domingo, 28 de maio de 2017

Dia Mundial das Comunicações Sociais: comunicar esperança e confiança (28 de maio)


51° Dia Mundial das Comunicações Sociais

Cidade do Vaticano (RV) 28/05/2017 - Celebra-se neste domingo (28/5), solenidade da Ascensão do Senhor, o 51º Dia Mundial das Comunicações Sociais.

O tema da mensagem do Papa para este dia “Não tenhas medo, que Eu estou contigo. Comunicar esperança e confiança no nosso tempo” foi divulgado no dia litúrgico de São Francisco de Sales, patrono dos escritores e jornalistas, celebrado em 24 de janeiro.

Com este tema, Francisco propõe um estilo “aberto e criativo” para comunicar a esperança. Por isso, encoraja todos os que trabalham neste campo a comunicar de modo construtivo, rejeitando preconceitos e promovendo uma cultura do encontro.

Com efeito, em sua mensagem, o Santo Padre ressalta: “ O protagonista da notícia não pode ser o mal – que nos leva à apatia, ao desespero e a anestesiar a consciência –, mas a solução dos problemas, com um estilo aberto e criativo”.

“Em um sistema de comunicação, - frisa o Papa - onde vigora a lógica de que uma notícia boa não desperta a atenção e, por conseguinte, não se torna notícia, e onde o drama do sofrimento e o mistério do mal facilmente se tornam espetáculo, somos tentados a anestesiar a consciência ou a cair no desespero”.

A realidade não tem um significado unívoco - afirma o Papa -; tudo depende do modo com que a encaramos. Portanto, o ponto de partida ideal, para se encarar a realidade, é a “Boa Nova por excelência”, ou seja, o Evangelho de Jesus Cristo.

Esta boa notícia, - diz por fim Francisco – comporta sofrimento, porque o sofrimento é vivido num quadro mais amplo, como parte integrante do amor de Cristo ao Pai e à humanidade.

Em Cristo, - concluiu o Pontífice - Deus se fez solidário com toda a situação humana, revelando que não estamos sozinhos, porque temos um Pai que nunca esquece seus filhos. (MT)

Fonte: Radio Vaticano



Papa Francisco: Ascensão do Senhor, continuação da missão por parte da Igreja


Cidade do Vaticano (RV) 28/05/2017 - O Papa Francisco rezou a oração do Regina Coeli, neste domingo (28/05), com os fiéis e peregrinos na Praça São Pedro.

Na alocução que precedeu a oração, o Pontífice recordou a Ascensão do Senhor, celebrada neste domingo, quarenta dias depois da Páscoa.

“Os versículos que concluem o Evangelho de Mateus nos apresentam o momento da despedida definitiva do Ressuscitado aos seus discípulos. O cenário é o da Galileia, lugar onde Jesus os chamou para segui-lo e para formar o primeiro núcleo de sua comunidade nova. Agora, aqueles discípulos passaram através do fogo da paixão e da ressurreição. Ao verem Jesus ressuscitado eles se prostram diante dele, alguns porém ainda duvidam. A esta comunidade amedrontada, Jesus deixa a grande tarefa de evangelizar o mundo; e concretiza esta tarefa com o mandato de ensinar e batizar em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.”

Segundo o Papa, “a Ascensão de Jesus ao céu constitui o fim da missão que o Filho recebeu do Pai e o início da continuação desta missão por parte da Igreja. A partir deste momento, do momento da Ascensão, a presença de Cristo no mundo é mediada através de seus discípulos, daqueles que acreditam Nele e o anunciam. Esta missão durará até o fim da história e contará todos os dias com a assistência do Senhor ressuscitado, que garante: "Eu estarei convosco todos os dias, até ao fim do mundo”.

“A sua presença traz fortaleza nas perseguições, conforto nas tribulações, sustento nas situações difíceis que a missão e o anúncio do Evangelho encontram. A Ascensão nos recorda esta assistência de Jesus e de seu Espírito que dá confiança e segurança ao nosso testemunho cristão no mundo. Revela-nos porque existe a Igreja: a Igreja existe para anunciar o Evangelho! Somente para isso! A alegria da Igreja é anunciar o Evangelho.”

Francisco disse ainda que “todos nós batizados somos a Igreja. Hoje, somos convidados a entender melhor que Deus nos deu a grande dignidade e responsabilidade de anunciá-lo ao mundo, de torná-lo acessível à humanidade. Esta é a nossa dignidade, esta é a maior honra de cada um de nós, batizados na Igreja!”

“Nesta festa da Ascensão, enquanto voltamos o nosso olhar para o céu, onde Cristo subiu e está sentado à direita do Pai, fortalecemos os nossos passos na terra para prosseguir com entusiasmo e coragem o nosso caminho, a nossa missão de testemunhar e viver o Evangelho em qualquer ambiente. Estamos bem conscientes de que isso não depende em primeiro lugar de nossas forças, da capacidade organizacional e recursos humanos. Somente com a luz e a força do Espírito Santo podemos efetivamente cumprir a nossa missão de fazer conhecer e experimentar cada vez aos outros o amor e a ternura de Jesus.”

O Papa pediu “à Virgem Maria para nos ajudar a contemplar os bens celestes, que o Senhor nos promete, e a nos tornar testemunhas cada vez mais críveis de sua Ressurreição, da vida verdadeira.” (MJ)

Fonte: Radio Vaticano



Igreja celebra hoje a Solenidade da Ascensão do Senhor


REDAÇÃO CENTRAL, 28 Mai. 17 / 05:00 am (ACI).- Hoje a Igreja Universal celebra a Solenidade da Ascensão do Senhor ao céu, após quarenta dias de sua ressurreição.

São João Paulo II, ao meditar sobre esta Solenidade, em sua homilia de 24 de maio de 2001, assinalou que “a contemplação cristã não nos subtrai ao compromisso histórico. O ‘céu’ da Ascensão de Jesus não quer dizer distância, mas o ocultar e a vigilância de uma presença que nunca nos abandona, até que Ele venha na glória”.

“Entretanto – continua o santo – chegou a hora exigente do testemunho para que, em nome de Cristo, ‘sejam anunciadas a todas as gentes a conversão e a remissão dos pecados’”.

Uma das passagens bíblicas que narra este episódio da vida do Senhor está no Evangelho de São Marcos 16,15-20:

“Naquele tempo: Jesus se manifestou aos onze discípulos, e disse-lhes: ‘Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura! Quem crer e for batizado será salvo. Quem não crer será condenado. Os sinais que acompanharão aqueles que crerem serão estes: expulsarão demônios em meu nome, falarão novas línguas; se pegarem em serpentes ou beberem algum veneno mortal não lhes fará mal algum; quando impuserem as mãos sobre os doentes, eles ficarão curados’. Depois de falar com os discípulos, o Senhor Jesus foi levado ao céu, e sentou-se à direita de Deus. Os discípulos então saíram e pregaram por toda parte. O Senhor os ajudava e confirmava sua palavra por meio dos sinais que a acompanhavam”.

Fonte: ACI digital



Ascensão do Senhor-7° Domingo da Páscoa (Ano A)

Jesus é o Senhor da história

Ascensão do Senhor


Evangelho de Mateus 28,16-20

16 Os onze discípulos foram para a Galiléia, ao monte que Jesus lhes tinha indicado. 17 Quando viram Jesus, ajoelharam-se diante dele. Ainda assim, alguns duvidaram. 18 Então Jesus se aproximou, e falou: «Toda a autoridade foi dada a mim no céu e sobre a terra. 19 Portanto,vão e façam com que todos os povos se tornem meus discípulos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, 20 e ensinando-os a observar tudo o que ordenei a vocês. Eis que eu estarei com vocês todos os dias, até o fim do mundo.»

Reflexão

Exaltação e Senhorio de Cristo

Quarenta dias depois da Páscoa, a Igreja celebra a Ascensão de N. Senhor. Na realidade, o que se celebra hoje é bem mais do que uma aparição na qual Jesus é elevado ao céu. É toda a realidade de sua glorificação que celebramos, aquilo que a cristologia das origens chamou o “estar sentado à direita do Pai”. Assim, a última aparição de Jesus aos apóstolos aponta para uma realidade que ultrapassa o quadro da narração. Por isso, não precisamos preocupar-nos em harmonizar o relato de Lucas em At 1,1-11 (1ª leitura) com aquele de Mt 28, 16-20 (evangelho) – aquele, situado na região de Jerusalém, este, na Galiléia.

Podem ser dois acontecimentos diferentes. O importanteé que tenham o mesmo sentido: Jesus, depois de sua ressurreição, não veio para retomar sua atividade de antes (cf. sua advertência a Maria Madalena em Jo 20, 17), nem para implantar um reino político de Deus no mundo, como muitos achavam que ele deveria ter feito (cf. At 1,6). Não. Jesus realiza-se agora numa outra dimensão, a dimensão de sua glória, de seu senhorio transcendente.

A atividade aqui na terra, ele a deixa para nós (“Sede as minhas testemunhas… até os confins da terra”; At 1,8), e nós é que devemos reiventá-la a cada momento. Na ressurreição, Jesus volta a nós, não mais “carnal”, mas em condição gloriosa, para nos animar com seu Espírito (At 1,8; Mt 16,20; cf. Jô 14,15-20, evangelho de dom. pass.)

Assim, ao celebrarmos a entrada de Jesus na glória, não celebramos uma despedida, mas um novo modo de presença; celebramos que ele é, realmente, o Emanuel, o Deus-conosco, para sempre (Mt 28,20, evangelho, cf Mt 1,23). Por isso, esse novo modo de presença é um aperitivo da realidade final: assim como ele entra na sua glória, isto é, como Senhor glorioso, assim ele voltará, para concluir o curso da História (At 1,11). Pouco importa como a gente imagina isso, o sentido é que, desde já, Jesus é o Senhor do Universo e da História (Salmo responsorial, Sl 47 [46]) e que nós, obedientes a sua palavra, colaboramos com o sentido definitivo que ele estabelece e há de julgar.

Como a encarnação e a Morte/Ressurreição, também a Glorificação de Cristo deve ser entendida como um “mistério”, isto é, uma realidade transcedente (às nossas categorias empíricas), da qual a celebração religiosa nos faz participar. Celebrando a Glorificação do Cristo, tomamos consciência de nossa própria vocação à glória, como exprime a Carta aos Efésios (que, com razão, pode ser considerada como sendo o exemplo por excelência de teologia “misterial” dentro do N.T.; 2ª leitura). Também a oração do dia fala neste sentido (cf. os prefácios próprios I e II).

Uma idéia que permeia a liturgia deste dia (como de todo o tempo pascal), e que se exprime na oração sobre as oferendas e na oração final, é que o cristão deve viver com a mente no Céu, comungando na realidade da glorificação do Cristo. Essa participação é um novo modo de presença junto ao mundo, não uma alienação, mas antes, o exercício do senhorio escatológico sobre este mundo. Viver com a mente junto ao Senhor glorioso não nos dispensa de estar com os dois pés no chão; significa encarnar, neste chão, aquele sentido da História e da existência que em Cristo foi coroado de glória.

Do livro “Liturgia Dominical”, de Johan Konings, SJ, Editora Vozes

Oração

Ó Deus todo-poderoso, a ascensão do vosso filho, já é nossa vitória. Fazei-nos exultar de alegria e fervorosa ação de graças, pois, membros de seu corpo, somos chamados na esperança a participar da sua glória. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

Fonte: http://www.franciscanos.org.br/?p=133633 (maio/2017)



sábado, 27 de maio de 2017

China: “Os comunistas têm medo de Nossa Senhora de Fátima”


Nem fotos de Nossa Senhora de Fátima são permitidas no país

Ajuda à Igreja que Sofre - Maio 26, 2017

O cardeal Joseph Zen Ze-kiun, bispo emérito de Hong Kong, foi convidado pela ACN (Ajuda à Igreja que Sofre) da Alemanha para falar no Dia dos Encontros que se realizou no santuário de peregrinação alemão de Kevelaer no dia 13 de maio. Ele conversou com Berthold Pelster (ACN Alemanha) sobre o papel da igreja católica na reconstrução da sociedade chinesa e o porquê de os comunistas terem medo de Nossa Senhora de Fátima.

ACN: Durante as últimas quatro décadas, a República Popular da China sofreu uma enorme mudança social – as reformas, especialmente as econômicas, permitiram o seu avanço para um grande poder econômico e tecnológico. Que papel a ideologia comunista ainda desempenha nesse processo hoje?

Cardeal Joseph Zen Ze-kiun: Na verdade, a liderança na China nunca levou a ideologia comunista muito a sério. Em vez disso, o comunismo chinês é uma forma de imperialismo desenfreado. A corrupção desenfreada, também dentro do partido, atesta isso. Tudo é sobre poder. A obediência absoluta à liderança estatal é a única coisa que conta. E através da abertura do setor econômico e da crescente afluência, tudo isso está piorando. A riqueza alimenta a corrupção em níveis cada vez maiores.

Observadores políticos dizem que a situação dos direitos humanos realmente se deteriorou sob o atual presidente, Xi Jinping. Que observações Vossa Eminência faz?

No início, eu tinha grandes esperanças porque o presidente tomou medidas contra a corrupção tanto no governo, quanto na sociedade. Mas, rapidamente ficou evidente que ele também estava interessado apenas no poder. As pessoas que lutam pelos direitos humanos passaram a ser reprimidas, perseguidas, humilhadas e condenadas em julgamentos de propaganda em nome do seu governo.

Pode nos dizer algo sobre o estado atual das negociações entre a liderança chinesa e a Santa Sé?

Infelizmente, pouco se sabe sobre essas conversas. Ainda há muitos outros problemas. Eu calculo que as negociações ainda levem muito tempo. Na minha opinião, a liderança do Estado não aceitará qualquer outro resultado do que a subjugação da igreja à liderança do Partido Comunista. Os bispos da igreja subterrânea, por exemplo, foram forçados a participar de cursos de formação política durante a Semana Santa e, portanto, não puderam celebrar a liturgia com os seus fiéis. O Papa Bento XVI falou da reconciliação em sua carta aos católicos da China em 2007 e para ele, isso significava em grande parte uma reconciliação espiritual. Mas muito ainda precisa ser feito!

Isso soa muito pessimista. O que Vossa Eminência espera que vai acontecer com o cristianismo na China?

Tudo depende de saber se conseguiremos viver nossa fé de forma autêntica – sem fazer muitos compromissos com o governo. Há cristãos na China que defendem corajosamente uma sociedade melhor. No entanto, muitos deles estão na prisão! Se o comunismo cair um dia, então os católicos devem estar entre aqueles que irão construir uma nova China. No entanto, isso só vai funcionar se os católicos já não desperdiçarem sua credibilidade de antemão, fazendo compromissos vazios com a liderança comunista.

Hoje em dia, nós, católicos, estamos nos lembrando das aparições de Nossa Senhora de Fátima que aconteceram exatamente há 100 anos. As mensagens de Nossa Senhora de Fátima nos advertem contra a ideologia ímpia do comunismo. Os católicos na China estão conscientes dessas mensagens?

Claro! Todos nós ouvimos falar das mensagens de Fátima. Até os comunistas! Elas os deixam muito ansiosos. Os comunistas têm medo de Nossa Senhora de Fátima! Toda a situação está se tornando ridícula: por exemplo, os comunistas nada têm contra as pessoas levarem fotos de “Maria Imaculada” ou representações da imagem milagrosa de “Maria Auxiliadora” para a China vindas do exterior. Porém, fotos de “Nossa Senhora de Fátima”, por outro lado, não são permitidas. Eles consideram os eventos em Fátima como “anticomunistas”. O que é, naturalmente, nada além da verdade!

Então a liderança chinesa faz distinções. No entanto, a veneração a Maria sob o título de “Auxiliadora” também tem um significado especial para a China: na sua festa de 24 de maio, a Igreja Católica realiza um dia de oração mundial para a Igreja na China. O Papa Bento XVI apresentou esse dia em 2007. Qual é o significado desse dia de oração?

A veneração de Nossa Senhora sob o título de “Auxiliadora” está profundamente enraizada em toda a China e tem sido assim por muito tempo. Esse título não se refere apenas à ajuda para os fiéis individuais, mas também para ajudar a igreja como um todo. O principal perigo na China hoje é o ateísmo materialista. Infelizmente, este dia de oração, que é válido para a Igreja Católica em todo o mundo, é muito pouco conhecido. Não é levado a sério o suficiente.

Fonte: Aletéia



Cardeal explica por que JMJ Panamá 2019 acontecerá em janeiro


Por Miguel Pérez Pichel

Roma, 27 Mai. 17 / 10:00 am (ACI).- O Panamá começou a abordar os preparativos para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que acontecerá em 2019, afirmou o Cardeal José Luis Lacunza, Bispo de David, e explicou por que este evento eclesial mundial acontecerá em janeiro.

Em declarações ao Grupo ACI, o Purpurado precisou que as datas da JMJ – 22 a 27 de janeiro de 2019 – foram escolhidas, pois entre os meses de dezembro e maio não chove.

“Precisávamos de uma estação seca. Realizar esse evento no Panamá em julho seria um desastre devido à chuva. No Panamá, entre dezembro e maio não chove. As primeiras chuvas do ano são a partir de abril, e de abril a novembro ou dezembro, chove todos os dias, e chove muito forte”, explicou o Cardeal.

Questionado sobre os jovens europeus que quiserem participar da JMJ e que estão se perguntando como poderão participar, pois estarão no meio do ano letivo, o Bispo de David indicou que “a mesma pergunta que os jovens da Europa fazem agora, os jovens da América fazem quando a Europa organiza esta jornada em julho, pois eles estão em pleno ano letivo”.

“A razão destas datas é climatológica”, explicou novamente. “Tinha que ser entre dezembro e maio para garantir que fosse durante a estação seca, caso contrário, não teríamos nenhuma garantia. E esse é o motivo, um motivo climático, somente por isso”.

O Purpurado também se referiu à chegada da Cruz da JMJ e do ícone de Maria Salus Populi Romani no domingo, 21 de maio, ao Panamá, o que deu um primeiro impulso à organização.

“Os comitês organizadores já estão trabalhando”, assegurou o Cardeal. “Estão se reunindo e pouco a pouco estão dando passos”. Neste sentido, assinalou que neste momento estão trabalhando para definir os lugares onde serão realizadas as atividades principais.

Na conversa, o Cardeal também comentou sobre a situação atual da Igreja no Panamá. “Acho que está bem. Acho que a presença da Igreja no Panamá no âmbito social e político é bem recebida, acolhida e escutada”.

“Sempre haverá críticos, houve e sempre haverá, não esperamos que todo o mundo concorde com o que nós pensamos, mas acreditamos que temos o direito de dizer as coisas que dizemos, e respeita-se. Repito, nem sempre é a única palavra, mas nos levam em consideração”.

Como um exemplo deste respeito da sociedade panamenha à opinião dos bispos, indica que “acabamos de lançar um comunicado na semana passada, sobre o tema da ideologia de gênero e sobre o possível casamento homossexual ou, como chamam, as uniões igualitárias”.

Atualmente, há “um movimento e houve uma proposta de inconstitucionalidade por alguns grupos. Já existem vários países que assumiram na América Latina. Nós lançamos um comunicado mostrando a posição da Igreja a respeito do tema. No Panamá estamos, como dizem, em um campo de batalha”.

Os bispos panamenhos discutirão sobre estes e outros temas com o Papa Francisco e com a Cúria Romana na visita Ad Limina a ser realizada entre os dias 5 e 10 de junho.

Fonte: ACI digital



15 frases de santos de todos os tempos sobre a Virgem Maria


REDAÇÃO CENTRAL, 27 Mai. 17 / 08:00 am (ACI).- Desde o início do cristianismo, a Igreja encontrou na Mãe de Deus um modelo a seguir, ressaltando sempre suas virtudes. A seguir, apresentamos 15 frases de santos conhecidos sobre a Virgem Maria:

1. Santo Agostinho de Hipona, Padre e Doutor da Igreja

“Maria era bem-aventurada porque antes de dar à luz o Mestre na carne, o levou no seio”.

2. Santo Agostinho de Hipona

“Maria era feliz porque ouviu a palavra de Deus e a pôs em prática; guardou mais a verdade de Cristo na sua mente do que o corpo de Cristo no seu seio”.

3. Santo Afonso Maria de Ligório, Doutor da Igreja e padroeiro dos confessores e moralistas

“Maria é aquela torre de Davi, de que fala o Espírito Santo nos sagrados Cânticos: ‘Ao redor dela se elevam fortalezas; ali se veem suspensos mil escudos e todas as armas dos valentes’ (Ct 4,4). Vós sois, portanto, Virgem Santíssima – como diz Santo Inácio Mártir – ‘um escudo inexpugnável para aqueles que andam empenhados no combate’”.

4. São Bernardo de Claraval, Doutor da Igreja e conhecido por seu amor à Virgem Maria

“Se o vento das tentações se levanta, se o escolho das tribulações se interpõe em teu caminho, olha a estrela, invoca Maria”.

5. São Bernardo, também compositor de muitas orações marianas 

“Se Ela te sustenta, não cairás; se Ela te protege, nada terás a temer; se Ela te conduz, não te cansarás, se Ela te é favorável, alcançarás o fim”. 

6. São Francisco de Assis, fundador dos Franciscanos e devoto da Virgem

“Salve ó Senhora Santa, Rainha Santíssima, Mãe de Deus, ó Maria... Em vós residiu e reside toda plenitude da graça e todo o bem”.

7. Santo Irineu, Padre da Igreja dos primeiros séculos que combateu heresias 

“O nó da desobediência de Eva foi desatado pela obediência de Maria. O que uma fez por incredulidade o desfez a outra pela fé”.

8. São Luís Maria Grignion de Montfort, autor de vários livros marianos, entre eles o “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem” 

“Sou todo teu, Maria, e tudo o que é meu te pertence”. 

9. São Luís Maria Grignion de Montfort 

“A quem Deus quer fazer muito santo, o faz muito devoto da Virgem Maria”.

10. São João Bosco, grande propagador da devoção a Maria Auxiliadora 

“Um sustentáculo grande para vós, uma arma poderosa contra as insídias do demônio, tendes na devoção à Maria Santíssima”.

11. Santa Teresa de Jesus, mística e Doutora de Igreja 

“Grande coisa é o que agrada a Nosso Senhor qualquer serviço que se faça à sua Mãe”.

12. Santa Teresa de Lisieux, Doutora da Igreja e Padroeira das missões

“Com a prática fiel das virtudes mais humildes e simples, tornaste, minha Mãe, visível a todos o caminho reto do Céu”.

13. Santa Teresa dos Andes, carmelita descalça latino-americana 

“Maria, és a Mãe do Universo. Quem não se anima ao ver-te tão pura, tão terna, tão compassiva, a revelar seus íntimos tormentos? Se é pecador, tuas carícias o enternecem. Se é teu fiel devoto, somente tua presença acende a chama viva do amor divino”. 

14. São João Paulo II, o Papa das famílias 

“Nos deste a Tua Mãe como nossa, para que nos ensine a meditar e adorar no coração. Ela, recebendo a Palavra e colocando-a em prática, fez-se a mais perfeita Mãe”.

15. São João Paulo II, o Papa peregrino

“Dai-nos vossos olhos, ó Maria, para decifrar o mistério que se esconde nos frágeis membros do Filho. Ensinai-nos a reconhecer a sua face nas crianças de toda raça e cultura”.

Fonte: ACI digital



Orando em busca de alegria com Cristo-Pe Marcelo Rossi


Boa noite irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!
Hoje (27/maio
/2017), o Padre Marcelo Rossi terminou a semana de orações com o lema: "Vamos afastar de nós toda a tristeza, na certeza de que viver em Cristo nos dá muita alegria!"
Trouxe para vocês três cartões que o Padre Marcelo colocou no facebook.
Fiquem todos na paz de Deus, um abençoado dia no Amor Ágape de Jesus e no Amor Materno de Nossa Senhora.
Adriana dos Anjos-Devoção e Fé

Mensagem do Padre Marcelo Rossi por E-mail:

VAMOS FECHANDO MAIS UMA SÉRIE DE INCRÍVEIS ORAÇÕES, NUMA SEMANA DEDICADA A SANTA RITA DE CÁSSIA, EM BUSCA DE MAIS ALEGRIA EM NOSSOS CORAÇÕES! VAMOS AFASTAR DE NÓS TODA TRISTEZA, NA CERTEZA DE QUE VIVER EM CRISTO NOS DÁ MUITA ALEGRIA! 

Hoje encerramos a semana com muito mais felicidade em nossas vidas! Com mais alegria em viver as pequenas coisas, os momentos mais simples, as ações cotidianas! Tomando o exemplo de Santa Rita de Cássia, que transformou o sofrimento em solidariedade, levando a todos a certeza de que VIVER COM JESUS É VIVER COM FELICIDADE! Santa Rita de Cássia entrou no convento sob o olhar desconfiado de algumas das irmãs. Sua superiora certa vez, mandou que regasse um pedaço de madeira seca que estava no jardim do convento. Ela deveria fazer aquilo por um ano. Rita obedeceu com paciência e amor. Depois de um ano, para a surpresa de todos, mais um milagre aconteceu: o galho se transformou numa grande e rica videira. Com esta mesma paciência e amor, vamos cultivar laços familiares, relações de amizade, uma boa relação com as pessoas e a sociedade. É triste conviver com intrigas, brigas, invejas e reclamações. Demonstre amor através de atos e palavras. Procure fugir de problemas, para isso, evite dívidas, pense no dia de amanhã e seja controlado. Estude, leia, todos estes passos, o levam para o caminho de uma vida mais tranquila e principalmente mais feliz! Seja mais grato por todas as coisas que tem e pelas pessoas que fazem parte de seu cotidiano. VAMOS AFASTAR DE NÓS TODA A TRISTEZA, NOS ALEGRANDO SEMPRE NO SENHOR JESUS!


Amados, desça sobre todos vós a bênção de Deus Todo Poderoso em Nome: Do Pai †, e do Filho †, e do Espírito Santo †. Amém! 

"O que você tem, todo mundo pode ter. Mas o que você é, ninguém pode ser."




***********************


*Facebook Padre Marcelo Rossi:

**Programa Nosso Momento de Fé com Padre Marcelo Rossi: 
Rádio Globo Am/FM (ou internet) de segunda a sábado, das 9:05 às 10:05hs 

+ Novo Momento de Fé / Sentinelas da Madrugada:   
A partir do dia 05 de junho em novo horário: De segunda à sábado  da meia noite à 01h da manhã.
Obs.: Se você não pode ouvir no horário, escute o programa gravado diariamente no site do Padre Marcelo Rossi; procure por Web Radio e clique escute (se for sua primeira vez, o site pedirá para você se cadastrar);

*Site Padre Marcelo Rossi: 




sexta-feira, 26 de maio de 2017

Conta Comigo com Dalcides, um programa para mudar a sua vida!


Boa noite irmãs e irmãos de fé. Paz e Bem!
Hoje vim falar para vocês sobre um abençoado programa na TV Rede Vida que se tornou minha companhia toda noite, é o programa "Conta Comigo" com Dalcides Biscalquin.

Se vocês ainda não conhecem, vale muito a pena dar uma conferida. Tenho certeza que vocês não se arrependerão!

É um programa que tem diálogo com telespectadores, aconselhamento de padres convidados e do próprio Dalcides, palavras do Papa, momento musical, orientação, oração e o abraço reconfortante do abençoado Dalcides. É um carinho nas madrugadas para quem sofre com insônia, depressão e todos os problemas que tiram nossa paz.

Coloquei abaixo nota do site da Rede Vida sobre os programas que o Dalcides apresenta.

SOBRE O PROGRAMA "CONTA COMIGO"

Dalcides Biscalquin é a sua melhor companhia nas madrugadas da REDEVIDA.
CONTA COMIGO, um programa – ao vivo - repleto de espiritualidade, oração, esperança e fé. Um momento especial para você que busca uma luz para iluminar os passos. Um bom aconselhamento na hora de tomar uma decisão. Afinal, quantas noites você já passou em claro, buscando alguém capaz de ouvir o seu coração, as suas angústias, os seus medos? Pode acreditar: você não está mais sozinho. Dalcides e você, Juntos Pela Vida.

Diariamente, da 0h às 2h da madrugada. E reprise das 3h às 5h da madrugada.



SOBRE O PROGRAMA "ESCOLHAS DA VIDA"

Para quem vive com pressa, que se sente aflito com as notícias do mundo. Para quem não sabe qual caminho escolher. Dalcides Biscalquin apresenta de segunda a sexta-feira o programa “Escolhas da Vida”. Um programa de reflexão, contato com o telespectador, histórias de vida, aconselhamento e espiritualidade. Um momento especial. Aqui o telespectador tem um canal aberto, para conversar com o apresentador.

De segunda a sexta às 11h15 e 16h15.


Dalcides Biscalquin 

Nascido em Piracicaba, interior de São Paulo, em 1967, Dalcides Biscalquin é mestre em Comunicação, licenciado em Filosofia e bacharel em Teologia.
Seu trabalho tem como foco o desenvolvi­mento pessoal e profissional por meio do autoconhecimento.
Devido à sua ampla experiência em serviços de coaching para pessoas e empresas, tem obtido grande êxito como palestrante.

Facebook Dalcides





"Ato de ódio insensato", diz o Papa sobre ataque contra cristãos no Egito


Cidade do Vaticano (RV) 26/05/2017 – O Papa Francisco ficou profundamente chocado pelo “bárbaro ataque” contra os coptas egípcios, que provocou mortos e feridos, vítimas de um “ato de ódio insensato”.

O Santo Padre, por meio de um telegrama enviado pelo Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin ao Presidente egípcio Al-Sisi, expressou sua profunda solidariedade a todas as pessoas atingidas por este “violento ultraje”, em modo particular “as crianças que perderam a vida”.

Assegurando sua oração às famílias enlutadas, o Pontífice confirma sua “contínua intercessão pela paz e a reconciliação em todas as nações”.

Vítimas

O balanço oficial das vítimas é de 28 mortos - entre os quais duas crianças de 2 e 4 anos - e de 22 feridos.

O ataque contra um ônibus que levava cristãos ao Mosteiro de São Samuel, o Confessor, ocorreu esta manhã na Província de Minya, no Alto Egito. Um comando de encapuzados vestindo uniformes militares entrou no ônibus e disparou com armas automáticas contra os passageiros, enquanto um dos atacantes filmava a tragédia.

Recusa em abjurar da fé em Cristo

“No ônibus estavam também crianças. Roubaram deles dinheiro e ouro. Também pediram a eles para que renunciassem a Cristo e se tornassem muçulmanos. Caso tivessem aceitado teriam se salvado, mas os peregrinos se recusaram a abjurar sua fé e foram mortos. Colocaram pistolas em suas cabeças e na nuca e dispararam”, afirmou o Pároco da Igreja copta de São Mina em Roma, Padre Antonio Gabriel, ao comentar ao canal TG 2000 o ataque desta manhã.

Solidariedade

A condenação ao ataque veio de todo o mundo. E manifestações de solidariedade também. A Torre Eiffel permanecerá apagada em sinal de luto pelo ataque. A informação foi dada pela Prefeita de Paris, Anne Hidalgo, em sua conta twitter. União Europeia e Chefes de governo de diversos países condenaram o ataque, manifestando solidariedade aos cristãos e ao povo egípcio, e defendendo uniçao no combate ao terrorismo.

Condenação do Mundo islâmico

O Secretário Geral da Liga Árabe, Ahmed Aboul-Gheit, “condena nos termos mais fortes” o ataque contra os cristãos coptas em Minya. “A Liga Árabe – afirmou - sublinha a necessidade de uma cooperação conjunta no combate ao terrorismo”. Aboul-Gheit também manifestou total solidariedade ao cristãos egípcios.

Devido ao ataque, a Dar al Iftaa – autoridade egípcia que emite as fatwas – editos religiosos - cancelou as celebrações previstas para hoje, véspera do início do Ramadã, o mês sagrado dos muçulmanos. O Grão Mufti Shawqi Allam condenou com veemência o ataque.

O Presidente palestino Abu Mazen, estreito aliado do Presidente egípcio, também expressou sua firme condenação ao ataque.

Uma áspera condenação também foi expressa pelo porta-voz do Hamas em Gaza: “Trata-se de um crime odioso”, disse Fawzi Barhoum aos jornalistas. Os autores do atentado são “inimigos do Egito”.

Já o Irã, por meio do Ministério do Exterior Bahram Qasemi, expressou as “condolências às famílias das vítimas do ataque contra os cristãos coptas no Egito, ao povo e ao governo egípcio”, ao mesmo tempo em que expressa “uma firme condenação” ao grave atentado. (JE com Agências)

Fonte: Radio Vaticano

Ataque a ônibus no Egito mata 28 cristãos coptas Cairo 

(RV) 26/05/2017– Crianças também estão entre as vítimas do ataque perpetrado esta manhã contra um ônibus que transportava cristãos coptas ao Mosteiro de São Samuel, nas proximidades da cidade de Minya, região central do Egito.

O balanço oficial das vítimas é de 28 mortos, entre os quais duas crianças de 2 e 4 anos. Os feridos são 22.

Dinâmica do ataque

Segundo uma testemunha, um comando formado por dez terroristas mascarados vestindo uniformes militares bloqueou o ônibus. Os atacantes entraram no veículo disparando com armas automáticas, enquanto um deles filmava o massacre.

Alvos constantes

Os cristãos coptas, que representam 10% da população egípcia, são alvo constante de ataques de jihadistas. No Domingo de Ramos, kamikazes atacaram igrejas em Tanta e Alexandria provocando 45 mortes, sendo os ataques reivindicados pelo autoproclamado Estado Islâmico.

Desde a Primavera Árabe de 2011 que tirou do poder Hosni Mubarack – que tinha o apoio do Patriarca Shenouda III – os coptas passaram a viver uma tensão crescente que teve seu ápice com a subida ao poder da Irmandade Muçulmana, com o Presidente Mohamed Morsi.

Desde 2013, foram pelo menos 40 os ataques contra igrejas e agressões aos cristãos, o que provocou dezenas de mortes.
O epicentro da violência é o Egito rural, em particular a região de Minya, onde 35% da população é cristã e a presença jihadista é sempre maior.
Justamente nesta região – a 250 km do Cairo - ocorreu o ataque desta manhã.
 (Je com Agências)

Fonte: Radio Vaticano



Orando para que todos possam sentir felicidade em tudo que fizerem-Pe Marcelo Rossi


Boa noite irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!
Hoje (26/maio
/2017), o Padre Marcelo Rossi continuou a semana de orações com o lema: "Vamos afastar de nós toda a tristeza, na certeza de que viver em Cristo nos dá muita alegria!"
Trouxe para vocês três lindos cartões que o Padre Marcelo colocou no facebook.
Fiquem todos na paz de Deus, um abençoado dia no Amor Ágape de Jesus e no Amor Materno de Nossa Senhora.
Adriana dos Anjos-Devoção e Fé

Mensagem do Padre Marcelo Rossi por E-mail:

VAMOS SEGUINDO EM BUSCA DE MAIS ALEGRIA PARA NOSSAS VIDAS, NA CERTEZA DE QUE SER FELIZ DEVE SER UMA CONSTANTE EM NOSSO DIA A DIA E NÃO UM ESTÁGIO A SER ALCANÇADO. A FELICIDADE ESTÁ EM CADA AÇÃO, EM CADA RESPIRO, EM CADA SEGUNDO! ASSIM, VAMOS AFASTAR DE NÓS TODA TRISTEZA, NA CERTEZA DE QUE VIVER EM CRISTO NOS DÁ MUITA ALEGRIA! 

Vamos continuar colocando nossa Fé em ação para que a felicidade não seja algo a ser conquistado, seja algo corriqueiro, algo que faça parte de nós! Que todos possam sentir felicidade em tudo que fizerem, porque VIVER COM JESUS É VIVER COM FELICIDADE! 
Absorvendo a cada dia a alegria de estar com Jesus dentro de nós, seguimos estudando um pouco mais sobre Santa Rita de Cássia. Nos últimos dias aprendemos que Santa Rita gostaria de entregar sua vida a religião desde muito nova, mas seus pais a casaram com um homem rude e de difícil temperamento. Com muito amor e paciência, conseguiu convertê-lo e o fez entender a magnitude do amor de Cristo em nossas vidas. Porém, como havia feito muitos inimigos, foi assassinado. Perdeu posteriormente seus dois filhos para a peste e ao se ver novamente sozinha, lembrava do chamado de Deus e seu desejo de viver para Jesus voltou à tona. Entrou para o convento depois de muita insistência. Santa Rita pedia a Jesus que pudesse sentir um pouco das dores que ele sentiu na sua crucificação. Até que um dos espinhos da coroa de Jesus feriu sua cabeça, gerando uma grande ferida, que lhe causou dores por 15 anos. Ela fazia longos períodos de oração, isolamento e jejum, sempre demonstrando respeito e entendimento às vontades de Deus! Por isso como Santa Rita, vamos orar incessantemente, pedindo que Jesus nos ajude a AFASTAR DE NÓS TODA TRISTEZA, NOS ALEGRANDO SEMPRE NO SENHOR!


Amados, desça sobre todos vós a bênção de Deus Todo Poderoso em Nome: Do Pai †, e do Filho †, e do Espírito Santo †. Amém! 

"Que seu dia seja igual a vontade de Deus: bom, perfeito e agradável."




***********************


*Facebook Padre Marcelo Rossi:

**Programa Nosso Momento de Fé com Padre Marcelo Rossi: 
Rádio Globo Am/FM (ou internet) de segunda a sábado, das 9:05 às 10:05hs 

+ Novo Momento de Fé / Sentinelas da Madrugada:   
A partir do dia 05 de junho em novo horário: De segunda à sábado  da meia noite à 01h da manhã.
Obs.: Se você não pode ouvir no horário, escute o programa gravado diariamente no site do Padre Marcelo Rossi; procure por Web Radio e clique escute (se for sua primeira vez, o site pedirá para você se cadastrar);

*Site Padre Marcelo Rossi: 




quinta-feira, 25 de maio de 2017

Catequese do Papa Francisco sobre a mensagem de esperança no caminho de Emaús


VATICANO, 24 Mai. 17 / 12:00 pm (ACI).- O Papa Francisco falou, durante a Audiência Geral desta quarta-feira na Praça de São Pedro, sobre a mensagem de esperança que Jesus transmitiu aos discípulos de Emaús.

Eles regressavam decepcionados para suas casas na aldeia de Emaús após a morte do Senhor na cruz, mas se encontraram com Jesus no caminho. O Senhor, ao qual os discípulos não reconheceram, começou a explica-los as escrituras e iniciou com eles uma “terapia de esperança”.

“Deus caminha conosco sempre, sempre, mesmo nos momentos mais dolorosos, também nos momentos mais feios, também nos momentos de derrota: ali está o Senhor. E esta é a nossa esperança. Caminhamos adiante com esta esperança ! Porque Ele está conosco e caminha conosco, sempre!”.

A seguir, o texto completo da catequese do Papa Francisco:

Caros irmãos e irmãs, bom dia!

Hoje gostaria de me deter sobre a experiência dos dois discípulos de Emaús, dos quais fala o Evangelho de Lucas (cfr. 24,13-35). Imaginemos a cena: dois homens caminham decepcionados, tristes, convencidos a deixar pra traz a amargura de uma situação que não acabou bem.

Antes daquela Páscoa eram cheios de entusiasmo: convencidos de que aqueles dias seriam decisivos para aquilo que aguardavam e para a esperança de todo o povo. Jesus, a quem tinham confiado a sua vida, parecia ter chegado a batalha decisiva: agora teria mostrado a sua potência, após um longo período de preparação e escondimento. Era isso o que eles esperavam. E não foi assim.

Os dois peregrinos cultivavam uma esperança somente humana, que agora estava em pedaços. Aquela cruz erguida no Calvário era o sinal mais eloquente de um fracasso que não poderiam prever. Se verdadeiramente aquele Jesus era segundo o coração de Deus, deveriam concluir que Deus era inerme, indefeso nas mãos dos violentos, incapaz de opor resistência ao mal.

Assim, naquela manhã de domingo, estes dois foram à Jerusalém. Nos olhos têm ainda os acontecimentos da paixão, a morte de Jesus; e no ânimo o penoso angustiar-se sobre aqueles acontecimentos, durante o forçado repouso de sábado. Aquela festa de Páscoa, que deveria entoar o canto da libertação, ao invés de disso transformou-se no dia mais doloroso da vida deles.

Deixam Jerusalém para ir para outro lugar, um vilarejo tranquilo. Têm o aspecto de pessoas que querem remover uma recordação que queima. Estão, portanto, na estrada, e caminham tristes. Este cenário – a estrada – já era importante na narração evangélica; agora se tornará sempre mais importante, do momento em que se começa a contar a história da Igreja.

O encontro de Jesus com os dois discípulos parece simplesmente coincidência: se assemelha a tantos encontros que acontecem na vida. Os dois discípulos caminham pensativos e um desconhecido os alcança. É Jesus; mas os olhos deles não são capazes de reconhecê-Lo. Então Jesus começa a sua “terapia da esperança”. O que acontece nessa estrada é uma terapia da esperança. Quem a faz? Jesus.

Antes de tudo, pergunta e escuta: o nosso Deus não é um Deus invasivo. Mesmo se já conhece o motivo da desilusão daqueles dois, deixa a eles o tempo para poder medir a profundidade da própria amargura. Então surge uma confissão que é um “refrão” da existência humana: “Nós esperávamos, mas… Nós esperávamos, mas…” (v. 21). Quanta tristeza, quanta derrota, quantos fracassos existem na vida de cada pessoa ! No fundo somos todos um pouco como aqueles dois discípulos.

Quantas vezes na vida esperamos, quantas vezes nos sentimos a um passo da felicidade, e depois nos vemos desiludidos. Mas Jesus caminha com todas as pessoas que perderam a confiança que caminham com a cabeça baixa. E caminhando com eles, de modo discreto, consegue fazer retornar a esperança.

Jesus fala a eles, antes de tudo, através das Escrituras. Quem toma nas mãos o livro de Deus não encontrará histórias de heroísmo fácil, grandes campanhas de conquista. A verdadeira esperança não é nunca a pouco preço: passa sempre através das derrotas. A esperança de quem não sofre, talvez não seja nem mesmo esperança. A Deus não agrada ser amado como se amaria um condutor que leva a vitória o seu povo destruindo no sangue os seus adversários. O nosso Deus é uma luz discreta que arde no dia de frio e de vento, e mesmo que pareça frágil a sua presença neste mundo, Ele escolheu o lugar que todos desdenhamos.

Depois Jesus repete aos dois discípulos o gesto central de cada Eucaristia: toma o pão, o abençoa, o parte e o dá. Nesta série de gestos, não está contida toda a história de Jesus? E não há, em cada Eucaristia, também um sinal de que coisa deve ser a Igreja? Jesus nos toma, nos abençoa, “parte” a nossa vida – porque não há amor sem sacrifício – e oferece aos outros, a oferece a todos.

É um encontro rápido o de Jesus com os dois discípulos de Emaús. Mas nisso está todo o destino da Igreja. Nos diz que a comunidade cristã não está fechada em uma cidadela fortificada, mas caminha em seu ambiente mais vital, vale dizer, a estrada. E ali encontra as pessoas, com as suas esperanças e suas desilusões, as vezes muito pesadas. A Igreja escuta a história de todos, como emergem do baú da consciência pessoal; para depois oferecer a Palavra de Vida, o testemunho do amor, amor fiel até o fim. E então, o coração das pessoas volta a arder de esperança.

Todos nós, na nossa vida, tivemos momentos difíceis, escuros; momentos nos quais caminhávamos tristes, pensativos, sem horizontes, somente com uma parede diante. E Jesus está sempre ao nosso lado para nos dar a esperança, para aquecer o coração e dizer: Vá em frente, eu estou contigo. Vá em frente”.

O segredo da estrada que conduz a Emaús está todo aqui: mesmo diante das aparências contrárias, nós continuamos a ser amados, e Deus nunca deixará de nos amar. Deus caminhará sempre conosco, sempre, mesmo nos momentos mais dolorosos, também nos momentos mais feios, também nos momentos de derrota: ali está o Senhor. E esta é a nossa esperança. Caminhamos adiante com esta esperança ! Porque Ele está conosco e caminha conosco, sempre!

Com tradução de Canção Nova.

Fonte: ACI digital



Orando para que Jesus afaste de nós toda tristeza-Pe Marcelo Rossi


Boa tarde irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!
Hoje (25/maio
/2017), o Padre Marcelo Rossi continuou a semana de orações com o lema: "Vamos afastar de nós toda a tristeza, na certeza de que viver em Cristo nos dá muita alegria!"
Trouxe para vocês dois lindos cartões que o Padre Marcelo colocou no facebook.
Fiquem todos na paz de Deus, um abençoado dia no Amor Ágape de Jesus e no Amor Materno de Nossa Senhora.
Adriana dos Anjos-Devoção e Fé

Mensagem do Padre Marcelo Rossi por E-mail:

VAMOS SEGUINDO EM BUSCA DE MAIS ALEGRIA PARA NOSSAS VIDAS, NA CERTEZA DE QUE SER FELIZ DEVE SER UMA CONSTANTE EM NOSSO DIA A DIA E NÃO UM ESTÁGIO A SER ALCANÇADO. A FELICIDADE ESTÁ EM CADA AÇÃO, EM CADA RESPIRO, EM CADA SEGUNDO! ASSIM, VAMOS AFASTAR DE NÓS TODA TRISTEZA, NA CERTEZA DE QUE VIVER EM CRISTO NOS DÁ MUITA ALEGRIA! 
Vamos continuar colocando nossa Fé em ação para que a felicidade não seja algo a ser conquistado, seja algo corriqueiro, algo que faça parte de nós! Que todos possam sentir felicidade em tudo que fizerem, porque VIVER COM JESUS É VIVER COM FELICIDADE! 
Absorvendo a cada dia a alegria de estar com Jesus dentro de nós, seguimos estudando um pouco mais sobre Santa Rita de Cássia. Nos últimos dias aprendemos que Santa Rita gostaria de entregar sua vida a religião desde muito nova, mas seus pais a casaram com um homem rude e de difícil temperamento. Com muito amor e paciência, conseguiu convertê-lo e o fez entender a magnitude do amor de Cristo em nossas vidas. Porém, como havia feito muitos inimigos, foi assassinado. Perdeu posteriormente seus dois filhos para a peste e ao se ver novamente sozinha, lembrava do chamado de Deus e seu desejo de viver para Jesus voltou à tona. Entrou para o convento depois de muita insistência. Santa Rita pedia a Jesus que pudesse sentir um pouco das do res que ele sentiu na sua crucificação. Até que um dos espinhos da coroa de Jesus feriu sua cabeça, gerando uma grande ferida, que lhe causou dores por 15 anos. Ela fazia longos períodos de oração, isolamento e jejum, sempre demonstrando respeito e entendimento às vontades de Deus! Por isso como Santa Rita, vamos orar incessantemente, pedindo que Jesus nos ajude a AFASTAR DE NÓS TODA TRISTEZA, NOS ALEGRANDO SEMPRE NO SENHOR!


Amados, desça sobre todos vós a bênção de Deus Todo Poderoso em Nome: Do Pai †, e do Filho †, e do Espírito Santo †. Amém! 

"Só produziremos bons frutos se permanecermos em Jesus “Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós não podereis dar fruto, se não permanecerdes em mim” ( João 15, 4 )."



***********************


*Facebook Padre Marcelo Rossi:

**Programa Nosso Momento de Fé com Padre Marcelo Rossi: 
Rádio Globo Am/FM (ou internet) de segunda a sábado, das 9:05 às 10:05hs 

+ Novo Momento de Fé / Sentinelas da Madrugada:   
A partir do dia 05 de junho em novo horário: De segunda à sábado  da meia noite à 01h da manhã.
Obs.: Se você não pode ouvir no horário, escute o programa gravado diariamente no site do Padre Marcelo Rossi; procure por Web Radio e clique escute (se for sua primeira vez, o site pedirá para você se cadastrar);

*Site Padre Marcelo Rossi: 




quarta-feira, 24 de maio de 2017

Hoje é celebrada Nossa Senhora Auxiliadora, que nos sustenta em tempos difíceis (24 de maio)


Por Abel Camasca

REDAÇÃO CENTRAL, 24 Mai. 17 / 05:00 am (ACI).- “No céu, ficaremos gratamente surpreendidos ao conhecer tudo o que Maria Auxiliadora fez por nós na terra”, disse São João Bosco, grande propagador do amor a esta devoção mariana que se faz presente na Igreja e nas famílias cristãs nos momentos difíceis desde os tempos antigos.

Os cristãos dos primeiros séculos chamavam Virgem Maria com o nome de Auxiliadora. Tanto que os dois títulos lidos nos monumentos antigos do oriente são: Mãe de Deus (Theotokos) e Auxiliadora (Boetéia).

Santos como São João Crisóstomo, São Sabas e São Sofrônio a nomeavam também com esta advocação, sendo São João Damasceno o primeiro a propagar a jaculatória: “Maria Auxiliadora, rogai por nós”.

“Ó Maria, és poderosa Auxiliadora dos pobres, valente Auxiliadora contra os inimigos da fé. Auxiliadora dos exércitos para que defendam a pátria. Auxiliadora dos governantes para que nos alcancem o bem-estar. Auxiliadora do povo humilde que necessita de tua ajuda”, proclamou tempos depois São Germano.

No século XVI, o Papa São Pio V, grande devoto da Mãe de Deus, após a vitória do exército cristão sobre os muçulmanos na batalha de Lepanto, ordenou que fosse invocada Maria Auxiliadora nas ladainhas.

Na época de Napoleão, o Papa Pio VII estava preso por este imperador e o Pontífice prometeu que, se ficasse livre, decretaria uma nova festa mariana na Igreja. Napoleão caiu, o Santo Padre retornou triunfalmente a sua sede pontifícia em 24 de maio de 1814 e decretou que todos os dias 24 desse mês seria realizada em Roma a Festa de Maria Auxiliadora.

No ano seguinte, nasceu São João Bosco, a quem a Virgem apareceu em sonhos pedindo que lhe construísse um templo com o título de Auxiliadora. Foi assim que o santo iniciou dois monumentos: o físico que é a Basílica de Maria Auxiliadora de Turin e o “vivo” formado pelas Filhas de Maria Auxiliadora.

São João Bosco assegurava a seis jovens que ele e muitos fiéis obtinham grandes favores do céu com a novena de Nossa Senhora Auxiliadora e a jaculatória dada por São João Damasceno.

“Confiai tudo a Jesus eucarístico e a Maria Auxiliadora e vereis o que são milagres”, afirmava São João Bosco.

Oração à Nossa Senhora Auxiliadora 

Ó Maria, Virgem poderosa, Tu, grande e ilustre defensora da Igreja, Tu, auxílio maravilhoso dos cristãos, Tu, terrível como exército ordenado em batalha, Tu, que só destruíste toda heresia em todo o mundo: nas nossas angústias, nas nossas lutas, nas nossas aflições, defende-nos do inimigo; e na hora da morte, acolhe a nossa alma no paraíso. Amém.

Fonte: ACI digital



6 dados que talvez não conhecia sobre Nossa Senhora Auxiliadora 

Por Diego López Marina

REDAÇÃO CENTRAL, 24 Mai. 17 / 02:00 pm (ACI).- Hoje, dia 24 de maio, a Igreja comemora a Santíssima Virgem Maria sob a advocação de “Maria, Auxílio dos Cristãos”.

A seguir, confira alguns dados que talvez não conhecia sobre Nossa Senhora Auxiliadora:

1. Maria era chamada de “Auxiliadora” pelos primeiros cristãos

Os primeiros cristãos na Grécia, Egito, Antioquia, Éfeso, Alexandria e Atenas costumavam chamar a Santíssima Virgem Maria de “Auxiliadora”, em grego é “Boetéia”, e significa “a que traz auxílios vindos do céu”.

O primeiro Padre da Igreja que chamou a Virgem Maria de “Auxiliadora” foi São João Crisóstomo no ano 345 em Constantinopla. O santo disse: “Tu, Maria, é o auxilio potentíssimo de Deus”. Também foi reconhecida com este nome por Proclus no ano 476 e por Sebas de Cesária em 532.

2. Maria Auxiliadora intercedeu nas batalhas de Lepanto e Viena

Em 1572, o Papa São Pio V, depois da vitória do exército cristão sobre os turcos muçulmanos na batalha de Lepanto, ordenou celebrar no dia 7 de outubro a festa do Santo Rosário e que nas Ladainhas fosse invocada “Maria Auxílio dos cristãos”. Naquele ano, Nossa Senhora livrou prodigiosamente toda a cristandade da destruição de um exército maometano de 282 barcos e 88.000 soldados.

Em 1683, os turcos atacaram Viena durante o pontificado de Inocêncio XI. Sob o comando do rei da Polônia, João Sobieski, com um exército inferior derrotou o exército turco confiando na ajuda de Maria Auxiliadora. Pouco tempo depois, fundaram a Associação de Maria Auxiliadora, que atualmente está em mais de 60 países.

3. A festa nasceu durante a Revolução Francesa 

A história do estabelecimento da festa de Nossa Senhora Auxiliadora remete há alguns anos depois da Revolução Francesa, a qual havia realizado um grande golpe à Igreja. O Papa Pio VII foi preso no Palácio de Fontainebleau pelo imperador francês Napoleão Bonaparte e dedicou as suas orações à Maria Santíssima “Auxílio dos Cristãos”, para que protegesse a Igreja.

As preces do Papa foram ouvidas e, em 181, Napoleão assinou a sua abdicação. Em 1815, quando a Igreja tinha recuperado a sua posição e poder espiritual, o Papa instituiu a festa de Nossa Senhora Auxiliadora no dia 24 de maio, para perpetuar a memória do seu retorno a Roma depois do seu cativeiro na França.

4. A festa de Nossa Senhora Auxiliadora é celebrada na Ucrânia desde o século XI 

O nome “Auxiliadora” foi dado à Virgem Maria na Ucrânia desde 1030 por ter libertado aquela região da invasão de tribos pagãs. Desde então, a Igreja Ortodoxa nesse país celebra a festa de Nossa Senhora Auxiliadora no dia 1º de outubro.

5. Maria Auxiliadora apareceu a São João Bosco

São João Bosco foi um grande propagador do amor a esta devoção mariana, porque a própria Virgem Maria apareceu a ele em 1860 e assinalou o lugar em Turim (Itália) onde queria que fosse construído um templo em sua homenagem. Do mesmo modo, pediu para ser homenageada com o título de “Auxiliadora”. Em 1863, São João Bosco começou a construção da igreja com alguns centavos, mas com a intercessão da Santíssima Virgem Maria, em 9 de junho de 1868, apenas 5 anos depois, foi realizada a consagração do templo. O Santo costumava dizer: “Cada tijolo deste templo corresponde a um milagre da Santíssima Virgem Maria”. A partir daquele Santuário, começou a espalhar pelo mundo a devoção a Maria sob o título de Auxílio dos Cristãos.

6. Três Papas eram devotos de Nossa Senhora Auxiliadora 

O Papa São João XXIII cultivou uma especial devoção a Nossa Senhora Auxiliadora, cuja imagem tirada de um número do Boletim Salesiano, estava na parede perto da sua cama. Ele a proclamou Padroeira do Concílio com o título de Auxilium Christianorum, Auxilium Episcoporum, e em 28 de maio de 1963, gravemente doente, abençoou com profunda emoção as duas coroas destinadas ao quadro da Auxiliadora na Basílica do Sagrado Coração de Roma.

Por sua parte, São João Paulo II costumava visitar a igreja de Santo Estanislau Kostka dos Salesianos, em Cracóvia, entre os anos 1938 e 1944, e muita vez rezou na capela de Nossa Senhora Auxiliadora. Nesta igreja, no dia 3 de novembro de 1946, celebrou uma das suas primeiras missas como sacerdote.

O Papa Francisco, durante sua visita apostólica a Turim em 2015, por ocasião dos 200 anos do nascimento do fundador dos salesianos, São João Bosco, contou que durante a sua infância foi educado em um colégio salesiano e aprendeu a amar Nossa Senhora Auxiliadora: “Eu lá (em um colégio salesiano) aprendi a amar a Virgem, os salesianos me formaram na beleza, no trabalho, e acredito que este é um carisma deles, me formaram na afetividade e isso era uma característica de Dom Bosco”, assegurou.

Fonte: ACI digital



Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana/Devoção e Fé