Bispos debatem por que protestantes crescem na Amazônia e católicos não - Devoção e Fé - Blog Católico

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Bispos debatem por que protestantes crescem na Amazônia e católicos não


Dom Pertíñez, Dom Guimarães e Cardeal Aguiar. Foto: Daniel Ibáñez / ACI Prensa

Vaticano, 11 Out. 19 / 03:00 pm (ACI).- Entre os diferentes debates dos círculos menores no Sínodo dos Bispos sobre a Amazônia, que está acontecendo em Roma até 27 de outubro, fala-se sobre por que os protestantes crescem na Amazônia e os católicos estão estagnados ou, inclusive, reduzindo o seu número.

No briefing informativo organizado nesta sexta-feira, 11 de outubro, na Sala de Imprensa do Vaticano, para fazer um resumo dos trabalhos do Sínodo, discutiu-se sobre o forte crescimento das Igrejas e comunidades evangélicas entre a população da Amazônia em detrimento dos fiéis da Igreja Católica.

A questão concreta que foi levantada foi que os missionários católicos da Amazônia colocam o acento no social, enquanto os pastores evangélicos falam do Evangelho.

O Cardeal Carlos Aguiar Retes, Arcebispo do México, explicou que no círculo menor do Sínodo no qual está trabalhando, um delegado fraterno (membro de uma Igreja protestante) disse que os bispos “precisam levar muito em consideração que as pessoas querem, antes de tudo, a Palavra de Deus”.

O Cardeal Aguiar afirmou:“acredito que o Papa Francisco já nos deu um testemunho muito forte na Evangelii gaudium, na Laudato si’ e em seus diversos comunicados de que devemos comunicar, prioritariamente, a Palavra de Deus para que as pessoas possam entrar em uma interiorização de seu relacionamento com Deus e uma forte experiência de vida, e então sim, comprometer-se com os demais.

Por outro lado, Dom Pedro Brito Guimarães, Arcebispo de Palmas (TO), enfatizou que a migração de uma Igreja para outra é um fenômeno religioso complexo que não pode ser explicado por uma única razão.

“Há muitas razões juntas. Chamamos isso de 'trânsito religioso'. Existem alguns estudos que mostram que algumas pessoas migraram de Igreja não apenas uma vez, mas seis vezes. É um fenômeno muito complexo que requer mais tempo para analisar”, explicou.

Ele insistiu que a migração de uma religião para outra “é um fato, mas não há um critério único, um único motivo. Há muitas razões que fazem as pessoas mudarem de uma Igreja para a outra”.

Além disso, assinalou que “internamente, dentro do mundo evangélico, essa migração existe com muita frequência. Basta que uma pessoa não concorde com a opinião do pastor para fundar outra Igreja. Existem mais igrejas do que você pode imaginar”.

Em sua opinião, trata-se de um fenômeno que reflete a vulnerabilidade das pessoas, que faz com que "se afastem de sua Igreja". Para entender, é preciso compreender que as populações da Amazônia têm necessidades materiais que nem sempre podem ser atendidas. Têm deficiências no acesso à saúde, educação etc. e "essas igrejas (evangélicas) prometem: prometem boa economia, casamento, felicidade".

Da mesma forma, Dom Joaquín Pertíñez Fernández, Bispo de Rio Branco (AC), falou das dificuldades da Igreja Católica em alcançar os lugares mais remotos da Amazônia devido à "falta de sacerdotes em toda a Amazônia". "Não temos condições pessoais nem econômicas para estarmos presentes nesses lugares".

Explicou que o Instrumentum laboris do atual Sínodo “fala de vazios existenciais ou religiosos que nós, como católicos, não ocupamos, e outros vêm e os ocupam. Porque nosso povo é muito religioso, tradicionalmente, e qualquer um que chegue dizendo que é a Palavra de Deus, o nosso povo vai atrás”.

Também se referiu às promessas de cobrir as necessidades básicas "especialmente de saúde", com as quais os pastores protestantes conseguem convencer os fiéis católicos a mudarem de Igreja. Nesse sentido, referiu-se a um problema de formação: “falta conhecimento, falta cultura”.

Em muitos lugares da Amazônia “não há acesso à saúde para todos” e, se alguém “precisa ser curado de dor de cabeça ou dor de estômago, então o pastor promete e através dessas promessas, com esse proselitismo, eles conseguem a adesão de muitos. E depois que eles saem, é muito difícil voltar”.

“Há muitas pessoas que, se não conseguem em uma Igreja, vão a outra e a outra, até que conseguem alguém para solucionar seu problema, que é mais físico do que espiritual. Nem sempre podemos solucionar os problemas básicos de saúde, educação e de tudo que nosso povo tem. Então, vem outros prometendo coisas básicas e o povo acredita e vai com eles”, concluiu.

Fonte: ACI digital



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog