São Pio de Pietrelcina lutou contra o demônio - Devoção e Fé - Blog Católico

domingo, 22 de setembro de 2019

São Pio de Pietrelcina lutou contra o demônio


São Pio de Pietrelcina / Crédito de imagem: Isabel Diaz (ACI Prensa)

REDAÇÃO CENTRAL, 21 Set. 19 / 07:00 am (ACI).- O mundo espiritual é real e nele ocorrem verdadeiros combates e alguns santos travaram batalhas contra o demônio e a carne, uma vez que quanto mais próxima a pessoa está de Deus, mais será tentada. Entre esses, está São Pio de Pietrelcina.

São Pio foi um sacerdote italiano que nasceu no final do século XIX e morreu em 1968. Embora realizasse muitos milagres e recebesse os estigmas, também sofreu ataques frequentes do demônio.

Segundo o Pe. Gabriele Amorth, famoso exorcista da diocese de Roma falecido em 2016, “a grande e constante luta na vida do santo foi contra os inimigos de Deus e as almas, pois tratou de capturar sua alma”. Desde sua juventude o Padre Pio teve visões celestes, mas também sofreu ataques infernais.

Pe. Amorth explica: “O demônio aparecia algumas vezes em forma de um gato negro e selvagem, ou de animais repugnantes: era clara a intenção de incutir o terror. Outras vezes aparecia na forma de jovens moças nuas e provocativas, que dançavam de modo obsceno; era clara a intenção de tentar o jovem sacerdote na sua castidade”.

“Entretanto, o pior perigo era quando Satanás tentava enganar Padre Pio aparecendo como se fosse seu diretor espiritual ou aparecendo em forma de Jesus, da Virgem ou de São Francisco”.

Esta última estratégia, quando o diabo aparecia em forma de alguém bom e santo, era um problema. Isso aconteceu quando o Padre Pio percebeu que as visões eram falsas: notou certa timidez quando a Virgem e o Senhor lhe apareceram, seguida de uma sensação de paz quando a visão terminou. Além disso, disfarçado de uma forma sagrada, o diabo lhe provocou um sentimento de alegria e atração, mas quando ia embora, ele ficava triste e arrependido.

Satanás também buscava feri-lo fisicamente. O sacerdote descreveu estas dores em uma carta a um irmão, que era seu confidente:

“Estes demônios nunca deixam de me atacar, inclusive fazem com que eu caia da cama. Também rasgam minhas vestimentas para açoitar-me! Mas já não me assustam porque Jesus me ama e ele sempre me levanta e me coloca novamente na minha cama”.

Padre Pio é testemunho de que se uma pessoa estiver perto de Deus não terá que temer a presença do demônio. (Fonte: ACI digital)


Em um dia como hoje, Padre Pio 
recebeu os estigmas

Por Walter Sánchez Silva

REDAÇÃO CENTRAL, 20 Set. 19 / 11:07 am (ACI).- Em 20 de setembro de 1918, há 101 anos, Padre Pio de Pietrelcina recebeu os estigmas de Cristo.

O relato da aparição dos estigmas foi feito pelo próprio Padre Pio um ano depois, em 1921, e está no livro escrito pelo italiano Francesco Castelli intitulado “Padre Pio sob investigação: A autobiografia secreta”.

"Em 20 de setembro de 1918, depois da celebração da missa, detendo-me em fazer a devida ação de graças no coro, de repente, fui tomado por um forte tremor seguido de uma súbita calma, e vi Nossa Senhora como se estivesse crucificada, mesmo não havendo nenhuma cruz. Ela se lamentava pela pouca compaixão dos homens, especialmente dos consagrados a Jesus e por ele mais favorecidos”.

Nisso, continuou Padre Pio, "manifestava-se que Ele sofria e desejava associar almas à sua Paixão. Convidou a solidarizar-me com suas dores e a meditá-las; ao mesmo tempo, a ocupar-me com a salvação dos irmãos. Depois disso senti-me cheio de compaixão pelas dores do Senhor e perguntei-lhe o que podia fazer. Ouvi esta voz: ‘Associo-te à minha Paixão!’. E, a seguir, desaparecida a visão, caí em mim, recobrei a consciência e vi estes sinais, dos quais gotejava sangue. Antes, eu não tinha nada”.

O relato de Padre Pio foi feito em resposta a algumas das 142 perguntas feitas por Dom Carlo Raffaelle Rossi, em 1921, em nome do Santo Ofício, um dicastério do Vaticano que anos depois se tornaria a atual Congregação para a Doutrina da Fé.

Dom Rossi, explica Castelli, também examinou cada uma das feridas de Padre Pio e ia lhe perguntando alguns detalhes.

O Bispo, que anos depois se tornaria cardeal, pôde ver como a ferida do lado, por exemplo, "frequentemente mudava de aspecto e nesse momento tinha assumido uma forma triangular nunca antes observada. Sobre as chagas, o Padre Pio me dava respostas precisas e detalhadas, explicando, além disso, que as feridas dos pés e do lado tinham um aspecto iridescente".

Após o exame, o Prelado escreveu que “os estigmas em questão não são obra do demônio, nem uma enganação grotesca, nem fraude, nem arte maliciosa ou malvada; menos ainda produto da sugestão externa, nem os considero efeito de sugestão".

A investigação de Dom Rossi começou em 14 de junho de 1921 e durou oito dias, após os quais foi possível verificar que os elementos distintivos "dos verdadeiros estigmas seriam encontrados nos do Padre Pio".

Além disso, o Prelado pôde sentir um perfume especial emanando das feridas, fato que ajudou a provar o fato como verdadeiro.

Dom Rossi também escreveu que Padre Pio era muito gentil; muito amado por seus superiores por ser "grande exemplo e não murmurador"; dedicava entre 10 e 12 horas por dia para atender confissão e celebrava Missa "com extraordinária devoção".

Estigmas

Os estigmas são as chagas que Cristo sofreu na crucificação – duas nos pés, duas nas mãos e uma no lado –, que apareceram em alguns místicos.

Embora os estigmas sejam feridas, o ponto de vista médico difere dessa definição, pois não cicatrizam, nem sequer quando são curadas; não infeccionam nem se decompõe, não degeneram em necrose, não têm cheiro ruim, e sangram constantemente e abundantemente.

Os estigmas, além disso, são a reprodução exata das chagas de Jesus, de acordo com os estudos do Santo Sudário que, segundo a tradição, teria envolvido o corpo de Cristo.

Para reconhecer os estigmas como válidos ou reais, a Igreja exige algumas condições precisas: todos devem aparecer ao mesmo tempo, devem provocar uma modificação importante nos tecidos, devem se manter inalterados e devem carecer de infecções ou cicatrizações.

Segundo a Enciclopédia Católica, os estigmatizados são cerca de 60, entre santos e beatos. Alguns dos mais famosos são: São Francisco de Assis, Santa Catarina de Sena (que rezou a Deus para que não fossem visíveis), Santa Catarina de Ricci, São João de Deus, Beata Ana Catarina Emmerich, entre outros.

Fonte: ACI digital



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog