Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Dom Vital: O Dia Mundial dos Pobres, a presença de Jesus Cristo neles

Homem em situação de rua 

Nós celebramos o quinto dia mundial do pobre cujo tema é: “Sempre tereis pobres entre vós” (Mc 14, 7). É uma oportunidade para perceber a importância dos pobres no meio de nós, como membros do povo de Deus.

Dom Vital Corbellini, Bispo de Marabá – PA.

Desde 2017, a Igreja comemora no penúltimo domingo do tempo comum, o dia mundial dos pobres, instituído pelo Papa Francisco, na Carta Apostólica Misericórdia e Mísera, como memória e ação objetiva do ano extraordinário da misericórdia (cfr. MetM, 21). Nós celebramos o quinto dia mundial do pobre cujo tema é: “Sempre tereis pobres entre vós” (Mc 14, 7). É uma oportunidade para perceber a importância dos pobres no meio de nós, como membros do povo de Deus e as ações caritativas em favor dos mesmos. Muitas são as ações nas comunidades católicas e pessoas de boa vontade, que são feitas em favor dos pobres neste dia. É importante ver como a Igreja antiga também se preocupou em favor dos pobres em suas comunidades, porque as pessoas lembraram o Senhor que fez a opção pelos pobres, foi pobre e nos ensina a viver a alegria da pobreza, da entrega de nossas vidas a Deus.

O tema da pobreza ligado à Sagrada Escritura

Os pobres, a pobreza são temas bíblicos, ligados à Sagrada Escritura, na qual ocupa um lugar considerável. Para o dia mundial dos pobres uma frase bíblica fundamenta a ação. Os padres da Igreja precisaram isso, recorrendo à idéia da escravidão do Egito, que fez o povo de Israel pobre, e pela força de Deus o libertou daquela situação[1], mas também recorrendo a necessidade de realizar obras de caridade, de amor, porque na pessoa dos pobres está presente o Senhor Jesus (cfr. Mt 25, 40).

A caridade para com os pobres

Seguindo a Palavra de Jesus a Igreja desde os seus primórdios teve a sua atenção aos pobres, necessitados da sociedade e de suas comunidades. Ao fim do século I a prática da comunhão dos bens (cfr. At 2,42-44), fator que caracterizou as primeiras experiências de vida social e comunitária da Igreja de Jerusalém, conservava ainda o seu valor paradigmático. As ofertas livres dos fieis tornaram-se a fonte principal pela qual a Igreja alcançava as próprias atividades caritativas em favor dos pobres[2].

O Pai quer que os seus bens sejam doados

A Didaqué, obra do século I, tinha presente que a pessoa deve doar aos outros, porque o Pai quer que os seus bens sejam doados a todos. O fiel que recebe deve estar necessitado porque a pessoa abastecida não receba a ajuda. A esmola seja dada para quem necessite da mesma[3]. A obra exorta os fieis da comunidade para que não sejam avarentos, nem ladrões, nem fingidos, nem maliciosos, nem soberbos, mas vivam o amor aos outros, em Jesus Cristo[4].

A partilha das coisas

A Carta de Barnabé, escrito dos séculos I e II, aprofundou o tema da compartilha das coisas para com o próximo, porque se nós desejarmos estar unido nas coisas incorruptíveis, se deve estar unidos também nas coisas que passam porque a ajuda é dada para quem mais necessita. O fiel não pode estender a mão só na hora de receber, mas também na hora de doá-la para os outros[5].

Os que possuem ajudem mais os pobres

O Pastor de Hermas, livro apocalíptico, do século II, afirmou a necessidade das pessoas que mais possuem, os ricos, ajudarem os pobres nas comunidades em suas necessidades. As riquezas foram dadas para todas de modo que o pobre é socorrido por aqueles que possuem mais riquezas. Deste modo ambos cumprem a sua missão, pois o pobre o faz mediante a sua oração, que é a sua riqueza recebida do Senhor e aquele que possui mais ajuda o pobre com as coisas que tem, partilhando a riqueza que recebeu do Senhor[6].

Imitador de Deus

A Carta a Diogneto, escrito do século II afirmou que a pessoa pelo amor imita a Deus; ela se torna feliz não pela opressão do próximo, ou por querer estar por cima dos mais fracos, ou fazer o enriquecimento pela prática da violência, mas a pessoa imita a Deus quando toma sobre si o peso do próximo, se for superior beneficie à pessoa inferior e quando a dá aos necessitados o que recebeu de Deus, é seu imitador[7].

A importância dos anciãos e a caixa comum

Tertuliano, padre da Igreja, Norte da África, séculos II e III afirmou o sentido comunitário da ajuda aos necessitados, que entre eles participavam das reuniões, das celebrações, anciãos de provada virtude, não por orgulho de suas vidas, mas pelo comum testemunho dos seus merecimentos porque eram pessoas que viviam o sentido da comunidade e do amor. Existia também entre eles uma caixa comum (arcae genus est) na qual cada pessoa dava lá quanto queria e podia, a sua modesta contribuição mensal e fazia desta forma espontaneamente sem nenhum constrangimento[8]. Esses se constituíam os depósitos da comum piedade (deposita pietatis sunt). Este dinheiro não servia para os banquetes, bebidas inúteis, ou alimentos extravagantes, mas era alimento para os pobres, nas quais davam a sepultura aos necessitados, socorriam os meninos e as meninas privados de sustentação e da parte de seus pais, e também servia aquele dinheiro para servos exaustos pela idade e também era dado aos náufragos[9]. Como era uma comunidade que tinham presentes ações caritativas, ajudava também em nome da fé cristã, os condenados às minas, ou deportados nas ilhas ou relegados, e banidos aos cárceres[10]. Tertuliano teve um sentido muito importante a respeito dos pobres, como presença do Senhor.

Jesus Cristo presente nos pobres

São Gregório de Nazianzo, bispo de Constantinopla, século IV disse que o Deus Criador criou todas as pessoas. Ele não fez uma pessoa rica e outra pobre, porque esta distinção não vem de Deus. A palavra de Deus também diz que quem tem misericórdia do pobre, empresta a Deus (Pr 19,17) e também com as esmolas e a fé se purificam os pecados (Pr 15,27-29). Ele insistia junto às comunidades para que as pessoas tivessem ações concretas em favor dos necessitados do Senhor, em relação à visita em suas casas, para saber de sua comida, roupa, honra a eles na pessoa de Cristo. O Senhor de todos quer a misericórdia e não sacrifício, de modo que quando partirmos desta realidade o Senhor juntamente com eles nos acolham nos tabernáculos eternos[11].

A ajuda dada aos pobres por São Basílio de Cesaréia

São Gregório de Nazianzo direcionou uma obra para o seu amigo, São Basílio, colocando ações caritativas que o bispo de Cesareia realizou nas comunidades de sua diocese. Ele falou que era bonito ver nele, a misericórdia, o alimento aos pobres, a ajuda à enfermidade humana. A pessoa podia sair da cidade, e ela veria as coisas novas, o refúgio da piedade, mas também a sustentação modificara-se por exortação de Basílio[12]. As suas ações caritativas e de seus monges, trouxeram vida nova e digna para todas as pessoas, mas, sobretudo para os pobres das cidades e dos campos.

O amor aos pobres

São Fulgêncio de Ruspe, bispo, do norte da África, séculos V e VI afirmou o amor aos pobres na palavra de Cristo Jesus que é para vender os bens e sejam dados como esmola aos pobres (cfr. Lc 12,33). O bispo ressaltou que nesta vida, algumas ações são possíveis de serem feitas em vista da felicidade eterna. Muitas coisas foram recebidas pelo Senhor de modo que o fiel na ajuda aos pobres conquiste o Reino dos céus[13].

A vivência da pobreza

Santo Agostinho, bispo de Hipona, Padre da Igreja dos séculos IV e V, exortava na sua Regra, que os monges deveriam viver na pobreza, seguindo a Jesus Cristo pobre. O monge não deveria procurar no mosteiro aquilo que nem mesmo fora podia ter. Desta forma ele iria ao encontro às necessidades da sua insuficiência, porque pela sua pobreza fora do mosteiro e agora habitando no mesmo viva feliz e no espírito da pobreza com o Senhor[14].

O amor ao Cristo Jesus passa também pelo amor aos pobres. Cristo se manifesta em todas as pessoas, mas sobretudo nas pessoas necessitadas para que vivam a paz, o amor a Deus, ao próximo como a si mesmo. O Dia mundial dos pobres seja ocasião para crescermos na fé, na esperança e na caridade e possibilite ações de misericórdia em favor dos pobres e necessitados.

[1] Cfr. M. G. Mara. Poveri-Povertà. In: Nuovo Dizionario Patristico e di Antichità Cristiane, diretto da Angelo Di Berardino, P-Z. Marietti, Genova, 2008, pg. 4244.

[2] Cfr. Ugo Falesiedi. Le Diaconie. I Servizi assistenziali nella Chiesa antica. Instituto Patristico “Augustinianum”. Roma, 1995, pg. 38.

[3] Cfr. Didaqué, 1, 5-6. In: Padres Apostólicos. Paulus, SP, 1995, pgs. 344-345.

[4] Cfr. Idem, 2,6, pg. 345.

[5] Cfr. Carta de Barnabé, 19, 8-9. In: Padres Apostólicos, pg. 315.

[6] Cfr. O Pastor de Hermas. Segunda Parábola, 51, 6-8. In: Idem, pg. 219.

[7] Cfr. Carta a Diogneto, 10, 4-6. In: Padres Apologistas, Paulus, SP, 1995, pgs. 27-28.

[8] Cfr. Cfr. Tertulliano, Apologetico, XXXIX, 5, a cura di A. Resta Barrile,. Oscar Mondadori, Bologna, 2005, pg. 137.

[9] Cfr. Idem, XXXIX, 6, pg. 137.

[10] Cfr. Ibidem.

[11] Cfr. Gregorio di Nazianzo. L´amore per i poveri, 36, 39-40. In: La teologia dei padri, v. 3. Città Nuova Editrice, Roma, 1982, pgs. 271-272.

[12] Cfr. Gregorio di Nazianzo. Panegirico di Basilio il Grande, 63. In: Idem, pg. 291.

[13] Cfr. Fulgenzio di Ruspe. Prediche, I, 7-8. In: Idem, pg. 273.

[14] Sant´Agostino. La Regola, 1,5. In: Opere di Sant´Agostino. Morale e Ascetismo cristiano VII/2. Nuova Biblioteca Agostiniana, Città Nuova Editrice, Roma, 2001, pg. 31.

12 novembro 2021

---

Comentários

Receba Notícias do Blog em seu E-mail

Receba novos posts por e-mail:

Postagens Mais Visitadas do Mês

Beato Carlo Acutis

Clique na imagem para visualizar a oração


***
»Do prefácio de S. Ex.ª Rev.ma Card. Angelo Comastri

"Estar sempre com Jesus, este é o meu projeto de vida".
Com estas poucas palavras, Carlo Acutis esboça a distinta característica de sua breve existência:
viver com Jesus, por Jesus, em Jesus».


Pedidos de Oração no Site Oficial

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog