Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Agência de Notícias dos EUA adota linguagem e ideologia de gênero em manual de redação

Imagem ilustrativa / Shutterstock

Edie Heipel / CNA

WASHINGTON DC, 29 jul. 22 / 02:06 pm (ACI).- A nova edição do manual de redação da Associated Press, uma das mais importantes agências de notícia do mundo, traze uma mudança dramática na maneira de tratar questões de gênero. O manual da AP é considerado por muitos meios de comunicação dos EUA “uma bíblia” para uso gramatical e estilo de redação de notícias e as mudanças podem, portanto, ter impacto muito amplo.

As mudanças adotam e promovem a linguagem e a ideologia preferidas do movimento LGBTQ.

Abigail Favale, especialista em estudos de gênero e crítica literária feminista que é professora do McGrath Institute for Church Life da Universidade Notre Dame, diz que o manual de estilo da AP assume posições filosóficas sob o disfarce de ser um guia de redação.

“Parece tanto catequese quanto diretrizes – dá a impressão de que o usuário está aprendendo qual linguagem usar, mas também como como ver o tópico”, disse ela à CNA, agência em inglês do grupo ACI.

A Associated Press, uma agência internacional de notícias com sede em Nova York, agora define a palavra “transgênero” em seu livro de estilo como “uma pessoa cuja identidade de gênero não corresponde ao sexo atribuído no nascimento”.

Na visão de Favale, a AP deturpa conclusões sobre identidade de gênero, mesmo aquelas feitas por cientistas seculares e profissionais médicos.

“O [AP] não representa de forma justa os resultados de longo prazo dos cuidados afirmativos de gênero”, disse ela, acrescentando que apresenta procedimentos como cirurgias de transição de sexo como conclusivos quando permanecem fortemente contestados, não apenas no ensino católico, mas entre seculares. cientistas e acadêmicos.

“Está apresentando como coisas estabelecidas e conclusivas que realmente não são”, disse Favale.

A AP também instrui os jornalistas a evitar termos como “sexo biológico”, “hormônios masculinos ou femininos” e “mudança de sexo”. Eles devem ser substituídos por “sexo atribuído no nascimento”, nomes específicos dos hormônios e “transição de gênero”. O guia também considera certas palavras como “insultos”. Usar o nome anterior de uma pessoa que “mudou de sexo” também é um insulto para a AP.

A agência também dedica uma seção inteira no guia de estilo revisado para os esportes, alertando os escritores para não “errar ou sugerir dúvidas” sobre atletas homens que competem em esportes femininos. Por exemplo, o guia proíbe os escritores de usar a frase “ex-nadador masculino”. Também orienta a dizer que os jogadores transgêneros “estão proibidos de jogar em equipes de acordo com seu gênero”, e não que homens que se identificam como mulher foram proibidos de participar de competições femininas.

Ensinamento católico sobre gênero

Do ponto de vista católico, essas revisões são significativas, diz Favale. Convertida ao catolicismo, a acadêmica aborda o gênero a partir de uma perspectiva informada pelos ensinamentos da Igreja, ela é a autora de “The Genesis of Gender: A Christian Theory” (A Gênese do Gênero; uma Teoria Cristã, em tradução livre).

A Igreja Católica ensina que o sexo de uma pessoa humana é inerente à sua própria dignidade e alma. “Criando o ser humano homem e mulher, Deus dá dignidade pessoal igualmente a um e ao outro”, afirma o Catecismo da Igreja Católica (n. 2393).

O papa Francisco se manifestou repetidamente contra a ideologia de gênero. “Essa ideologia leva a programas educacionais e decretos legislativos que promovem uma identidade pessoal e intimidade emocional radicalmente separadas da diferença biológica entre homem e mulher”, escreveu ele na exortação apostólica Amoris Laetitia, publicada em 2016, citando o relatório final do Sínodo dos Bispos de 2015.

“É preciso enfatizar que o sexo biológico e o papel sociocultural do sexo (gênero) podem ser distinguidos, mas não separados”,+ escreveu ele. “Uma coisa é entender a fraqueza humana e as complexidades da vida, e outra é aceitar ideologias que tentam separar o que são aspectos inseparáveis ​​da realidade.”

As mudanças da AP coincidem com a recente controvérsia em torno das atualizações no dicionário Merriam-Webster, o mais popular dos EUA, para os verbetes para “feminino” e “masculino”. O dicionário agora inclui “ter uma identidade de gênero que é o oposto do masculino”, como uma definição secundária de “feminino”. Da mesma forma, a definição de “masculino” agora inclui “ter uma identidade de gênero oposta à feminina”.

---

Comentários

Receba Notícias do Blog em seu E-mail

Receba novos posts por e-mail:

Postagens Mais Visitadas do Mês

Beato Carlo Acutis

Clique na imagem para visualizar a oração


***
»Do prefácio de S. Ex.ª Rev.ma Card. Angelo Comastri

"Estar sempre com Jesus, este é o meu projeto de vida".
Com estas poucas palavras, Carlo Acutis esboça a distinta característica de sua breve existência:
viver com Jesus, por Jesus, em Jesus».


Pedidos de Oração no Site Oficial

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog