Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

É verdade que oração noturna é mais eficaz?

Shutterstock

Marzena Devoud - publicado em 29/05/22

À noite, quando o mundo descansa e reina o silêncio, algumas pessoas fazem vigília e rezam. Por que o sossego da noite é propício à oração? Seria a condição ideal para uma oração mais eficaz?

“Como muitas pessoas, sofri de insónia, provavelmente devido ao estresse e ansiedade da vida quotidiana. Com os olhos bem abertos, eu contava ovelhas ou fendas na parede, incapaz de adormecer enquanto o resto da família dormia pacificamente… E um dia, veio-me esta ideia: em vez de tentar induzir-me a adormecer sem sucesso, seria melhor transformar a minha insónia em vigília”. É assim que Julie conta à Aleteia como a sua vida mudou. Professora de francês em Nantes e mãe de um menino de 3 anos, ela confirma que agora, assim que está acordada no meio da noite, volta-se para Deus: “Senhor, estou aqui, estou a ouvir-te”.

Desde então, os seus momentos de vigília, mesmo que não sejam voluntários, permanecem para ela muito preciosos: “Sinto-me plenamente ligada a Deus, de uma forma muito mais forte, graças ao silêncio e à calma da noite, longe do ritmo agitado do dia. É uma experiência espantosa para mim: permite-me mergulhar completamente no interior, como um submarino em águas profundas. Por vezes quase não quero voltar à superfície para não sair deste espaço pacífico onde Deus se manifesta. É muito surpreendente porque antes, eu ficava ansiosa, até mesmo desesperada quando o sono não regressava…”, admite ela.

Descoberta interior

Permanecer com Deus à noite “leva à descoberta de um relógio mais interior, muitas vezes ofuscado pelas preocupações do mundo”, explica Xavier Accart no seu livro A Arte da Oração. É nesse sentido que a oração noturna pode ser mais eficaz. Permite-nos alcançar o silêncio e a calma interior indispensáveis para experimentar a presença de Deus, mas difíceis, e por vezes impossíveis, de encontrar na vida quotidiana. “Se cada cristão é convidado a dedicar uma certa parte da noite à oração”, diz monsenhor André Louf, citado por Xavier Accart, “a duração do tempo é de pouca importância, mesmo uma vigília muito curta é obra do Espírito Santo em nós”.

Esta declaração responde aos repetidos apelos de Jesus para permanecer com Ele. De fato, Jesus passou as suas noites em oração. Para Ele, a oração é contínua. Enquanto o mundo descansa e reina o silêncio, Jesus reza para que o mundo possa descansar nas mãos de Deus. Como Ele, os monges levantam-se à noite para oferecer a Deus os seus momentos de vigília. É precisamente isto que os salmos cantam: “Na noite em que me lembro de ti e fico horas a falar contigo” (Sl 62,7), “No meio da noite levanto-me e dou-te graças pelas tuas justas decisões” (Sl 118,62).

Prática comum dos primeiros cristãos

Acordar do sono para rezar parece ter sido uma prática comum entre os primeiros cristãos. “Devemos levantar-nos frequentemente das nossas camas durante a noite e dar graças a Deus”, aconselhou Clemente de Alexandria no segundo século. “Bem-aventurados os que vigiam por Ele: são como os anjos a quem chamamos observadores”.

Guiado pela palavra de Deus, São Paulo também exortou os cristãos a rezarem sem cessar. São Bento, o pai dos monges ocidentais, aceitou a sua chamada convidando os monges a levantarem-se à noite para vigiar e rezar a Deus. Ao rezar à noite, experimentaram simbolicamente a passagem da morte e da escuridão para a Ressurreição luminosa de Cristo.

Outros grandes santos são conhecidos pelas suas vigílias noturnas. Charles de Foucauld, marcado pelo exemplo de Cristo, era particularmente afeiçoado à adoração à noite. “É tão agradável passar as horas silenciosas da noite aos teus pés”, escreveu ele em 1897, “estar face a face contigo enquanto tudo está a dormir na terra, estar sozinho em adoração a ti, estar de joelhos a dizer-te que te amo… Santíssimo Sacramento exposto! Que êxtase!”

União com Deus plenamente alcançada

Quanto a São João da Cruz, nos seus escritos a palavra “noite” nunca está longe da palavra “purificação”. Ele insiste nisso repetindo que essa noite “purifica”. Quando se diz “Deus abandonou-me”, o santo carmelita corrige e diz, em vez disso: “Deus purifica-me”. A ressonância litúrgica da noite de Natal e das noites da Semana Santa, especialmente a Quinta-feira Santa e a Sexta-feira Santa, influenciou fortemente o grande santo carmelita. Para ele, a noite é o símbolo de privação total, mas também de reparação e esperança.

Para São João da Cruz, a alma tem a sua vida em Deus. No seu sentido mais profundo, a oração noturna pode permitir que a união com Deus se realize plenamente.

Fonte: Aleteia
---

Comentários

Receba Notícias do Blog em seu E-mail

Receba novos posts por e-mail:

Postagens Mais Visitadas do Mês

Beato Carlo Acutis

Clique na imagem para visualizar a oração


***
»Do prefácio de S. Ex.ª Rev.ma Card. Angelo Comastri

"Estar sempre com Jesus, este é o meu projeto de vida".
Com estas poucas palavras, Carlo Acutis esboça a distinta característica de sua breve existência:
viver com Jesus, por Jesus, em Jesus».


Pedidos de Oração no Site Oficial

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog