Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Primeira comunhão: como saber se o seu filho está realmente preparado


Marko Vombergar-ALETEIA

Edifa | Abr 30, 2020

O confinamento força o adiamento de todas as primeiras comunhões. Embora a situação seja triste, você deve tentar ver o lado positivo: este tempo adicional permitirá que você verifique se o seu filho está realmente preparado para este grande dia

As razões que justificam as crianças para fazer a primeira comunhão nem sempre são muito … católicas! Paul e Victoire são gêmeos. Victoire quer “fazer como os adultos” e já está cansada de seguir em frente com os braços cruzados diante do padre para abençoá-la. Quanto a Paul, ele só pensa numa coisa: os presentes que ele poderia receber!

Então, o que fazemos? Esperar … que a criança cresça e amadureça até o ponto “perfeito”? Esperar … que a criança conheça o catecismo de cor? Esperar … que a criança tenha a mesma idade que as outras? Esta é a experiência, às vezes dolorosa, de alguns pais que acabam deixando a primeira comunhão de seu filho para outra ocasião – no ano seguinte. Especialmente porque às vezes são os padres que pedem.

Mas, e se essas dúvidas adultas não fossem nada mais do que uma falta de fé e esperança numa criança que tem um olhar … de criança, uma fé … de criança e uma vida … de criança? É realmente necessário esperar até que você possa expressar seu desejo de uma maneira muito razoável para permitir que você se aproxime da mesa eucarística? O desafio não é menor, porque a primeira comunhão pode ser um encontro autêntico com Jesus e o começo de uma vida interior.

Uma verdadeira atração para Jesus-Eucaristia

Como você sabe se uma criança está pronta para receber a Comunhão? (Embora, a pergunta seria: estamos sempre preparados para receber a Cristo?). Na opinião de Florence, mãe de dois filhos: “Acho que a primeira coisa a ter em conta é o seu desejo. É como um chamamento que não pode necessariamente ser colocado em palavras. Acho que, no caso dos meus filhos, há uma atração verdadeira para Jesus-Eucaristia, numa grande permeabilidade ao mistério de Deus “. Então ela acrescenta, com um sorriso brilhante: “Aquilo que nos ultrapassa infinitamente!”. Esse desejo pode ser expresso de diferentes maneiras, tendo em mente que algumas crianças sentem vergonha de dizer o que percebem por dentro. “Meu filho me explicou que queria conhecer Jesus melhor e sentir a missa ‘inteira’, esse foi o semáforo verde para permitir que ele recebesse a Santa Comunhão”, compartilha Armelle.

Mas o que acontece com aqueles que aparentemente não têm umas motivações tão fortes? “Não é tão ruim”, diz a mãe de Victoire e de Paul. “Frequentemente, uma criança que não parece disposta a fazer a comunhão acaba estando na preparação do sacramento. Ela permitirá ser evangelizada pelos outros e, é claro, pelo ensino da catequese”. São João Paulo II enfatizou: “[Jesus Cristo sempre demonstrou] um carinho extraordinário pelas crianças. Ele dirá aos Apóstolos: ‘Deixai as crianças virem a mim. Não as impeçais, pois delas é o Reino de Deus’ (Mc 10,14) ”. Também devemos lembrar que, se eles estão a caminho deste grande sacramento, é porque num momento ou outro houve uma centelha, um desejo, uma sede …

O critério essencial: a fé na Presença real

No entanto, existem outros critérios de discernimento. É essencial que a criança saiba distinguir entre o bem e o mal – é também a razão pela qual a confissão antes da primeira comunhão é necessária – e expresse o desejo de corresponder melhor ao que Jesus pede. “Eu percebi que o meu filho era mais útil e fazia mais esforços em casa, quando eu estava preparando a sua comunhão na catequese”, diz Florence. “E quando orávamos juntos, era mais exigente, mais interior”. O fato de a criança estar familiarizada com a missa de domingo também é uma condição necessária. “Acredito que meus quatro filhos estavam prontos para receber a Comunhão a partir do momento em que tomaram consciência da morte de Jesus na cruz por amor à nós e de sua ressurreição como uma grande mensagem de esperança. Talvez eles não o entendessem completamente por causa da sua idade … mas eles o integraram dentro deles nesse momento ”, lembra Armelle.

Em suma, o critério essencial continua a ser a fé na Presença real: “Quando a criança distingue entre o Pão comum e Pão eucarístico e sabe que há uma mudança real entre antes e depois da consagração – mesmo que visivelmente nada aconteça -, então a criança pode tomar a comunhão”, lembra o padre Rémi.

Portanto, a chave, o elemento fundamental, não está numa questão de conhecimento, mas de fé, uma fé infantil que às vezes supera a do adulto! É muito difícil admitir, é melhor apresentar as coisas de uma maneira diferente, como as crianças não conseguem entender isso, acreditar. Por favor, não subestimemos … a graça de Deus!

Marie Lucas

Fonte: Aleteia

Comentários

Postagens Mais Visitadas do Mês

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog