Solenidade de Todos os Santos - 31° Domingo do Tempo Comum (Ano A )


Solenidade de Todos os Santos

O santo não sobe sozinho a escada do céu

31º Domingo do Tempo Comum - Ano A

Evangelho de Mateus 
5,1-12

Naquele tempo, 1vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-se. Os discípulos aproximaram-se, 2e Jesus começou a ensiná-los: 3“Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus. 4Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados. 5Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra. 6Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. 7Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. 8Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. 9Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. 10Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus. 11Bem-aventurados sois vós quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós por causa de mim. 12Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus”.


REFLEXÃO:

Quem são os santos? Todos os que, animados pela caridade, vivem e morrem na graça de Deus podem ser chamados santos; em sentido especial, porém, são os que a Igreja elevou às honras dos altares por terem praticado as virtudes de maneira heroica ou por terem dado a vida pela causa da fé. A respeito da intercessão dos santos, o Catecismo da Igreja católica afirma: “Eles não deixam de interceder por nós junto ao Pai, apresentando os méritos que alcançaram na terra pelo único mediador de Deus e dos homens, Cristo Jesus. Por conseguinte, pela fraterna solicitude deles, nossa fraqueza recebe o mais valioso auxílio” (n. 956). As bem-aventuranças constituem o caminho proposto por Jesus para uma vida coerente com o Reino de Deus nesta terra, com vistas à comunhão eterna com Deus no céu.

(Dia a dia com o Evangelho 2023)[1]

Oração do Dia

Deus eterno e todo-poderoso, que nos dais celebrar numa só festa os méritos de todos os Santos, concedei-nos por intercessores tão numerosos a plenitude da vossa misericórdia. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

O santo não sobe sozinho a escada do céu

O Evangelho das bem-aventuranças é o programa dos que querem ser santos e é a vivência dos que o são. Ninguém é santo por sua própria força. Toda santidade vem de Deus. Com a encarnação de Jesus, a humanidade se embebeu da santidade divina. Cabe a cada um tirar as consequências e produzir os frutos. Podemos dar ao capítulo das bem-aventuranças o título ‘O Caminho da Felicidade’, ou também ‘O Caminho da Santidade’, porque a santidade é a plenitude da felicidade.

Santo é o pobre de espírito, isto é, aquele que não se julga autossuficiente, mas se considera um necessitado de Deus, por isso vive com o coração aberto e voltado para o Senhor. Santa é a criatura que pacifica os instintos e sentimentos e coloca-os a serviço de sua caminhada pessoal e comunitária, por isso tem o coração aberto para o próximo, sempre pronto a compreender, a dar, a perdoar. A mansidão é dinâmica. Santo é quem participa de tal modo da vida que está em torno, que canta com os alegres e chora com os tristes e se compadece (= sofre junto) com os que sofrem.

Não há lugar nem momento neste mundo sem sofrimento: há a fome e a sede, há a injustiça e o insulto, há a perseguição e a falsidade, as doenças e as angústias, há o trabalho cansativo e difícil da construção da paz. O santo não se fecha sobre a própria felicidade, não sobe sozinho as escadas do céu. A força que os santos têm hoje de ajudar-nos, eles a adquiriram aqui entre nós, participando de nossas limitações e necessidades, derramando e enxugando lágrimas, corrigindo injustiças e espalhando amor, para que o Reino de Deus pudesse acontecer no dia a dia.

FREI CLARÊNCIO NEOTTI, OFM, entrou na Ordem Franciscana no dia 23 de dezembro de 1954. Escritor e jornalista, é autor de vários livros e este comentário é do livro “Ministério da Palavra – Comentários aos Evangelhos dominicais e Festivos”, da Editora Santuário.[2]

---


Comentários

Newsletter

Receba novos posts por e-mail: