Quando chegou a plenitude dos tempos - 4° Domingo do Advento (Ano B )


Quando chegou a plenitude dos tempos

4º Domingo do Tempo do Advento - Ano B

Evangelho de Lucas 1,26-38
Naquele tempo, 26o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi, e o nome da virgem era Maria. 28O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!” 29Maria ficou perturbada com essas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. 30O anjo, então, disse-lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. 31Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. 32Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. 33Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”. 34Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso se eu não conheço homem algum?” 35O anjo respondeu: “O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado santo, Filho de Deus. 36Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37porque para Deus nada é impossível”. 38Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” E o anjo retirou-se.

REFLEXÃO:

A cena se passa em Nazaré, insignificante povoado da Galileia. O Messias esperado nascerá no meio do povo pobre. No centro da narração está Maria, “uma virgem prometida em casamento a José”. O mensageiro não é um vizinho qualquer; é o anjo Gabriel enviado por Deus. A surpreendente notícia é que Maria é a escolhida para ser a mãe de Jesus, o Filho do Altíssimo. Como é possível, se ela não vive “com nenhum homem”? “Para Deus, nada é impossível”. Ela conceberá pelo poder de Deus, sem interferência de homem: “O Espírito Santo virá sobre você e o poder do Altíssimo a cobrirá com sua sombra. Por isso o Santo que nascer será chamado Filho de Deus”. Este é o ponto alto de todo o anúncio: Jesus é o Messias, o próprio Filho de Deus que vai trazer a salvação. Maria entrega-se à vontade de Deus: “Faça-se”.

(Dia a dia com o Evangelho 2023)[1]

Oração do Dia
Infundi, Senhor, a vossa graça em nossos corações para que, conhecendo pela anunciação do anjo a encarnação de Jesus Cristo, vosso Filho, cheguemos, por sua paixão e cruz, à glória da ressurreição. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus, e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo, por todos os séculos dos séculos.

Quando chegou a plenitude dos tempos  

Como o anunciado era o Filho de Deus, Lucas usa a figura do anjo, mensageiro de Deus, para anunciar às criaturas os grandes e excepcionais acontecimentos. O anjo se chama Gabriel. Como Lucas pode saber o nome do anjo? Desde o profeta Daniel (Dn 8,16-26), que vivera exilado, uns 500 anos antes de Cristo, dava-se o nome de Gabriel ao anjo de Deus, que, segundo o profeta, anunciaria os últimos tempos, isto é, aquele momento que todos os profetas pregavam, pelo qual

todos esperavam e que São Paulo chamou de ‘plenitude dos tempos’ (GL 4,4), quando não mais se julgaria por ouvir dizer (Is 11,3-8), quando os pobres e fracos teriam justiça, quando o lobo feroz fosse hóspede do cordeiro manso, quando a criança pudesse brincar com as serpentes, quando os cegos enxergariam e os mudos falariam e os surdos ouviriam, quando os tiranos e ditadores desapareceriam, quando todos tivessem liberdade e, pacificados, vestidos de alegria, entoassem cânticos de glória (Is 12,6). Seria o dia do retorno da descendência de Adão ao paraíso perdido.

Lucas vê chegada a plenitude dos tempos na Encarnação de Jesus Cristo. Vê chegado o começo dos novos tempos, caracterizados pelo Emanuel, isto é, Deus Conosco (Is 7,14), um Deus sempre presente no meio da comunidade, misericordioso, legislador e mestre, santificador, mediador entre o céu e a terra. São Paulo dirá: “Quando chegou a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher … , para que todos recebêssemos a adoção de filhos” (GL 4,4-5).

Essa é a razão de ser da Encarnação de Jesus. Assumindo a natureza humana, Jesus como que recriou a humanidade, transformou a criatura humana em nova criatura: “quem está em Cristo é criatura nova” (2Cor 5,17), ensina São Paulo aos Coríntios.

FREI CLARÊNCIO NEOTTI, OFM, entrou na Ordem Franciscana no dia 23 de dezembro de 1954. Escritor e jornalista, é autor de vários livros e este comentário é do livro “Ministério da Palavra – Comentários aos Evangelhos dominicais e Festivos”, da Editora Santuário.[2]

---

Comentários

Newsletter

Receba novos posts por e-mail: