Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Luto pelos pais: como superar a dor?


Por Syda Productions/Shutterstock

Edifa - publicado em  05/2020

Muitas pessoas viram como a COVID-19 levou seus pais. Como podemos sobreviver à morte de um pai ou uma mãe quando, dentro de nós, uma parte íntima desapareceu com aquele ente querido?

Aos 47 anos de idade, Xavier acabou de perder o seu pai. Ele conhecia o fim inevitável da doença e estava preparado para isso. No entanto, “não pensava que seria tão difícil”, confessa.
Sophie Poupard-Bonnet, treinadora especializada em acompanhamentos de lutos, ouviu muitos casos de pessoas como o desse pai de uma família.

“O processo de luto pode ser longo e ter repercussões na vida profissional ou familiar. Também pode ser reativado anos depois”.
Com a morte de um pai ou uma mãe, “o filho adulto seguirá as etapas do luto clássico, mas aqui se acrescentam algumas especificidades que devem ser entendidas, pois, às vezes, o filho adulto fica confuso da intensidade que sente pela morte do seu pai ou da sua mãe”, explica Christophe Fauré, psiquiatra e psicoterapeuta.
Seja calmo, tumultuado ou doloroso, esse sentimento às vezes não tem nada a ver com a qualidade do vínculo com esse pai. Delphine é o mais velho dos quatro irmãos.

“Eu pensava que a morte do Papai seria terrível, porque eu sentia tanto carinho por ele porque estávamos muito próximos um do outro. Mas não tive a experiência dessa maneira”.

Tempo de lágrimas e saudade

Quando perdemos um ente querido, a tristeza é muitas vezes múltipla. Podemos sofrer por nós mesmos, pelos outros e pela pessoa falecida. Para nós, é o tempo das lágrimas e da saudade.
Na experiência de Marie: “Durante meses, fiquei pensando em ligar para a Mamãe pelo telefone, mas depois percebi que não era mais possível”. Se houver um cônjuge viúvo, o sofrimento pode ser “complicado”, pelo fato de ter que confortar e cuidar dele ou dela.
Seja um acontecimento planejado ou não, vivido com mais ou menos paz, a morte sempre levanta questões.
De acordo com Sophie Poupard-Bonnet: “Muitas vezes perturba as crenças, a filosofia, o relacionamento com a família”. Quando os pais não estão mais neste mundo, aparece a sensação de estar “na linha de frente”.
Se a ordem das gerações é respeitada, a próxima pessoa à espera sou eu. Isso também nos torna frágeis, porque a segurança emocional ou às vezes material garantida pelos pais desapareceu.
De acordo com o psicólogo Daniel Desbois, “a morte revela muito sobre nós e sobre a outra pessoa”. “Percebemos nossas deficiências, nossa dependência dessa pessoa”, acrescenta. A morte traz à luz o vínculo que une o filho com o pai.
“Muitas vezes há remorso por não ter perdoado, de culpa, por exemplo, por não o ter acompanhado até o fim.” Estar em paz com o relacionamento, tomar consciência das deficiências, superar como adulto as frustrações que até os melhores pais do mundo fazem seus filhos sofrerem, pedir a graça do perdão, lhes permitem ficar em paz e romper o vínculo.

Uma grande e abrupta mudança em toda a família

Marion perdeu brutalmente a mãe aos 21 anos de idade: “Ela era a base da família. Depois da sua morte, a família explodiu em pedaços”.
Infelizmente, esse geralmente é o caso quando as heranças não vão bem. Não só elas minam a unidade familiar, mas as tensões entre os herdeiros atrasam o desenvolvimento do luto de cada um.
Por outro lado, a morte dos pais também pode aproximar mais os irmãos e as irmãs. Alexandre perdeu os pais num intervalo de dois anos: “Tive a impressão de compartilhar meu sofrimento com meus irmãos. Isso também nos colocou no caminho da conversão. Graças às leituras comuns e as conversas verdadeiramente profundas, entendemos ao mesmo tempo os elementos essenciais da fé cristã (o abandono à vontade de Deus, por exemplo). Vivemos momentos de comunhão totalmente incríveis. Considero que é um presente que nossos pais nos deixaram ”.
Quando os avós estão presentes, os laços entre os netos são mantidos. Mas com a morte deles, quem cuidará dos netos? Quem se tornará o “Papai Noel dos primos”?
De acordo com Élisabeth, que incentiva um grupo de pessoas que estão de luto na sua paróquia, “quando não existe esse ponto de encontro, pode ser uma falta. É uma mudança, uma adaptação que deve ser feita.”
Um pai ou uma mãe que morre leva com eles a sua memória. Essa tomada de consciência dolorosa diminui se podemos continuar a trocar as lembranças entre os irmãos. Marion frequentemente fala sobre sua mãe para seus filhos, aproveitando as ocasiões para contar sua história.

Como ajudar às almas dos pais falecidos?

Do ponto de vista espiritual, a pessoa em luto também pode estar triste pelo seu pai ou mãe e se preocupar com seu destino. “Às vezes é difícil aplicar a esperança cristã com nossos falecidos”, confirma Élisabeth.
“Isso nos força a refletir sobre a misericórdia do Senhor e confiar NELE”. Em concreto, sugere Daniel Desbois, “podemos orar por eles constantemente, organizar missas e pedir ao Senhor que os abençoe onde quer que estejam”.
O luto acabará por desaparecer. “A tristeza é uma etapa, não um estado”, explica o psicólogo. “Se vemos que não saímos daí, se começamos a ter dificuldades na vida cotidiana, é importante estar acompanhado por alguém em quem você confia”.
Manter o passado, os conflitos não resolvidos, impede a felicidade no presente. É bom lembrar os momentos de alegria vividos com os pais, agradecê-los pela pessoa em que nos tornamos graças à eles.

Bénédicte de Saint-Germain

Fonte: Aleteia

Comentários

Postagens Mais Visitadas do Mês

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog