Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Proposta de párocos leigos é luterana, diz especialista

Dom Carlos Castillo / Crédito: ANDINA / Pensa Presidencia.

Lima, 17 ago. 21 / 03:59 pm (ACI).- O teólogo e sacerdote Donato Jiménez criticou em carta aberta a proposta do arcebispo de Lima, Peru, dom Carlos Castillo, de colocar leigos como párocos e disse que isso se parece à “rebelião ´a la Lutero`”.

Em conferência transmitida pelas redes sociais em 21 de julho, dom Castillo defendeu que “famílias, ou casais, ou grupos de esposos ou de leigos adultos mais velhos assumam paróquias”. Essas medidas “não são permitidas” pela Igreja, disse o arcebispo, mas ele esá pedindo autorização à Santa Sé para implementá-las. “É melhor mandar os padres estudar um pouco”.

Em sua carta aberta, o padre Jiménez, professor emérito da Faculdade de Teologia Pontifícia e Civil de Lima, escreveu: “Reformemos a Igreja. Sim, claro! Esse já foi o grito dos fiéis dos primeiros séculos: ´Ecclesia semper reformanda`. Mas a reforma começa por si próprio e é a partir de dentro, à luz do que o Senhor nos quer dizer com as suas palavras. Só assim, reformados, outras poderão ser agregadas”.

“E do século II é a tremenda, mas verdadeira frase: ´Ecclesia, casta meretrix`. Logo, há os grandes, os verdadeiros reformadores da Igreja: Santa Teresa, São João da Cruz, Santo Inácio, São Felipe Neri, São Tomás de Vilanova e mil, sim, mil a mais em cada época”, continuou.

“Fazer a rebelião ´a la Lutero`, ou como a que os bispos e padres alemães se empenharam este ano, é voltar a sortear a túnica inteiriça de Jesus (símbolo da Igreja), que não lhes pode ocultar a ambição ou a nudez de seus egoísmos e impiedade”, disse o sacerdote.

O teólogo lembrou que as normas “Das paróquias, párocos e vigários paroquiais” estão nos cânones que vão de 515 a 552 do Código de Direito Canônico (CIC).

Elas determinam que “a paróquia é uma certa comunidade de fiéis, constituída estavelmente na Igreja particular, cuja cura pastoral, sob a autoridade do Bispo diocesano, está confiada ao pároco, como a seu pastor próprio” e que “para que alguém seja assumido validamente como pároco, requer-se que esteja constituído na sagrada ordem do presbiterado”.

O padre Jiménez esclareceu depois que “só de forma excepcional ´por escassez de sacerdotes`, as leis da Igreja permitem que o Bispo confie o cuidado pastoral da paróquia ´a um diácono ou a outra pessoa que não tenha o carácter sacerdotal`”.

“Mas mesmo nesses casos, o CIC estabelece que o Bispo deve designar ´um sacerdote que, dotado dos poderes e das faculdades de pároco, oriente o serviço pastoral`”, afirmou.

O sacerdote questionou o arcebispo de Lima: “Se o senhor acha que essas normas e previsões ´se opõem` a seus planos ou pretensões, não será o senhor quem se opõe ao melhor ordenamento que a Igreja teve (mesmo com suas imperfeições) até o senhor chegar a ser ordenado?”.

O sacerdote é insubstituível como pároco

“Parece-nos bem a todos que os leigos colaborem e se encarreguem de tarefas na paróquia direta ou indiretamente, na medida em que é o dever de cada cristão. Mas o sacerdote nunca pode ser substituído pelos leigos, pela simples razão de que são dois modos distintos e complementares de vocação, de serviço e de entrega”, afirmou o teólogo.

“Se a cada modo falta o outro, não se cumpre a tão importante parte complementar, cada uma em seu campo”, acrescentou.

“O sacerdote é o pastor e servidor próprio, ordinário e apropriado, em obediência a seu bispo, para atender no possível a todas as necessidades espirituais e a muitas carências materiais dos paroquianos”, enfatizou.

O padre Jiménez explicou também que “a preparação e administração dos sacramentos corresponde propriamente ao sacerdote pároco e aos seus coadjutores. A maioria dos sacramentos só pode ser administrada pelo sacerdote”.

“Os grupos de leigos”, continuou, “não são o sujeito apropriado para levar, administrar e alimentar sacramental e espiritualmente uma paróquia, a não ser em circunstâncias de carência absoluta de sacerdotes, ou infelizmente, de perseguição ou banimento dos sacerdotes”, como aconteceu no Japão, China, Coreia, Vietnã, Laos, entre outros lugares.

“Sem diminuir em nada a preciosa obra que muitos leigos continuam realizando, a presença do sacerdote, do pároco, não é só imprescindível, mas de todo ponto de vista, é insubstituível”, afirmou.

Dessa forma, disse o sacerdote, “pretender colocar leigos para ´substituir` párocos não é substituir: é privar os fiéis da pessoa essencial para preparar e administrar os sacramentos de vida para suas vidas”.

Sobre a afirmação de dom Castillo, que disse que “é melhor mandar os padres estudar um pouco”, o padre Jiménez opinou que é “melhor que os seminaristas estejam mais anos (10 ou 12 anos, no mínimo) no seminário, recebendo devidamente seu tão necessário tempo de formação (hoje mais do que nunca)”.

“Teríamos, então, sacerdotes competentes, preparados, de espírito eclesial, sacerdotal, cultos, pelo menos no que lhes corresponde. Portanto, párocos idôneos para formar e fazer progredir o seu rebanho na vida cristã”.

O teólogo afirmou ter visto padres que “mais parecem uma ´florida` coleção de carências que dão vergonha alheia. E isso é uma culpa dos tempos, sim: dos tempos curtos e relaxados que os seminaristas passam nos seminários. Eles se parecem mais aos mundanos, com toda a sua frivolidade. Digo só isso, para não ser ainda mais severo”.

Em relação ao que o arcebispo de Lima disse sobre a necessidade de “pensar formas mais igualitárias, mais próximas”, o padre Donato questionou: “Não será, e outra vez por babélica confusão, por esquecimento, desconhecimento ou inconsciência, uma repetição da frase textual de um teólogo muito respeitado, quando se referia aos incríveis desmandos do pós-concílio: ´que ocorreram todos os abusos possíveis`?”.

---

Comentários

Receba Notícias do Blog em seu E-mail

Receba novos posts por e-mail:

Postagens Mais Visitadas do Mês

Beato Carlo Acutis

Clique na imagem para visualizar a oração


***
»Do prefácio de S. Ex.ª Rev.ma Card. Angelo Comastri

"Estar sempre com Jesus, este é o meu projeto de vida".
Com estas poucas palavras, Carlo Acutis esboça a distinta característica de sua breve existência:
viver com Jesus, por Jesus, em Jesus».


Pedidos de Oração no Site Oficial

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog