Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

"Alguns me queriam morto", diz o papa Francisco

Miguel Pérez Vílchez | ACI Prensa

O papa durante um de seus encontros na Eslováquia / Foto: Vatican Media / Screenshot

Vaticano, 22 set. 21 / 10:30 am (ACI).- O papa Francisco disse que, depois de sua operação de diverticulite no cólon, realizada em Roma no dia 4 de julho, alguns o queriam morto e já preparavam o conclave para escolher seu sucessor. Francisco disse isso a 53 jesuítas com quem se encontrou no dia 12 de setembro, em sua viagem apostólica à Eslováquia.

Um dos jesuítas perguntou ao papa sobre como estava a sua saúde. Francisco respondeu: “Ainda estou vivo. Embora alguns me queriam morto. Sei que houve inclusive reuniões entre bispos que pensavam que o papa estava mais grave do que se dizia. Preparavam o conclave”.

Na conversa, publicada integralmente pela revista La Civiltà Cattolica, dirigida por jesuítas, na terça-feira, 21 de setembro, o papa pediu “paciência” àqueles que já se preparavam para um novo conclave: “Paciência! Graças a Deus, estou bem. A operação foi uma decisão que eu não queria tomar: foi um enfermeiro que me convenceu”.

Durante a conversa, Francisco falou de uma “tentação de voltar atrás”, que, segundo ele, “estamos sofrendo hoje na Igreja”, uma tentação à qual se referiu como “a ideologia da volta atrás”.

Uma ideologia “que coloniza as mentes. É uma forma de colonização ideológica. Na realidade, não é um problema universal, mas sim específico das Igrejas de alguns países. A vida nos dá medo”, disse o papa.

“A liberdade nos assusta. Em um mundo tão condicionado pelos vícios e pela virtualidade, nos assusta ser livres”, disse o papa Francisco. Ele afirmou que “hoje se volta ao passado para buscar segurança”.

“Temos medo de celebrar diante do povo de Deus que nos olha nos olhos e nos diz a verdade. Temos medo de seguir em frente com as experiências pastorais. Penso no trabalho realizado no Sínodo da Família para fazer entender que os casais em segunda união já não estão condenados ao inferno. Temos medo de acompanhar pessoas com diversidade sexual”, disse o papa.

“Temos medo das encruzilhadas de que nos falava Paulo VI. Este é o mal deste momento. Buscar o caminho na rigidez e no clericalismo, que são duas perversões”, afirmou ele. “Voltar atrás não é o caminho certo. O caminho é ir em frente, com discernimento e obediência”, disse Francisco.

“A ideologia”, disse Francisco, “tem sempre um encanto diabólico, porque não se encarna. Neste momento vivemos em uma civilização de ideologias, isso é certo. Temos que desmascará-las pela raiz”.

Uma delas é “a ideologia do gênero”, que Francisco definiu como “perigosa” porque “é abstrata em relação à vida concreta de uma pessoa, como se uma pessoa pudesse decidir abstratamente a seu critério se e quando ser homem ou mulher”.

“A abstração, para mim, é sempre um problema. No entanto, isso não tem nada a ver com a questão homossexual. Se há um casal homossexual, podemos fazer pastoral com eles, ir ao encontro com Cristo”, disse o papa. “Quando falo de ideologia, falo da ideia, da abstração que permite que tudo seja possível, não da vida concreta das pessoas e de sua situação real”, explicou. 

Francisco também falou sobre as restrições impostas à chamada missa tridentina, segundo o missal anterior ao concílio Vaticano II: “Agora, espero que, com a decisão de acabar com o automatismo do rito antigo, possamos voltar às verdadeiras intenções de Bento XVI e de João Paulo II”.

Ele explicou que “minha decisão é fruto de uma consulta com todos os bispos do mundo realizada no ano passado. De agora em diante, quem quiser celebrar com o vetus ordo deve pedir permissão a Roma, como acontece com o birritualismo. Mas há jovens que, depois de um mês da sua ordenação, vão até o bispo para pedir. Esse é um fenômeno que mostra que estamos retrocedendo”.

Em outro momento da conversa, o papa pediu aos jesuítas “quatro proximidades: com Deus, entre vocês, com os bispos e o papa, e com o povo de Deus, que é o mais importante”.

Proximidade com Deus, por meio da oração. “A oração verdadeira, de coração, não a formal que não toca o coração. A oração que luta com Deus e que conhece esse deserto onde não se sente nada”.

Proximidade “entre vós”, porque “o amor entre irmãos, o amor austero dos jesuítas é muito fino, caritativo, mas também austero: amor de homens. A mim me dói quando algum de vocês ou outros sacerdotes se ´esfolam` uns aos outros. Isso nos bloqueia, nos impede de avançar”.

A terceira proximidade é a “proximidade com o bispo”: “Que não haja jesuítas que falam mal do bispo! Se um jesuíta pensa de maneira diferente do bispo e tem coragem, então que vá ao bispo e lhe diga as coisas que pensa. E quando digo bispo, digo também o papa”.

Por fim, “proximidade ao povo de Deus": “A proximidade ao povo de Deus é muito importante porque nos ´enfoca`. Nunca esqueçam as nossas origens, de onde viemos: do nosso povo”. “As nossas raízes estão na Igreja, que é o povo de Deus”, afirmou o papa.

O santo Padre refletiu também sobre a natureza do trabalho, “trabalho para ganhar o pão... o trabalho manual ou intelectual é trabalho, é saúde. E se o povo de Deus não trabalha, não come”.

Na resposta a outro jesuíta sobre como ele lida com as suspeitas, o papa afirmou que está ciente das críticas contra ele: “Por exemplo, há uma grande cadeia de televisão católica que fala continuamente mal do papa sem nenhum problema. Talvez eu mereça pessoalmente esses ataques e insultos, porque sou um pecador, mas a Igreja não merece isso: é obra do diabo. Eu até disse isso a alguns deles”.

Afirmou que “também há clérigos que fazem comentários desagradáveis sobre mim”. Reconheceu que “às vezes perco a paciência, especialmente quando emitem juízos sem entrar em um diálogo verdadeiro. Aí eu não posso fazer nada”.

“De minha parte, sigo adiante sem entrar no seu mundo de ideias e fantasias. Não quero entrar e por isso prefiro pregar, pregar... Alguns me acusavam de não falar da santidade. Dizem que falo sempre da questão social e que sou comunista. E, no entanto, escrevi uma exortação apostólica completa sobre a santidade, a Gaudate et exsultate”, lembrou o papa.

Francisco também tocou o tema dos imigrantes e sobre a necessidade de ir além do acolhimento: “é preciso acolher, proteger, promover e integrar. Um verdadeiro acolhimento requer o cumprimento de cada uma destas etapas. Cada país deve saber até que ponto pode fazê-lo. Deixar os imigrantes sem integração é como deixá-los na miséria, equivale a não os acolher”.

---

Comentários

Receba Notícias do Blog em seu E-mail

Receba novos posts por e-mail:

Postagens Mais Visitadas do Mês

Beato Carlo Acutis

Clique na imagem para visualizar a oração


***
»Do prefácio de S. Ex.ª Rev.ma Card. Angelo Comastri

"Estar sempre com Jesus, este é o meu projeto de vida".
Com estas poucas palavras, Carlo Acutis esboça a distinta característica de sua breve existência:
viver com Jesus, por Jesus, em Jesus».


Pedidos de Oração no Site Oficial

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog