sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Papa Francisco na Geórgia condena o extremismo e pede pela paz entre as nações

Por Alvaro de Juana

TSIBILI, 30 Set. 16 / 12:00 pm (ACI).- O primeiro ato do Papa Francisco durante a sua visita à Geórgia foi o encontro com as autoridades, a sociedade civil e o corpo diplomático do país no Palácio Presidencial da capital, Tsibili. O Santo Padre disse no seu discurso que é urgente a paz entre as nações e confissões religiosas e, por isso, a prioridade deve ser ajudar as pessoas.

“Isto revela-se muito necessário no momento histórico atual, em que não faltam também extremismos violentos que manipulam e distorcem os princípios de natureza civil e religiosa, pondo-os ao serviço de obscuros desígnios de domínio e morte”, disse durante o seu discurso.

Francisco acrescentou: “Desejo que o caminho de paz e desenvolvimento prossiga com o esforço solidário de todas as componentes da sociedade, para criar as condições de estabilidade, equidade e respeito da legalidade suscetíveis de favorecer o crescimento e aumentar as oportunidades para todos”.

Mas “este progresso autêntico e duradouro tem como indispensável condição prévia a coexistência pacífica entre todos os povos e Estados da região”.

“Isto requer que cresçam sentimentos de mútua estima e consideração, que não podem ignorar o respeito das prerrogativas soberanas de cada país no quadro do direito internacional”.

Nesse sentido, o Santo Padre manifestou que “é necessário estar ciente de que os princípios relevantes para um relacionamento équo e estável entre os Estados estão ao serviço da convivência concreta, ordenada e pacífica entre as nações”.

“Em muitos lugares da terra, em efeito, parece prevalecer uma lógica que torna difícil sustentar as legítimas diferenças e as disputas, que sempre podem surgir, em um contexto de verificação e diálogo civil onde prevaleça a razão, a moderação e a responsabilidade”.

O Pontífice afirmou que todos devem preocupar-se primeiramente “pelo ser humano na sua situação concreta e realizem, com paciência, toda e qualquer tentativa para evitar que as divergências descambem em violências, fadadas a provocar enormes ruínas para o homem e a sociedade”.

“Qualquer distinção de caráter étnico, linguístico, político ou religioso, longe de ser utilizada como pretexto para transformar as divergências em conflitos e estes em tragédias sem fim, pode e deve ser, para todos, fonte de enriquecimento recíproco em benefício do bem comum”.

“Isto exige que cada um possa fazer pleno uso das especificidades próprias, a começar pela possibilidade de viver em paz na sua terra ou de retornar a ela livremente se, por qualquer motivo, foi forçado a abandoná-la”, prosseguiu.

A respeito, o Papa expressou: “Espero que os responsáveis públicos continuem a ter a peito a situação destas pessoas, empenhando-se na busca de soluções concretas, mesmo fora das questões políticas ainda por resolver”.

Por último, recordou que “a Igreja Católica – há séculos presente neste país, distinguindo-se particularmente pelo seu empenho na promoção humana e nas obras sócio caritativas – compartilha as alegrias e preocupações do povo georgiano e deseja prestar o seu contributo para o bem-estar e a paz da nação, colaborando ativamente com as autoridades e a sociedade civil”.

Por outro lado, o Santo Padre agradeceu a Deus “pela oportunidade de visitar esta terra abençoada, local de encontro e intercâmbio vital entre culturas e civilizações, que achou no cristianismo, desde a pregação de Santa Nino no início do século IV, a sua identidade mais profunda e o fundamento seguro dos seus valores”.

Ao destacar as boas relações entre o Vaticano e a Geórgia, o Pontífice sublinhou que devido à sua posição geográfica, a Geórgia “é quase uma ponte natural entre a Europa e a Ásia, um gonzo que facilita as comunicações e as relações entre os povos, tendo possibilitado ao longo dos séculos tanto o comércio como o diálogo e a troca de ideias e experiências entre mundos diversos”.

O Papa recordou que “já se passaram vinte e cinco anos desde a proclamação da independência da Geórgia, que durante este período, recuperando a sua plena liberdade, construiu e consolidou as suas instituições democráticas e procurou os caminhos para garantir um desenvolvimento o mais possível inclusivo e autêntico”.

Fonte: ACI digital 

------------------------------------
Papa rumo à Geórgia e ao Azerbaijão

Cidade do Vaticano (Sexta-feira, 30-09-2016, Gaudium Press) - O Papa Francisco deixou o Vaticano na manhã desta sexta-feira (30/09) para realizar sua 16ª viagem apostólica internacional. Trata-se da segunda etapa de sua visita ao Cáucaso.

Depois de visitar a Armênia em junho passado, agora é a vez de Geórgia e Azerbaijão. "Acompanhem-me com suas orações para semearmos juntos paz, unidade e reconciliação", pediu o Pontífice a seus seguidores no Twitter ainda nesta manhã.

Retorno ao Cáucaso

Três meses depois da visita à Armênia, o Papa Francisco retorna ao Cáucaso neste fim de semana, de hoje, sexta-feira, 30 de setembro, até domingo, 02 de outubro.

A viagem na fronteira entre Europa e Ásia se insere no contexto do modo de visitas que Francisco moldou para o Velho Continente.
São visitas a países pequenos, ainda feridos por conflitos, onde o Papa espera encorajar percursos de reconciliação e de paz.
Países onde os católicos são um "pequeno rebanho", convivendo com outras confissões cristãs e com outras religiões.

Além disso, o Pontífice terá a oportunidade de aprofundar e tratar da questão dos refugiados vindos da Síria e do Iraque. Fará um encontro com a comunidade assírio-caldeia e com refugiados do conflito com a Federação Russa em 2008.

Georgia e Azerbaijão

Nessa sua viagem apostólica o Papa visitará dois países, a Georgia que é majoritariamente ortodoxa, e o Azerbaijão que é inteiramente povoado por muçulmanos xiitas, mas que tornou-se bastante secularizado pelo fato de que, por longo tempo, manteve estreitas ligações com o bloco comunista soviético.

Os católicos são representados por algumas centenas de fiéis no Azerbaijão. Ali, a primeira e única igreja do país só foi consagrada em 2008.

Na Georgia a situação é muito diferente: a presença católica é relevante e tem especial importância no sul do país, dentro da minoria armênia que lá reside.

Os Armênios-católicos da Geórgia teriam um número situado entre 60.000 e 180.000 fiéis. Os números tem essa flutuação de estimativa por causa da migração de muitos jovens trabalhadores que estão empregados, especialmente na Rússia, mas que retornam regularmente ao país.

Ver o Papa

No último dia 25 de junho, quando Francisco esteve na Região, as bandeiras georgianas tremularam durante a Missa celebrada pelo Papa Francisco na cidade de Gyumri, ao norte da Armênia.

Isto mostra um sinal da ligação e compromisso dos católicos armênios com o Papa, e a presença de uma comunidade armênia na região fronteiriça.

Na viagem atual, alguns terão, portanto, a oportunidade de ver o Papa por duas vezes em três meses: na Armênia e depois na Geórgia.

Mas todos eles podem ver o Papa, assistir à missa celebrada pelo Santo Padre, no sábado, em Tbilisi, em um estádio que tem capacidade para receber até 17.000 pessoas. (JSG) - Fonte: Gaudium Press



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Irmãos e irmãs de fé. Paz e Bem!
Nosso único mestre e senhor é Jesus Cristo, nossa mãe no céu a Santíssima Virgem Maria, por isso, comentários desrespeitosos e orações que não condizem com a Igreja Católica Apostólica Romana não serão publicadas.

Que Deus vos abençoe, que Nosso Senhor Jesus Cristo lhes conceda a graça da cura, da resolução dos problemas, a paz e tudo que seu coração aflito suplicar. Tenha Fé e persevere na Oração, pois o Tempo de Deus é diferente do nosso. Deixe o amor de Nosso Senhor tocar sua vida.
Que Nossa Santíssima Mãe vos cubra com o manto de amor e proteção. Amém.

Adriana dos Anjos - Devoção e Fé Blog

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana/Devoção e Fé

Pesquisar neste blog e na web

Carregando...