Pe. Paulo Ricardo chora a morte de Dom Henrique Soares: “Perdemos uma coluna da Igreja”


20/07/2020

Após o falecimento de Dom Henrique Soares da Costa, vítima de Covid-19, Pe. Paulo Ricardo declarou que “perdemos sim uma coluna da Igreja, uma coluna da Igreja no Brasil”. Assista a homilia em memória:

O Bispo de Palmares, Dom Henrique faleceu no último sábado, 18 de julho, após cerca de 15 dias internado devido ao novo coronavírus. No domingo, Pe. Paulo Ricardo, da Arquidiocese de Cuiabá e que possui amplo apostolado na internet, recordou este Prelado, com o qual manteve uma amizade desde que estudaram juntos no seminário, em Roma.

“Em nossa juventude, amamos juntos Cristo, amamos juntos o sacerdócio, sonhamos juntos o dia em que nós poderíamos no altar erguer a Sagrada Hóstia e oferecer a Deus o sacrifício redentor pelo qual Ele salvou a humanidade”, recordou o sacerdote durante a homilia da Missa celebrada em sufrágio pela alma de Dom Henrique.

Assista:

“Hoje, por essas datas da providência divina, no dia em que a Congregação Redentorista celebra (terceiro domingo de julho) a festa do Santíssimo Redentor, ofereço a Deus o sacrifício da Santa Missa pela alma de Dom Henrique, esperando em Deus, confiando em Nossa Senhora, de que ele esteja também o quanto antes celebrando a Eucaristia definitiva no céu”, acrescentou.

Pe. Paulo Ricardo citou as últimas palavras do Prelado, quando decidiu juntamente com a equipe médica, no dia 16 de julho, que seria melhor ser entubado: “Minha vida pertence a Deus. A minha vida está nas mãos de Deus”.

“Então, Deus quis que a morte viesse como um ladrão e veio para nos roubar Dom Henrique. E o levou para junto de Deus num dia de Nossa Senhora, ou seja, no sábado”, ressaltou.

Em seguida, Pe. Paulo Ricardo afirmou que muitos consideravam que Dom Henrique ainda teria muitos anos para exercer seu episcopado, “realizar suas obras e apostolado”. Entretanto, “Deus resolveu dar a Dom Henrique uma promoção, a promoção definitiva, e resolveu dar a ele a catedral do céu”. 

“A realidade de saber que, seja na vida, seja na morte, um verdadeiro bispo, um bispo conforme o coração de Deus faz um bem enorme à Igreja e não cabe a nós escolher se fazer o bem na vida ou fazer o bem na morte. Está tudo nas mãos misericordiosíssimas de Nosso Senhor Jesus Cristo, a quem devemos sempre confiar”, acrescentou.

Nesse sentido, disse que, “na Carta aos Gálatas, São Paulo fala de Pedro, Cefas, de São João e de São Tiago como as colunas da Igreja”. Além disso, “essa expressão foi usada pela própria Santa Teresa D’Ávila quando ela recebeu a notícia da morte de São João D’Ávila: perdemos uma coluna da Igreja”.

“Se me é permitido, gostaria de dizer que, com o passamento de Dom Henrique, nós perdemos sim uma coluna da Igreja, uma coluna da Igreja no Brasil”, afirmou, citando uma frase que foi dita por um sacerdote que não conheceu o Prelado pessoalmente, o qual afirmou: “Eu me sinto órfão, arrancaram-me um pai”.

“Ao dizer isso, penso que estou dizendo o sentimento de muitos no Brasil, porque Dom Henrique tinha um frutuoso, fecundo apostolado na internet. Ele tinha essa vocação também de escritor”, assinalou, recordando que muitos fiéis em todo o país acompanhavam os ensinamentos do Bispo de Palmares.

Dessa forma, reforçou que “Dom Henrique é uma das colunas da Igreja. E por que podemos dizer isso? Porque esta é a função principal de um Bispo”, respondeu, acrescentando que “um bispo é alguém que, numa vida de oração profunda, numa meditação profunda da Palavra de Deus, num encontro verdadeiro com o Cristo Palavra Eterna, transmite aquilo que encontrou, transmite a Palavra, a meditação da Palavra, porque isto é o Bispo, porque isto é o que Jesus fez com seus apóstolos”.

Logo após, Pe. Paulo Ricardo contou um pouco sobre a vida de Dom Henrique Soares, recordando que ele ingressou no Seminário de Maceió, mas, “logo se sentiu chamado a uma intimidade e a uma entrega maior para Deus”. Assim, entrou no mosteiro de São Bento, no Rio de Janeiro, para “se dedicar e se entregar totalmente a Cristo”. Mais tarde, “procurando ainda mais radicalidade”, tornou-se monge trapista. Entretanto, por questões de saúde, “aquela vida austera de monge não foi uma vida que ele pudesse sustentar”. E, por esta razão, “com grande humildade, voltou para o seminário de onde havia saído”, em Maceió.

Foi para Roma, onde conheceu Pe. Paulo Ricardo, o qual admitiu que “a chegada de Dom Henrique, então Diácono Henrique, foi um bálsamo espiritual”, pelas “partilhas espirituais e teológicas” que tinham. Além disso, emocionado, Pe. Paulo Ricardo recordou que Dom Henrique, ainda como diácono, estava em sua ordenação sacerdotal.

Mais tarde, recordou, como neossacerdote, Dom Henrique sempre assistia a gravação de sua ordenação sacerdotal e, quando questionado, explicava: “eu preciso meditar o mistério que aconteceu em mim”.

Anos mais tarde, ao ser eleito bispo, Pe. Paulo Ricardo lembrou que o episcopado de Dom Henrique “já iniciou manchado de sangue, porque no mesmo dia em que o Núncio Apostólico o chamou para comunicar que ele foi escolhido pelo Papa como Bispo auxiliar de Aracajú, naquele mesmo dia à noite, o carro dele foi abordado por assaltantes que praticamente destruíram o carro dele e começaram a bater nele”.

“As fotos dele ensanguentado naquela noite em que foi escolhido bispo são impressionantes, parece uma face de Cristo ensanguentada. Mas, ali naquela noite, ele pronunciou uma frase que só ele sabia o significado, porque só ele sabia que ele tinha sido eleito bispo. Ele disse:  não façam isso comigo, eu tenho uma missão. Dali para frente, os assaltantes não bateram mais nele”, contou.

“Ele começou seu episcopado derramando sangue. E agora, que nós pensávamos que ainda haveria muito por vir, Deus, que é bondade e misericórdia, quis ceifar cedo esse homem de Deus”, disse.

Desse modo, explicou que além de uma Missa em sufrágio da alma de Dom Henrique, celebrava também “uma Missa de gratidão”. “Porque se Deus o levou tão cedo, eu posso dizer que na hora da morte, nesse trânsito para Nosso Senhor, Dom Henrique deve estar dizendo para nós aquilo que ele disse no dia em que ele foi eleito bispo, aquela palavra que ele disse aos ladrões: ‘eu tenho uma missão’”.

Por isso, acrescentou, “se Deus decreta e diz, na sua bondade, que um de seus servos deve ir para a Casa do Pai antes daquilo que nós humanos pensaríamos, nós devemos somente entregar e confiar e agradecer a Deus, porque permite que homens e mulheres tão bons passem por este mundo fazendo o bem e ajudem na salvação de nossas almas”.

“Olhar para a alma católica de Dom Henrique, olhar para e esse bispo coluna da Igreja, para nós é uma alegria saber que passou por este mundo fazendo o bem. Passe agora o seu tempo no céu fazendo o bem também para nós”, concluiu emocionado.

Via ACI Digital

Fonte: Templário de Maria

Comentários

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog