Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que é a “perseguição religiosa educada” que o Papa Francisco denuncia?


Papa Francisco
Antoine Mekary | ALETEIA | I.Media

Francisco Vêneto - publicado em 02/06/21

Ideologias laicistas vão relegando as religiões à "obscuridade silenciosa da consciência do indivíduo"

O Papa Francisco utiliza a expressão “perseguição religiosa educada” para referir-se a formas aparentemente sutis de restringir a liberdade de crença ao âmbito estritamente pessoal, varrendo-a paulatinamente para fora da vida social em países onde não costumam ocorrer as formas cruentas e escancaradas da repressão à fé.

De fato, há países nos quais a perseguição é violenta, explícita e galopante: é o caso, por exemplo, da China, da Coreia do Norte, do Paquistão, da Nigéria e de dezenas de outras nações elencadas no Relatório 2021 sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, divulgado em abril deste ano pela Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (Aid to the Church in Need – ACN).

No entanto, há também países que promovem sistematicamente a marginalização da religião mediante a imposição gradual de novas legislações e valores ideológicos que silenciam ou censuram a liberdade de consciência, de crença e de expressão. Nesses países, muitos dos quais são alegadamente democráticos e liberais, observa-se, por exemplo, o surgimento dos assim chamados “novos direitos”, que, privilegiando a visão de mundo de alguns grupos, vão sujeitando as religiões à “obscuridade silenciosa da consciência do indivíduo”, até relegá-las “aos recintos fechados das igrejas, sinagogas ou mesquitas”, sem lhes reconhecer legitimidade para participar ativamente da vida social.

É este o fenômeno que o Papa Francisco descreve, bastante significativamente, como “perseguição religiosa educada”.

A “perseguição religiosa educada”

Um dos exemplos apresentados no relatório é o fato de que a legislação já não protege adequadamente o direito à objeção de consciência por motivos religiosos para profissionais de saúde e farmacêuticos em diversos países ricos da Europa e da América do Norte. Outros casos mencionados são as restrições aos grupos religiosos no tocante à gestão das suas próprias escolas, a discriminação de estudantes de universidades confessionais no acesso ao mercado de trabalho e a imposição de disciplinas que privilegiam valores e ideologias laicistas, como no caso da educação sexual.

O relatório também observa que a criação de certos “novos direitos” decorrentes de ideologias acarreta obrigações legais não apenas de respeitar quem segue tais ideologias, mas também de cooperar com elas mesmo quando se discorda delas:

“Esta dissonância já teve, e continuará a ter, um forte impacto em mais de 84% da população mundial que, segundo o Pew Research Center, descreve-se como pertencendo a uma religião ou crença”.

Arbitrariedades sob a justificativa da pandemia

A pandemia de covid-19 deixou claras muitas inconsistências relacionadas com a garantia de direitos fundamentais da pessoa humana, como o direito à liberdade religiosa. Neste sentido, o relatório se pergunta o quanto os governos agressivamente laicos conseguem discernir com objetividade a importância de respeitar esses direitos, ainda que não compartilhem deles.

De fato, verificou-se em dezenas de países uma preocupante extrapolação das prerrogativas dos governos ao decretarem o fechamento de igrejas com base em critérios pouco ou nada científicos – em alguns casos, com critérios muito mais restritivos do que os aplicados a cassinos, por exemplo. Além do uso de dois pesos e duas medidas, já questionável em si mesmo, chegou a haver ingerências até mesmo na liturgia, como foi registrado ao menos em dois Estados do Brasil:

Os atropelos dos governos às liberdades foram tais que as reações precisaram ser contundentes:

Em alguns casos, a justiça precisou ser acionada para reconhecer os atropelos e barrar os autoritarismos:

O relatório comenta:

“Neste discurso social, certos grupos apresentaram o direito à liberdade religiosa como oposto à natureza laica do Estado. Isto foi contrariado por argumentos de que a laicização não retirava dos governos a obrigação de garantir o direito do indivíduo a ter ou não ter fé e a poder organizar a própria vida pública de acordo com as suas crenças”.

No caso do Brasil, por exemplo, o relatório ressalta a politização da religião e as consequências deste fenômeno na vida social do país. O documento registra a ocorrência de uma escalada de agressividade associada à intolerância religiosa, com acirramento de conflitos referentes à concepção de Estado laico e da autonomia da política em relação à religião.

Fonte: Aleteia
---

Comentários

Receba Notícias do Blog em seu E-mail

Receba novos posts por e-mail:

Postagens Mais Visitadas do Mês

Beato Carlo Acutis

Clique na imagem para visualizar a oração


***
»Do prefácio de S. Ex.ª Rev.ma Card. Angelo Comastri

"Estar sempre com Jesus, este é o meu projeto de vida".
Com estas poucas palavras, Carlo Acutis esboça a distinta característica de sua breve existência:
viver com Jesus, por Jesus, em Jesus».


Pedidos de Oração no Site Oficial

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog