Após vídeo de bebês ‘estocados’, bispos católicos pedem proibição de barrigas de aluguel na Ucrânia - Devoção e Fé - Blog Católico

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Após vídeo de bebês ‘estocados’, bispos católicos pedem proibição de barrigas de aluguel na Ucrânia


19/05/2020

Denúncia ocorre após divulgação de vídeo em que empresa diz ter mais de 100 bebês “em estoque”, sem que os pais que contrataram o “serviço” possam buscar seus futuros filhos quando a quarentena terminar.

O arcebispo Sviatoslav Shevchuk, de Kiev-Halych, primaz da Igreja Católica Ucraniana de Rito Oriental, e o arcebispo Mieczyslaw Mokrzycki, de Lviv, presidente da Conferência Episcopal de Rito Latino do país, pediram ao governo ucraniano que acabe com a prática de permitir que estrangeiros contratem mulheres ucranianas para conceber e dar à luz seus filhos.

A publicação de um vídeo por uma agência de maternidade de aluguel, na qual dezenas de bebês são atendidos por enfermeiras, porque seus pais “legais” não podem buscá-los devido ao fechamento da fronteira, os bispos de A Ucrânia pediu o fim de tal prática que ameaça a dignidade humana das mulheres que vendem seus úteros e filhos, que se tornam objetos de compra e venda.

Assista o vídeo: 




Os prelados pedem ao governo políticas de apoio à família que “garantam que as mães ucranianas não precisem vender seus corpos e seus filhos para sua própria sobrevivência e a de suas famílias”.

Embora o vídeo mostre mulheres alimentando, mudando e acariciando os bebês, os bispos denunciam que são “46 bebês chorando, privados de toque materno, calor paterno, cuidado altruísta, amor necessário”. O resultado, eles alertam, é uma cena de “um produto comprado cujo comprador não veio”.

Tal demonstração de desprezo pela pessoa humana e sua dignidade é inaceitável. E tudo isso é possível devido à legalização da sub-rogação”, sentenciam os arcebispos.

“A chamada maternidade substituta, que não deve ser chamada de ‘maternidade’, não apenas implica os horríveis fenômenos que agora estão se manifestando, mas, no fundo, é um mal moral e traz inúmeros sofrimentos e dificuldades para todos os participantes deste tratamento, incluindo a criança, a mãe de aluguel, os membros de sua família e, finalmente, as pessoas que ordenam e ‘produzem’ os filhos”, dizem os prelados.

E acrescentam que “mesmo a chamada” barriga de aluguel altruísta”, na qual uma mulher dá à luz um filho por outro sem receber nenhum pagamento, é moralmente inaceitável“. Mas a barriga de aluguel comercial”, do ponto de vista moral, merece uma avaliação ainda mais severa, porque acrescenta o mal moral de comprar e vender as funções do corpo e da pessoa do recém-nascido. Nenhuma circunstância ou consequência pode justificar a prática da sub-rogação ».

Eles também lembram que «cada criança é um presente de Deus que deve ser aceito com gratidão no casamento de um homem e uma mulher. Toda criança tem o direito de ser concebida naturalmente, e toda criança tem o direito de nascer em uma família e ser criada em uma atmosfera de amor por parte de seu pai e mãe .

Politicamente, acrescentam os bispos, a legalização da barriga de aluguel comercial «torna impossível à Ucrânia seguir o caminho do desenvolvimento, o caminho de uma grande herança européia. Essa lacuna na lei ucraniana destrói significativamente os esforços de integração europeia e desacredita nosso país aos olhos da sociedade européia, onde a sub-rogação paga é ilegal”.

Traduzido de Infocatolica | Via Catholic Herald

Fonte: Templário de Maria



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog