Dezembro 2017 - Devoção e Fé - Blog Católico

domingo, 10 de dezembro de 2017

Hoje é celebrada a Festa da Transladação da Casa da Virgem de Loreto (10 de dezembro)


CENTRAL, 10 Dez. 17 / 04:00 am (ACI).- Segundo a tradição, a Santa Casa de Loreto é a mesma Casa de Nazaré, na qual se deu o anúncio do Anjo, foi concebido Jesus Cristo e onde o Senhor viveu com José e a Virgem. Apresentamos a história de como milagrosamente esta casa “voou” da Terra de Jesus até Loreto, na Itália, cuja festa é celebrada neste dia 10 de dezembro.

A Santa Casa de Nazaré tinha duas partes, uma pequena gruta e uma estrutura de tijolos que se estendia a partir da entrada da gruta.

Em 1291, os sarracenos conquistaram a Terra Santa e queriam destruir todos os lugares sagrados do cristianismo. Quando chegaram às proximidades de Nazaré, os inimigos diziam: “nunca mais os cristãos celebrarão a Anunciação aqui”.

A basílica construída sobre a Casa tinha sido destruída em duas ocasiões (1090 e 1263), mas a Casa permaneceu intacta. No entanto, os cruzados não puderam voltar a reconstruí-la e o lar de Maria ficou desprotegido.

Segundo a tradição do translado, quando os cruzados perdiam o controle na Terra Santa, o Senhor enviou seus anjos com a ordem de levarem a casa para um lugar seguro.

Em 12 de maio de 1291, os anjos a transladaram para uma cidade chamada Tersatto, na Croácia. Pela manhã, os vizinhos ficaram surpresos ao ver a Casa sem fundações e sem saber como chegou.

Dentro, encontraram um altar de pedra e em cima dele uma estátua de cedro da Virgem Maria com o menino Jesus em seus braços. O menino segurava com sua mão esquerda uma esfera de ouro que representava o mundo e seus dois dedos da mão direita estavam estendidos, como abençoando. Ambos vestiam uma espécie de túnica e tinham coroas de ouro.

Dias depois, a Virgem apareceu a um sacerdote local e explicou a ele o lugar de onde a Casa procedia. Maria lhe disse: “deves saber que a casa que recentemente foi trazida a tua terra é a mesma casa na qual eu nasci e cresci. Aqui, na Anunciação do Anjo Gabriel, eu concebi o Criador de todas as coisas. Aqui, o Verbo se fez carne”.

“O altar foi que foi transladado com a casa foi consagrado por Pedro, o Príncipe dos Apóstolos. Esta casa veio de Nazaré para tua terra pelo poder de Deus, para o qual nada é impossível”, acrescentou.

Como verdadeira prova de tudo o que a Virgem lhe comunicou, o presbítero foi curado. O sacerdote, que tinha estado doente por muito tempo, anunciou o milagre e começaram as peregrinações. Os habitantes elevaram sobre a Casa um edifício simples para protege-la da natureza.

Depois de três anos e cinco meses, em 10 de dezembro de 1294, a Casa desapareceu de Tersatto e alguns pastores de Loreto, na Itália, disseram ter visto uma casa voando sobre o mar e sustentada por anjos. A tradição assinala que um anjo com capa vermelho, São Miguel, dirigia os outros e a Virgem com o Menino estavam sentados sobre a Casa.

Os anjos baixaram o recinto a um lugar chamado Banderuola e, posteriormente, levaram-na a uma colina, no meio de uma propriedade, para depois ser transladada a outra colina. Foi colocada no meio do caminho e ocupou esse local por mais de 700 anos.

Dois anos depois, a Virgem se apresentou a Paulo, um eremita, a quem contou a origem e a história da Santa Casa. Ele compartilhou com as pessoas do povoado e iniciaram medidas para verificar a autenticidade.

Os peritos foram a Tersatto e viram que a réplica que os moradores tinham feito era exatamente a mesma que a de Loreto e que muitos elementos coincidiam. Em Nazaré, constataram que as medidas da fundação eram exatas às da Casa em Loreto e a réplica construída em Tersatto.

Após 6 meses, voltaram a Loreto e foi declarada a autenticidade da Santa Casa, que não tem fundação, porque esta permaneceu em Nazaré.

Com o tempo, muitos peregrinos foram ao Santuário e o Papa Clemente VII mandou fechar a porta original e que fossem construídas três portas para que as pessoas não brigassem por ter apenas uma porta de entrada e saída.

Ninguém pediu permissão à Virgem e, por isso, quando o arquiteto pegou seu martelo para dar início ao trabalho, sua mão começou a tremer. Depois disso, ninguém quis fazer o trabalho, até que um clérigo aceitou e, ajoelhando-se, disse à Mãe de Deus que este era um pedido do Papa e que se ela estava zangada, que ela se resolvesse com o Pontífice.

O clérigo pôde completar o seu trabalho e as pessoas de Loreto quiseram proteger a Casa erguendo uma parede de tijolo. Quando terminaram, a parede se separou da Casa e, por isso, há um espaço entre a Santa Casa e a parede construída.

Em outra ocasião, um Bispo de Portugal, com a permissão do Papa, mandou seu secretário tirar uma pedra e leva-la para construir uma Igreja em honra à Virgem de Loreto. O Prelado ficou doente e, quando o secretário chegou, o Bispo estava quase morto.

O Bispo pediu a algumas religiosas que rezassem por ele e, dias depois, recebeu uma mensagem: “Nossa senhora disse, se o Bispo deseja se recuperar, deve devolver à Virgem o que ele pegou”. O Bispo e o secretário ficaram desconcertados porque ninguém sabia da pedra. O secretário devolveu o objeto e o Bispo se recuperou.

Por esta razão, os Papas proibiram que se extraia alguma parte da Santa Casa.

Grandes santos passaram por esta Casa, como São Francisco de Sales, Santa Teresa de Lisieux, São Maximiliano Kolbe, São João XXIII e São João Paulo II.

A tradição que conta a transladação feita pelos anjos não seria a única explicação da Santa Casa de Loreto, mas também há documentos que indicariam que o responsável seria um comerciante chamado Nicéforo Angelo del S. XIII. Em todo caso, o translado, sem dúvidas, teve a proteção e orientação do céu.
Fonte: ACI digital



O anúncio da chegada do Messias-2° Domingo do Advento (Ano B)


O anúncio da chegada do Messias

2º Domingo do Advento – Ano B

Evangelho de Mateus 1, 1-8

* 1* Começo da Boa Notícia de Jesus, o Messias, o Filho de Deus. - 2* Está escrito no livro do profeta Isaías: «Eis que eu envio o meu mensageiro na tua frente, para preparar o teu caminho. 3 Esta é a voz daquele que grita no deserto: Preparem o caminho do Senhor, endireitem suas estradas!» 4 E foi assim que João Batista apareceu no deserto, pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados. 5 Toda a região da Judéia e todos os moradores de Jerusalém iam ao encontro de João. Confessavam os seus pecados, e João os batizava no rio Jordão.

6 João se vestia com uma pele de camelo, usava um cinto de couro e comia gafanhotos e mel silvestre. 7 E pregava: «Depois de mim, vai chegar alguém mais forte do que eu. E eu não sou digno sequer de me abaixar para desamarrar as suas sandálias. 8 Eu batizei vocês com água, mas ele batizará vocês com o Espírito Santo.»
Reflexão

Deus se volta para nós, voltemos para Ele!

A Boa Notícia começa com um grande chamado à conversão (Mc 1,1-15; cf. Mt 3,1-17; Lc 3,1-22). Em que sentido a conversão é “boa notícia”? Conversão, na Bíblia, significa volta (como se faz uma conversão com o carro na estrada). 


Na 1ª leitura ressoa um magnífico texto do Segundo Isaías. O rei Ciro, depois de conquistar Babilônia, mandou os judeus que aí viviam exilados de volta para Jerusalém (em 538 a.C). O profeta imagina Deus reconduzindo essa gente a Sião. Precede-lhe um mensageiro que proclama: “Preparai no deserto uma estrada” (Is 40,3) – como para a entrada gloriosa (a “parusia”) do Grande Rei. Mas é um rei diferente, cheio de ternura: “Como um pastor, ele conduz seu rebanho; seu braço reúne os cordeiros, ele os carrega no colo, toca com cuidado as ovelhas prenhes”(v. 11). Essa era a boa notícia que Jerusalém, qual mensageira, devia anunciar ao mundo (v.9).

Conversão não é coisa trágica. Deus já voltou seu coração para nós; resta-nos voltar o nosso para ele. Ao proclamar o batismo de conversão (evangelho), João Batista pressentia a proximidade de uma “entrada gloriosa” de Deus. Como símbolo da “volta” usava a água do rio Jordão, que lembrava a travessia do povo de Israel pelo Mar Vermelho e pelo rio Jordão, rumo à terra prometida. Reforçava sua mensagem repetindo o texto de Is 40,3: “Preparai uma estrada…”. Vestia-se com um rude manto feito de pêlos de camelo e alimentava-se com a comida do deserto – mel silvestre e gafanhotos -, como o profeta Elias, o grande profeta da conversão, cuja volta se esperava (cf. Ml 3,1.23-24 e Eclo 48,10). Mas João ainda não é aquele que deve vir, apenas prepara a chegada deste, o “mais forte”, que virá “batizar com o Espírito Santo” (cf. a efusão do Espírito de Deus no tempo do Fim: Jl 3,1-2; Ez 36,27 etc).

Devemos sempre viver à espera dessa “entrada gloriosa” de Deus. Jesus veio e inaugurou o reinado de Deus, mas deixou a nós a tarefa de materializa-lo na História. Entretanto, Deus já coroou com a glória a vida dele e a obra que ele realizou: reunir as ovelhas como o pastor descrito por Isaías.

No tempo dos primeiros cristãos, muitos imaginavam que Jesus ia voltar em breve com a glória do céu, para arrematar essa obra iniciada. Depois de alguns decênios, porém, começaram a se cansar e a viver sem a perspectiva da chegada de Deus, caindo nos mesmos abusos que vemos hoje em torno de nós. Por isso foi necessário que a voz da Igreja lembrasse a voz dos profetas: Deus pode tardar, mas não desiste de seu projeto. Mil anos são para ele como um dia (2Pd 3,8), mas seu sonho, “um novo céu, uma nova terra, onde habitará a justiça”, fica de pé (2ª leitura).

Não vivamos como os que não têm esperança. Não desprezemos o fato de Deus estar voltado para nós. Voltemos sempre a ele.


Do livro “Liturgia Dominical”, de Johan Konings, SJ, Editora Vozes.

Oração do Dia

Ó Deus eterno e todo-poderoso, que nos concedeis, no vosso imenso amor de Pai, mais do que merecemos e pedimos, derramai sobre nós a vossa misericórdia, perdoando o que nos pesa na consciência e dando-nos mais do que ousamos pedir. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Fonte:
http://www.franciscanos.org.br/?p=5827 (dezembro/2017)



sábado, 9 de dezembro de 2017

Vamos orar o Cerco de Jericó da Imaculada e qualquer muralha será derrubada-Pe Marcelo Rossi


Boa tarde irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!
Hoje colocarei para vocês as mensagens do Padre Marcelo Rossi do dia 03 a 05/dezembro/2017. 
 O padre realizou em seu programa Momento de Fé-Sentinelas da Madrugada a semana de orações com o lema: "Vamos orar o Cerco de Jericó da Imaculada e qualquer muralha será derrubada!"
Trouxe para vocês 8 cartões que o Padre Marcelo colocou no facebook.
Fiquem todos na paz de Deus, um abençoado fim de semana no Amor Ágape de Jesus e no Amor Materno de Nossa Senhora.
Adriana dos Anjos-Devoção e Fé

Mensagem do Padre Marcelo Rossi por E-mail:


03/dezembro - APÓS COLOCARMOS NA MAIS PROFUNDA ORAÇÃO, TODOS QUE SE ENCONTRAM ENDIVIDADOS, VAMOS AGORA DERRUBAR QUALQUER MURALHA QUE IMPEDE A NOSSA MOVIMENTAÇÃO. VAMOS NOVAMENTE PARA A BATALHA, E REALIZAR O CERCO DE JERICÓ DA IMACULADA! A MÃE À FRENTE E ATRÁS, NA  VANGUARDA E RETAGUARDA, ASSIM, TODAS AS MURALHAS CAIRÃO!

Nas últimas semanas, nossas orações foram feitas com o objetivo de derrubar duas grandes muralhas de nossas vidas, a muralha do desemprego e a muralha das dívidas. Agora, Nossa Mãezinha do Céu estará conosco, em mais uma etapa de nossa conquista, derrubando qualquer outra muralha que atrapalha a nossa vida!  NO CERCO DE JERICÓ DA IMACULADA, QUALQUER MURALHA SERÁ DERRUBADA!

Vamos para mais um cerco de Jericó. Para isso vamos estudar Josué, capítulo 6: “Jericó estava rigorosamente fechada por causa dos filhos de Israel; ninguém saía nem entrava. Então disse o Senhor a Josué: Olha, tenho dado na tua mão a Jericó, ao seu rei e aos seus homens valorosos.
Vós, pois, todos os homens de guerra, rodeareis a cidade, cercando-a uma vez; assim fareis por seis dias. E sete sacerdotes levarão sete buzinas de chifres de carneiros adiante da arca, e no sétimo dia rodeareis a cidade sete vezes, e os sacerdotes tocarão as buzinas. E tocando a buzina de carneiro, ouvindo vós o seu sonido, todo o povo soltará um grande clamor e o muro da cidade cairá abaixo, o povo subirá por ele”! O povo seguiu as ordem de Deus e confiando em suas palavras, a cidade lhes foi entregue. Por isso neste Cerco de Jer icó com a Imaculada, vamos seguir orando com toda a Fé de nossos corações e as muralhas que nos incomodam virão ao chão!  
VAMOS JUNTOS PEDIR QUE JESUS DÊ DISCERNIMENTO E FORÇA A TODOS QUE ESTÃO ENDIVIDADOS!

04/dezembro - QUAL A MURALHA QUE TE IMPEDE DE SEGUIR EM FRENTE? A MURALHA DA DIFICULDADE FINANCEIRA? A MURALHA DA DIFICULDADE NOS RELACIONAMENTOS? A MURALHA DOS VÍCIOS EM DROGAS OU BEBIDAS? A MURALHA DA FALTA DE TRABALHO? NESTA SEMANA, VAMOS NOS UNIR EM ORAÇÃO E JUNTOS DERRUBAREMOS QUALQUER MURALHA QUE NÃO NOS DEIXA VIVER EM PLENITUDE! A MÃE À FRENTE E ATRÁS, NA VANGUARDA E RETAGUARDA, ASSIM, TODAS AS MURALHAS CAIRÃO, NOSSA VITÓRIA SERÁ ALCANÇADA!


Todas as vezes que oramos tendo o Cerco de Jericó como exemplo, fortificamos a nossa Fé através da intensificação de nossas orações, pois é sempre uma semana de batalha espiritual contra as forças do mal e contra tudo que não vem de Deus. Mas quando oramos com nossa Mãezinha, alcançamos a vitória pois ela é o mais puro amor, portanto, nestes próximos dias, entregue nas mãos de Nosso Senhor qualquer coisa que atrapalhe sua vida e seu desenvolvimento! Vamos vencer! NO CERCO DE JERICÓ DA IMACULADA, TODAS AS MURALHAS SERÃO DERRUBADAS E A VITÓRIA SERÁ CERTEIRA! 

O Espírito Santo pode transformar tudo a nossa volta, quando estamos realmente conectados a Ele, entregues a força divina, através das nossas mais puras e sinceras orações. Em todo Cerco de Jericó, redobramos nossa entrega e juntos somos abençoados por Jesus. Assim como fez Josué, diante das muralhas de Jericó, vamos cercar nossos inimigos com nossas orações mais precisas, com perseverança e força de vontade. No Cerco de Jericó, os sete sacerdotes, que levavam as sete trombetas e chifres de carneiros, seguiam andando e tocando as trombetas. Os homens armados iam adiante deles, na vanguarda. Na retaguarda, levavam a arca do Senhor. Neste nosso Cerco de Jericó especial, vamos com a Imaculada, abrindo os caminhos e protegendo nossos flancos. Porque a mãezinha sempre atende as nossas dificuldades e com ela, estaremos revestidos do amor de Jesus e da proteção de toda a milícia celeste! A MÃE À FRENTE E ATRÁS, NA VANGUARDA E RETAGUARDA, ASSIM, TODAS AS MURALHAS CAIRÃO E NOSSA VITÓRIA SERÁ ALCANÇADA!!! 

05/dezembro - CERCO DE JERICÓ DA IMACULADA, NOS PROTEGENDO TANTO NA VANGUARDA QUANTO NA RETAGUARDA, PARA QUE O AMOR DE MARIA FORME UM POTENTE ESCUDO CONTRA O MAL LANÇADO SOBRE NÓS, NA CERTEZA DE QUE COM MARIA COMO ALIADA, NOSSA VITÓRIA É CERTA! A MÃE À FRENTE E ATRÁS, NA VANGUARDA E RETAGUARDA, ASSIM, TODAS AS MURALHAS CAIRÃO E NOSSA VITÓRIA SERÁ ALCANÇADA! 

Em todos estes anos de caminhada, já aprendemos que a oração feita com Fé e poder e pode modificar tudo a nossa volta. A utilização do Cerco de Jericó como exemplo de perseverança e alcance dos objetivos, foi espalhada por João Paulo II, hoje, abordamos a história do capítulo 6 do livro de Josué para derrubar os males que afligem nossas vidas! Desta vez o Cerco é com a Imaculada, por isso vamos pedir com amor: NO CERCO DE JERICÓ DA IMACULADA, TODAS AS MURALHAS SERÃO DERRUBADAS E A VITÓRIA SERÁ CERTEIRA! 

Sempre que temos um grande desafio a vencer, um grande problema a ser resolvido, um obstáculo a ser ultrapassado, eles viram muralhas em nossas vidas. Por realizamos o cerco, para que nossas orações incessantes, durante sete dias e noites, tomem corpo, força e poder para estremecer e derrubar qualquer muralha que esteja em nossos caminhos. E quando somamos a força do Cerco de Jericó, com o amor sem medidas de Maria Santíssima, criamos algo impossível de ser batido. Por isso esta é a hora! Vamos transformar as nossas vidas! Levando no coração a certeza da vitória e o alívio de mais uma conquista, para honra e glória de Jesus! Não percam o Momento de Fé, nem o programa Coração Aberto, para que todas as muralhas sejam derrubadas! A MÃE À FRENTE E ATRÁS, NA VANGUARDA E RETAGUARDA, ASSIM, TODAS AS MURALHAS CAIRÃO E NOSSA VITÓRIA SERÁ ALCANÇADA!


Amados, desça sobre todos vós a bênção de Deus Todo Poderoso em Nome: Do Pai †, e do Filho †, e do Espírito Santo †. Amém! 

"Qualquer que seja a crise de sua vida nunca destrua as flores da esperança para que possas colher os frutos da fé."









***********************


*Facebook Padre Marcelo Rossi:

+ Novo Momento de Fé / Sentinelas da Madrugada:   
Novo horário: De segunda à sábado  da meia noite à 01h da manhã.
Obs.: Se você não pode ouvir no horário, escute o programa gravado diariamente no site do Padre Marcelo Rossi; procure por Web Radio e clique escute (se for sua primeira vez, o site pedirá para você se cadastrar);

*Site Padre Marcelo Rossi: 




sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Papa Francisco pede "sabedoria e prudência" sobre Jerusalém

Cidade do Vaticano (RV) 06/12/2017 - Ao final da Audiência Geral desta quarta-feira (06/12), na Sala Paulo VI, o Papa fez um apelo em prol da cidade de Jerusalém

“Não posso silenciar a minha profunda preocupação pela situação que se criou nos últimos dias e, ao mesmo tempo, dirigir um forte apelo para que seja compromisso de todos respeitar o status quo da cidade, em conformidade com as pertinentes Resoluções das Nações Unidas. Jerusalém é uma cidade única, sagrada para os judeus, os cristãos e os muçulmanos, que nela veneram os Locais Santos das respectivas religiões, e tem uma vocação especial à paz. Peço ao Senhor que esta identidade seja preservada e reforçada em benefício da Terra Santa, do Oriente Médio e do mundo inteiro e que prevaleçam sabedoria e prudência, para evitar acrescentar novos elementos de tensão num panorama mundial já turbulento e marcado por inúmeros e cruéis conflitos .”

O apelo do Pontífice foi motivado pela decisão do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de anunciar esta quarta-feira a mudança da embaixada estadunidense de Tel Aviv para Jerusalém. A Cidade Santa é disputada como capital também pelos palestinos.

O Presidente palestino Mahmoud Abbas manifestou a Trump a preocupação de que esta mudança da política dos EUA possa ter consequências perigosas para o processo de paz em todo o Oriente Médio. Abbas fez um apelo ao Papa Francisco e aos presidentes de Rússia, França e Jordânia para que tentem dissuadir Trump.

Fonte: Radio Vaticano


As reações do mundo à decisão de Trump. ONU: escolha unilateral

De Silvonei José

Cidade do Vaticano (SPC) 07/12/2017 - “Jerusalém é a capital de Israel e, dentro de 6 meses, transferiremos a embaixada dos EUA de Tel Aviv, é um passo necessário para a paz”. As palavras do Presidente Trump abrem a caixa de Pandora no Oriente Médio e deixam atônito o resto do mundo, com exceção do líder israelense Netanyahu, que exulta ao falar de uma decisão histórica.

“Deplorável”, a define por sua vez o Presidente francês, Macron; “irresponsável”, disse o Presidente o turco, Erdogan, segundo o qual tudo irá beneficiar os terroristas. A Jordânia afirma que a escolha de Washington é ilegal e o Irã acrescenta: “Jerusalém pertence ao islamismo e aos palestinos”, enquanto a União Européia está seriamente preocupada. Para os vinte e oito países a posição permanece inalterada: nenhum dos países da UE, incluindo Londres, irá transferir suas representações de Tel Aviv.

Sobre Trump cai a ira da ONU com o Secretário Guterres, que diz “não” a qualquer solução unilateral sobre as negociações. Perplexidade também de Moscou, enquanto Hamas responde: “as portas do inferno foram abertas”. O regime dos ayatollahs desencadeará uma nova Intifada”.

Para o Padre Patton, Custódio da Terra Santa, esta decisão não faz outra coisa do que provocar danos irreparáveis ​​e acrescentar violências, por isso como o Papa, Patton lança o apelo a respeitar o status quo em Jerusalém. Enquanto isso, em Gaza inflamam os protestos, algumas bandeiras estadunidenses foram queimadas. Oito países, incluindo a Itália, estão pedindo uma reunião de emergência da ONU.
Fonte: Radio Vaticano



Papa Francisco: Maria nos ajude a desenvolver anticorpos contra vírus dos nossos tempos


Cidade do Vaticano (RV) 08/12/2017 - Na tarde desta sexta-feira (08/12), Solenidade da Imaculada Conceição, o Papa Francisco foi à Praça de Espanha, localizada no centro de Roma, para rezar diante da imagem da Virgem Maria,  renovando o tradicional ato de homenagem aos pés do monumento à Imaculada.

A seguir, a oração proferida pelo Papa Francisco.
“Maria Imaculada, pela quinta vez venho aos seus pés como bispo de Roma, para fazer-lhe uma homenagem em nome de todos os habitantes dessa cidade. Quero agradecer-lhe pelo cuidado constante com que a Senhora acompanha o nosso caminho, o caminho das famílias, das paróquias, das comunidades religiosas; o caminho daqueles que todos os dias, e com muito esforço,  atravessam a cidade de Roma para trabalhar, o caminho dos doentes, idosos e todos os pobres, e os imigrantes aqui, provenientes de terras de guerra e fome. Obrigado, porque assim que dirigimos à Senhora um pensamento, um olhar ou uma Ave Maria fugaz, sentimos sempre a sua presença materna, terna e forte.”

“Ó Mãe, ajuda essa cidade a desenvolver os anticorpos contra alguns vírus dos nossos tempos: da indiferença, que diz: “Não me interessa”; da má educação cívica que despreza o bem comum; do medo do diferente e do estrangeiro; conformismo disfarçado de transgressão; a hipocrisia de acusar os outros, enquanto se fazem as mesmas coisas; a resignação à degradação ambiental e ética, a exploração de muitos homens e mulheres. Ajude-nos a rejeitar esses e outros vírus com os anticorpos que vem do Evangelho. Faça  com que tenhamos o bom costume de ler todos os dias uma passagem do Evangelho e sob o seu exemplo, de proteger no coração a Palavra, para que, como uma boa semente, dê fruto em nossa vida.”

“Virgem Imaculada, cento e setenta e cinco anos atrás, pouco distante daqui, na igreja de Sant’Andrea delle Fratte, a Senhora tocou o coração de Afonso de Ratisbonne, que naquele momento de ateu e inimigo da Igreja, tornou-se cristão.

A Senhora se mostrou a ele como Mãe da graça e da misericórdia. Concede também a nós, especialmente na provação e na tentação, manter o olhar fixo em suas mãos abertas, que deixam cair sobre a terra as graças do Senhor, e nos despojar da arrogância orgulhosa, para nos reconhecer como realmente somos: pequenos e pobres pecadores, mas sempre filhos seus. E assim, pegando em suas mãos, nos deixar reconduzir a Jesus, nosso irmão e salvador, e ao Pai celeste, que nunca se cansa de nos esperar e nos perdoar quando retornamos a Ele.”

“Obrigado, ó Mãe, por nos ouvir sempre! Abençoa a Igreja aqui em Roma, e abençoa também esta cidade e o mundo inteiro”.

A Imaculada e os Papas

Em 8 de dezembro de 1854, o Papa Pio IX declarou o Dogma da Imaculada Conceição, na Bula “Ineffabilis Deus”.

Três anos mais tarde, em 8 de dezembro de 1857, o Papa abençoou e inaugurou o monumento da Imaculada na Praça de Espanha.

O Papa Pio XII foi o primeiro a enviar flores à Praça de Espanha na Solenidade da Imaculada.

São João XXIII, em 1958, dirigiu-se à Praça de Espanha e depositou aos pés do monumento um cesto contendo rosas brancas. Sucessivamente, visitou a Basílica de Santa Maria Maior.

Tal gesto foi repetido também pelos Papas Paulo VI, São João Paulo II e Bento XVI.
Fonte: Radio Vaticano



Papa no Angelus: Maria, único “oásis sempre verde” da humanidade


Cidade do Vaticano (RV) 08/12/2017 – Que Maria nos ajude “a permanecer jovens, dizendo “não” ao pecado, e a viver uma vida bela, dizendo “sim a Deus””.

Intimidade com a Palavra de Deus,  “próxima ao seu coração” e que depois “fez-se carne em seu ventre”. Este é o segredo de Maria para ter uma vida bela, apesar dos medos e preocupações, disse o Papa em sua alocução, que precedeu a oração do Angelus na Solenidade da Imaculada Conceição.

“Cheia de graça”, “criada pela graça”, uma palavra difícil de traduzir – disse Francisco – ao comentar a anunciação do anjo a Maria narrada no Evangelho de Lucas.

“Antes de chamá-la Maria, a chama cheia de graça – disse o Papa aos fiéis reunidos na grande Praça São Pedro - e assim revela o novo nome que Deus deu a ela e que se adapta melhor do que o nome dado pelos seus pais. Também nós a chamamos assim, em cada Ave Maria”.

Mas, o que quer dizer cheia de graça?

“Que Maria é repleta da presença de Deus. E se é totalmente habitada por Deus, nela não há lugar para o pecado. É uma coisa extraordinária, porque tudo no mundo, infelizmente, é contaminado pelo mal. Cada um de nós, olhando-se dentro, vê lados obscuros. Também os maiores santos eram pecadores e todas as realidades, até mesmo as mais belas, são atingidas pelo mal: todas, exceto Maria”.

Ela é o único “oásis sempre verde” da humanidade – completou o Papa - “a única incontaminada, criada imaculada para acolher plenamente, com o seu “sim”, Deus que vem ao mundo e começar assim uma história nova”.

Ao dizer a Maria “cheia de graça”, também estamos fazendo a ela de forma elegante um elogio à tenra idade que aparenta ter, pois ela “nunca envelheceu pelo pecado”, disse o Santo Padre, que acrescentou:

“Existe uma única coisa que faz realmente envelhecer: não a idade, mas o pecado. O pecado torna velhos, porque atrofia o coração. Fecha-o, torna-o inerte, o faz murchar. Mas a cheia de graça é vazia de pecado. Então é sempre jovem, é “mais jovem do que pecado”, é “a mais jovem do gênero humano”.

A Igreja hoje se regozija em Maria, chamando-a toda bela, tota pulchra:

“Como a sua juventude não está na idade, assim a sua beleza não consiste na aparência. Maria, como mostra o Evangelho de hoje, não se sobressai em aparência: de família simples, vivia humildemente em Nazaré, uma cidadezinha quase desconhecida”.

"Maria não era uma mulher famosa", ninguém soube quando o anjo a visitou, “naquele dia não estava ali nenhum repórter”, observou Francisco. Ela teve preocupações e temor, mas sua vida era bela. E qual era o seu segredo?, pergunta-se o Papa, que explicou:

“A Palavra de Deus era o seu segredo: próxima ao seu coração, fez-se depois carne em seu ventre. Permanecendo com Deus, dialogando com Ele em toda circunstância, Maria tornou bela a sua vida. Não a aparência, não aquilo que passa, mas o coração voltado para Deus faz a vida bela”.

Ao concluir, o Papa pediu que olhássemos hoje “com alegria para a “cheia de graça”. Peçamos a ela para ajudar-nos a permanecer jovens, dizendo “não” ao pecado, e a viver uma vida bela, dizendo “sim a Deus””.

Ao saudar os peregrinos presentes na Praça São Pedro, “especialmente as famílias e os grupos paroquiais”, Francisco recordou que na tarde desta sexta-feira, vai à Praça de Espanha, “para renovar o tradicional ato de homenagem e de oração aos pés do monumento à Imaculada. Peço a vocês para unirem-se espiritualmente a mim neste gesto, que expressa a devoção filial a nossa Mãe celeste”.
Fonte: Radio Vaticano



Solenidade da Imaculada Conceição de Maria (08 de dezembro)


Maria Santíssima, rogai por nós!

Celebrado no dia 08 de dezembro, o dogma da Imaculada Conceição de Maria é um dos dogmas mais queridos ao coração do povo cristão.

Neste dia, nós o consideramos no seu singular privilégio concedido à Maria, que foi dele preservada desde o primeiro instante de sua concepção, de sua existência humana.

O valor doutrinal desta festividade é manifesto na prece da celebração litúrgica, que sublinha o privilégio concedido à futura Mãe de Deus: Ó Deus, que pela Imaculada Conceição da Virgem preparaste ao teu Filho uma morada digna dele…”, e a própria natureza deste privilégio, enquanto não subtrai Maria à Redenção universal efetuada por Cristo: ” Tu que a preservaste de toda a mancha na previsão da morte de teu Filho..”.

A convicção da pureza completa da Mãe de Deus, Maria, foi definida em 1854, pelo Papa Pio IX, através da bula “Ineffabilis Deus”, mas antes disso a devoção popular à Imaculada Conceição de Maria já era extensa. A festa já existia no Oriente e na Itália meriodinal, desde o século VII.

A festa não existia, oficialmente, no calendário da Igreja. Os estudos e discussões teológicas avançaram através dos tempos sem um consenso positivo. Quem resolveu a questão foi um frade franciscano escocês e grande doutor em teologia chamado bem-aventurado João Duns Scoto, que morreu em 1308. Ele defendeu a Conceição Imaculada de Maria como início do projeto central de Deus: o nascimento do seu Filho feito homem para a redenção da humanidade.

Em 1570, Pio V publicou o novo Ofício e finalmente em 1708 Clemente XI estendeu a festa, tornando-a obrigatória, a toda a cristandade. Mas desde a origem do cristianismo Maria foi venerada pelos fiéis com a TODA SANTA.

Quatro anos após a proclamação do dogma da Imaculada Conceição, a Virgem apareceu a santa Bernadete Soubirous. Para a menina que, timidamente perguntava: “Senhora, quer ter a bondade de me dizer o seu nome?”, Maria respondeu: “Eu sou a Imaculada Conceição”.

Maria, então, foi concebida sem a mancha do orgulho e do desamor, que é o pecado original. Em vista disso, a Imaculada Conceição foi a primeira a receber a plenitude da bênção de Deus, por mérito do seu Filho, e que se manifestou na morte e na Ressurreição de Cristo, para redenção da humanidade que crê e segue seus ensinamentos.

Hoje, não comemoramos a memória de um santo, mas a solenidade mais elevada, maior e mais preciosa da Igreja: a Imaculada Conceição da Santíssima Virgem Maria, a rainha de todos os santos, a Mãe de Deus.
Fonte: RS21



quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

7 meios espirituais para aproveitar ao máximo o Advento


REDAÇÃO CENTRAL, 05 Dez. 17 / 05:00 am (ACI).- O sacerdote, escritor e funcionário da Secretaria de Estado do Vaticano, Dom Florian Kolfhaus, compartilha 7 meios espirituais para todos os católicos que quiserem se preparar de uma maneira especial para receber Cristo no Natal.

A seguir, confira os 7 meios descritos em sua coluna publicada originalmente em CNA Deutsche:

1. Jejuar no Advento

Mesmo se as quatro semanas anteriores ao Natal têm um caráter “mais alegre” do que a penitência prévia à Páscoa, devemos esperar o aniversário de Jesus para celebrar a ceia de Natal.

Não é apenas um sacrifício que tem um valor espiritual, mas um sacrifício que nos ajuda na expectativa para o Natal.

2. Levantar-se 10 minutos mais cedo

Não é fácil levantar-se cedo de manhã, mas um pouco mais de tempo cada dia nos dá a oportunidade de começar bem o dia com Deus: uma oração pessoal de manhã, uma breve leitura das Escrituras, a oração do Rosário, etc.

São Josemaría Escriva diz que o momento de se levantar é o “minuto heroico”, o qual decide sobre todo o dia.

A Bíblia nos diz que São José costumava se levantar rapidamente de um sonho e, sem dúvida, é um bom defensor daqueles que não podem deixar de lado a comodidade.

3. Dar presentes de coração

Todos os dias podemos dar um pequeno presente, carta ou imagem. Eu sempre me pergunto por que não alegrar alguém em cada dia de Advento?

É bom ter um plano prévio: dar de presente possivelmente uma fotografia preta e branca para um familiar, brinquedos dos meus filhos para um sobrinho, os casacos para um orfanato ou fazer biscoitos para uma casa de idosos.

4. Ter um tempo de silêncio todos os dias

Todos os dias de Advento, devemos contar com uma hora de silêncio. Nem rádio, nem telefone, nem televisão, nem música de fundo, mas aproveitar o tempo para os momentos de oração e reflexão. E se sentirmos agitação ou preocupações, devemos encaminhá-las para deixar que o Messias entre no coração. A paz externa e o silêncio interior quase limpam automaticamente a alma.

5. Visitar Jesus

O Natal não é do Papai Noel, mas do pequeno menino no presépio. É o Filho de Deus que nos alimenta verdadeiramente, tão pequeno e que despretensioso está presente em todos os tabernáculos.

O Natal é a celebração do “pão vivo” que desceu do céu como nosso alimento. Belém significa “casa do pão”.

Todos os dias, podemos visitar a igreja, embora seja apenas por alguns minutos. Participar da Missa é uma maneira de devoção.

6. Confessar-se

Jesus nasce em um estábulo, na pobreza e na simplicidade, longe do barulho dos albergues. Entretanto, São José certamente teve que remover as teias de aranha e a sujeira ao redor; enquanto Nossa Senhora arrumou a roupa de cama limpa para preparar um bom lugar para o recém-nascido. Acima de tudo, tinham um coração cheio de amor puro.

Sem confissão não há um bom Natal para os católicos. A palha velha ou podre deve ser varrida do coração; outras vezes limpar o pó é suficiente, mas Jesus sempre quer encontrar uma morada onde possa repousar.

7. Devoção a Maria


Sem Maria não existiria Jesus. Sem Maria não poderíamos celebrar o Natal, porque o Filho de Deus não se tornaria homem. Portanto, o caminho à Belém é o da mãe de Jesus, que também é o nosso caminho.

Todos os dias, deve-se rezar o Rosário. Devemos rezar à Virgem Maria todos os dias do Advento para receber Jesus e não só na véspera de Natal.

Também devemos rezar pela maternidade de todas as mulheres que esperam ou perderam um filho nesses dias.

É necessário nos dirigirmos à nossa Mãe, pedir-lhe a sua intercessão em nossas necessidades, para agradecer-lhe pelo seu sim em Nazaré, pelo cuidado e pela criação de Jesus, pela sua ajuda maternal a Ele e a nós, por sua lealdade na Cruz.

Podemos lhe dar flores, uma oração especial ou uma pequena peregrinação a uma igreja. Também podemos lhe dar uma nova alegria todos os dias, possivelmente reconciliando-nos com velhos inimigos, renunciado nossos maus hábitos ou oferecendo as dificuldades que temos em nosso trabalho.

Por que fazemos tudo isto? Somente para fazê-la feliz. A fim de dar algo em troca do melhor presente de todos: Jesus!

Fonte: ACI digital



Thor, São Bonifácio e a origem da árvore de Natal


ROMA, 05 Dez. 17 / 08:50 am (ACI).- Quando pensamos em um santo, talvez em um primeiro momento não consideramos que essa pessoa seja ousada, empunhe um machado, um martelo ou que derrube árvores como os carvalhos. Entretanto, existe um santo assim, conhecido como São Bonifácio.

Este santo nasceu na Inglaterra por volta do ano 680. Bonifácio ingressou em um monastério beneditino antes de ser enviado pelo Papa para evangelizar os territórios que pertencem a atual a Alemanha. Primeiro foi como um sacerdote e depois eventualmente como bispo.

Sob a proteção do grande Charles Martel (conhecido como Carlos Magno), Bonifácio viajou por toda a Alemanha fortalecendo as regiões que já tinham abraçado o cristianismo e levou a luz de Cristo àqueles que ainda não o conheciam.

A respeito deste santo, o Papa Bento XVIdisse no ano 2009 que “seu incansável trabalho, seu dom para a organização e seu caráter flexível, amigável e forte” foram fundamentais para o sucesso das suas viagens.

O escritor Henry Van Dyke o descreveu assim, em 1897, em seu livro The First Christmas Tree, (A primeira árvore de natal): “Que pessoa tão boa! Que boa pessoa! Era branco e magro, mas reto como uma lança e forte como um cajado de carvalho. Seu rosto ainda era jovem; sua pele suave estava bronzeada pelo sol e pelo o vento. Seus olhos cinzas, limpos e amáveis, brilhavam como o fogo quando falava das suas aventuras e das más ações dos falsos sacerdotes aos quais enfrentou”.

Aproximadamente no ano 723, Bonifácio viajou com um pequeno grupo de pessoas na região da Baixa Saxônia. Ele conhecia uma comunidade de pagãos perto de Geismar que, no meio do inverno, realizavam um sacrifício humano (onde a vítima normalmente era uma criança) a Thor, o deus do trovão, na base de um carvalho o qual consideravam sagrado e que era conhecido como “O Carvalho do Trovão”.

Bonifácio, acatando o conselho de um irmão bispo, quis destruir o Carvalho do Trovão não somente a fim de salvar a vítima, mas também para mostrar àqueles pagãos que ele não seria derrubado por um raio lançado por Thor.

O Santo e seus companheiros chegaram à aldeia na véspera de Natal, bem a tempo para interromper o sacrifício. Com seu báculo de bispo na mão, Bonifácio se aproximou dos pagãos que estavam reunidos na base do Carvalho do Trovão e lhes disse: “Aqui está o Carvalho do Trovão e aqui a cruz de Cristo que romperá o martelo do Thor, o deus falso”.

O verdugo levantou um martelo para matar o pequeno menino que tinha sido entregue para o sacrifício. Mas, o Bispo estendeu seu báculo para impedir o golpe e milagrosamente quebrou o grande martelo de pedra e salvou a vida deste menino.

Logo, dizem que Bonifácio disse ao povo: “Escutai filhos do bosque! O sangue não fluirá esta noite, a não ser que piedade se derrame do peito de uma mãe. Porque esta é a noite em que nasceu Cristo, o Filho do Altíssimo, o Salvador da humanidade. Ele é mais justo que Baldur, maior que Odim, o Sábio, mais gentil do que Freya, o Bom. Desde sua vinda, o sacrifício terminou. A escuridão, Thor, a quem chamaram em vão, é a morte. No profundo das sombras de Niffelheim ele se perdeu para sempre. Desta forma, a partir de agora vocês começarão a viver. Esta árvore sangrenta nunca mais escurecerá sua terra. Em nome de Deus, vou destruí-la”.

Então, Bonifácio pegou um machado que estava perto dele e, segundo a tradição, quando o brandiu poderosamente ao carvalho, uma grande rajada de vento atingiu o bosque e derrubou a árvore, inclusive as suas raízes. A árvore caiu no chão, quebrou-se em quatro pedaços.

Depois deste acontecimento, o Santo construiu uma capela com a madeira do carvalho, mas esta história foi muito além das destruições da poderosa árvore.

O “Apóstolo da Alemanha” continuou pregando ao povo alemão que estava assombrado e não podia acreditar que o assassino do Carvalho de Thor não tivesse sido ferido por seu deus. Bonifácio olhou mais à frente onde jazia o carvalho e assinalou um pequeno abeto e disse: “Esta pequena árvore, este pequeno filho do bosque, será sua árvore santa esta noite. Esta é a madeira da paz…É o sinal de uma vida sem fim, porque suas folhas são sempre verdes. Olhem como as pontas estão dirigidas para o céu. Terá que chamá-lo a árvore do Menino Jesus; reúnam-se em torno dela, não no bosque selvagem, mas em seus lares; ali haverá refúgio e não haverá ações sangrentas, mas presentes amorosos e gestos de bondade”.

Desta forma, os alemães começaram uma nova tradição nessa noite, a qual foi estendida até os nossos dias. Ao trazer um abeto a seus lares, decorando-o com velas e ornamentos e ao celebrar o nascimento do Salvador, o Apóstolo da Alemanha e seu rebanho nos mostraram o que hoje conhecemos como a árvore de Natal.
Fonte: ACI digital



Hoje a Igreja celebra São Nicolau, padroeiro das crianças (6 de dezembro)


REDAÇÃO CENTRAL, 06 Dez. 17 / 04:00 am (ACI).- “Seria um pecado não repartir muito, sendo que Deus nos dá tanto”, costumava dizer São Nicolau, padroeiro das crianças, das moças solteiras, dos marinheiros, dos viajantes e da Rússia, Grécia e Turquia. Um azeite milagroso brota de seus restos, que serviu para a cura dos doentes. Sua festa se celebra neste dia 6 de dezembro.

Por se tratar de um santo dos primeiros séculos, pouco se sabe com exatidão a respeito dele, salvo que nasceu na Licia (atual a Turquia), em uma família muito rica. Tinha um tio Bispo que o ordenou sacerdote.

Seus pais morreram ajudando os doentes de uma epidemia e deixaram uma fortuna para Nicolau. Entretanto, o jovem decidiu reparti-la entre os pobres e tornar-se monge. Mais tarde, peregrinou ao Egito e à Palestina, onde conheceu a Terra Santa.

Ao retornar, chegou à cidade de Mira, na Turquia, onde os bispos e sacerdotes discutiam no templo sobre quem devia ser eleito novo Bispo da cidade. Ao final, decidiram que seria o próximo sacerdote que ingressasse no recinto. Nesse momento, São Nicolau entrou e foi eleito Prelado por aclamação de todos.

Mas, teve início uma perseguição promovida pelo imperador Diocleciano contra os cristãos e ele foi preso, sendo libertado apenas quando o imperador Constantino subiu ao trono.

“Graças aos ensinamentos de Nicolau, a metrópole de Mira foi a única que não se contaminou com a heresia ariana, a qual rechaçou firmemente, como se fosse um veneno mortal”, dizia São Metódio. O arianismo negava a divindade de Jesus Cristo. Dessa forma, São Nicolau combateu incansavelmente o paganismo.

Defensor da justiça, salvou três jovens de ser executados, vítimas de um suborno do governador Eustácio, que logo se arrependeu ao ser repreendido por São Nicolau.

Três oficiais foram testemunhas destes fatos e, posteriormente, quando estavam em perigo de morte, rezaram a São Nicolau. O santo apareceu em sonhos a Constantino e lhe ordenou que os libertasse porque eram inocentes.

Após os soldados dizerem ao imperador que tinham invocado São Nicolau, ele os libertou, com uma carta ao Bispo, em que lhe pedia que rezasse pela paz no mundo.

O santo é patrono dos marinheiros porque, em meio a uma tempestade, alguns marinheiros começaram a clamar: “Oh Deus, pelas orações de nosso bom Bispo Nicolau, nos salve”. Nesse momento, conta-se, apareceu São Nicolau sobre o navio, abençoou o mar e este se acalmou. Em seguida, o Bispo desapareceu.

Segundo o costume do Oriente, os marinheiros do mar Egeu e do Jônico têm uma “estrela de São Nicolau” e desejam boa viagem dizendo: “Que São Nicolau leve seu leme”.

Narra-se também que três meninos foram assassinados e jogados em um barril de sal. Mas, pela oração de São Nicolau, os infantes voltaram para a vida. Por isso, é padroeiro das crianças e costuma ser representado com três pequenos ao seu lado.

Outra lenda narra que na Diocese de Mira havia um vizinho em extrema pobreza que decidiu expor suas três filhas virgens à prostituição para que todos eles pudessem sobreviver.

São Nicolau, procurando evitar que isto acontecesse e na escuridão da noite, jogou pela chaminé da casa daquele homem uma bolsa com moedas de ouro. Com o dinheiro, a filha mais velha se casou.

Quis o santo fazer o mesmo em benefício das outras duas, mas na segunda ocasião, depois de atirar a bolsa sobre a parede do pátio da casa, acabou sendo descoberto pelo pai das jovens, que lhe agradeceu por sua caridade.

São Nicolau partiu para a Casa do Pai em 6 de dezembro, mas não sabe com exatidão se foi no ano 345 ou 352. Mais tarde, sua devoção aumentou e foram reportados inúmeros milagres.

No século VI, o imperador Justiniano construiu uma Igreja em Constantinopla (hoje Istambul) em sua honra e o santo se tornou popular em todo o mundo.

São Nicolau é patrono da Rússia, Grécia e Turquia. Além disso, é honrado em cidades da Itália, Holanda, Suíça, Alemanha, Áustria e Bélgica.

Em 1087 seus ossos foram resgatados de Mira, que já estava sob domínio dos muçulmanos, e levados para Bari, na costa da Itália. Por isso, é chamado São Nicolau de Mira ou São Nicolau de Bari. Suas relíquias repousam na Igreja de “San Nicola de Bari”, na Itália.

De seus restos mortais brota um azeite conhecido como o “Manna di S. Nicola”. Em Mira, dizia-se que “o venerável corpo do bispo, embalsamado no azeite da virtude, suava uma suave mirra que lhe preservava da corrupção e curava os doentes, para glória daquele que tinha glorificado Jesus Cristo, nosso verdadeiro Deus”.

Sua figura bondosa e caridosa passou a ser associada em muitos lugares a figura do Papai Noel nos países latinos, que traz presentes para as crianças na Noite de Natal. Na Alemanha, é Nikolaus, e nos países anglo-saxões, Santa Claus. Neste período, este simbolismo deve remeter a São Nicolau e, assim, recordar a todos do amor e caridade para com as crianças e os mais pobres, além da alegria de servir a Deus.

Fonte: ACI digital



domingo, 3 de dezembro de 2017

Fiquem Vigiando-1° Domingo do Advento (Ano B)


Fiquem vigiando

1º Domingo do Advento – Ano B

Evangelho de Mateus 13, 33-37

* 33 Prestem atenção! Não fiquem dormindo, porque vocês não sabem quando vai ser o momento. 34 Vai acontecer como a um homem que partiu para o estrangeiro. Ele deixou a casa, distribuiu a tarefa a cada um dos empregados, e mandou o porteiro ficar vigiando. 35 Vigiem, portanto, porque vocês não sabem quando o dono da casa vai voltar; pode ser à tarde, à meia-noite, de madrugada ou pelo amanhecer. 36 Se ele vier de repente, não deve encontrá-los dormindo. 37 O que eu digo a vocês, digo a todos: Fiquem vigiando.»
Reflexão

Estar pronto para Cristo

Começa o Advento, início do novo ano litúrgico (ano B). Na 1ª leitura, o profeta Isaías provoca Deus a “rasgar o céu”e a descer para nos salvar. Estamos murchos como folhas mortas. E, contudo, Deus é nosso Pai, nós somos obras de suas mãos. Como o povo humilhado, no tempo do exílio babilônico, fazemos nosso o desejo de que Deus venha nos socorrer. Encontrar-se com Deus não é motivo de terror, mas de esperança. Se nos voltarmos para ele, ele se voltará para nós. Na 2ª leitura, Paulo nos assegura que Deus nos fortalecerá até o fim, quando Cristo abrirá o céu e descerá para nos fazer entrar em sua glória. O encontro definitivo com Deus significa para o cristão a plena manifestação daquilo que Cristo iniciou. O evangelho, todavia, adverte: não sabemos quando o Senhor voltará para pedir contas do serviço que ele deixou em nossas mãos. Por isso, convém vigiar. A ressurreição de Jesus é como a viagem de um empresário. Enquanto ele está fisicamente longe somos nós os responsáveis por sua obra. Ora, a obra que Jesus iniciou e levou a termo, até a morte, foi a obra da justiça e do amor fraterno. Quando nos empenhamos por isso, sua obra acontece. A causa de Deus é causa nossa. Devemos sempre estar preocupados com o amor fraterno, que Jesus deixou aos nossos cuidados e do qual ele mesmo deu o exemplo até o fim. O ano litúrgico é o espelho de nossa vida. Desde o início, coloca-nos na presença permanente de Deus como sentido último de nossa vida, a cada momento. Põe diante de nossos olhos a vocação final: o encontro com Cristo na glória de seu pai. Nesta perspectiva, sentimo-nos obra inacabada, mas em Cristo temos o exemplo e a garantia do acabamento que Deus nos quer conferir: uma vida doada no amor até o fim. Jesus, ressuscitado e vivo na glória do Pai, quer vir até nós, para completar a obra do Pai em nós e nos aperfeiçoar no amor fraterno, com a condição de sermos encontrados empenhados no serviço que ele nos confia. Advento é preparação para Natal, celebração da vinda de Jesus no meio de nós. Vinda no presépio, mas também vinda no dia-a-dia e no encontro definitivo. Advento significa que nos preparamos para nos encontrar com ele, na alegria, cuidando do amor que ele veio aperfeiçoar em nós. Deus nos respeita tanto que conta com a nossa colaboração; a salvação não vem só de um lado. Em Jesus, ele nos mostrou em que consiste sermos salvos: em sermos como Jesus, agora, na vida terrena, e eternamente, na glória. Essa é a parte da salvação que Deus realiza. A nossa parte é: estarmos prontos, acatarmos sua obra, no amor disponível e eficaz de cada dia. Muitos hoje, se sentem abandonados, deprimidos. Existe até uma indústria da depressão, procurando vender remédios antidepressivos… “Há alguém que se preocupe comigo?”, pergunta o deprimido. Mas talvez ele não se prontifique para encontrar. Aquele que transforma nossa vida debilitada em esperança engajada… Por isso, a liturgia de hoje nos ensina a correr ao seu encontro! Do livro “Liturgia Dominical”, de Johan Konings, SJ, Editora Vozes.

Do livro “Liturgia Dominical”, de Johan Konings, SJ, Editora Vozes.

Oração do Dia

Ó Deus eterno e todo-poderoso, que nos concedeis, no vosso imenso amor de Pai, mais do que merecemos e pedimos, derramai sobre nós a vossa misericórdia, perdoando o que nos pesa na consciência e dando-nos mais do que ousamos pedir. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Fonte:
http://www.franciscanos.org.br/?p=5827 (dezembro/2017)



sábado, 2 de dezembro de 2017

Papa Francisco visita Casa de Madre Teresa em Daca


Daca (RV) 02/12/2017 – O último dia do Papa Francisco em Bangladesh começou com uma celebração privada na Nunciatura Apostólica de Daca, de onde se despediu antes da visita privada à “Casa Madre Teresa”, no Bairro Tejgaon, distante 8 km.

O Papa foi acolhido no local por Dom Paul Ponen Kubi,  Bispo de Mymensingh, encarregado pela Pastoral Social  (ordenado sacerdote por São João Paulo II em 19 de novembro de 1989), pela Superiora da Casa e pela Superiora Regional, que o acompanharam até as duas salas onde estavam reunidas algumas crianças e idosos assistidos pelas estruturas da Congregação, enquanto um coral de crianças entoava cânticos no pátio.

Ao final do encontro, o Papa entregou um dom à Casa.





Missionárias da Caridade em Daca

A “Casa de Madre Teresa”, inaugurada em 1976, é a menor entre aquelas que as Irmãs Missionárias da Caridade administram em Daca e sempre a escolhida por Madre Teresa para residir durante sua permanência na cidade.

A Casa localiza-se no Bairro de Tejgaon, e surge no complexo paroquial da “Holy Rosary Church”, que engloba também a antiga igreja portuguesa.

Atualmente, ela proporciona cuidados e assistência a milhares de órfãos e de pessoas afetadas por problemas mentais e físicos.

Em Daca, além da “Casa da Compaixão”, as Missionárias da Caridade atuam também no Bairro de Islampur, por meio do Centro “Shishu Bhavan”, ou seja, “Casa das Crianças”.

Construído nos anos 70, o Centro se ocupa prevalentemente da acolhida de jovens mães, chamadas de “biranganas” (“heroínas”), mulheres que ficaram grávidas após as violências cometidas por soldados paquistaneses durante a guerra de independência do país.

Graças à ação das Missionárias da Caridade, muitas crianças nascidas no Centro encontraram famílias adotivas na Europa, América do Norte e Austrália.




Papa Francisco encontra com 18 refugiados rohingya e pede perdão pela indiferença do mundo


Vaticano, 01 Dez. 17 / 01:00 pm (ACI).- O Papa Francisco falou com um grupo de 18 refugiados "rohingya" e pediu perdão pela indiferença do mundo ante o drama desta população.

O Santo Padre saudou cada refugiado muçulmano proveniente do Estado de Rakhine, em Myanmar (antiga Birmânia), que vivem no campo de refugiados de Cox Bazar. E pela primeira vez, durante a sua viagem apostólica a Mianmar e Bangladesh, usou o termo "Rohingya" para referir-se a eles.

A saudação aconteceu durante o Encontro Inter-religioso e Ecumênico pela Paz, realizado no jardim da Arquidiocese de Daca, no qual participaram representantes da comunidade muçulmana, hinduísta, budista, anglicana e católica.

O Santo Padre mostrou em numerosas ocasiões a sua solidariedade com os muçulmanos do Estado de Rakhine, com os "Rohingya", expulsos de suas casas e perseguidos pelas autoridades militares birmanesas desde o ultimo mês de agosto. As Nações Unidas calculam que cerca de 582 mil se refugiaram em Bangladesh, para fugir da limpeza étnica que sofrem em Mianmar, seu país de origem.

Desejo de paz entre as religiões

Antes da saudação aos muçulmanos do Estado de Rakhine, o Bispo de Roma falou com os líderes das diferentes religiões presentes em Bangladesh. O encontro inter-religioso e ecumênico foi acompanhado por várias danças e cantos tradicionais.

Em seu discurso aos líderes religiosos de Bangladesh, o Pontífice destacou: “Estamos reunidos para aprofundar a nossa amizade e para expressar o desejo comum do dom de uma paz genuína e duradoura”.

Francisco, que chegou ao local do encontro em um transporte tradicional de Bangladesh, mencionou “o desejo de harmonia, fraternidade e paz encarnado nos ensinamentos das religiões do mundo”.

Além disso, desejo “que o nosso encontro desta tarde seja um sinal claro dos esforços empreendidos pelos líderes e seguidores das religiões presentes neste país para viverem juntos no respeito mútuo e na boa vontade”.

“Que este compromisso, em Bangladesh, onde o direito à liberdade religiosa é um princípio fundamental, seja um apelo respeitoso, mas firme, a quem procura fomentar divisão, ódio e violência em nome da religião”, sublinhou.

Do mesmo modo, pediu a colaboração “na formação duma cultura do encontro, diálogo e colaboração ao serviço da família humana. Isto requer mais do que simples tolerância; estimula-nos a estender a mão ao outro numa atitude de mútua confiança e compreensão”.

Em seguida, o Santo Padre pediu “construir uma unidade que considere a diversidade, não como ameaça, mas como potencial fonte de enriquecimento e crescimento”.

Em seu discurso, o Papa explicou o que significa uma “abertura do coração”, necessária para promover a cultura do encontro. Sublinhou que essa abertura do coração é uma porta que “não um mero intercâmbio de ideias, mas um diálogo de vida”.

“Requer boa vontade e acolhimento, mas não deve ser confundida com a indiferença ou a hesitação em expressar as nossas convicções mais profundas. Comprometer-se frutuosamente com o outro significa partilhar as nossas diferentes identidades religiosas e culturais, mas sempre com humildade, honestidade e respeito”, assinalou.

“É semelhante também a uma escada que alcança o Absoluto. Ao lembrar esta dimensão transcendente da nossa atividade, damo-nos conta da necessidade de purificar os nossos corações, para podermos ver todas as coisas na sua verdadeira perspectiva”.

“Passo a passo, nossa visão se tornará mais clara a nossa visão e receberemos a força para perseverar no compromisso de compreender e valorizar os outros e o seu ponto de vista. Assim, encontraremos a sabedoria e a força necessárias para estender a todos a mão da amizade”.

Finalmente, o Pontífice também identificou essa abertura do coração com um caminho “que leva à busca de bondade, justiça e solidariedade. Induz a procurar o bem do nosso próximo”.

“As várias comunidades religiosas do Bangladesh abraçaram de modo particular este caminho no compromisso pelo cuidado da terra, nossa casa comum, e na resposta aos desastres naturais que afligiram a nação nos últimos anos”.

O Papa Francisco concluiu o seu discurso dizendo: “Quanto necessita o nosso mundo que este coração bata com força, para contrastar o vírus da corrupção política, as ideologias religiosas destrutivas, a tentação de fechar os olhos às necessidades dos pobres, dos refugiados, das minorias perseguidas e dos mais vulneráveis”.

Fonte: ACI digital



sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Daca: Papa Francisco pede a fiéis para evangelizarem com o testemunho


Daca (RV) 01/12/2017 - Após o encontro na sede da Nunciatura Apostólica de Daca com a Primeira Ministra de Bangladesh, Sra. Shekh Hasina, o Papa Francisco transferiu-se para Ramma, distante 10 km, sede do Arcebispado.

O Arcebispado de Daca é um complexo que inclui a Catedral, a Casa para Sacerdotes idosos e o Seminário e a residência do Arcebispo.

O Cardeal Patrick D’Rozario, Arcebispo de Daca, acolheu o Papa no pátio, acompanhando-o até a Catedral.

No caminho, Francisco abençoou as placas comemorativas das 3 visitas papais a Daca: Paulo VI, em 27 de novembro de 1970 – quando Bangladesh ainda fazia parte do Paquistão; São João Paulo II, em 19 de novembro de 1986 e agora Francisco.

O Papa também abençoou dois novos prédios que serão destinados aos idosos e sacerdotes e saudou 20 membros do Comitê organizador da viagem.

Ao chegarem à Catedral, construída em 1956 na região central de Daca, o Papa e o Cardeal foram acolhidos pelo Pároco, por um sacerdote e por uma religiosa.

No templo, estavam presentes 700 fiéis e benfeitores.

Evangelizar com o testemunho

“Ai de mim se não evangelizar!”. Com esta frase do Apóstolo dos Gentios, o Papa Francisco dirigiu-se em espanhol aos presentes – líderanças cristãs, leigos que se dedicam ao Reino de Deus –  dizendo que devemos viver o Evangelho “como uma graça, como um tesouro, e o recebemos gratuitamente”.

“Temos que pedir ao Senhor que nos dê a graça de sentir a mesma coisa que sentia Paulo, exortou Francisco. Sentir este fogo, esta ânsia no coração para evangelizar”.

“Não se trata de fazer proselitismo – advertiu – não! A Igreja, Reino de Deus, não cresce com proselitismo, cresce com testemunho. Trata-se de mostrar com a palavra e a vida o tesouro que nos foi dado. Isso é evangelizar. Eu vivo isto, vivo esta palavra, e que os outros vejam isto, porém, não fazer proselitismo”.

“Atrevo-me a pedir a vocês um favor – disse Francisco: custodiem o tesouro que Deus nos deu no Evangelho, e a melhor maneira de custodiá-lo é a graça de Deus. Por isto peço a vocês que rezem muito, rezem muito para que venha esta graça e ajude a cuidar do tesouro”.

Recebemos de graça este tesouro e devemos dá-lo aos demais gratuitamente, disse o Papa ao concluir, convidando todos para rezarem juntos a oração do Pai Nosso.

Ao final, concedeu a todos a Bênçao Apostólica, pedindo: “não esqueçam de rezar por mim”.

Após uma oração silenciosa na Capela do Santíssimo, o Papa rezou no túmulo dos três precedentes Ordinários de Daca, sepultados no lado externo da Catedral.

Após, teve o encontro com os 10 bispos de Bangladesh.

Fonte: Radio Vaticano



Homilia do Papa Francisco na Missa de ordenação de 16 sacerdotes em Bangladesh


Daca, 01 Dez. 17 / 08:30 am (ACI).- No segundo dia da sua visita a Bangladesh, o Papa Francisco celebrou uma Missa na manhã de hoje em Daca, na qual ordenou 16 novos sacerdotes, e os incentivou a ser coerentes com o Evangelho, acreditarem no que leem, ensinarem o que eles acreditam e praticarem o que ensinam.

A seguir, confira o texto completo da homilia do Santo Padre:


Queridos irmãos

Irmãos caríssimos!

No momento em que estes nossos filhos, que são familiares e amigos vossos, vão entrar na Ordem dos presbíteros, ponderai com atenção o grau do ministério a que eles são elevados.

É certo que todo o povo santo de Deus se torna, em Cristo, um sacerdócio real. No entanto, o nosso grande Sacerdote, Jesus Cristo, escolheu alguns discípulos para desempenharem na Igreja, em seu nome, o ministério sacerdotal em favor dos homens.

Enviado pelo Pai, Ele mesmo enviou os Apóstolos por todo o mundo a fim de continuar, por meio deles e dos Bispos que lhes haviam de suceder, a sua missão de Mestre, Sacerdote e Pastor. Ora os presbíteros são constituídos cooperadores dos Bispos e, associados a eles na missão sacerdotal, são chamados ao serviço do povo de Deus.

Estes irmãos, depois de séria e prolongada reflexão, vão ser ordenados para o sacerdócio na Ordem dos presbíteros, para servirem a Cristo, Mestre, Sacerdote e Pastor, por cujo ministério o seu Corpo, que é a Igreja, cresce e se edifica como templo santo e povo de Deus.

Vós, queridos filhos, que ides entrar na Ordem dos presbíteros, exercereis, no que vos compete, o sagrado múnus de ensinar em nome de Cristo, nosso Mestre. Distribuí a todos a palavra de Deus que vós mesmos recebestes com alegria. Meditando na lei do Senhor, procurai crer o que ledes, ensinar o que credes e viver o que ensinais. Seja o vosso ensino alimento para o povo de Deus, e o vosso viver motivo de alegria para os fiéis de Cristo, para edificardes, pela palavra e pelo exemplo, a casa que é a Igreja de Deus.

Exercereis também, em Cristo, o múnus de santificar. Pelo vosso ministério se realiza plenamente o sacrifício espiritual dos fiéis, unido ao sacrifício de Cristo, que, juntamente com eles, é oferecido pelas vossas mãos sobre o altar, de modo sacramental, na celebração dos santos mistérios.

Tomai, pois, consciência do que fazeis, imitai o que realizais. Celebrando o mistério da morte e da ressurreição do Senhor, esforçai-vos por fazer morrer em vós todo o mal e por caminhar na vida nova.

Ao fazer entrar os homens no povo de Deus pelo Batismo, ao perdoar os pecados em nome de Cristo e da Igreja no sacramento da Penitência, ao aliviar os enfermos com o óleo santo, ao celebrar os ritos sagrados, ao oferecer, nas horas do dia, o louvor com ações de graças e súplicas, não só pelo povo de Deus mas também por todo o mundo, lembrai-vos de que fostes assumidos de entre os homens e postos ao serviço dos homens nas coisas que são de Deus. Realizai, pois, com verdadeira caridade e alegria constante, o ministério de Cristo Sacerdote, não procurando os vossos interesses, mas sim os de Jesus Cristo.

Finalmente, ao exercer, na parte que vos compete, o ministério de Cristo, Cabeça do Corpo da Igreja e Pastor do seu povo, procurai, filhos caríssimos, unidos e atentos ao Bispo, congregar os fiéis numa só família, a fim de poderdes conduzi-los a Deus Pai, por Cristo, no Espírito Santo.

Trazei sempre diante de vós o exemplo do Bom Pastor que veio não para ser servido mas para servir e para buscar e salvar o que estava perdido.


Fonte: ACI digital



Oração: Hoje é o Dia Mundial de Luta Contra a Aids, rezemos por todos os que sofrem com a doença


REDAÇÃO CENTRAL, 01 Dez. 17 / 04:00 am (ACI).- Neste dia 1º de dezembro é celebrado o Dia Mundial de Luta Contra a Aids, uma doença que continua matando muitas pessoas. A Igreja Católica é a instituição que mais se preocupa pelas vítimas, atendendo um de cada quatro doentes no mundo inteiro.

Segundo o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o HIV/Aids (UNAIDS, em inglês), em 2014, 36.9 milhões de pessoas viviam com o HIV, ou seja, seres humanos que têm o vírus, mas que ainda não desenvolveram a doenças e para os quais é importante o uso dos antirretrovirais.

Em junho de 2015, apenas 15.8 milhões tinham acesso ao tratamento antirretroviral e mais de 50 por cento não podiam acessar ao mesmo, entre eles aproximadamente 1.8 milhões eram crianças.

Deste modo, somente em 2014, “aproximadamente 2 milhões de pessoas foram infectadas pelo HIV e 1.2 milhões de pessoas morreram com doenças relacionadas a Aids”, indicou UNAIDS.

Um dado preocupante divulgado pelos peritos é que a quantidade de pessoas que não sabem que estão infectadas ultrapassa os 17.1 milhões.

Ao contrário de muitos organismos e instituições que propõem métodos anticoncepcionais, como o uso do preservativo (camisinha) para impedir o Aids, a Igreja destaca que a fidelidade dos esposos e a castidade até o matrimônio é a forma mais segura para evitar todo tipo de doença de transmissão sexual.

São João Paulo II, por motivo da Jornada Mundial do Doente em 2005, enviou uma mensagem ao mundo e recordou que para combater a Aids de forma responsável “é preciso aumentar sua prevenção mediante a educação no respeito ao valor sagrado da vida e a formação na prática correta da sexualidade”.

“Com efeito, se são muitas as infecções por contágio através do sangue, especialmente durante a gestação, infecções que devem ser combatidas com todos os meios, muito mais numerosas são as que se contraem por via sexual e que podem ser evitadas, sobretudo, mediante um comportamento responsável e a observância da virtude da castidade”, enfatizou.

Até 2010, do total de pessoas infectadas no mundo com o HIV/Aids, aproximadamente 25% era atendida por alguma instituição da Igreja Católica. Esta percentagem aumentava no caso da África, onde a Igreja cuidava de aproximadamente 50% dos afetados por este flagelo.

Nos últimos anos, com o impulso do Papa Francisco, esta ajuda caridosa e de amor ao próximo aumentou, o que converte a Igreja em uma das instituições mais importantes a nível mundial neste tema.

Por isso, neste dia especial de luta contra a Aids, unidos a milhares de cristãos, propomos a seguinte oração para que Deus dê fortaleza àqueles que sofrem desta doença.

Oração pelos doentes de Aids

Deus nosso Pai, escuta nossa oração por aqueles que são vítimas da Aids, aqueles que estão em perigo de morte. Concede-lhes o conforto de tua presença, faze com que eles procurem tua face, e encontrem a força em ti que és a fonte da vida. Senhor Jesus, escuta nossa oração por aqueles que acabaram de descobrir que estão contaminados pelo vírus HIV, mas que ainda não estão doentes. Recorda-lhes que eles têm ainda uma vida diante de si: faze com que eles encontrem em Ti a Vida, o Caminho e a Verdade. Espírito Santo de Deus, escuta nossas orações por aqueles que cuidam das pessoas doentes da Aids. Concede-lhes a certeza da presença do Pai e do amor de Jesus. Concede-lhes teu conforto, dá-lhes tua paz. Pai, nós te pedimos que todos nós escutemos teu apelo nestas circunstâncias, um apelo a ajudar os outros. Nós te pedimos que todos façam penitência de suas imoralidades e modelem suas vidas sobre os conselhos que nos dá a tua Palavra. Ajuda-nos a fim de que possamos viver de maneira responsável, pensando não unicamente em nós mesmos, mas também naqueles que estão ao nosso redor. Nós te pedimos pelos cientistas e médicos que trabalham na pesquisa em busca de um remédio para combater a Aids. Nós te pedimos por tua Igreja. Guia-nos a fim de que possamos dar teu conforto àqueles que necessitam de ser apoiados. Cumula nossos corações de tua compaixão para que os contaminados pela Aids tenham a certeza de que a Igreja os ajudará. Guia-nos a fim de que saibamos como ajudar aqueles que necessitam. Isso nós te pedimos porque tua misericórdia por nós é imensa.

Senhor da misericórdia, escuta nossa oração. Amém.

Fonte: ACI digital



Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana/Devoção e Fé