Hoje é celebrada Santa Mônica, padroeira das mães cristãs (27 de agosto) - Devoção e Fé - Blog Católico

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Hoje é celebrada Santa Mônica, padroeira das mães cristãs (27 de agosto)


REDAÇÃO CENTRAL, 27 Ago. 18 / 05:00 am (ACI).- “Continue a rezar, pois é impossível que se perca um filho de tantas lágrimas”. Este foi o conselho dado por um Bispo a Santa Mônica, cuja memória litúrgica a Igreja celebra neste dia 27 de agosto.

A santa seguiu este conselho, não se deixou abater pelas dificuldades até ver seu filho, Santo Agostinho, convertido. Por essa razão, tornou-se a padroeira das mães cristãs.

Ao recordar a vida desta santa, em 2013, o Papa Francisco destacou o exemplo que ela deixa a tantas mulheres que atualmente choram por seus filhos. “Quantas lágrimas derramou aquela santa mulher pela conversão do filho! E quantas mães, também hoje, vertem lágrimas a fim de que os seus filhos voltem para Cristo! Não percais a esperança na graça de Deus!”, disse.

Santa Mônica nasceu em Tagaste, atual Argélia, na África, em 331. Ainda jovem e por um acordo dos seus pais, casou-se com Patrício, um homem violento e mulherengo.

Algumas mulheres lhe perguntaram por que o seu marido nunca lhe batia, então lhes disse: “É que, quando meu marido está de mau humor, eu me esforço por estar de bom humor. Quando ele grita, eu me calo. E para brigar é preciso de dois e eu não aceito a briga, pois... não brigamos”.

Suportando tudo no silêncio e mansidão, encontrava o consolo nas orações que elevava a Cristo e à Virgem Maria pela conversão do esposo, que mudou de vida, batizou-se e morreu como bom cristão.

Mas a dor dessa mulher não terminaria aí. Agostinho, seu filho mais velho, tinha atitudes egoístas, caprichosas e não se aproximava da fé. Levava uma vida dissoluta e ela sofria por ver o seu filho afastado de Deus. Por isso, durante anos continuou rezando e oferecendo sacrifícios.

Agostinho se tornou um brilhante professor de retórica em Cartago. Mais tarde, foi, às escondidas, para Roma e depois para Milão, onde conseguiu o cargo de professor em uma importante universidade. Em Milão começaria também sua busca por respostas que a vida intelectual não oferecia. Abraçou o maniqueísmo e rejeitava a proposta da fé cristã.

Mônica não desistiu e viajou atrás de seu filho. Ela sentiu que a sua missão foi realizada quando, tempos depois, Santo Agostinho foi batizado na Páscoa de 387. Mãe e filho decidiram voltar para a terra natal, mas, chegando ao porto de Óstia, perto de Roma, Mônica adoeceu e logo depois faleceu, em 27 de agosto de 387.

O Papa Alexandre III confirmou o tradicional culto à Santa Mônica, em 1153, quando a proclamou padroeira das mães cristãs.

Sobre sua mãe, Santo Agostinho, que se tornou Bispo e doutor da Igreja, escreveu: “Ela me gerou seja na sua carne para que eu viesse à luz do tempo, seja com o seu coração para que eu nascesse à luz da eternidade”.

No Ângelus de 27 de agosto de 2006, o Papa Bento XVI, recordando estes dois santos, disse: “Santa Mônica e Santo Agostinho nos convidam a dirigirmo-nos com confiança a Maria, Sede da Sabedoria. A Ela confiemos os pais cristãos para que, como Mônica, acompanhem com o exemplo e a oração o caminho dos filhos”.

Fonte: ACI digital

No dia de Santa Mônica, o Papa Francisco dá 
este conselho a todas as mães

REDAÇÃO CENTRAL, 27 Ago. 18 / 12:40 pm (ACI).- Através de sua conta do Twitter, o Papa Francisco deu um especial conselho a todas as mães no dia em que a Igreja celebra a Santa Mônica, a mãe de Santo Agostinho.

“Queridas mães: como Santa Mônica, nunca desanimem; rezem incansavelmente por seus filhos”, escreveu hoje o Santo Padre.

Santa Mônica, cuja festa se celebra esta segunda-feira 27 de agosto, é a mãe de um dos santos católicos mais importantes e um doutor da Igreja: Santo Agostinho.

O pai do Agostinho, Patrício, era um homem violento e mulherengo. Santa Mônica sempre sofreu ao seu lado mas nunca deixou de rezar por sua conversão, algo que finalmente aconteceu ao receber o batismo e morrendo como um bom cristão.

Seu filho Agostinho viveu durante muitos anos uma vida libertina, muito afastado de Deus. Santa Mônica sofria muito por causa disto.

Um dia se aproximou de um bispo para lhe contar seu sofrimento e este lhe disse: “Fique tranquila, é impossível que se perca o filho de tantas lágrimas”.

Santo Agostinho foi batizado na Páscoa do ano 387, aos 33 anos, tornou-se sacerdote e depois bispo de Hipona. Uma de suas obras mais conhecidas são as Confissões e seu pensamento contribui para o desenvolvimento da filosofia e da teologia católica que foi reconhecido pela Igreja como Doutor da graça, devido à profundidade de seus ensinamentos sobre a ação da graça divina na vida cristã.

Santa Mônica foi canonizada pelo Papa Alexandre III, é considerada padroeira das mulheres casadas e das mães cristãs.

Tradicional Oração a Santa Mônica

Nobilíssima Santa Mônica, rogai por todas as mães, principalmente por aquelas mães que se esquecem que ser mãe é sacrificar-se.

Rogai, virtuosa Santa Mônica, para que abram-se as almas de todas as mães, para que elas enxerguem a beleza da vocação materna, a beleza do sacrifício materno.

Rogai, Santa Mônica, para que todas as mães saibam abraçar com Fé o sofrimento e a dor, assumam seus filhos com coragem, como instrumento de santificação para as famílias, e para sua própria santificação. Amém.

Fonte: ACI digital



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana/Devoção e Fé