Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Quem são os brasileiros que tiveram martírio e virtudes heroicas reconhecidos pelo Papa?


Isabel Cristina Mrad Campos e Ir. Roberto Giovanni / Fotos: Wikipedia - Congregação dos Estigmatinos

REDAÇÃO CENTRAL, 28 out. 20 / 10:39 am (ACI).- O Papa Francisco autorizou a publicação de novos decretos pela Congregação para as Causas dos Santos, entre os quais estão incluídos os de dois brasileiros: o reconhecimento do martírio da Serva de Deus Isabel Cristina Mrad Campos e das virtudes heroicas do Servo de Deus Roberto Giovanni.

Isabel Cristina

Isabel Cristina Mrad Campos nasceu em 29 de julho de 1962, em Barbacena (MG), em uma família católica, filha de José Mendes Campos e Helena Mrad Campos. De acordo com informações da Arquidiocese de Mariana, era “sensível, sobretudo com os mais pobres, idosos e crianças, o que certamente aprendeu na família, que era vicentina”, sendo o seu pai presidente do Conselho Central de Barbacena.
Em 1982, mudou-se para Juiz de Fora a fim de frequentar um curso pré-vestibular para ingressar na faculdade de medicina, pois sonhava em ser pediatra para ajudar crianças carentes.
Como todo jovem, assinala a Arquidiocese, “estudava, namorava, participava de festas”, mas “tinha uma vida de oração”.
Naquele mesmo ano, a jovem preparava um pequeno apartamento para onde havia se mudado com seu irmão, Paulo Roberto. No dia 1º de setembro, um homem que foi para montar um guarda-roupa tentou violentá-la, mas Isabel resistiu para manter sua castidade.

Diante da resistência da jovem, o homem lhe deu uma cadeirada na cabeça, amarrou a moça, amordaçou e rasgou suas roupas. Como a jovem não cedeu, o agressor lhe deu 15 facadas, matando-a.
Devido ao modo como morreu e, sobretudo, pela forma como viveu – indica a Arquidiocese mineira – “algumas pessoas tiveram a iniciativa de entrar com o pedido de um processo para sua beatificação” e o processo foi instalado em 2001.
Como Isabel Cristina foi batizada e recebeu a primeira comunhão na Matriz da Piedade, em Barbacena, e também pela ligação afetiva de seus pais com a paróquia, decidiu-se que seus restos mortais deveriam ficar no Santuário da Piedade.

Ir. Roberto Giovanni

Irmão professo da Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo (Estigmatinos), Roberto Giovanni nasceu em 16 de março de 1903, em Rio Claro (SP). Era o quinto dos treze filhos de Paschoal Giovanni e Severina Padula, imigrantes italianos.
Foi batizado em 21 de julho de 1903 e crismado em 1909. Fez sua Primeira Comunhão em 19 de setembro de 1915. Todos os três sacramentos foram administrados na Matriz de São João Batista.
Estudou em sua cidade natal, onde atuou como guarda-livros e contador. Além disso, destacou-se por seu trabalho junto aos Vicentinos.
Entretanto, relata o site da Congregação dos Estigmatinos, “com mais de vinte anos de idade decidiu abraçar a vida religiosa, entrando para o seminário”.
Após alguns anos de estudo, ao ingressar no noviciado, decidiu ser irmão coadjutor e não sacerdote. Sua profissão ocorreu em 16 de setembro de 1931, na Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo (Estigmatinos).
Em 1939, foi transferido para Casa Branca (SP), onde viveu maior parte de sua vida e, por mais de meio século, desenvolveu “um apostolado inteiramente voltado à caridade”.
“Rigoroso consigo próprio, transbordante de amor para com os outros, ele se dedicou aos trabalhos domésticos, ao serviço paroquial e ao Santuário Nossa Senhora do Desterro, à assistência espiritual ao povo, principalmente aos pobres e doentes. Sua amabilidade e simplicidade atraíam a todos simples ou doutos”, assinalam os Estigmatinos.
Ir. Roberto Giovanni dedicou especial atenção aos órfãos, crianças carentes, idosos, enfermos, pobres, presidiários, fracos e migrantes, orando por eles, assistindo-os material e espiritualmente e levando a Sagrada Eucaristia aos acamados, ininterruptamente, por anos.
Em novembro de 1993, já enfermo, Ir. Roberto se mudou para Campinas, onde passou a morar na casa de repouso dos Padres e Irmãos Estigmatinos. Faleceu em 11 de janeiro de 1994, aos 90 anos.
A população de Casa Branca quis que seu corpo fosse sepultado no mesmo Santuário onde serviu durante anos. Assim, Ir. Roberto foi sepultado ao lado do altar-mor, no lugar exato onde, em vida, costumava rezar.

Comentários

Postagens Mais Visitadas do Mês

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog