Processo de beatificação de Fulton Sheen está livre para avançar

Venerável Fulton Sheen.
Venerável Fulton Sheen. | (Domínio público)

Tina Dennelly
Por Tina Dennelly

NOVA IORQUE, 1 de set de 2023 às 16:13

"Sheen está limpo,” disse monsenhor Jason Gray, diretor executivo da Fundação Arcebispo Fulton Sheen, sobre a causa de beatificação do arcebispo televangelista venerável Fulton J. Sheen.

“Não creio que alguma causa de beatificação tenha sido submetida a mais escrutínio do que a do arcebispo Sheen, tanto eclesiasticamente como civilmente”, disse Gray em entrevista a “The World Over with Raymond Arroyo”, programa de TV da EWTN, em 24 de agosto.

“Em tudo isso, não apenas nada foi encontrado que impugnasse Sheen, mas acho que suas virtudes heroicas foram confirmadas – como eu gostaria de dizer, Sheen está limpo – e podemos provar isso”, continuou.

Depois de três anos de batalhas legais, a arquidiocese de Nova York, onde Sheen foi enterrado em 1979, liberou o corpo de Sheen para a diocese de Peoria, em Illinois, em 2019, onde Sheen foi ordenado e serviu pela primeira vez como sacerdote.

A ação permitiu que a causa de Sheen continuasse a avançar, e a data para a beatificação foi marcada para 20 de setembro de 2019, no centésimo aniversário da ordenação de Sheen ao sacerdócio.

O estado de Nova York suspendeu a prescrição para casos de abuso, permitindo que os casos avançassem independentemente de quando os alegados abusos tivessem ocorrido. Sheen foi bispo de Rochester, em Nova York, de 1966 a 1969.

“Realmente não se sabia na época se haveria novas alegações das quais realmente nada sabíamos”, disse Gray a Arroyo, “então havia uma preocupação de que algo pudesse surgir, e por isso, com muita cautela, a Santa Sé estava hesitante” em avançar com a causa de Sheen.

Gray disse que sua equipe também recebeu documentos que levantavam a questão de saber se Sheen lidou inadequadamente com casos de abuso na diocese de Rochester. Após uma pesquisa cuidadosa e uma apresentação à então congregação para as Causas dos Santos, considerou-se que Sheen os tratou corretamente. A data da beatificação foi então marcada para 22 de dezembro de 2019.

“Mas então o gabinete do procurador-geral de Nova Iorque estava investigando todas as dioceses do Estado, por isso, foi considerado mais prudente suspender a causa na altura”, disse o monsenhor.

“Na verdade, contratamos um escritório de advocacia em Nova York que trabalha com diferentes dioceses do Estado e fizemos uma revisão completa de todos os casos apresentados e conseguimos demonstrar que nenhum caso havia sido apresentado que de alguma forma impugne Sheen”, disse Gray.

Gray acrescentou que em setembro de 2022, um grupo de Peoria foi novamente ao Vaticano para se encontrar com o prefeito do dicastério para as Causas dos Santos, cardeal Marcello Semeraro, e com o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, para apresentar a investigação.

“Roma deixou muito claro que não há nenhum problema na Santa Sé com esta causa”, disse Gray. “As preocupações foram levantadas do outro lado do oceano – por membros da hierarquia dos EUA”.

“Até sentirmos que não restam dúvidas – se for necessário o relatório do procurador-geral para demonstrar o que já sabemos, o que já provamos – queremos avançar com o apoio unânime de toda a conferência episcopal. Tenho certeza de que chegaremos lá”, disse Gray. O relatório do procurador-geral de Nova York ainda não foi divulgado.

---

Comentários

Newsletter

Receba novos posts por e-mail: