Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que é um credo e por que a Igreja tem várias versões do seu credo?

Credo  - Public Domain

Francisco Vêneto - publicado em 24/06/21

É cada vez mais frequente que empresas divulguem o seu próprio "credo", mas qual é o significado e o conteúdo do credo católico?

O que é um credo e por que a Igreja tem várias versões do seu credo? Como termo geral, um “credo” é basicamente um conjunto de declarações nas quais acreditamos. De fato, o termo vem diretamente do verbo latino “crèdere“, acreditar, e significa “eu creio”.

É cada vez mais frequente que empresas divulguem o seu próprio “credo”, ou seja, um manifesto dos valores em que a equipe acredita, assim como a sua missão e visão, ou o seu propósito e seus objetivos estratégicos.

Neste sentido, um “credo” é um conjunto de princípios, crenças e referências pelos quais se pauta uma pessoa ou um grupo de pessoas. Infelizmente, também é frequente que o “credo” divulgado por algumas empresas seja apenas uma peça publicitária que pouco ou nada se reflete na prática.

O que é um credo

A origem do “credo”, no entanto, é eminentemente cristã: em sua acepção mais específica, o credo é a síntese dos artigos essenciais do cristianismo, com a finalidade catequética de manter sempre claros para os fiéis os conteúdos fundamentais da fé. Ao recitar o credo, nós, cristãos católicos, professamos publicamente que acreditamos nas mesmas verdades em que a Igreja acredita. É por isso, aliás, que o credo também é chamado de “Profissão de Fé”.

Mas quais são os conteúdos do credo católico?

Trata-se de um resumo da nossa fé em um só Deus, que, mesmo sendo uno, é também trino por ser Pai, Filho e Espírito Santo, assim como na Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo, que é Deus Filho e que, tendo nos oferecido a salvação, julgará se a aceitamos ou recusamos. Por isso mesmo, cremos na Igreja por Ele fundada, na comunhão dos Santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne e na vida eterna.

Por que a Igreja tem várias versões do seu credo?

O Catecismo nos lembra que a Igreja contou com numerosas redações do credo ao longo dos séculos, já que ela sempre buscou responder às diferentes necessidades dos diferentes períodos históricos.

No entanto, são basicamente duas as redações que se consolidaram de modo especial na história da Igreja, sendo até hoje as mais usadas :

• o Credo dos Apóstolos (ou Símbolo dos Apóstolos), que é mais sintético;
• o Credo Niceno-Constantinopolitano, que é mais detalhado.


O Catecismo nos apresenta assim cada um deles:

“O Símbolo dos Apóstolos, assim chamado porque se considera, com justa razão, o resumo fiel da fé dos Apóstolos. É o antigo símbolo batismal da Igreja de Roma. A sua grande autoridade vem-lhe deste fato: ‘É o símbolo adotado pela Igreja romana, aquela em que Pedro, o primeiro dos Apóstolos, teve a sua cátedra, e para a qual ele trouxe a expressão da fé comum'” (Catecismo da Igreja Católica, número 194).

“O Símbolo dito de Niceia-Constantinopla deve a sua grande autoridade ao fato de ser proveniente desses dois primeiros concílios ecumênicos (dos anos de 325 e 381). Ainda hoje continua a ser comum a todas as grandes Igrejas do Oriente e do Ocidente” (ibid, número 195).

Uma antiga tradição, sem comprovação documental, conta que os doze Apóstolos teriam resumido as bases da fé cristã quando ainda estavam reunidos em Jerusalém. Para este fim, cada um teria ditado um dos 12 artigos do credo, assim dispostos:

Creio em Deus, Pai Todo-Poderoso, Criador do céu e da terra;
e em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor,
que foi concebido pelo poder do Espírito Santo e nasceu da virgem Maria;
padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado;
desceu à mansão dos mortos e ressuscitou ao terceiro dia;
subiu aos Céus e está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso,
de onde há de vir a julgar os vivos e os mortos.
Creio no Espírito Santo;
na Santa Igreja católica e na comunhão dos Santos;
na remissão dos pecados;
na ressurreição da carne;
na vida eterna.
Essa tradição de que cada Apóstolo teria ditado um artigo não tem demonstração histórica, mas é fato que essa versão fundamental do credo tem origem nos primórdios da Igreja, ainda na época dos Apóstolos.

E quando se usa um ou outro credo na liturgia da Igreja?

Não há uma norma rígida estabelecida para que se prefira um ou o outro credo, dado que ambos são oficiais e igualmente válidos, embora um seja mais resumido que o outro: depende mais dos costumes de cada país ou de cada tradição litúrgica. Em alguns lugares, por exemplo, o Credo dos Apóstolos é o mais usado no dia-a-dia, enquanto o Credo Niceno-Constantinopolitano é recitado em celebrações mais solenes ou especiais.

Faz alguns anos, porém, que o Credo Niceno-Constantinopolitano vem sendo cada vez mais adotado também no dia-a-dia por ser mais detalhado na exposição das verdades essenciais da nossa fé, o que corrobora nos fiéis a assimilação dessas verdades-chave.

O Credo dos Apóstolos

Eis a redação do Símbolo dos Apóstolos conforme publicada no portal oficial de informações do Vaticano.

Creio em Deus, Pai Todo-Poderoso, Criador do Céu e da Terra

E em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor
que foi concebido pelo poder do Espírito Santo;
nasceu da Virgem Maria;
padeceu sob Pôncio Pilatos,
foi crucificado, morto e sepultado;
desceu à mansão dos mortos;
ressuscitou ao terceiro dia;
subiu aos Céus;
está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso,
de onde há de vir a julgar os vivos e os mortos.

Creio no Espírito Santo;
na santa Igreja Católica;
na comunhão dos Santos;
na remissão dos pecados;
na ressurreição da carne;
e na vida eterna. 

Amém.

O Credo Niceno-Constantinopolitano

Creio em um só Deus, Pai Todo-Poderoso, Criador do céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis. Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos. Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado, consubstancial ao Pai. Por Ele todas as coisas foram feitas. E por nós, homens, e para nossa salvação, desceu dos céus e se encarnou pelo Espírito Santo no seio da Virgem Maria e se fez homem. Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos, padeceu e foi sepultado. Ressuscitou ao terceiro dia, conforme as escrituras, e subiu aos céus, onde está sentado à direita do Pai. E de novo há de vir, em sua glória, para julgar os vivos e os mortos; e o seu reino não terá fim. Creio no Espírito Santo, Senhor que dá a vida, e procede do Pai e do Filho; e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado; Ele que falou pelos profetas. Creio na Igreja, una, santa, católica e apostólica. Professo um só batismo para a remissão dos pecados e espero a ressurreição dos mortos e a vida do mundo que há de vir. Amém.

Fonte: Aleteia
---

Comentários

Receba Notícias do Blog em seu E-mail

Receba novos posts por e-mail:

Postagens Mais Visitadas do Mês

Beato Carlo Acutis

Clique na imagem para visualizar a oração


***
»Do prefácio de S. Ex.ª Rev.ma Card. Angelo Comastri

"Estar sempre com Jesus, este é o meu projeto de vida".
Com estas poucas palavras, Carlo Acutis esboça a distinta característica de sua breve existência:
viver com Jesus, por Jesus, em Jesus».


Pedidos de Oração no Site Oficial

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog