Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Mais uma estátua de São Junípero Serra vandalizada


Estátua em Mallorca (Espanha) de Frei Junípero Serra. Crédito: Wikipedia

MALLORCA, 22 Jun. 20 / 04:30 pm (ACI).- Uma estátua de Frei Junípero Serra, em Palma de Mallorca (Espanha), foi vandalizada nas primeiras horas da segunda-feira, 22 de junho.

Segundo informam diversos meios de comunicação, os vândalos escreveram a palavra "racista" com tinta vermelha na base de pedra sobre a qual está a estátua e também picharam a parte inferior da escultura de bronze na qual aparece com um nativo das terras da Califórnia.

Este ataque ocorreu depois que a vereadora do partido Podemos na prefeitura de Palma, Sonia Vivas, secretária de Justiça Social, Feminismo e LGBTI, indicou em sua conta no Twitter que a estátua de Frei Junípero na cidade deveria ser removida ainda que "de maneira pacífica".

“As cidades falam através dos nomes de suas ruas, monumentos e estátuas. Contam a história política das elites e oligarquias. Os habitantes tomam a palavra em San Francisco e retiram a estátua de Junípero Serra. Em Palma, pacificamente, deveria ser igual”, afirmou.



Segundo destaca o jornal El Mundo, o prefeito de Palma, José Hila, do PSOE, se distanciou das manifestações da vereadora do Podemos, Sonia Vivas, que faz parte do governo da ilha.

Segundo destaca o jornal ABC, esta escultura vandalizada fica ao lado da entrada da Basílica de Sant Francesc e de uma escola, no centro da cidade de Palma, em Palma de Mallorca.

Frei Junípero Serra foi um monge franciscano que nasceu na cidade de Petra, Mallorca, em 1713, e morreu em Monterrey (México), em 1784. Foi o fundador de nove missões na Califórnia. Foi beatificado por São João Paulo II, em 1988, e canonizado pelo Papa Francisco, em 2015, na Basílica da Imaculada Conceição, em Washington (Estados Unidos).

Durante a canonização, o Papa Francisco chamou Frei Junípero de "apóstolo da Califórnia" e enfatizou que "buscava defender a dignidade da comunidade nativa".

Esse ato de vandalismo ocorreu depois que derrubaram as estátuas de Frei Junípero em São Francisco e em Los Angeles (Estados Unidos).

Os críticos assinalam que o santo é um símbolo do colonialismo europeu e que as missões foram dedicadas ao trabalho forçado dos nativos americanos, que as vezes reclamavam que Frei Junípero também era abusivo.

No entanto, os defensores de São Junípero assinalam que, na realidade, foi um defensor dos nativos e dos direitos humanos. Destacam também que ajudou muitas pessoas nativas durante a sua vida, e que estes depois choraram pela sua morte.

Condenação dos atos pela Diocese de Mallorca

O Bispo de Mallorca, Dom Sebastià Taltavull, em nome de toda a diocese, demonstrou sua adesão e apoio à comunidade de frades da Ordem Franciscana Menor de Petra, Mallorca, “herdeiros de São Junípero Serra, bem como às pedras vivas da comunidade do município, que têm no Padre Serra um exemplo de bondade e aproximação de culturas”.

Diante dos eventos ocorridos nos Estados Unidos, Dom Taltavull também expressou solidariedade com os Arcebispos de San Francisco, Dom Salvatore Joseph Cordileone; e de Los Angeles, Dom José Horacio Gomez, assim como com a Ordem dos Franciscanos Menores, enviando cartas de apoio.

Das suas respectivas dioceses de São Francisco e Los Angeles, os prelados afirmaram em um comunicado que "lamentam e condenam que um movimento internacional renovado para curar memórias e corrigir as injustiças do racismo tenha sido sequestrado por alguns em um movimento de violência, saques e vandalismo", asseguram estes dois arcebispos dos Estados Unidos.

Publicado originalmente em ACI Prensa. Traduzido e adaptado por Nathália Queiroz.

Fonte: ACI digital


Arcebispo nos EUA condena ataques à estátua de São Junípero Serra em manifestações contra o racismo

Estátua de São Junípero Serra no Golden Gate Park (São Francisco, Califórnia) / Crédito: scupperssf / wikimedia (BY CC 2.0)

CALIFORNIA, 22 Jun. 20 / 12:30 pm (ACI).- Depois que centenas de manifestantes derrubaram a estátua de São Junípero Serra, em São Francisco (Estados Unidos), o arcebispo local criticou o que aconteceu e disse que os protestos contra a injustiça racial foram "sequestrados" por uma máfia obstinada com a violência.

"O que está acontecendo com a nossa sociedade? Um movimento nacional renovado para curar memórias e corrigir as injustiças do racismo e da brutalidade policial em nosso país foi sequestrado por alguns para transformá-lo em um movimento de violência, saques e vandalismo", disse o Arcebispo de São Francisco, Dom Salvatore Cordileone, em um comunicado divulgado no sábado, 20 de junho.

A declaração do arcebispo veio depois que uma estátua de São Junípero Serra foi derrubada, na sexta-feira, no Golden Gate Park, em São Francisco, junto com as estátuas de Francis Scott Key e Ulysses S. Grant.

"A derrubada e a desfiguração das estátuas no Golden Gate Park, incluindo a de São Junípero Serra, tornaram-se o mais recente exemplo dessa mudança no movimento de protesto", acrescentou o Arcebispo.

“A memorização de figuras históricas merece uma discussão honesta e justa sobre como e a quem se deve conceder esta honra. Mas aqui, não havia uma discussão racional; foi a regra da máfia, um fenômeno preocupante que parece se repetir em todo o país”, assegurou.

Dom Cordileone enfatizou a importância dos chamados à justiça racial e ao fim da brutalidade policial, que começou após a morte de George Floyd, um negro morto por um policial de Minneapolis, em 25 de maio. Este ajoelhou-se no pescoço de Floyd por quase nove minutos até sua morte.

"Todos os que trabalham pela justiça e igualdade se juntam à indignação daqueles que foram e continuam sendo oprimidos", disse o arcebispo.

"É especialmente certo que os seguidores de Jesus Cristo, os cristãos, são chamados a trabalhar incansavelmente pela dignidade de todos os seres humanos", acrescentou, e assinalou que São Francisco de Assis, que deu origem ao nome da cidade de São Francisco, é "uma das figuras históricas mais importantes e icônicas da paz e da boa vontade”.

Além disso, afirmou que "durante os últimos 800 anos, as várias ordens franciscanas de irmãos, irmãs e sacerdotes inspirados por ele foram exemplares, não apenas servindo, mas se identificando com os pobres e oprimidos e dando a eles sua dignidade legítima como filhos de Deus", afirmou Dom Cordileone.

"São Junípero Serra não é exceção", enfatizou.

O santo, que foi canonizado pelo Papa Francisco, em 2015, foi um missionário franciscano do século XVIII que fundou nove missões católicas na área que mais tarde se tornaria a Califórnia; muitas dessas missões se tornariam os centros das principais cidades da Califórnia.

São Junípero Serra ajudou a converter milhares de californianos nativos ao cristianismo e ensinou-lhes novas tecnologias agrícolas.

Os críticos assinalam que o santo é um símbolo do colonialismo europeu e que as missões foram dedicadas ao trabalho forçado dos nativos americanos, que as vezes reclamavam que Frei Junípero também era abusivo.

No entanto, os defensores de São Junípero assinalam que, na realidade, foi um defensor dos nativos e dos direitos humanos. Destacam também que ajudou muitas pessoas nativas durante a sua vida, e que estes depois choraram pela sua morte.

“São Junípero Serra fez sacrifícios heroicos para proteger os povos indígenas da Califórnia de seus conquistadores espanhóis, especialmente dos soldados. Mesmo com a sua perna doente que lhe causou tanta dor, ele caminhou até a Cidade do México para obter poderes especiais do governo do vice-rei da Espanha para disciplinar os militares que estavam abusando dos índios. E, depois, voltou para a Califórnia”, disse o arcebispo no sábado.

 “E para que não haja dúvidas, temos um lembrete físico até hoje: Em todos os lugares há um presídio (quartel de soldados) associado a uma missão e vinculado às outras 21 missões que ele fundou. A prisão está a quilômetros de distância da própria missão e da escola", acrescentou.

Dom Cordileone disse que não queria "negar que erros históricos tenham ocorrido, mesmo por pessoas de boa vontade, e que a cura de memórias e reparações é muito necessária", mas assim como existem erros históricos, esses "não podem ser corrigidos mantendo-se ocultos" ou "reescrevendo a história".

O Arcebispo elogiou o zelo missionário do santo: “São Junípero Serra também lhes ofereceu o melhor que tinha: o conhecimento e o amor de Jesus Cristo, que ele e seus irmãos franciscanos fizeram através da educação, assistência médica e capacitação nas artes agrárias”.

"A ira contra a injustiça pode ser uma resposta saudável quando é essa justa indignação que faz a sociedade avançar. Mas, como o próprio Cristo ensina, e São Francisco modelou, o amor, e não a ira, é a única resposta”, concluiu Dom Cordileone.

Publicado originalmente em ACI Prensa. Traduzido e adaptado por Nathália Queiroz.

Fonte: ACI digital

Comentários

Postagens Mais Visitadas do Mês

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog