Papa Francisco recebe sacerdote atacado por extrema esquerda - Devoção e Fé - Blog Católico

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Papa Francisco recebe sacerdote atacado por extrema esquerda


Por Walter Sánchez Silva

Pe. Mario Ghisaura. Crédito: Facebook / Papa Francisco: Crédito: Daniel Ibáñez / Argentina

Vaticano, 12 Nov. 19 / 06:00 am (ACI).- No sábado, 9 de novembro, o Papa Francisco recebeu no Vaticano Pe. Mario Ghisaura, um sacerdote que foi duramente atacado pela extrema esquerda da Argentina no início deste ano.

A Sala de Imprensa do Vaticano só informou sobre o encontro e não deu detalhes do mesmo.

Pe. Ghisaura é pároco de Nossa Senhora de Fátima, no bairro de Isla Maciel, na diocese argentina de Avellaneda-Lanús.

No início deste ano, o sacerdote foi duramente atacado por setores da extrema esquerda que solicitaram sua retirada após a decisão de cobrir em um templo algumas imagens como a do Pe. Carlos Mugica, referência da teologia da libertação e membro do Movimento Sacerdotes do Terceiro Mundo, assassinado em 1974.

O Movimento de Sacerdotes para o Terceiro Mundo foi fundado em 1967, na Argentina, e teve um acentuado viés político e social. Esteve formado principalmente por sacerdotes ativos em vilas de miséria e bairros de operários. Vários de seus membros participaram de organizações guerrilheiras.

Pe. Ghisaura também decidiu retirar as imagens das ‘Mães da Praça de Maio’, que após o fato solicitaram ao Bispo de Avellaneda-Lanús, Dom Rubén Frassia, a retirada do sacerdote.

Em 25 de fevereiro deste ano, o jornal ‘La Prensa’ fez um relato desses fatos e divulgou algumas declarações do anterior administrador paroquial, Pe. Francisco Olveira, que se manifestou várias vezes a favor do aborto.

"Queremos guardar a memória de um Jesus subversivo", disse o sacerdote em um vídeo no qual apareceu cercado pelas ‘Mães da Praça de Maio’. "Não vamos permitir que o mural das Mães, com o rosto de Hebe e os desaparecidos de Isla Maciel, seja tapado. Estamos em pé de guerra. Se eles continuarem avançando, iremos juntos".

Em fevereiro de 2018, em uma entrevista publicada no YouTube, Pe. Olveira reconheceu que, devido a suas posições, “tinha, mais do que qualquer outra coisa, digo isso como uma piada, mas é verdade, um prontuário. Não era fácil que qualquer bispo me recebesse”.

Nessa oportunidade, também disse que “João Paulo II e Bento XVI foram papados muito conservadores e os bispos nomeados desde então também eram, na grande maioria, de uma linha muito conservadora. Isso está mudando”.

O sacerdote também se expressou a favor da Igreja ter uma papisa: “Teríamos que ter uma mulher Papa há muitos anos, mas bem, a Igreja também faz parte de uma sociedade que é patriarcal e se alimentam mutuamente. A Igreja alimentou o patriarcado durante muitíssimo tempo e hoje ainda é uma das instituições mais patriarcais que há”, afirmou.

A carta das Mães da Praça de Maio

Em 26 de fevereiro deste ano, Hebe de Bonafini, líder das Mães da Praça de Maio, entregou uma carta ao bispo de Avellaneda-Lanús, na qual falavam contra Pe. Ghisaura.

“A Associação das Mães da Praça de Maio se dirige ao senhor, alarmada por toda a violência desencadeada por Mario Ghisaura, sacerdote que o senhor impôs no lugar do Padre Francisco 'Paco' Olveira. Ghisaura se diz sacerdote de opção pelos pobres, mas sua atitude parece a de alguém que serviu a Hitler”, assinala a carta.

“O senhor, como autoridade, deve responder a tudo o que ele jogou e tirou com muito ódio da capela: o quadro do São Oscar Romero, a Virgem de Luján, a fotografia de Dom Angelelli, do Padre Mugica e as imagens dos Santinhos populares”, continua a carta.

"Esperando que o senhor escute a nossa denúncia, dizemos-lhe que Deus o perdoe... porque o seu povo jamais o perdoará”, conclui a carta.

Hebe de Bonafini atacou a Igreja em diversas ocasiões. Em janeiro de 2008, foi uma das Mães da Praça de Maio que profanou a Catedral de Buenos Aires para jejuar em protesto pela falta de entrega de verbas do Estado destinadas para os seus projetos de casas populares na capital argentina.

Naquela oportunidade, Bonafini declarou à imprensa que, como os banheiros da catedral estavam fechados, “tivemos que improvisar um atrás do altar”.

Não foi a primeira vez que as Mães da Praça de Maio tomaram a Catedral. Já haviam feito isso em junho de 2002, quando entraram para protestar "pelos meninos argentinos com fome".

Em junho de 2007, Hebe de Bonafini criticou duramente o então Cardeal Jorge Mario Bergoglio e o vinculou à última ditadura militar na Argentina.

O site ‘Cristãos Gay’, que se descreve como “um espaço de encontro de cristãos unidos contra a LGBT-fobia”, publicou em maio deste ano um artigo intitulado “O Bispo de Avellaneda-Lanús (Argentina) expulsa sacerdote do grupo Padres em Opção pelos Pobres, entre outras coisas, por 'defender' o aborto”.

O texto assinala que o Prelado "acaba de expulsar de sua diocese o sacerdote Francisco 'Paco' Olveira, um membro do Grupo ‘Padres em Opção pelos Pobres’, cujos membros simpatizam com o kirchnerismo, colocando em risco a unidade de sua comunidade, e porque se pronunciou a raiz deste debate no Congresso a favor da legalização do aborto”.

Além disso, a nota também afirma que na beatificação do "bispo Enrique Angelelli, dois sacerdotes e um leigo, em La Rioja, Olveira se aproximou da vice-presidente Gabriela Michetti e disse: 'Com todo o respeito, a sua presença insulta a memória de nossos mártires pela política de fome e repressão' de seu governo”.

O bispo também decidiu retirar as licenças ministeriais ao Pe. Olveira.

"Levando em consideração a intransigência e a pouca vontade do Padre Francisco Olveira e não querendo causar um dano profundo à comunidade diocesana e à atividade pastoral da Igreja, a partir desta data (28 de abril), retiro-lhe as licenças ministeriais na Diocese de Avellaneda-Lanús, portanto, não é lícito que celebre publicamente os sacramentos nesta diocese”.

Entre os motivos de sua decisão, o Bispo indicou que “há algum tempo vinha assinalando para ele determinadas atividades e manifestações públicas, que no caso de um leigo são tratadas de uma maneira, e em um clérigo de outra; por exemplo, o tema do aborto, um tema que está muito claro no Catecismo da Igreja Católica e também em um contundente magistério do Papa Francisco, que não é compatível com o exercício do sacerdócio manifestar-se contra a doutrina comum da Igreja”.

Solidariedade dos sacerdotes ao Pe. Ghisaura

Em março deste ano, mais de 50 sacerdotes da Diocese de Avellaneda-Lanús assinaram uma declaração na qual se solidarizaram e apoiaram Pe. Ghisaura diante dos ataques que recebeu.

“Como irmãos no presbitério, nem todos temos as mesmas ideias e critérios em matéria pastoral, mas entendemos que Pe. Mario não agiu fora de seus deveres como pároco, legitimamente designado pelo bispo diocesano, e que as situações originadas por suas decisões não vêm exclusivamente de uma posição ideológica, mas de opções pastorais e de gestão”, indicaram.

"Sabemos que Padre Mario trabalha desde sua ordenação como diácono e, depois, sendo sacerdote, como pároco na paróquia de São Paulo Apóstolo de Villa Tranquila, que sempre exerceu seu ministério ao lado dos mais pobres e que cuidou espiritual e socialmente de sua comunidade, criando e sustentando, por mais de 10 anos, diversas propostas de assistência social, humana e espiritual para a comunidade paroquial”.

Pe. Ghisaura, recordaram os sacerdotes, “criou refeitórios, as chamadas panelas da caridade, atendeu pessoas em situação de rua, intercedendo e mediando em problemáticas sociais de todos os tipos. Tudo isso fez com o apoio de pessoas de todos os tipos e ideologias, privilegiando o comunitário em função de uma melhor atenção a todos os membros da paróquia e privilegiando os mais pobres. ”

Por isso, destacaram: "Opomo-nos a que seja tratado como 'fascista', ‘capelão de Hitler’ ou outras expressões do mesmo teor, uma vez que essas avaliações não correspondem ao seu trabalho e suas ideias. Sabemos que a única coisa que motiva Pe. Mario em sua ação pastoral é a mensagem do Evangelho e a ação comprometida da Igreja que se aproxima dos mais necessitados”.

“Por isso, solidarizamo-nos a ele e rezamos para que os fatos que aconteceram na paróquia recentemente assumida possam se solucionar no marco da comunhão, da solidariedade e do encontro, tal como propõe a ação mais legítima da Igreja e como é comum na pregação de nosso Papa Francisco”, concluíram.

Fonte: ACI digital



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana dos Anjos/Devoção e Fé Blog