Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

A coragem de ir além do humano - 7° Domingo do Tempo Comum (Ano C )


A coragem de ir além do humano

7° Domingo do Tempo Comum Ano C

Evangelho de Lucas 6,27-38

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 27“A vós que me escutais, eu digo: amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam, 28bendizei os que vos amaldiçoam e rezai por aqueles que vos caluniam. 29Se alguém te der uma bofetada numa face, oferece também a outra. Se alguém te tomar o manto, deixa-o levar também a túnica. 30Dá a quem te pedir e, se alguém tirar o que é teu, não peças que o devolva. 31O que vós desejais que os outros vos façam, fazei-o também vós a eles. 32Se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Até os pecadores amam aqueles que os amam. 33E se fazeis o bem somente aos que vos fazem o bem, que recompensa tereis? Até os pecadores fazem assim. 34E se emprestais somente àqueles de quem esperais receber, que recompensa tereis? Até os pecadores emprestam aos pecadores, para receber de volta a mesma quantia. 35Ao contrário, amai os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai sem esperar coisa alguma em troca. Então, a vossa recompensa será grande, e sereis filhos do Altíssimo, porque Deus é bondoso também para com os ingratos e os maus. 36Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso. 37Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai e sereis perdoados. 38Dai e vos será dado. Uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante, será colocada no vosso colo; porque, com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos”.

REFLEXÃO:

O Evangelho continua o “discurso da planície”, iniciado domingo passado. No texto de hoje, Jesus aprofunda as consequências das bem-aventuranças: propõe a superação da lei do talião, convida ao amor, tendo Deus como modelo, e exorta ao não julgamento. A seu exemplo, Jesus exige o amor sem limites para com todos, pede para rezar e fazer o bem desinteressadamente. Fazer tudo sem esperar nada em troca, a exemplo de Deus, que é misericordioso e bom para com todos. Podemos dizer que a chave de leitura do texto está no tratar os outros como gostaríamos que eles nos tratassem. O desejo do ser humano é poder viver, amar e sentir-se amado. A proposta do Evangelho é claramente contra a violência e a vingança, é uma superação da lei do talião. Na nova sociedade que Jesus propõe, haverá novas relações, pautadas pela gratuidade e que superam a espiral da violência e da arrogância. Para quebrar a espiral da violência, é preciso resistir com atitudes que a desmontem, desarmando quem aposte nela como solução. Se combatermos a violência com a violência ou com a vingança, nunca chegaremos a construir a cultura da paz e a sociedade harmoniosa. Para construir uma nova sociedade, onde não haja rancor, ódio e intolerância, a última palavra deve ser o amor e o perdão.

(Dia a dia com o Evangelho 2022) [1]

Oração do Dia

Concedei, ó Deus todo-poderoso, que, procurando conhecer sempre o que é reto, realizemos vossa vontade em nossas palavras e ações. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

A coragem de ir além do humano

Não precisamos pensar em inimigos de guerra. Todos temos experiência de gente que não é nossa amiga. A expressão de Jesus: ‘amar os inimigos’ pode ser substituída pelo verbo ‘perdoar’. A experiência de perdoar e não perdoar todos a temos. Perdoar é mais que esquecimento, é mais que ‘deixa pra lá’. Veja-se que em perdoar está contido o verbo doar e a partícula per. Esta significa inteiramente, de ponta a ponta. Tem gente que pensa que é mais fácil perdoar; quando nos distanciamos do inimigo ou da ofensa recebida. Isso pode significar esquecimento, mas não é perdão. O perdão implica o doar uma parte de mim mesmo, talvez a parte da verdade, talvez a parte da minha vaidade ferida, talvez a
parte da minha honra desgastada, talvez a parte dos meus bens roubados, mas, sobretudo, a doação do meu amor fraterno. E isso per, isto é, com todo o coração, sem fingimento, sem nada querer em troca, sem nenhuma condição.

O perdão não é instintivo. Perdoar não é coisa natural. Se alguém me fez o mal, minha natureza desperta a antipatia, o distanciamento, a rotura. Jesus sabia isso. O perdão não ignora a realidade humana. O que Jesus pede é que se tenha a coragem de ir além do modo comum de perceber e vivenciar; seja psicológico, seja sociológico. Aliás, o Cristianismo, de per si, é um passo à frente da realidade corriqueira, um ir além do senso comum, que pode exigir-nos sacrifícios, mudança de mentalidade, correção de metas e rotas. Jesus chamou a tudo isso de ‘conversão’.

FREI CLARÊNCIO NEOTTI, OFM, Escritor e jornalista, é autor de vários livros e este comentário é do livro “Ministério da Palavra – Comentários aos Evangelhos dominicais e Festivos”, da Editora Santuário. [2]

---

Comentários

Receba Notícias do Blog em seu E-mail

Receba novos posts por e-mail:

Postagens Mais Visitadas do Mês

Beato Carlo Acutis

Clique na imagem para visualizar a oração


***
»Do prefácio de S. Ex.ª Rev.ma Card. Angelo Comastri

"Estar sempre com Jesus, este é o meu projeto de vida".
Com estas poucas palavras, Carlo Acutis esboça a distinta característica de sua breve existência:
viver com Jesus, por Jesus, em Jesus».


Pedidos de Oração no Site Oficial

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog