Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Clérigos de Dachau se livraram da morte com a ajuda de São José

Dachau

Giannis Papanikos | Shutterstock

Ray Cavanaugh - publicado em 11/02/21

Antes de serem salvos pelos americanos, os religiosos que estavam no campo de concentração nazista de Dachau tinham feito uma promessa a São José

Foi um dos lugares mais malignos que nosso mundo já viu. No local de uma antiga fábrica de munições, a cerca de 16 quilômetros de Munique, o campo de concentração de Dachau começou a operar em 10 de março de 1933. Foi o primeiro campo de concentração nazista e teria a duração mais longa: até 29 de abril de 1945. De fato, foi nesta data que as forças dos EUA libertaram os presos sobreviventes.

Ao longo de 12 anos, o campo de Dachau recebeu mais de 200.000 prisioneiros, cerca de 3.000 dos quais eram clérigos católicos. Dachau era campo de concentração que mais recebia membros do clero (a maioria deles católicos romanos, embora houvesse um número menor de protestantes e católicos ortodoxos, por exemplo) que expressavam oposição ao regime nazista.

A promessa a São José

Em abril de 1945, quando as forças aliadas estavam prestes a derrubar o império nazista, os padres e monges em Dachau estavam quase certos de que os guardas nazistas iriam cercar todos eles e matá-los. Em 22 de abril de 1945, esses clérigos, a maioria de etnia polonesa, consagraram-se a São José e juraram que, se escapassem da morte, fariam uma peregrinação anual ao santuário dedicado ao pai adotivo de Jesus em Kalisz. A cidade do centro da Polônia tinha cerca de 100.000 habitantes.

Havia boas razões para temer uma execução em massa. De fato, Reichsführer-SS Heinrich Himmler, o segundo nazista mais poderoso, ordenou o extermínio de todos os prisioneiros de Dachau na noite de 29 de abril. No entanto, horas antes dos nazistas realizarem uma execução em massa, soldados americanos apareceram para libertar os prisioneiros.

Com a chegada das forças dos EUA, eles foram acompanhados por membros da mídia. Os repórteres, então, puderam documentar a situação desumana em que todos viviam em Dachau.

O flagelo de Dachau

O número total de mortes em Dachau foi muito menor do que o número nos campos de extermínio na Polônia. De fato, milhares de habitantes de Dachau morreram, normalmente devido a doenças e desnutrição. Outra causa de morte foi a pesquisa médica.

Dachau era um centro de experimentos médicos nazistas, o que significava que os presos serviam como cobaias humanas para procedimentos que eram agonizantes e letais. Os padres eram objetos frequentes para as pesquisas do Professor Claus Schilling, que propositalmente infectou suas cobaias humanas com malária para avaliar a eficácia de vários métodos potenciais de tratamento.

Mais terrível ainda foi a pesquisa de Schilling sobre os efeitos de submersão em água quase congelada, mudanças drásticas na pressão do ar, consumo de grandes quantidades de água do mar e a privação de comida e água por completo.

Doença, maus-tratos e fé

Mesmo para quem se livrou dos experimentos, Dachau foi um tormento. Fome, febre tifóide e trabalho duro, por exemplo, eram a rotina. Outras atividades consistiam em prostrar-se na lama, com os guardas nazistas fazendo questão de pisar na cabeça daqueles que não conseguiam se enlamear o suficiente.

Sob tais condições, a vida e a fé ainda resistiram. Os padres costumavam celebrar a missa secretamente. Os recursos eram tão escassos que os padres dividiam as hóstias em 20 ou mais pedaços para que todos os presentes pudessem receber a Eucaristia. Além disso, os religiosos de Dachau conseguiram operar uma escola secreta de religiosidade.

Cumprindo a promessa

Os clérigos (um total de 856 sobreviveram) que emergiram de Dachau estavam convencidos de que São José havia intercedido em seu nome. Então, cumprindo a promessa, a cada 29 de abril, para comemorar o dia da libertação, eles visitavam o Santuário de São José em Kalisz. De fato, o santuário foi estabelecido por volta do ano de 1670, logo após um morador da região creditar sua recuperação de uma doença à intercessão de São José.

Em 1970, os padres sobreviventes construíram a Capela do Martírio e da Gratidão em Kalisz para homenagear os 1.800 irmãos que morreram no campo. Uma cerimônia para marcar a conclusão da capela contou com a presença do então cardeal Karol Wojtyła, que mais tarde se tornou o Papa João Paulo II.

A visita do Papa

Como pontífice, João Paulo II retornou em 1997 a Kalisz, onde elogiou os sacerdotes sobreviventes de Dachau por cumprirem sua promessa a São José. Além de expressar gratidão, os sacerdotes continuaram a visitar o santuário para rezar pelos que morreram em Dachau. Além disso, eles oraram por seus ex-algozes no campo de concentração, como o Prof. Schilling, que foi executado por enforcamento por suas atrocidades.

Até 2018, a Igreja beatificou 56 clérigos de Dachau e outros casos estão sendo considerados.

Fonte: Aleteia

Comentários

Postagens Mais Visitadas do Mês

Beato Carlo Acutis

Clique na imagem para visualizar a oração


***
»Do prefácio de S. Ex.ª Rev.ma Card. Angelo Comastri

"Estar sempre com Jesus, este é o meu projeto de vida".
Com estas poucas palavras, Carlo Acutis esboça a distinta característica de sua breve existência:
viver com Jesus, por Jesus, em Jesus».


Pedidos de Oração no Site Oficial

Postagens mais visitadas

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Nas postagens antigas há diversas orações, do antigo programa de rádio Momento de Fé do Padre Marcelo Rossi.

Todas estão no Marcador "Orações-Momento de Fé".

Este Blog não é do Padre Marcelo Rossi; para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele :

1) Padre Marcelo Rossi


2) Facebook Padre Marcelo Rossi


Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog