Ostensório do século XVIII é roubado de igreja no Rio de Janeiro e padre ajuda a encontrar ladrão

Ostensório roubado.
O morador de rua quebrou o vidro de proteção do ostensório e o levou. | Captura de vídeo

Por Monasa Narjara

7 de nov de 2023 às 13:54

Dois homens entraram na da igreja São Francisco de Paula, no Centro do Rio de Janeiro (RJ), no sábado (4), e roubaram um ostensório do século XVIII, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Ontem (6), um dos suspeitos foi encontrado, com ajuda do pároco local, padre Álvaro Bonfim, e denúncias. A peça, porém, ainda está desaparecida.

O ostensório de 1,40m de altura estava em uma exposição na galeria da igreja quando dois homens invadiram e levaram o objeto, segundo a arquidiocese do Rio de Janeiro. Logo após, o pároco procurou a Polícia Civil para fazer o registro do roubo. Como a peça é um patrimônio histórico, a Polícia Federal também foi acionada.

O padre Álvaro Bonfim contou à ACI Digital que ontem, “no final do expediente” da secretaria paroquial “ligaram para a igreja dizendo que tinham encontrado, tinham identificado a pessoa que fez o furto” do ostensório. O sacerdote e “uns funcionários da igreja” foram “correndo tentando encontrar esse rapaz, na esperança de que ele” desse “uma pista também de onde está o ostensório”. Quando o homem foi encontrado, o padre conversou com ele.

Segundo o padre, o homem lhe disse que tinha levado o ostensório para a Central do Brasil, uma estação de trens no Centro do Rio, e que alguém tinha roubado a peça dele. “E é plausível, porque é um pobre homem, usa drogas, está longe da família, mora na rua, é uma pessoa realmente que inspira muita, muita piedade”, disse o padre.

O sacerdote disse que após a conversa com o homem, a Polícia Militar “chegou, o prendeu e levou pra delegacia”. Depois de algum tempo, o homem “foi liberado” porque era “réu primário” e o crime “não foi em flagrante”, disse o padre.

“Eu fiquei de noite com aqueles olhos dele marcados, e ainda estou com eles aí, como se tivesse diante dele”, disse o padre. Para ele, “Deus está mais preocupado com essas pessoas perdidas do que com um ostensório perdido. Ele ama mais, com certeza ele [o homem que roubou a peça sacra] do que aquela prata bonita, na qual Ele repousa na hóstia consagrada. E aí eu lembrei que, domingo mesmo tinha me vindo a mente essa imagem bonita que é dos Miseráveis, de Vitor Hugo, daquele padre que dá dois castiçais de prata para aquele homem e diz: ‘com essa prata eu comprei a tua alma’. Eu não fiz isso, mas gostaria de ter feito, porque eu tenho a certeza de que Deus fica mais feliz por um homem que muda, que se salva do que com uma catedral mais bonita que a gente possa construir”, disse o padre Álvaro.

Segundo o pároco, “hoje pela manhã” uma equipe de reportagem estava na igreja São Francisco de Paula gravando uma entrevista quando “esse rapaz” apareceu “na igreja” e “deu uma entrevista à televisão”.

“E eu estava pensando se ele não está voltando para a igreja porque de certa maneira quer pedir perdão?! Deus queira que seja isso, porque aí seria realmente uma grande vitória. E seria alguém perdido que foi encontrado, quem sabe? Tenho esperança de encontrar os dois: o ostensório e esse homem”, disse o padre.

As buscas pelo ostensório ainda continuam e, segundo o padre, a ajuda para encontrá-lo “tem sido uma experiência consoladora”. Caso alguém tenha alguma novidade sobre o objeto sacro pode entrar em contato na igreja de São Francisco de Paula (21) 2509-0067 ou na delegacia de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente e Patrimônio Histórico (DELEMAPH) – Polícia Federal: (21) 2203-4466 delemaph.drcor.srrj@pf.gov.br.

---

Comentários

Newsletter

Receba novos posts por e-mail: