Neste dia rezemos pelos que sofrem de depressão, pelos que vivem oprimidos e sem sentido de vida.

Sétimo dia:
Santa Teresinha apaixonada por Jesus – Neste dia rezemos para que todos tenham um coração inflamado de amor a Cristo.

Oitavo dia:
Santa Teresinha próxima dos prisioneiros – Neste dia rezemos por todos os encarcerados e pelos que se encontram presos em si mesmo, pelo pecado.

Nono dia:
Santa Teresinha solidária aos incrédulos – Neste dia rezemos pelos que não creem ,não esperam e não confiam em Deus.




segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Qual é o símbolo de cada Evangelista e o que eles significam?


 Créditos: Internet/Reprodução

Desde os séculos II e IV (aproximadamente), a Igreja passou a identificar cada um dos evangelistas como um símbolo diferente, que foram tirados de uma visão do profeta Ezequiel (1,10) que diz: “Quanto ao aspecto de seus rostos tinham todos eles figura humana, todos os quatro uma face de leão pela direita, todos os quatro uma face de touro pela esquerda, e todos os quatro uma face de águia”.

Aqui te explicamos a razão de cada símbolo:

1) Mateus: Anjo ou homem com asas

O Evangelho de Mateus é representado por um anjo (ou segundo alguns, um homem com asas) por iniciar sua narração a partir da Genealogia de Jesus, mostrando-O como Filho de Davi e filho de Abrãao.

2) Marcos: Leão

O Evangelho de Marcos é representado por um leão, pois o livro começa com a pregação de João Batista no deserto; então faz a analogia do rugido do animal com a pregação imponente de João sobre o Cordeiro de Deus; também por ser o rei dos animais, o Leão evoca o reinado de Cristo.

3) Lucas: Touro

O Evangelho de Lucas é representado por um touro, que indica os animais que eram oferecidos em sacrifício no Templo. O livro começa justamente com a visão de Zacarias no templo e também termina com os apóstolos indo anunciar a Boa Nova no mesmo lugar. Assim Lucas quer ressaltar a dimensão sacerdotal de Jesus.

4) João: Águia

O Evangelho de João é representado por uma águia, devido à sua “profundidade no olhar”. Enquanto os outros evangelistas começam a narrar por meio de fatos históricos, João dá início com uma teologia mais profunda: “No Principio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus” (Jo 1, 1). Então a águia indica esse animal cujo vôo é mais alto tendo, assim, uma visão melhor das coisas.

Fonte: ChurchPOP



Governo pede suspensão de filme da Netflix por ‘conteúdo pornográfico envolvendo crianças’


Data de publicação21/09/2020

‘O filme apresenta pornografia infantil e múltiplas cenas com foco nas partes íntimas das meninas enquanto reproduzem movimentos eróticos durante a dança’, diz comunicado do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, chefiado pela ministra Damares Alves, pediu a suspensão da veiculação do filme “Cuties” pela Netflix e investigação sobre sua distribuição no Brasil, por possuir “conteúdo pornográfico envolvendo crianças”. O pedido foi encaminhado à coordenação da Comissão Permanente da Infância e Juventude (Copeij), colegiado integrado por procuradores e promotores de Justiça de todos os estados e distrito Federal que atuam diretamente na área da infância e juventude. O filme francês é uma produção original da Netflix e tem classificação indicativa de 16 anos.

De acordo com o ministério, no ofício assinado pela Secretaria Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente, o secretário Maurício Cunha destacou que a produção, protagonizada por uma menina de 11 anos, possui, como pano de fundo, o fascínio pela dança, a busca pela liberdade, o desenvolvimento da identidade sexual e o conflito em relação à tradição religiosa de sua família. “No entanto, de acordo com Cunha, o filme apresenta pornografia infantil e múltiplas cenas com foco nas partes íntimas das meninas enquanto reproduzem movimentos eróticos durante a dança, se contorcem e simulam práticas sexuais. O roteiro, segundo ele, pode levar à normalização da hipersexualidade das crianças em produções artísticas”, informou, em comunicado.

Além da suspensão do filme no país, o governo pede a apuração da responsabilidade pela oferta e distribuição do conteúdo, destacando que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) prevê como crime o ato de “vender ou expor à venda, vídeo ou outro registro que contenha cena pornográfica envolvendo criança e adolescente, punível com reclusão de 4 a 8 anos e multa”.

Fonte: Jovem Pan | *Com Agência Brasil




Cristãos se unem em manifestação contra o aborto, em Curitiba


Por Templário de Maria

Data de publicação19/09/2020

Idealizada por líderes católicos e evangélicos, a manifestação reuniu milhares em frente à sede do governo do Paraná.

Mesmo sob forte chuva, uma manifestação contra a legalização do aborto uniu evangélicos e católicos na tarde de sábado (15) em Curitiba, em frente à sede do governo do Paraná.
A “Manifestação pela Vida” foi idealizada pela liderança das Igrejas Católicas e Evangélicas de Curitiba para mandar uma mensagem aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que discutem a descriminalização do aborto até a 12ª semana.
“Onze pessoas não eleitas pelo povo não podem decidir pela vida ou morte das crianças em gestação, sem passar o projeto de lei pelo poder legislativo”, disse na ocasião o bispo Robson Rodovalho, presidente da Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra.
Segurando cartazes e faixas, os manifestantes lembraram que a maior parte da população brasileira é contra o aborto e defende a vida desde a concepção.
O evento contou com momentos de música e discurso de lideranças religiosas. O testemunho de uma jovem mãe que desistiu de um aborto e estava ali presente com o filho emocionou o público presente.

A manifestação acontece pouco mais de um mês depois de um projeto de lei pró-aborto ter sido derrubado no Senado da Argentina após pressão popular. O sucesso do movimento pró-vida argentino tem inspirado manifestações em outros países da América do Sul.

Segundo o bispo Cirino Ferro, do Conselho de Ministros Evangélicos do Paraná, Curitiba é uma das primeiras cidades a realizar uma manifestação como esta. A ideia é que o movimento seja replicado em outras capitais.
Pouco antes do fim da manifestação, o Arcebispo da Igreja Católica de Curitiba, Dom José Antônio Peruzzo, levou o microfone ao aparelho que ampliou o som do útero de uma mulher grávida, fazendo-se ouvir o som do coração do embrião.

Aborto no Brasil

No Brasil, o aborto é permitido somente nos casos de anencefalia do feto, gravidez resultante de estupro e quando a gestação representa um risco para a vida da mulher, nos termos do Código Penal.
Nos dias 3 e 6 de agosto, o STF promoveu uma audiência pública para discutir a descriminalização do aborto até a 12ª semana. A relatora da ação, ministra Rosa Weber, disse que a decisão passa por um período de amadurecimento e não deu prazos para o julgamento.
A APDF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) de descriminalização do aborto foi apresentada no dia 8 de março de 2017 pelo PSOL em conjunto com o Instituto Anis.





Padre é afastado da Ordem Sacerdotal e será candidato a vice-prefeito


Imagem referencial. Crédito: Pixabay

SÃO PAULO, 21 set. 20 / 11:43 am (ACI).- A Diocese de Presidente Prudente (SP) comunicou no último dia 18 de setembro que Padre Milton Gonzaga de Lima foi afastado da Ordem Sacerdotal, após ser oficializado como candidato a vice-prefeito.
De acordo com nota assinada pelo Bispo local, Dom Benedito Gonçalves dos Santos, o sacerdote, até então Pároco da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, em Presidente Prudente, apresentou carta renunciando ao seu ofício.
O presbítero solicitou o “afastamento de suas funções sacerdotais por motivos pessoais, por um período de quatro meses (15/09/2020 à 15/01/2021)”, assinala a nota.
Vale ressaltar que neste ano, por razão da pandemia de Covid-19, as eleições municipais no Brasil foram adiadas. O primeiro turno acontecerá em 15 de novembro e, nos locais em que for necessário, o segundo turno será em 29 de novembro.
De acordo com a Diocese, “com o afastamento de suas funções sacerdotais”, Pe. Milton Gonzaga de Lima “deverá deixar imediatamente a casa paroquial com todos os seus pertences e o automóvel de propriedade da paróquia, e ficará sem o direito a côngrua, ficando também sobre sua total responsabilidade o pagamento do plano de saúde, o recolhimento do INSS particular, bem como a total manutenção de seu sustento pessoal”.

Afirma ainda que neste período de afastamento, o sacerdote “fica autorizado a celebrar a Santa Missa em Oratório particular, sem a presença de fiéis, e proibido de ministrar qualquer outro sacramento”.
Além disso, informa que o sacerdote se comprometeu “a guardar fiel e incansavelmente todas suas obrigações, compromissos, encargos inerentes ao ministério sacerdotal”.
“Deus, por intercessão da Virgem Maria, ilumine e fortaleça o Revmo. Pe. Milton, para que durante este período de afastamento do ministério, permaneça autêntico discípulo missionário de Cristo Jesus”, conclui a nota.
O que diz a Igreja sobre sacerdotes na política
O Código de Direito Canônico não permite que sacerdotes sejam candidatos políticos e isso vale tanto para o clero secular quando para o religioso. O descumprimento de tal norma é passível de punição pelo bispo local
No parágrafo 3 do cânone 285 do Código de Direito Canônico, afirma-se que “os clérigos estão proibidos de assumir cargos públicos que importem a participação no exercício do poder civil”.
Já o cânone 287 determina que “os clérigos promovam e fomentem sempre e o mais possível a paz e a concórdia entre os homens, baseada na justiça” e determina: “Não tomem parte ativa em partidos políticos ou na direção de associações sindicais, a não ser que, a juízo da autoridade eclesiástica competente, o exija a defesa dos direitos da Igreja ou a promoção do bem comum”.
Por sua vez, o cânone 672 indica que “os religiosos estão obrigados às prescrições” do cânone 285.
Além disso, o ‘Diretório para o ministério e a vida dos Presbíteros’, da Congregação para o Clero, afirma que “o sacerdote, servidor da Igreja que em virtude da sua universalidade e catolicidade não pode ligar-se a nenhuma contingência histórica, estará acima de qualquer parte política”.
Nesse sentido, continua, “ele não pode tomar parte ativa em partidos políticos ou na condução de associações sindicais, a menos que, na opinião da autoridade eclesiástica competente, o exijam a defesa dos direitos da Igreja e a promoção do bem comum. Com efeito, embora estas coisas sejam boas em si mesmas, são todavia alheias ao estado clerical, enquanto podem constituir um perigo grave de rotura da comunidade eclesial”.
“Como Jesus (Jo 6, 15ss), o presbítero ‘deve renunciar a empenhar-se em formas de política ativa, especialmente quando ela é partidária, como quase sempre inevitavelmente acontece, para permanecer o homem de todos num plano de fraternidade espiritual’. Por isso, todo o fiel deve sempre poder abeirar-se do sacerdote sem se sentir excluído por nenhum motivo”, acrescenta.




Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog