Junho 2018 - Devoção e Fé - Blog Católico

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Papa Francisco: o cristão reza pelo seu inimigo e o ama


"A oração mafiosa é: 'Você me paga'. A oração cristã é: 'Senhor, dê-lhe a sua bênção e ensine-me a amá-lo'. Pensemos num inimigo: todos temos um. Pensemos nele. Rezemos por ele. Peçamos ao Senhor a graça de amá-lo", disse o Papa na homilia.

Gabriella Ceraso – Cidade do Vaticano

O perdão, a oração e o amor por que quem nos quer destruir, pelo nosso inimigo. Assim foi a homilia do Papa Francisco na missa celebrada na capela da Casa Santa Marta esta terça-feira (19/06).

Comentando o trecho proposto pela Leitura do dia, extraído do Evangelho de Mateus, o Papa admitiu a dificuldade humana em seguir o modelo do nosso Pai celeste e propôs novamente o desafio do cristão, isto é, de pedir ao Senhor a “graça” de saber “abençoar os nossos inimigos” e nos comprometer a amá-los.

Perdoar para ser perdoados

“Nós sabemos que devemos perdoar os nossos inimigos”, afirmou o Papa, nós dizemos isso todos os dias no Pai-Nosso. Pedimos perdão assim como nós perdoamos: é uma condição…", embora não seja fácil. Assim como “rezar pelos outros”, por aqueles que nos dão problemas, que nos colocam à prova: também isto é difícil, mas o fazemos. Ou pelo menos muitas vezes conseguimos fazê-lo ":

Mas rezar por aqueles que querem me destruir, os inimigos, para que Deus os abençoe: isso é realmente difícil de entender. Pensemos no século passado, os pobres cristãos russos que somente pelo fato de serem cristãos eram enviados para a Sibéria para morrer de frio: e eles deveriam rezar pelo governante carrasco que os enviava ali? Mas como é possível? E muitos o fizeram: rezaram. Pensemos em Auschwitz e em outros campos de concentração: eles deveriam rezar por este ditador que queria a raça pura e matava sem escrúpulo, e rezar para que Deus os abençoasse! E muitos fizeram isso.

Aprender com a lógica de Jesus e dos mártires

É a difícil lógica de Jesus, que no Evangelho está contida na oração e na justificação daqueles que “o mataram” na cruz: “perdoa-os Pai, porque não sabem o que fazem”. Jesus pede perdão para eles, recordou o Papa, assim como fez como Santo Estevão no momento do martírio:

Mas quanta distância, uma infinita distância entre nós que muitas vezes não perdoamos pequenas coisas, e isso que nos pede o Senhor e de qual sempre nos deu exemplo: perdoar aqueles que tentam nos destruir. Nas famílias, às vezes, é muito difícil perdoarem-se os cônjuges depois de alguma briga, ou perdoar a sogra também: não é fácil. O filho pedir perdão ao pai é difícil. Mas perdoar os que o estão matando, que querem eliminá-lo … Não somente perdoar: rezar por eles, para que Deus os proteja! E mais: amá-los. Somente a palavra de Jesus pode explicar isso. Eu não consigo ir além.

Pedir a graça de ser perfeito como o Pai

Portanto, destacou Francisco, é a graça de pedir para entender algo deste mistério cristão e ser perfeitos como o Pai, que dá todos os seus bens aos bons e aos maus. O Papa concluiu afirmando que nos fará bem pensar nos nossos inimigos, pois todos nós temos algum:

Hoje, nos fará bem pensar num inimigo – creio que todos nós temos um -, alguém que nos fez mal ou que nos quer fazer mal ou tenta nos prejudicar: pensar nesta pessoa. A oração mafiosa é: “Você me paga”. A oração cristã é: “Senhor, dê-lhe a sua bênção e ensine-me a amá-lo”. Pensemos num inimigo: todos temos um. Pensemos nele. Rezemos por ele. Peçamos ao Senhor a graça de amá-lo.

Fonte: Vatican News



Milhares marcham em Brasília em defesa da vida e contra o ativismo judicial


BRASILIA, 19 Jun. 18 / 07:30 pm (ACI).- Nesta terça-feira, 19 de junho, milhares de braisleiros participaram da 11ª Marcha Nacional pela Vida, para manifestar-se contra o aborto no país e o ativismo judicial que visa liberar a prática no país, sobretudo às vésperas de uma audiência pública para discutir a descriminalização do aborto convocada pela ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF).

A 11ª Marcha Nacional pela Vida foi realizada pelo Movimento Nacional da Cidadania pela Vida- Brasil Sem Aborto, com o tema “Vida para viver”. Durante o trajeto, os manifestantes erguiam faixas dizendo “sim à vida, não ao aborto”, além de frases “contra o ativismo judicial”, entre outras manifestações.

11ª Marcha Nacional pela Vida em Brasília / Foto: Movimento Brasil Sem Aborto

De acordo com os organizadores, participaram da Marcha de representantes de diferentes estados brasileiros, como Goiás, Sergipe, Rio de Janeiro, São Paulo, Pará, Alagoas e Paraíba.

Ao chegar em frente ao Congresso Nacional, os manifestantes realizaram um ato simbólico, com a presença de alguns parlamentares pró-vida. Entre eles, esteve o deputado federal Eros Biondini (Pros/MG), para quem este evento é fundamental para “não descansarmos nessa nossa luta” em defesa da vida.

De acordo com Biondini, a Marcha mostra para as pessoas “que representamos aqui a grande maioria da população brasileira, que por diversas vezes já se manifestou totalmente contra o aborto”.


Segundo o Movimento Brasil Sem Aborto, a marcha chamou a atenção para audiência pública que será realizada pelo STF no dia 6 de agosto, que vai discutir a descriminalização do aborto nos três primeiros meses de gestação.

A audiência foi convocada pela ministra Rosa weber, relatora da Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, proposta pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), na qual o partido pede que o Supremo invalide os artigos 124 e 126 do Código Penal, que criminalizam a interrupção voluntária da gravidez.

Na convocação, a ministra justificou que o tema jurídico é um dos “mais sensíveis e delicados”, pois envolve questões de ordem ética, moral, religiosa e saúde pública.

Entretanto, a presidente do Movimento Brasil Sem Aborto, professora Lenise Garcia, ressaltou que, “na verdade, a complexidade da controvérsia é bem maior”. “Quem deve legislar é o Congresso Nacional e não o Supremo. Esperamos que a ministra leve em consideração os 80% dos brasileiros que são contra legalizar o aborto, segundo pesquisas”.

Durante a Marcha, o deputado federal Flavinho (PSC/SP) assinalou que a manifestação marcou “presença aqui na capital, no coração do Brasil, dizendo que somos a favor da vida, contra o aborto, que não vamos tolerar esse ativismo judicial do STF e vamos denunciar essa ação do PSOL com a ADPF”.


Além disso, conforme assinalou o deputado Eron Biondini, “nessa marcha, nós pedimos ao Congresso que paute dois projetos importantes, o Estatuto do Nascituro e a PEC da Vida, para que definitivamente haja uma legislação que defenda a vida desde a concepção”.

O Estatuto do Nascituro é o Projeto de Lei (PL) 478/2007, que assegura a proteção ao nascituro e também à gestante. Já a PEC da Vida é a Proposta de Emenda Constitucional 29/2015, que acrescenta ao artigo 5º da Constituição Brasileira a expressão “desde a concepção” ao termo “inviolabilidade do direito à vida”.

Fonte: ACI digital



terça-feira, 19 de junho de 2018

Técnico da seleção brasileira costuma rezar à Virgem Aparecida antes das partidas


REDAÇÃO CENTRAL, 17 Jun. 18 / 06:00 am (ACI).- Antes do primeiro jogo do Brasil na Copa do Mundo, neste domingo, muitos brasileiros rezarão a Nossa Senhora Aparecida e um deles será Tite, o técnico da seleção brasileira, católico praticante e devoto da Virgem e de São Jorge, que sempre pede a proteção da Mãe de Deus e Nossa antes de cada partida da seleção canarinha.

Nos últimos dias, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) informou que decidiu manter a proibição a qualquer culto religioso na concentração da seleção brasileira, medida que foi tomada em 2015, quando um pastor evangélico se reuniu com 10 jogadores da seleção de Dunga na concentração nos Estados Unidos, sem autorização da CBF. Posteriormente, o líder religioso postou fotos em redes sociais.

Esta decisão da CBF, entretanto, não impede manifestações religiosas de âmbito pessoal da comissão técnica e dos jogadores. Assim, Tite poderá manter o seu costume de rezar antes das partidas.

Este é um hábito que traz mesmo antes de se tornar técnico da seleção brasileira. Já na época em que comandava o Corinthians, diversas vezes foram registradas fotos do treinador rezando no vestiário com uma imagem da padroeira do Brasil antes de cada partida.

Em uma recente entrevista ao site ‘Globo Esporte’, Padre Jeferson Mengali, conselheiro espiritual do técnico, afirmou que “Tite sempre tem uma imagem de Nossa Senhora Aparecida no vestiário, deixa a vela acesa e reza antes e depois dos jogos”.

Foi, aliás, em uma situação como esta que ambos se conheceram em 2013, quando o Corinthians esteve em Bragança Paulista (SP) para uma partida contra o Bragantino, o primeiro jogo do time após a morte do jovem Kevin Espada, atingido por um sinalizador disparado pela torcida corintiana na Bolívia.

O corintiano Pe. Mengali recordou que aquele era um momento delicado para toda a equipe do Corinthians, inclusive Tite. Naquele dia, foram apresentados e rezaram juntos no vestiário. Dali surgiu uma amizade na vida e na fé, tendo em comum ainda a devoção por São Jorge.

Tite chegou até mesmo a escrever o prefácio do livro de Pe. Jeferson Mengali, ‘São Jorge, o poder do Santo Guerreiro’, no qual afirma que “na busca de paz espiritual, fé, coragem e proteção, São Jorge se faz presente em minhas orações”.

A fé do treinador é também algo que impressiona o sacerdote. “A história que sabemos é que é um homem de muita fé”, assinalou Pe. Mengali, ressaltando ainda outro costume de Tite: “em qualquer concentração, ele pede que tenha uma igreja perto do hotel”.

Mas, a fé do treinador não tem nada a ver com superstição. “O Tite tem a medalhinha dele, que eu também uso. Mas para proteção. Ele leva no bolso um terço que dei a ele quando era técnico do Corinthians. Isso não é superstição, é um sinal de fé da religiosidade dele. Foge essa questão de superstição. Ele sabe que tem um Deus que olha por ele, como olha por todos nós”, afirmou o sacerdote.

Testemunhando a fé

Esses dois costumes de Tite – visitar uma igreja no local onde está e ter objetos religiosos – foram testemunhados durante a última estadia da seleção brasileira em Teresópolis (RJ), onde tiveram alguns dias de preparação na Granja Comary antes de viajar.

Conforme relata o portal ‘Uol’, em 22 de maio, Tite foi participar da Missa na Igreja de Santa Teresa, onde estava Marcia Burgos, tia de José Inácio, de 10 anos, que perdeu a mãe há um ano, data que era recordada também naquela celebração eucarística.

Ao site, Marcia contou que o menino estava sofrendo pela perda da mãe e, então, Tite gravou um vídeo e enviou uma pulseira com imagens de santos que foi dada de presente ao garoto.

Este mesmo presente Tite já ofertou a outras pessoas, inclusive jogadores, como Renato Augusto, que recebeu a pulseira após sofrer uma fratura em 2013.

Ao explicar este costume, em 2016, Tite disse que “não tem a ver com o lado do técnico, nada a ver. Não sou nenhum apologista de religião. É uma espiritualidade apenas, de fazer uma oração para ter saúde e ser solidário com alguém que possa ter saúde”.

Exemplo veio de família

A fé é uma herança que Tite recebeu de sua família, sobretudo da mãe, Dona Ivone, a qual é uma referência de espiritualidade para o técnico.

Em reportagem sobre sua vida no ‘Jornal Nacional’, da Rede Globo, dona Ivone contou que sempre que recebe a visita do filho, ele faz um convite a ela: “Vem cá mãe, vamos rezar o terço!”.

“Essa oração que a gente faz junto, tem o cunho da oração, mas tem o cunho do filho está do lado da mãe também”, disse o treinador.

Copa do Mundo

Para esta Copa do Mundo, Pe. Jeferson Mengali contou ao site ‘Globo Esporte’ que “Tite está centrado, sereno” e “focado no trabalho”.

“Tem uma coisa que o Tite sempre me diz: ‘Vencer por vencer não vale a pena. Temos que vencer se formos merecedores. Se merecer, vamos ganhar. Se não merecer, melhor que o outro ganhe. Porque na derrota, você aprende’”, recordou o sacerdote.

Este parecer ser um ensinamento aprendido também com a mãe. Ao ‘Jornal Nacional’, Dona Ivone expressou: “Tomara Deus que dê tudo certo. Se não der também, somos felizes, a mesma coisa”.

Fonte: ACI digital



Um católico e um evangélico terminam partida da Copa em oração e comovem milhões


Por María Ximena Rondón

MOSCOU, 19 Jun. 18 / 12:00 pm (ACI).- Na segunda-feira, milhões de telespectadores que acompanham a Copa do Mundo Rússia 2018 foram testemunhas de uma cena que repercutiu nas redes sociais: a foto dos jogadores Romelu Lukaku e Fidel Escobar rezando no final da partida entre as seleções da Bélgica e do Panamá no Estádio Olímpico Fisht.

As seleções se enfrentaram no dia 18 de junho como parte do Grupo G. Ao final, a Bélgica derrotou o Panamá por 3 a 0.

Terminada a partida, o belga Lukaku e o panamenho Escobar se ajoelharam no campo e rezaram durante alguns instantes.

O Diretor de Comunicação da JMJ Panamá 2019, Eduardo Soto, indicou ao grupo ACI que Fidel Escobar é evangélico. Por sua parte, Romelu Lukaku é católico.

Vários meios de comunicação e usuários das redes sociais classificaram esta cena como “a imagem do dia”.

Dois dos gols belgas foram feitos por Lukaku, que também é a estrela do time inglês Manchester United.

No começo de 2018, o proprietário do clube Everton, Farhad Moshiri, acusou Lukaku de deixar a equipe após receber “o uma espécie de vodu através de uma mensagem enviada por sua mãe”.

O porta-voz do jogador de 24 anos esclareceu que ele “é católico e o vodu não faz parte da sua vida nem das suas crenças”.

Esta não é a primeira vez que Lukaku se ajoelha para agradecer a Deus depois de uma partida. Em sua conta de Instagram publicou várias imagens nas quais é visto realizando este gesto.


Segundo informou o jornal britânico ‘The Sun’, o esportista viajou em outubro de 2014 ao Santuário Mariano da Virgem de Lourdes, na França.

Fonte: ACI digital



Assim foi a descoberta do cérebro incorrupto da próxima Beata do Paraguai


Por Giselle Vargas

ASSUNÇÃO, 19 Jun. 18 / 10:00 am (ACI).- No dia 23 de junho, o Paraguai celebrará a beatificação da Venerável Maria Felicia de Jesus Sacramentado, conhecida como Chiquitunga, em cuja cerimônia será transladada a relíquia do cérebro incorrupto, considerado “um milagre permanente” de Deus.

Chiquitunga, carmelita descalça, nasceu em 12 de janeiro de 1925 e morreu em 28 de abril de 1959, aos 34 anos. Seus restos mortais foram enterrados no cemitério La Recoleta, em Assunção, e cinco décadas depois foram transladados ao mosteiro da congregação.

Em 27 de setembro de 2011, a doutora Alba Núñez de Diez Pérez foi convocada pelas religiosas para limpar os restos da Venerável Chiquitunga.

“Recolhemos todos os ossos e tentamos montar o esqueleto. Tentamos localizar até mesmo os ossos dos dedos. Lavamos cada osso. Quatro irmãs me ajudaram neste trabalho. Demoramos vários dias”, explicou a Dra. Núñez ao Jornal local ‘Última Hora’.

“Na terça-feira, 27, chegou o momento de lavar o crânio. Percebi que dentro dele havia algo que pensamos que era um osso pequeno. Tentamos retirá-lo e uma das irmãs me disse que parecia um cérebro. Eu disse que isso era impossível, pois é a primeira coisa que desaparece depois da morte”, explicou.

“Procuramos um lugar mais iluminado e, ao olhar com a luz do sol, disse: ‘Meu Deus, é o cérebro!’. Conseguimos retirá-lo com seus dois hemisférios e o cerebelo. Encaixava perfeitamente. Algo impossível, uma graça de Deus”, afirmou Dra. Núñez.

A especialista manifestou que as outras partes do corpo estavam em decomposição e apenas o cérebro estava petrificado e incorrupto. Confirmou com antropólogos, anátomo-patologistas e “todos me disseram que não têm uma experiência semelhante, que é um milagre. É impossível que algo esteja assim sem a graça de Deus”.

O neurocirurgião Elio Marin Sanabria, membro da comissão que analisou o cérebro encontrado, disse ao Jornal ‘Última Hora’ que o cérebro estava petrificado e era do tamanho de uma laranja pequena.

“Era possível identificar perfeitamente o cérebro, o cerebelo e o tronco cerebral. Estavam intactos com todas as características fenotípicas da estrutura anatômica e bem identificáveis. Sua cor era bege”, explicou.

Marín assegurou que o cérebro é a primeira coisa que desaparece ou se degrada quando uma pessoa morre. Por isso é muito “rara” a conservação do cérebro da Chiquitunga, tanto pelas causas da sua morte, como pelos anos que passaram, as escassas técnicas de conservação dos corpos e a alta temperatura ambiental do Paraguai.

O cérebro petrificado junto com os restos de Chiquitunga permaneceram desde 2015 no mausoléu do convento das Carmelitas Descalças, no bairro Carmelita de Assunção. Em março de 2018, uma comissão de especialistas do Vaticano fez uma revisão exaustiva e posterior conservação do cérebro.

Em 9 de junho, o postulador geral para a Causa dos Santos Carmelitas ante a Santa Sé, Pe. Romano Gambalunga, e o embaixador paraguaio ante a Santa Sé, Esteban Kriskovich, voltaram ao país com a relíquia da venerável.

Nessa ocasião, o Arcebispo de Assunção, Dom Edmundo Valenzuela, disse que a relíquia do cérebro é “motivo de adoração e louvor a Deus, porque é um milagre permanente”.

Junto com o coração incorrupto de São Roque González de Santa Cruz, primeiro santo paraguaio, “somos um país extraordinariamente abençoado por Deus”, afirmou.

O Arcebispo de Assunção confirmou que em 23 de junho a relíquia estará na cerimônia de beatificação, que será presidida pelo Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Cardeal Angelo Amato.

Em seguida, a relíquia será transladada ao Santuário da Virgem de Caacupé, onde o enviado do Papa Francisco celebrará uma Missa para destacar o “modelo de santidade da mulher paraguaia”.

Fonte: ACI digital



domingo, 17 de junho de 2018

Construir um futuro de paz: Donald Trump e Kim Jong-un


Na terça-feira (12/02) na ilha de Sentosa, em Singapura, os dois presidentes apertaram as mãos em frente às bandeiras dos dois países, após meses de altos e baixos em suas relações diplomáticas.

Silvonei José – Cidade do Vaticano

Aperto de mão, sorrisos, uma declaração conjunta. Donald Trump e Kim Jong-un, respectivamente presidente dos Estados Unidos e presidente da Coreia do Norte arquivaram nesta semana nos livros da memória um momento tão esperado, o encontro de Singapura, definido como "histórico" pelo dois líderes. Analistas e especialistas, no entanto, lutam para compartilhar o entusiasmo e esperam ações concretas.

De fato na terça-feira (12/02) na ilha de Sentosa, em Singapura, os dois presidentes apertaram as mãos em frente às bandeiras dos dois países, após meses de altos e baixos em suas relações diplomáticas.

As expectativas eram grandes de ambas as partes. Para o presidente EUA: “Faremos um grande trabalho juntos”. O líder coreano: “Superamos todos os obstáculos para chegar até aqui”.

Pontos principais

No final do encontro a apresentação dos pontos principais do documento assinado: além da desnuclearização da península coreana o compromisso de estabelecer novas relações bilaterais que correspondam adequadamente ao desejo de ambos os povos de paz e de prosperidade”; o esforço comum “para construir um estável e duradouro regime de paz na península coreana”; “compromisso em recuperar os restos mortais dos soldados estadunidenses declarados “Mission in action” (MIA) durante a Guerra da Coreia, e o imediato repatriamento dos restos mortais dos que já foram identificados.

No acordo o presidente estadunidense Donald Trump, se comprometeu em proporcionar “garantias de segurança” para a Coreia do Norte.

O documento também estabelece que o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, irá se reunir “no mais breve tempo possível, com um alto funcionário norte-coreano para continuar o diálogo bilateral sobre a desnuclearização”.

Igreja coreana em oração

Paralelo ao encontro de Singapura a Igreja Coreana promoveu uma novena de oração pela paz e uma conferência pela reconciliação e a unidade das duas Coreias. Desse modo a Igreja Católica viveu esta página da sua história.

Os bispos católicos da Coreia lançaram uma novena de 17 a 25 de junho indicando para cada dia uma intenção de oração: para a cura da separação do povo coreano; para as famílias separadas por causa da guerra coreana; para os irmãos que vivem no Norte; para os refugiados originários do Norte que vivem no Sul; para os políticos do Sul e do Norte; para a evangelização do Norte; para a promoção dos intercâmbios entre o Sul e o Norte; para a verdadeira reconciliação entre o Sul e o Norte e para a reunificação pacífica entre o Sul e o Norte.

Sem dúvida um evento histórico, inimaginável até poucos meses atrás. Um encontro de paz pelo qual a Igreja coreana rezou incessantemente.

Nesta semana o núncio apostólico em Seul, arcebispo Alfred Xuereb, conversando com Vatican News  fez uma avaliação deste dia histórico afirmando com quanta “apreensão o povo coreano e a Igreja na Coreia vivem esses momentos verdadeiramente históricos”. Foi escrita – disse - uma página muito importante que marca o início de um caminho ainda longo e árduo, “mas temos esperanças, porque o começo foi muito positivo, muito bom”.

Mudança de atitude

Das palavras fortes, como "fogo e fúria", "devastação completa" da Coreia do Norte, a palavras de distensão, que falam de paz, de relacionamentos baseados em concórdia, cheias de esperança e confiança.

O Papa Francisco já no último domingo (10/06), durante o Angelus na Praça São Pedro disse esperar que a cúpula entre Kim Jong-un e Donald Trump contribuísse para a paz na península coreana e em todo o mundo.

O Pontífice, que visitou a Coreia do Sul em agosto de 2014, enviou diversas mensagens por ocasião das diferentes reuniões e gestos realizados em vistas da pacificação da península.

Recordamos que as duas Coreias estão separadas desde agosto de 1945, quando Estados Unidos e União Soviética concordaram em dividir o país no 38º paralelo: os estadunidenses ocupariam a parte sul, os soviéticos, a parte norte. Mesmo tendo sido feitas várias tentativas para levar à reunificação, a divisão se perpetuou e hoje, a fronteira é uma das mais hostis e pesadamente militarizadas do mundo. E o povo continua dividido em dois.

Fonte: Vatican News



Obrigarão hospitais católicos da Irlanda a praticar aborto, assegura primeiro-ministro


DUBLIN, 15 Jun. 18 / 06:00 pm (ACI).- O primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, assegurou que os hospitais católicos do país deverão realizar abortos depois que a nova legislação entrar em vigor.

Segundo informou BBC de Londres, no dia 12 de junho, o chefe do governo irlandês disse à Câmara Baixa do Parlamento que médicos, enfermeiras ou parteiras poderiam optar por não realizar procedimentos por motivos de consciência, mas que esta opção não será permitida aos hospitais financiados com fundos públicos, entre os quais estão centros católicos.

“Não será possível que os hospitais financiados com fundos públicos, indiferente do seu chefe ou proprietário, possam optar por não prestar estes serviços necessários que serão legais neste Estado quando esta legislação for aprovada pelo Dail (Câmara Baixa) e pelo Seanad (Senado)”, disse o primeiro-ministro e acrescentou que está “feliz” por oferecer “essa segurança”.

As declarações ocorreram ante as perguntas de vários parlamentares sobre a nova regulamentação do aborto no país, após o referendo do dia 25 de maio que revogou a Oitava Emenda da Constituição que protegia o direito à vida da mãe e do nascituro.

Conforme informaram, o governo está elaborando uma legislação que permitirá o aborto até 12 semanas de gestação e, em alguns casos, até 24 semanas.

Os dois maiores hospitais da capital, Dublin, pertencem a ordens religiosas. O Grupo São Vicente da Saúde, que inclui o Hospital da Universidade de São Vicente, pertence às Irmãs da Caridade, enquanto o Hospital Mater é das Irmãs de Maria.

“Assim como na legislação para a Lei de proteção da vida durante a gestação de 2013, serão necessários hospitais como, por exemplo, Holles Street – que é um hospital voluntário católico –, Mater, São Vincente e os outros, e espera-se que realizem qualquer procedimento que seja legal neste Estado e será o modelo que seguiremos”, continuou Varadkar.

Em uma coluna de opinião publicada em 14 de junho, o doutor em teologia moral e editor consultor de ‘The Catholic Herald’, Pe. Alexander Lucie-Smith, afirmou que estes centros já não poderão continuar sendo católicos se o governo os obrigar a praticar abortos e os impede de poder escolher os seus funcionários com base de que são objetores de consciência ou não.

“Se um hospital de propriedade católica (embora financiado pelo Estado) for obrigado a proporcionar abortos, significa que a Igreja enfrenta uma decisão difícil. Talvez possa lutar contra a medida e revogá-la nos tribunais. Mas, se isso fracassar, então há apenas uma coisa a fazer, fechar seus hospitais”, afirmou o sacerdote.

Assegurou que “é simplesmente impossível que um hospital católico proporcione abortos” e, se isso acontecer, “deixa de ser católico, ipso facto”.

“Isso recorda o caso dos centros de adoção católicos na Grã-Bretanha, que foram obrigados a fechar porque não estavam dispostos (com toda razão) a permitir as adoções homossexuais, como exige a legislação do governo”, recordou Pe. Alexander.

Fazendo um a comparação com a Grã-Bretanha, afirmou que na Irlanda “os direitos de consciência também estão sendo corroídos”.

“Esta legislação viola a vontade dos fundadores dos hospitais católicos e seus órgãos reitores. Obriga os membros dos órgãos reitores a colaborar com o aborto, o que nenhum católico poderia fazer”, denunciou.

Finalmente, Pe. Alexander disse que, como o “único resultado possível” é o fechamento dos hospitais católicos, espera “que os membros do Dail vejam esta situação e pensem novamente”.

Fonte: ACI digital



No Angelus, Papa pede gestos concretos de solidariedade com migrantes


Na próxima quarta-feira recorre o Dia Mundial do Refugiado. O Papa Francisco fez votos de que os países que estarão envolvidos nas consultas para adotar um Pacto Mundial sobre refugiados, "cheguem a um acordo para assegurar, com responsabilidade e humanidade, assistência e proteção a quem é obrigado a deixar o próprio país”.

Cidade do Vaticano

O Papa Francisco também recordou no Angelus deste domingo o Dia Mundial do Refugiado a ser celebrado esta semana:

“Na próxima quarta-feira recorre o Dia Mundial do Refugiado, promovido pelas Nações Unidas, para chamar a atenção para o que eles vivem, muitas vezes com grande ansiedade e sofrimento, os nossos irmãos forçados a fugir de suas terras devido a conflitos e perseguições. Um dia que, este ano, é o centro das consultas entre os governos para a adoção de um Pacto Mundial sobre Refugiados, que deve ser adotado em até um ano, como aquele para uma migração segura, ordeira e regular”.

O Pontífice fez votos de que “os Estados envolvidos nesse processo cheguem a um acordo para assegurar, com responsabilidade e humanidade, assistência e proteção a quem é obrigado a deixar o próprio país”.

Mas o apelo à solidariedade é dirigido também a cada um de nós:

“Mas também cada um de nós é chamado a estar perto dos refugiados, a encontrar momentos de encontro com eles, a acolher e a valorizar sua contribuição, para que também eles possam se integrar melhor nas comunidades que os recebem. Neste encontro e neste recíproco apoio e respeito, está a solução de muitos problemas”.

Também por meio de um tweet o Papa Francisco recordou o drama das migrações, relançando a campanha da Caritas "Share the Journey", em favor dos migrantes: “Compartilhemos com gestos concretos de solidariedade o caminho dos migrantes e dos refugiados. #sharejourney http://journey.caritas.org/gwa18/

Especiais gestos concretos de solidariedade em favor dos migrantes e refugiados em todo o mundo serão concretizadas a partir de hoje até 24 de junho.

Fonte: Vatican News



Papa: permanecer confiantes quando a esperança parece naufragar


Hoje o Senhor nos exorta a uma atitude de fé que supera nossos projetos, os nossos cálculos, as nossas previsões. É um convite para nos abrirmos com mais generosidade aos planos de Deus, tanto a nível pessoal como comunitário", disse o Papa Francisco em sua reflexão.

Cidade do Vaticano

Manter a confiança em Deus, mesmo diante das vicissitudes da vida, com o convite “para nos abrirmos com mais generosidade aos planos de Deus”, em nível pessoal e comunitário, pois “Deus é sempre o Deus das surpresas. O Senhor sempre nos surpreende”.

Inspirando-se em duas breves parábolas contadas por Jesus à multidão para explicar o Reino de Deus, o Papa Francisco explica que “a autenticidade da missão da Igreja” é dada “pelo ir em frente com a coragem da confiança e o humilde abandono em Deus”.

Na primeira parábola – explica o Papa – “o Reino de Deus é comparado ao crescimento misterioso da semente, que é jogada no chão e em seguida germina, cresce e produz a espiga, independentemente do cuidado do agricultor, que após a maturação, faz a colheita”.

E a mensagem que tiramos, é que “por meio da pregação e a ação de Jesus, o Reino de Deus é anunciado, irrompe no campo do mundo e, como a semente, cresce e se desenvolve por si só, por força própria e segundo critérios humanamente não decifráveis”.

O crescimento do Reino na história – afirma Francisco – não depende tanto “da obra do homem”, mas acima de tudo “é expressão do poder e da bondade de Deus, da força do Espírito Santo que leva em frente a vida cristã no Povo de Deus”:

“Às vezes, a história, com seus acontecimentos e os seus protagonistas, parece ir na direção oposta ao plano do Pai celeste, que deseja para todos os seus filhos a justiça, a fraternidade, a paz. Mas nós somos chamados a viver esses períodos como estações de provação, de esperança e de espera vigilante da colheita”.

O Reino de Deus, ontem como hoje, “cresce no mundo de maneira misteriosa, de maneira surpreendente, revelando o poder escondido da pequena semente, sua vitalidade vitoriosa”. E diante dos mistérios dos acontecimentos pessoais e sociais que parecem “o naufrágio de esperança, devemos permanecer confiantes no agir humilde, mas poderoso de Deus”.:

“Por isto, nos momentos de escuridão e de dificuldades, nós não devemos nos abater, mas permanecer ancorados à fidelidade de Deus, em sua presença, que sempre salva. Recordem disto: Deus sempre salva, é o salvador”.

Francisco explicou então a segunda parábola, a do grão de mostarda ao qual Jesus compara o Reino de Deus. Mesmo sendo uma semente muito pequena, ela “desenvolve-se tanto que se torna a maior de todas as plantas do jardim: um crescimento surpreendente e imprevisível”.

    “Não é fácil para nós entrar nesta lógica da imprevisibilidade de Deus e aceitá-la em nossas vidas.”

“Mas hoje – disse Francisco - o Senhor nos exorta a uma atitude de fé que supera nossos projetos, os nossos cálculos, as nossas previsões:

“Deus é sempre o Deus das surpresas. O Senhor sempre nos surpreende. É um convite para nos abrirmos com mais generosidade aos planos de Deus, tanto a nível pessoal como comunitário. Em nossas comunidades é preciso dar atenção às pequenas e grandes oportunidades de bem que o Senhor nos dá, deixando-nos envolver em sua dinâmica de amor, de acolhida e de misericórdia para com todos”.

    “A autenticidade da missão da Igreja não é dada pelo sucesso ou pela gratificação dos resultados, mas pelo ir em frente com a coragem da confiança e o humilde abandono em Deus”

“Ir em frente na confissão de Jesus e com a força do Espírito Santo. É a consciência de ser instrumentos pequenos e fracos, que nas mãos de Deus e com a sua graça podem realizar grandes obras, fazendo progredir o seu Reino que é “justiça, paz e alegria no Espírito Santo”.

"Que a Virgem Maria nos ajude a ser simples, a ser atentos, para colaborar com a nossa fé e com o nosso trabalho no crescimento do Reino de Deus nos corações e na história", disse o Papa Francisco ao concluir sua reflexão.

Fonte: Vatican News



A missão de Jesus é irresistível-11° Domingo do Tempo Comum(Ano B)



A missão de Jesus é irresistível

11º Domingo do Tempo Comum – Ano B

Evangelho de Marcos 4, 26-34
* 26 E Jesus continuou dizendo: «O Reino de Deus é como um homem que espalha a semente na terra. 27 Depois ele dorme e acorda, noite e dia, e a semente vai brotando e crescendo, mas o homem não sabe como isso acontece. 28 A terra produz fruto por si mesma: primeiro aparecem as folhas, depois a espiga e, por fim, os grãos enchem a espiga. 29 Quando as espigas estão maduras, o homem corta com a foice, porque o tempo da colheita chegou.»

A missão atinge o mundo inteiro -* 30 Jesus dizia ainda: «Com que coisa podemos comparar o Reino de Deus? Que parábola podemos usar? 31 O Reino é como uma semente de mostarda, que é a menor de todas as sementes da terra. 32 Mas, quando é semeada, a mostarda cresce e torna-se maior que todas as plantas; ela dá ramos grandes, de modo que os pássaros do céu podem fazer ninhos em sua sombra.» 33 Jesus anunciava a Palavra usando muitas outras parábolas como essa, conforme eles podiam compreender. 34 Para a multidão Jesus só falava com parábolas, mas, quando estava sozinho com os discípulos, ele explicava tudo.»

Reflexão

Não parece, mas o reino cresce

Muitos dentre nós estamos preocupados porque as comunidades eclesiais conscientes crescem tão devagarinho e às vezes até parecem diminuir. Então, demos um passo para trás, para enxergar melhor. Seiscentos anos antes de Jesus, o “povo eleito” que devia prestar culto ao Deus Único neste mundo foi tirado de sua terra e quase sumiu do mapa: Israel e seu rei foram levados para o exílio babilônico. Mas Deus fará crescer de novo um broto no cedro de  Israel e o povo se tornará novamente uma árvore frondosa (1ª leitura). No evangelho, Jesus usa a imagem do crescimento para falar do Reino de Deus. Estamos preocupados porque o Reino de Deus não se enxerga? Aos que o criticam porque seu anúncio do Reino  de Deus não se verifica por nenhum fenômeno extraordinário, Jesus responde: o agricultor não vê a semente crescer! O homem descansa ou se ocupa com outras coisas, e de repente a plantinha está aí. Ou veja a sementinha do mostardeiro, parece nada, mas cresce e se torna arbusto frondoso onde os passarinhos vão se abrigar. O mesmo acontece à pequena comunidade dos que buscam a vontade de Deus conforme a palavra de Cristo.

É essa a confiança que Jesus nos ensina. Jesus não é um homem de sucesso, de ibope. Ele lança uma sementinha, nada mais. E, de repente, a sementinha brota. O que parecia nada, torna-se fecundo, árvore frondosa.

No Calvário, o grão de trigo caiu na terra e morreu, para produzir muito fruto. Ressuscitou como árvore da vida. A Igreja dos primeiros cristãos foi esmagada pelas  perseguições, mas ressurgiu das catacumbas como a maior força religiosa e moral do Império Romano. Os bárbaros destruíram o Império, mataram os missionários cristãos, mas de seu martírio surgiu a sociedade cristã da Idade Média. E esta foi desmantelada pela Modernidade, mas a semente cresce por baixo, especialmente no povo que mais sofreu a Modernidade do que  dela se valeu. Nunca os pobres da América Latina foram tão ativos na comunidade de fé como hoje. E a árvore frondosa continua acolhendo passarinhos que chegam de todos os lados.

Mas o que mais importa não é a quantidade de novos galhos e sim a qualidade da semente, tão única e autêntica que nada a pode suprimir..


Do livro “Liturgia Dominical”, de Johan Konings, SJ, Editora Vozes.

Oração do Dia

Ó Deus, força daqueles que esperam em vós, sede favorável ao nosso apelo, e, como nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos sempre o socorro da vossa graça, para que possamos querer e agir conforme vossa vontade, seguindo os vossos mandamentos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.



sexta-feira, 15 de junho de 2018

Papa na Santa Marta: explorar as mulheres é pecado contra Deus


Giada Aquilino - Cidade do Vaticano

Uma oração "pelas mulheres descartadas, pelas mulheres usadas, pelas jovens que têm que vender a própria dignidade para ter um emprego". Esta é a exortação do Papa na missa celebrada na manhã desta sexta-feira na Casa Santa Marta, quando refletiu sobre o Evangelho de hoje de Mateus e as palavras de Cristo: "Todo aquele que olhar para uma mulher, com o desejo de possuí-la, já cometeu adultério” e "todo aquele que repudiar sua mulher, a expõe ao adultério."
Jesus muda a história

Francisco recorda como as mulheres são "o que falta a todos os homens para serem imagem e semelhança de Deus": Jesus pronuncia palavras fortes, radicais, que "mudam a história", porque até aquele momento a mulher "era de segunda classe", dizendo com um eufemismo, "era escrava", "não gozava sequer de plena liberdade", observa o Papa.

E a doutrina de Jesus sobre a mulher muda a história. Uma coisa é a mulher antes de Jesus, outra coisa é a mulher depois de Jesus. Jesus dignifica a mulher e a coloca no mesmo nível do homem, porque utiliza aquela primeira palavra do Criador, ambos são "imagem e semelhança de Deus ", os dois; não primeiro o homem  e depois, um pouquinho mais em baixo, a mulher. Não, os dois. E o homem sem a mulher ao lado - tanto como mãe, como irmã, como esposa, como companheira de trabalho, como  amiga -  este homem sozinho não é imagem de Deus.

Até hoje, as mulheres são objeto de desejo

Francisco se concentra em particular no "desejar" uma mulher, evocada na passagem do Evangelho. "Nos programas de televisão, nas revistas, nos jornais - diz - mostram as mulheres como objeto de desejo, de uso", como em um "supermercado".

A mulher, talvez para vender uma certa qualidade de "tomates", torna-se um objeto, "humilhada, sem roupas", fazendo com que caia o ensinamento de Jesus que a "dignificou”.

E – acrescenta - não é preciso ir "tão longe": isso acontece também "aqui, onde vivemos", nos "escritórios", nas "empresas", as mulheres "objeto da filosofia usa e joga fora", como material de descarte", em que nem parecem ser "pessoas":

Isto é um pecado contra Deus Criador, rejeitar a mulher, porque sem ela nós homens não podemos ser imagem e semelhança de Deus. Há uma fúria contra a mulher, uma fúria feia. Mesmo sem dizer isso ... Mas quantas vezes as jovens precisam se vender para ter um emprego, como objeto usa e joga fora? Quantas vezes? "Sim, padre eu ouvi naquele país ...". Aqui em Roma. Não ir longe.

Olhe ao nosso redor para ver a exploração

O Papa se pergunta o que veríamos se fizéssemos uma "peregrinação noturna" em certos lugares da cidade, onde "muitas mulheres, muitos migrantes, muitos não-migrantes" são explorados "como em um mercado": os homens se aproximam destas mulheres não para dizer “boa-noite”, mas “quanto custa?", recorda Francisco. E para aqueles que lavam "a consciência" chamando-as de "prostitutas", o Pontífice diz:

"Você fez dela uma prostituta, como Jesus diz: quem a repudia a expõe ao adultério, porque você não trata bem a mulher, a mulher acaba assim, também explorada, escrava, tantas vezes."

Portanto, será bom olhar para essas mulheres e pensar que, diante da nossa liberdade, elas são "escravas desse pensamento de descarte":

Tudo isso acontece aqui, em Roma, acontece em todas as cidades, as mulheres anônimas, as mulheres - podemos dizer - "sem um olhar" porque a vergonha cobre o olhar, as mulheres que não sabem rir e muitas delas que não sabem, não conhecem a alegria de amamentar e de ouvirem ser chamadas de mãe. Mas, mesmo na vida cotidiana, sem ir a esses lugares, esse pensamento feio de rejeitar a mulher, é um objeto de "segunda classe". Devemos refletir melhor. E fazendo isto ou dizendo isto, entrando neste pensamento desprezamos a imagem de Deus, que fez o homem e a mulher juntos à sua imagem e semelhança. Esta passagem do Evangelho nos ajuda a pensar no mercado de mulheres, no mercado, sim, tráfico, exploração, que vemos; também no mercado invisível, que se faz e não se vê. A mulher é pisoteada porque é mulher.

Com ternura, Cristo restitui dignidade

Jesus, lembra o Papa, "teve uma mãe", teve "muitas amigas que o seguiram para ajudá-lo em seu ministério" e para apoiá-lo. E encontrou "tantas mulheres desprezadas, marginalizadas e descartadas", que ele ajudou com tanta "ternura", restituindo a elas dignidade.

Fonte: Vatican News



Um mundo menos violento para os idosos, é um mundo mais humano para todos


Nesta sexta-feira (15/06) celebra-se o Dia Mundial da Conscientização contra o Abuso de Idosos, instituído pela ONU em 2006. Para a ocasião a Comunidade de Santo Egídio que atua em mais de 70 países do mundo na defesa do direito dos idosos lança um apelo.

Cidade do Vaticano

Com o aumento constante da população de idosos em todo o mundo (809.743.000 dos 7 bilhões de habitantes) devido ao prolongamento da vida e os progressos da medicina, as nossas sociedades não parecem preparadas para viver de modo positivo a presença de tantos idosos. A ponto que se espalha cada vez mais uma cultura que não aceita ou não sabe tratar a fragilidade humana. É justamente nesta mentalidade que se enraízam abusos que nos deparamos cada vez mais no dia a dia: fraudes, golpes, falta de assistência e cuidado adequado, maus-tratos, que muitas vezes levam a morte.

Comunidade de Santo Egídio

Neste dia a Comunidade de Santo Egídio de Roma, que atua em mais de 70 países do mundo na defesa do direito dos idosos, em especial na assistência dos mais pobres, lança um apelo que divide em alguns pontos, entre os quais sugere o desenvolvimento de uma rede de relações sociais, atualmente muito fragmentadas nas sociedades onde viver sozinho está se tornando um modelo dominante. Para combater a solidão sugere um programa que existe há alguns anos na Itália: “Viva os idosos”, que faz da luta contra o isolamento social e o apoio à fragilidade a base da própria atividade. O programa faz um controle ativo da população idosa, principalmente os que vivem sozinhos, e teve resultados muito positivos, ou seja, determinou um importante melhoramento na qualidade de vida das pessoas e a redução de custos na assistência pública.

Diretos dos Idosos

Outro ponto fundamental é tutelar os direitos dos idosos, em particular a liberdade de como e onde viver a própria vida. De fato, em muitos países do mundo, sobretudo nos mais ricos, colocar os idosos em casas de repouso torna-se muitas vezes, uma escolha obrigatória, pela carência de serviços nos territórios e a domicílio. Assim como, com frequência, registram-se verdadeiros abusos em estruturas destinadas a garantir uma existência digna aos que não têm mais condições de viver autonomamente a própria vida, tornando-se lugares de humilhação. É preciso transformar os lares para idosos em estruturas abertas ao mundo externo, com horário de visitas sem excessivas limitações (por exemplo nos horários) e permitir a saída dos idosos se desejarem, no respeito da segurança pessoal.

Habitações coletivas

Enfim uma sugestão moderna, já bem enraizada na Europa e sem muitas dificuldades de ser aplicada: as habitações coletivas (cohousing) onde os idosos decidem viver juntos para combater a solidão e enfrentar as dificuldades econômicas, uma resposta humana e praticável.

Fonte: Vatican News

Leia também:
http://www.devocaoefeblog.com.br/2018/06/15-de-junho-dia-mundial-de.html



15 de Junho, Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa



Instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2006, o dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. O envelhecimento da população é um fenômeno mundial.

Atualmente existem 810 milhões de pessoas com mais de 60 anos, sendo que 65% das pessoas idosas vivem em países em desenvolvimento. Em 2050 esse número pode atingir 80%, com a possibilidade de alcançar dois bilhões de pessoas, ou cerca de 22% da população mundial. Só no Brasil, existem quase 20 milhões de pessoas idosas. Isso representa 11% da população, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), do Censo 2010.

Com o aumento da população acima de 60 anos, aumentaram também os problemas, e um deles é a violência contra a pessoa idosa. Uma pesquisa realizada no Disque 100 (órgão responsável por acolher, analisar e encaminhar denúncias de violações de direitos humanos à rede de proteção) mostra um crescimento muito alto de denuncias de violência contra pessoas idosas.

No ano de 2013, em todo o Brasil, foram recebida cerca de 40 mil ligações do tipo, dois anos antes eram 8 mil. No Paraná esse dado não é diferente, o número de ligações quase dobrou nos últimos três anos, foram 1.768 chamadas denunciando violações contra idosos no Paraná, contra 342 em 2011.


A Pastoral da Pessoa Idosa na luta contra a violência

O objetivo da PPI é formar redes de solidariedade humana, fortalecendo o tecido social, contribuindo assim para melhorar a qualidade de vida das pessoas idosas na família, buscando a compreensão das dimensões do envelhecimento, gerando uma cultura que cuida do ser humano em sua plenitude.

As denúncias no Disque 100 mostram que a maior parte das agressões contra as pessoas idosas, que vão desde o abuso financeiro, a negligência e até maus tratos físicos e psicológicos, é cometida por seus próprios familiares. Para garantir o envelhecimento de forma saudável, tranquila e com dignidade, os líderes da PPI recebem durante a capacitação do Guia do Líder, informações sobre a forma de identificar possíveis casos de violência e também como abordar o assunto, tanto com a pessoa idosa agredida, como com a família que provoca a violência, “devemos lembrar que se conseguirmos ajudar a reestabelecer as relações familiares, todos sairão ganhando. Para tanto, o líder deve buscar ajuda de um profissional especializado em conflitos familiares”, esclarece o Guia do Líder.

Durante a visita domiciliar, realizada mensalmente, o líder fica atento aos principais sinais de violência, tais como: falta de higiene das roupas, existência de lesões cutâneas, presença de hematomas, cortes em região de cabeça, pescoço e tronco e lesões nos punhos e calcanhares. Ao identificar casos de violência contra a pessoa idosa, o líder da Pastoral da Pessoa Idosa pode compartilhar o caso com um profissional da Assistência Social, pois estes profissionais podem realizar a avaliação e o acompanhamento do caso relatado.

Para garantir o envelhecimento da população de forma saudável e tranquila, com dignidade, sem temor, opressão ou tristeza, precisamos trabalhar intensamente na prevenção da violência e na identificação e no encaminhamento correto de casos de violência e, em especial, temos que preparar as novas gerações com informações, materiais e recursos educacionais, de forma a assegurar um envelhecimento digno e saudável.

Fonte: Pastoral da Pessoa Idosa
Facebook: https://facebook.com/ppinacional/



Hoje é celebrada a Bem-Aventurada Albertina Berkenbrock, a “Maria Goretti brasileira” (15 de junho)


REDAÇÃO CENTRAL, 15 Jun. 18 / 12:30 am (ACI).- Neste dia 15 de junho, a Igreja recorda a Bem-Aventurada Albertina Berkenbrock, uma jovem que foi martirizada por defender a sua virgindade. Por sua história, a menina do sul do Brasil é chamada por muitos de “Maria Goretti brasileira”.

Albertina nasceu em 11 de abril de 1919, em Imaruí (SC). Filha de agricultores, recebeu desde cedo uma formação católica. Aprendeu ainda pequena as orações e rezava com bastante alegria. Participava da vida religiosa de sua comunidade e preparou-se com grandeza de coração para receber a Primeira Comunhão, dia que costumava classificar como o mais belo de sua vida.

Confessava-se com frequência e sempre participava da Eucaristia, da qual gostava de falar. A menina cultivou especial devoção a Nossa Senhora e rezava com intensidade o rosário. Também cultivou devoção ao padroeiro de sua comunidade, São Luís, o que é visto como uma “coincidência providencial”, já que ele é modelo de uma juventude levada com pureza espiritual e corporal.

Foi no dia 15 de junho de 1931 que Albertina, aos 12 anos, deu o seu grande testemunho, perdendo a vida para preservar a sua pureza espiritual e corporal. Naquele dia, obedecendo um pedido de seu pai, a menina foi procurar um animal que estava perdido. No caminho, ela encontrou seu malfeitor, apelidado “Maneco Palhoça”.

A jovem perguntou a ele se sabia onde estava o animal que procurava e o homem lhe indicou uma pista falsa, enviando a menina para o local onde tentou violentá-la. Albertina não se deixou subjugar. Resistiu bravamente e não cedeu.

Derrubada ao chão, a moça se cobriu o máximo que pôde com seu vestido e Maneco, sem conseguir derrotá-la, afundou um canivete em seu pescoço, degolando Albertina. Conforme ressalta o site dedicado à beata, a partir deste momento, “seu corpo está manchado de sangue... Sua pureza e virgindade, porém, estão intactas”.

O homem ainda escondeu o canivete e foi avisar aos familiares da menina que ela tinha sido assassinada, mas desviou-se de possíveis acusações dizendo que outro indivíduo era o culpado.

Jurando inocência, um homem chamado João Cândido chegou a ser preso, acusado injustamente. Entretanto, Maneco não conseguiu esconder por muito tempo seu crime. Segundo consta, o assassino não parava de ir e vir na sala do velório e, ao aproximar-se do caixão, a ferida no pescoço de Albertina começou a sangrar novamente.

Foi então que o prefeito da cidade mandou soltar João Cândido e, com ele, pegou um crucifixo na capela. Os dois seguiram até o velório e a cruz foi colocada sobre o peito da menina morta. Ali, João se ajoelhou e, com as mãos no crucifixo, jurou ser inocente. Conforme os relatos, naquele momento a ferida parou de sangrar.

A essa altura, Maneco Palhoça havia fugido, mas foi preso posteriormente. Ele confessou o crime e deixou claro que Albertina não cedeu à sua intenção de manter relações sexuais com ela porque não queria pecar.

A fama de martírio logo começou a circular entre a população local, pessoas que conheciam a vida de Albertina, sua educação cristã, seu amor à família e ao próximo, bem como seu bom comportamento, piedade e caridade.

Albertina Berkenbrock foi proclamada Bem-Aventurada em 20 de outubro de 2007 pelo Papa Bento XVI.

Fonte: ACI digital



quinta-feira, 14 de junho de 2018

Aumentou o número de católicos no mundo. Mas e a autenticidade?

As estatísticas são mais complexas do que parecem - e mesmo elas deixam claro que o desafio para a Igreja é imediato e crescente

A Tipografia Vaticana publicou nesta semana o Anuário Pontifício 2017 e o Anuário de Estatísticas da Igreja 2015, que apresentam os números consolidados mais recentes sobre a presença católica no mundo.

Dados em destaque

    NO MUNDO – Existe 1 bilhão e 299 milhões de católicos, que equivalem a 17,67% da população mundial. Há um aumento de 14 milhões em relação a 2015, quando o número era de 1 bilhão e 285 milhões.

   POR CONTINENTES – 48,6% estão nas Américas; 22% na Europa; 17,6% na África; 11% na Ásia; 0,76% na Oceania.

    ÁFRICA NA CABEÇA – O continente africano é atualmente o responsável pelo aumento do número de católicos no mundo. Os católicos da África passaram de cerca de 185 milhões em 2010 para mais de 228 milhões em 2016, uma variação de 23,2% em 6 anos. Os países africanos que lideram a lista são a República Democrática do Congo (mais de 44 milhões) e a Nigéria (28 milhões).

    BRASIL – Com 173,6 milhões de católicos, ainda é o país com mais católicos no mundo. Os brasileiros representam 13,3% do total mundial e 27,5% do total de católicos na América do Sul. No entanto, em termos percentuais, o país tem sofrido diminuição do número de católicos em relação ao total da sua própria população, com o aumento de adesões a igrejas evangélicas e com o crescimento numérico dos que se declaram sem religião.

    SACERDOTES – Há 414.969 padres católicos no mundo, sendo 67,9% do clero diocesano e 32,1% de ordens e congregações religiosas. Houve uma diminuição em relação a 2015: 687 padres a menos em comparação com os 415.656 que havia naquele ano.

Dados complementares

O instituto norte-americano de pesquisas estatísticas Pew Research Center publicou em 2015 um estudo que quantificava os cristãos (incluindo os católicos) em 2,3 bilhões, os muçulmanos em 1,8 bilhão e os que se declaravam sem religião em 1,2 bilhão de habitantes (este número é particularmente elevado por causa da China, gigante de cerca de 1,4 bilhão de habitantes, no qual o regime comunista implantou durante décadas a obrigatoriedade oficial do ateísmo, perseguindo religiões de modo brutal. Hoje a perseguição é menos explícita devido a pressões internacionais, mas o ateísmo continua sendo oficial e a maioria da população continua com medo de declarar em público algum tipo de crença religiosa, principalmente se for uma fé considerada “estrangeira” – caso do cristianismo).

O mesmo estudo do Pew Research Center previa que, em 2035, os muçulmanos deverão superar os cristãos em número de nascimentos, com 235 milhões contra 224 milhões.
A verdadeira questão vai além dos números

A fé, porém, não se mede em quantidade, mas em autenticidade.

O Papa Bento XVI, por exemplo, chegou a declarar que é melhor uma redução numérica e um aumento genuíno da convicção e da prática da fé do que grandes números meramente de fachada.

Cabe a nós, católicos, testemunhar a fé cristã de modo genuíno mediante o exemplo, que arrasta mais do que as palavras, além de rezar pela graça da fé, seja para que nós mesmos nos aprofundemos e perseveremos nela, seja para que aqueles que não a têm possam conhecê-la e livremente abraçá-la.

Fonte: Aleteia



Deputados aprovam lei do aborto na Argentina


Buenos Aires, 14 Jun. 18 / 12:30 pm (ACI).- Com 129 votos a favor, 125 contra e uma abstenção, a Câmara dos Deputados da Argentina aprovou na manhã de hoje o projeto do aborto, que passará agora ao Senado.

A sessão da votação durou mais de 20 horas no Congresso Nacional, onde milhares de pessoas fizeram vigília enquanto esperavam o resultado.

A iniciativa recentemente aprovada permite o aborto livre até a 14ª semana de gestação e até os nove meses de gestação em casos de violação, de risco de saúde da mãe e inviabilidade do feto.

No caso de violação, o aborto poderá ser praticado somente com o pedido e a declaração juramentada da mulher ante o profissional de saúde.

Por outro lado, as menores de idade (16 anos) poderão realizar o aborto apenas com o seu consentimento, não será necessário informar os seus pais.

Além disso, nos casos de risco de vida e “saúde” da mãe, deixa aberta a possibilidade da eliminação de pessoas devido à sua deficiência.

Em relação à objeção de consciência, só poderá pedi-la o profissional que tenha manifestado previamente ao diretor do seu centro médico “individualmente e por escrito”.

Não haverá objeção de consciência institucional e os estabelecimentos de saúde são obrigados a realizar o aborto se a mulher exigir como “atenção médica imediata”.

Fonte: ACI digital



Hoje é celebrada a Bem-Aventurada Nhá Chica, a “Santinha de Baependi”


REDAÇÃO CENTRAL, 14 Jun. 18 / 05:00 am (ACI).- “É porque eu rezo com fé”, costumava dizer a Bem-Aventurada Francisca de Paula de Jesus àqueles que recorriam a ela. Negra, analfabeta e filha de escravos, Nhá Chica, como ficou conhecida, dedicou sua vida humilde à caridade e é celebrada neste dia 14 de junho.

Francisca de Paula de Jesus nasceu em 1808 em São João del-Rei (MG) e mudou-se com a mãe e o irmão para Baependi, no mesmo estado. Ficou órfão aos dez anos, seu irmão tinha 12 anos, e os dois ficaram sob os cuidados de Nossa Senhora, a quem Francisca logo passou a chamar de “Minha Sinhá”.

Foi de sua mãe que ela recebeu uma grande devoção a Nossa Senhora da Conceição, que carregou ao longo de toda a sua vida. Soube administrar bem tal herança espiritual e ficou conhecida como “mãe dos pobres”.

Nunca se casou, porque decidiu dedicar-se totalmente ao Senhor. Sendo analfabeta, gostava quando alguém lia para ela as Sagradas Escrituras. Não pertenceu a uma organização religiosa e era respeitada por todos que a conheciam, desde o mais humilde dos homens aos mais poderosos de seu tempo.

Sempre atendeu com especial atenção cada pessoa que a procurava, muitos em busca de conselhos, palavras de conforto e oração.

Uma das coisas que se destaca em sua vida é a novena que compôs à Nossa Senhora da Conceição. Do mesmo modo, em honra a Ela, construiu ao lado de sua casa uma pequena igreja, onde venerava uma imagem desta devoção mariana e diante da qual rezava piedosamente por todas as pessoas que se recomendavam a ela.

Em 1954, esta igreja foi confiada à Congregação das Irmãs Franciscanas do Senhor e, atualmente, é o Santuário de Nossa Senhora da Conceição. Ao lado do templo é realizado um trabalho de assistência a crianças carentes que é mantido por devotos de Nhá Chica.

Finalmente, depois de uma vida dedicada à oração e ao serviço aos necessitados, a Santinha de Baependi morreu em 14 de junho de 1895.

Em maio de 2013, em uma histórica cerimônia para a Igreja no Brasil, foi beatificada, após o reconhecido da cura milagrosa de um problema de nascença no coração da professora Ana Lucia Meirelles Leite, o qual, no momento em que ela ia ser operada, foi constatado pelos médicos que havia desaparecido.

Fonte: ACI digital

Oração a Nhá Chica

Deus nosso Pai, vós revelais as riquezas do vosso Reino aos pobres e simples. Assim agraciastes a Bem-Aventurada Francisca de Paula de Jesus, Nhá Chica, com inúmeros dons: Fé profunda, Amor ao próximo e grande Sabedoria. Amou a Igreja e manteve uma terna devoção à Imaculada Conceição. Por sua intercessão, concedei-nos a graça de que precisamos (pedir a graça). Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém. 

(+ Dom Fr. Diamantino Prata de Carvalho, OFM. Bispo Diocesano de Campanha-MG)



quarta-feira, 13 de junho de 2018

Um milagre na infância de Santo Antônio


Por Prof. Felipe Aquino

Muitos conhecem Santo Antônio apenas por sua fama de “santo casamenteiro”. Mas, sua vida e virtudes demonstraram que este homem de Deus foi muito além, tanto que chegou a ser reconhecido como a “Arca do Evangelho” e posteriormente como Doutor da Igreja.

Santo Antônio realizou milagres abundantemente durante toda a sua vida. E o que poucos sabem: isso começou desde pequeno…

Ele nasceu em Lisboa em 15 de Agosto de 1195. Seu nome de batismo era Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo. Só mais tarde adotou o nome de Antônio. Era filho de uma nobre família.

Seu pai se chamava Martim Afonso de Bulhões e sua mãe Maria Teresa Taveira, eram profundamente religiosos, e na família havia um parente frade chamado também Fernando.

Desde criança Santo Antônio foi de temperamento calmo e contemplativo. Na infância recebeu boa educação, vivia no conforto, mas sem luxo. Conta-se que desde cedo começou a realizar prodígios. Desde pequeno acompanhava os pais nas celebrações na catedral de Lisboa.

Vale a pena ler até o fim…

Os pardais e a plantação de trigo

O pai de Santo Antônio tinha uma plantação de trigo, e tinha receio que os pardais viessem comer as sementes recém-lançadas à terra. Precisando sair um pouco, seu pai recomendou-lhe não deixar os pardais comerem as sementes: “Não descuide e nem permita que esses pardais venham arruinar com a plantação”.

Mas isso não estava nos seus planos, ele pretendia ir até à igreja rezar um pouco. Mas antes de tudo devia obediência aos pais. Que fazer? Os pardais eram numerosos e voavam por sobre a plantação.

– Se fosse possível eu reuniria todos esses passarinhos num lugar onde ficassem presos e iria rezar na igreja. Mas será que isso é possível

E dirigindo-se aos pássaros gritou-lhes:

– Vamos passarinhos. Depressa. Todos para o celeiro. Eu não posso ficar aqui vigiando-os. Depressa. Todos para o celeiro que tenho que ir rezar na igreja.

Um a um, todos os passarinhos foram entrando para o celeiro indicado por Fernando. Este fechou a porta mansamente e vendo que não ficara nenhum fora saiu e foi para a igreja rezar.

Acontece que o pai de Fernando também era muito católico e passando pela igreja resolveu fazer uma prece. Entrou e ficou surpreso ao ver o filho. Mas ao mesmo tempo ficou furioso. Como se atrevia o menino a desobedecer suas ordens.

– Como teve coragem de me desobedecer, filho? Eu não lhe disse que ficasse em casa, na plantação, tomando conta do trigal. Agora as aves já devem ter comido todas as sementes.

Porque não me obedeceu, filho? Por quê?

– Não se preocupe, papai. Posso garantir que nenhuma semente foi comida pelas aves. Eu as prendi todas no celeiro.

O pai sorriu ouvindo o que o filho dizia. Deve ser fruto de sua imaginação infantil, pensou. Ficou com medo do castigo que eu lhe impus.

Assista também: Dica de leitura: “Santo Antônio – Arca do Evangelho -”

– Venha papai, vou lhe mostrar, ajuntou Fernando.

Sorrindo da “mentira infantil” o pai seguiu-o. Ficou surpreso quando não viu nenhuma das aves pelo céu.

Fernando, tomando o pai pela mão, conduziu-o ao celeiro abrindo a porta. Martim ficou deslumbrado. Dentro do celeiro as aves agrupadas mantinham-se calmas, como se esperassem uma ordem do menino.

Já imaginou?

Este é um dos muitos milagres e prodígios que aconteceram na vida deste grande amigo de Deus.

Retirado do livro: “Santo Antônio – Arca do Evangelho -“. Prof. Felipe Aquino. Ed. Cléofas.

Fonte: Cleofas

Santo Antônio e o milagre dos peixes


"Irmãos peixes. Os homens esquecem-se de Deus. Por isso aqui estou para vos falar”, dizia Santo Antônio aos peixes ao perceber a ingratidão dos homens para com Deus…

Aos poucos foi ficando claro que a verdadeira missão de Santo Antônio estava no púlpito; tinha eloquência, amor às almas, grande poder de persuasão e uma voz boa. Irradiava santidade; dizia-se que bastava vê-lo que os pecadores caiam de joelhos. A todos os lugares que ia as multidões acorriam para ouvi-lo; hereges cátaros se convertiam e confessavam os seus pecados. Muitas vezes as igrejas eram pequenas para conter a multidão. E ele pregava nas praças públicas e nos mercados, como era comum na época.

Mas os hereges catáros não lhe davam sossego. Premeditaram uma vingança muito cruel em Rímini, na Itália. E foi essa vingança que proporcionou um dos milagres mais famosos de Santo Antônio.

O povo atraído pelos sermões brilhantes, corria em massa à igreja para ouvir a pregação. Os “cátaros” conseguiram afugentar os fiéis da igreja. Para isso atraíram o povo ao pecado e às festas onde não se observava nenhum princípio de moral.

Frei Antônio entrou no templo. Ficou surpreso. Nem, um fiel. Aquele templo que antes costumava ficar cheio de religiosos estava completamente vazio. Uma tristeza invadiu seu semblante. Os homens esqueciam-se de Deus.

Saindo do templo, percebendo que o povo não quis ouvir a palavra divina, preferindo seguir aos hereges, resolveu pregar aos peixes. “Estou certo de que eles me ouvirão com muito mais atenção do que esses hereges”. E tristemente afastou-se em direção ao rio Marecchia, onde ele desagua no mar Adriático, que passava próximo. Olhando as águas começou a chamar:

“Irmãos peixes. Os homens esquecem-se de Deus. Por isso aqui estou para vos falar”.

Os peixes foram surgindo, pondo a cabeça fora d’água. Só isso já era um milagre. Os peixes morrem, quando ficam muito tempo com a cabeça fora d’água. Mas eles não morreram. E ficaram ouvindo atentos, em ordem. O sol colocava reflexos estranhos naquelas cabeças de brilho metálico e molhado. Os peixes olhavam e ouviam atentos. E frei Antônio pregava. Falava de Deus. Dizia da ingratidão dos homens para com Deus.

Algumas pessoas que passavam viram o prodígio e foram chamar as outras. Dentro em pouco, atrás de frei Antônio havia toda uma verdadeira multidão assustada, vendo esse milagre, frei Antônio falava aos peixes.

Compreendendo o significado grandioso desse episódio, os homens caíram de joelhos arrependidos.

Não foi por acaso que lhe chamaram de “Arca do Evangelho”…

Retirado do livro: “Santo Antônio – Arca do Evangelho -”. Prof. Felipe Aquino. Ed. Cléofas.

Fonte: Cleofas



Não o coloque de cabeça para baixo! Superstições e Santo Antônio de Pádua


REDAÇÃO CENTRAL, 13 Jun. 18 / 08:00 am (ACI).- Neste dia 13 de junho é celebrada a festa de Santo Antônio de Pádua, que por tradição é invocado para pedir um bom marido ou esposa. Entretanto, também há pessoas que atribuem à sua imagem poderes que não tem.

Se você é dessas pessoas que colocam “de cabeça para baixo” qualquer imagem deste santo como uma maneira de obrigá-lo a arrumar-lhe um noivo ou noiva; se realiza ofertas com 13 moedas no dia de sua festa; se escreve cartas detalhando as qualidades que quer para seu futuro cônjuge ou outros rituais parecidos; deve saber que está caindo na superstição e possivelmente em idolatria.

O Catecismo da Igreja Católica (CIC) no número 2.111 explica que a superstição é “um desvio do sentimento religioso e das práticas que ele impõe. Também pode afetar o culto que prestamos ao verdadeiro Deus: por exemplo, quando atribuímos uma importância de algum modo mágica a certas práticas, aliás legítimas ou necessárias”, como são as orações ou os sacramentais.

Santo Tomás de Aquino assinala na Suma Teológica que a superstição se apresenta quando “se oferece culto divino a quem não se deve, ou a quem se deve, mas de um modo impróprio”.

Com relação aos sacramentais e orações, cai-se em superstição quando se confia na materialidade do ato sem a necessária disposição interior, isto é, quando, em vez de valorizar um objeto religioso pelo que representa, lhe atribui um poder que não tem.

É supersticioso, por exemplo, quem leva um escapulário, mas não guarda em seu coração fidelidade à Virgem Maria e pensa que só pelo fato de levá-lo se salvará; ou quem pensa que é uma imagem ou um santo que pode realizar um milagre.

Recordemos que a Santíssima Virgem e os santos não fazem milagres, mas sim que,por intercessão deles, Deus pode realizar um milagre em nós e em nossas vidas.

O CIC no número 956 diz que “os bem-aventurados, estando mais intimamente unidos com Cristo, consolidam mais firmemente a Igreja na santidade [...]. Eles não cessam de interceder a nosso favor, diante do Pai, apresentando os méritos que na terra alcançaram, graças ao Mediador único entre Deus e os homens, Jesus Cristo [...]. A nossa fraqueza é assim grandemente ajudada pela sua solicitude fraterna”.

O Compêndio do CIC assinala que a superstição pode se expressar também “nas várias formas de adivinhação, magia, feitiçaria e espiritismo” (número 445).

É certo que a superstição pode levar à idolatria e a distintas formas de adivinhação e magia. O Catecismo se refere à idolatria como uma tentação constante da fé que “consiste em divinizar o que não é Deus”, isto é, divinizar alguma imagem ou algum santo e colocá-los no lugar que pertence ao “senhorio único de Deus”.

Santo Antônio nasceu no Portugal em 1195, sendo chamado por isso de Santo Antônio de Lisboa. Entretanto, também é conhecido Santo Antônio de Pádua, porque foi nessa cidade italiana onde morreu (1231) e são veneradas suas relíquias. Diz-se que certo dia, enquanto rezava, o menino Jesus apareceu a ele.

São Boaventura dizia: “Recorre com confiança a Antônio, que faz milagres, e ele te conseguirá o que buscas”. Leão XIII o chamou “o santo de todo o mundo”, porque sua imagem e devoção se encontram por toda parte.

Fonte: ACI digital



10 dados sobre Santo Antônio de Pádua que talvez não conhecia


REDAÇÃO CENTRAL, 13 Jun. 18 / 06:00 am (ACI).- “Se pregar Jesus, ele derrete os corações duros; se O invocar, adoça as amargas tentações; se pensar nele, ilumina teu coração; se O lê, ele te sacia a mente”, recomendava Santo Antônio de Pádua. Conheça 10 dados curiosos de um dos santos mais queridos e populares entre os católicos.

1. Não se chamava Antônio, não nasceu em Pádua nem era italiano

Nasceu em Lisboa, em 1195. Chamava-se Fernando de Bulhões e Taveira de Azevedo. Aos 25 anos, adotou o nome de Antônio quando se tornou franciscano.

2. Foi agostiniano antes de ser franciscano

Aos 15 anos, ingressou nos Cônegos Regulares de Santo Agostinho. Dez anos depois, ingressou nos Frades Menores Franciscanos.

3. Poderia ser mártir

Decidiu ingressar nos Frades Menores para pregar aos sarracenos e estava disposto a morrer por amor a Cristo. Foi ao Marrocos, mas uma grave doença o obrigou a retornar.

4. Era um grande pregador

Tinha uma voz clara e forte, aparência imponente, memória prodigiosa e um profundo conhecimento, o espírito de profecia e um extraordinário dom de milagres.

5. Carrega o Menino Jesus em seus braços devido a uma aparição

Foi testemunha de uma aparição do Menino Jesus a quem segurou em seus braços.

6. Seu milagre mais famoso permitiu que um homem recuperasse um pé amputado

Em Pádua, um jovem chamado Leonardo, em uma crise de raiva, chutou a própria mãe. Arrependido, confessou sua falta a Santo Antônio, que lhe disse: “O pé daquele que chuta sua própria mãe merece ser cortado”. Leonardo correu para casa e cortou o pé. Ao saber disso, Santo Antônio tomou o membro amputado do jovem e milagrosamente o uniu ao corpo.

7. É conhecido como o santo mais milagroso

Sua fama de realizar atos prodigiosos nunca diminuiu e ainda hoje é reconhecido como o maior taumaturgo de todos os tempos.

8. É conhecido como “o santo de todo mundo”

Leão XII o chamou “o santo de todo mundo”, porque por todas as partes é possível encontrar sua imagem e devoção. É padroeiro dos pobres, dos viajantes, dos pedreiros, dos padeiros, entre outros.

9. Recorrem a ele para pedir um bom marido ou esposa

Por este motivo, algumas pessoas chegam a colocar sua imagem de cabeça para baixo, mas isso é uma superstição e uma prática não cristã.

10. Sua canonização foi a mais rápida da história

O Papa Gregório IX o canonizou menos de um ano depois de sua morte, em Pentecostes, no dia 30 de maio de 1232.

Fonte: ACI digital



Hoje é festa de Santo Antônio de Pádua, o “santo de todo o mundo” (13 de junho)


REDAÇÃO CENTRAL, 13 Jun. 18 / 05:00 am (ACI).- Em 13 de junho, a Igreja celebra a festa de um dos santos mais conhecidos e venerados no mundo, Santo Antônio de Pádua, também chamado Santo Antônio de Lisboa, cidade onde nasceu, e que segundo a tradição é invocado para encontrar objetos perdidos, o que se deve a um problema que teve com um noviço, e ainda como o santo casamenteiro, devido à ajuda dada a uma jovem pobre.

Foi declarado Doutor da Igreja por Pio XII em 1946, ficando conhecido como o “Doutor do Evangelho”.

Santo Antônio nasceu em Portugal em 1195 em uma família nobre. Desde criança, consagrou-se à Santíssima Virgem. Em sua juventude, foi atacado por paixões sensuais, mas com a ajuda de Deus as dominou, encontrando sua força nas visitas ao Santíssimo Sacramento.

Foi admitido nos franciscanos no início de 1221, participou em Assis do capítulo geral da ordem desse ano e, mais tarde, foi enviado para pregar em várias cidades, obtendo um grande êxito na conversão dos hereges.

Como as pessoas procuravam estar perto dele e alguns arrancavam pedaços de seu hábito, foi designado um grupo de homens para protegê-lo após os sermões. Às vezes, pregava em praças e mercados. Bastava sua presença para que os pecadores caíssem de joelhos a seus pés.

Mudou-se para Pádua, onde havia trabalhado anteriormente. Denunciou e combateu o vício da usura, mas gradualmente a saúde de Santo Antônio foi se deteriorando e se retirou para descansar na floresta. Sentindo que sua vida estava chegando ao fim, pediu para voltar para Pádua, mas só chegou aos limites da cidade.

Em 13 de junho de 1231, recebeu os últimos sacramentos, entoou um canto à Virgem e antes de partir para a Casa do Pai, disse sorrindo: “Vejo vindo Nosso Senhor”.

Foi canonizado pelo Papa Gregório IX, sem que tivesse transcorrido um ano de sua morte. E foi declarado Doutor da Igreja pelo Papa Pio XII.

Um homem desafiou Santo Antônio a provar que Jesus estava na Eucaristia e deixou sem comer por três dias sua mula. Levou o animal ao templo e mostrou-lhe um pasto fresco, mas a mula escolheu ir com o santo, que estava ao lado com uma hóstia consagrada, e ajoelhou-se.

Santo casamenteiro e dos objetos perdidos

Muitos fiéis recorrem a Santo Antônio quando querem encontrar um marido ou uma esposa. Segundo consta, o título de santo casamenteiro se deve a um episódio, no qual uma jovem pobre teria pedido a bênção do então Frei Antônio porque não conseguia realizar o casamento por causa da baixa condição financeira de sua família, a qual não teria dinheiro para pagar o dote, as vestimentas e o enxoval. O frei abençoou a moça e pediu que confiasse; passados alguns dias, a mulher recebeu tudo o que precisava e conseguiu se casar.

Além disso, o santo é invocado para encontrar objetos perdidos, talvez porque certo dia um noviço fugiu do convento com um saltério que ele usava. Santo Antônio orou para recuperar o seu livro e o noviço se viu diante de uma aparição terrível e ameaçadora que o obrigou a regressar e devolver o que roubou.

Diz-se também que em uma ocasião, enquanto orava, apareceu-lhe o menino Jesus e o santo segurou-o em seus braços e por esta razão, até hoje, é representado sustentando o menino Deus. Santo Antônio é patrono das mulheres estéreis, dos pobres, dos viajantes, dos pedreiros, dos padeiros, entre outros. Devido à sua caridade com os pobres, com frequência se representa Santo Antônio oferecendo pão a indigentes. Santo Antônio também é considerado um dos doutores da Igreja, sendo chamado de “Doutor do Evangelho”, pela riqueza da sua pregação.

Fonte: ACI digital



Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana/Devoção e Fé