Papa Francisco: Mensagem e oração no Ground Zero, em Nova Iorque (25/09/15) - Devoção e Fé - Blog Católico

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Papa Francisco: Mensagem e oração no Ground Zero, em Nova Iorque (25/09/15)

NOVA IORQUE, 25 Set. 15 / 02:50 pm (ACI).- O Papa Francisco visitou o chamado Ground Zero (Marco Zero) onde ficavam as Torres Gêmeas do World Trade Center e aconteceu o atentado de 11 de setembro de 2001, que levou à morte de mais de 3 mil pessoas. A seguir, a oração e o texto completo pronunciado pelo santo Padre:

VIAGEM APOSTÓLICA DO PAPA FRANCISCO
A CUBA, AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
E VISITA À SEDE DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS
(19-28 DE SETEMBRO DE 2015)

ENCONTRO INTER-RELIGIOSO NO MEMORIAL GROUND ZERO
DISCURSO DO SANTO PADRE

Nova Iorque
Sexta-feira, 25 de Setembro de 2015


Queridos amigos, desculpa por não falar em inglês.
Vários sentimentos e emoções desperta em mim a presença aqui no Ground Zero, onde milhares de vidas foram arrancadas num ato insensato de destruição. Aqui, a dor é palpável. A água, que vemos correr para este centro vazio, lembra-nos todas aquelas vidas que estavam sob o poder daqueles que crêem que a destruição seja o único modo de resolver os conflitos. É o grito silencioso de quantos sofreram na sua carne a lógica da violência, do ódio, da vingança. Uma lógica, que só pode causar angústia, sofrimento, destruição, lágrimas. A água que desce é símbolo também das nossas lágrimas; lágrimas pela destruição de ontem, que se unem às lágrimas por tantas destruições de hoje. Este é um lugar onde choramos; choramos a angústia provocada por nos sentirmos impotentes perante a injustiça, perante o fratricídio, perante a incapacidade de resolver as nossas diferenças dialogando. Neste lugar choramos pela perda injusta e gratuita de inocentes, por não poder encontrar soluções para o bem comum. É água que nos recorda o pranto de ontem e o pranto de hoje.

Há poucos minutos, encontrei algumas famílias dos primeiros socorristas caídos em serviço. No encontro, pude constatar uma vez mais como a destruição nunca é impessoal, abstrata ou apenas de coisas; mas que antes de tudo tem um rosto e uma história, é concreta, tem nomes. Nos familiares, pode-se ver o rosto da angústia; uma angústia que nos deixa atônitos e brada ao céu.

Mas eles, por sua vez, souberam mostrar-me a outra face deste atentado, a outra face da sua angústia: o poder do amor e da recordação. Uma recordação que não nos deixa vazios. Os nomes de tantas pessoas queridas encontram-se escritos aqui, onde estavam as bases das torres; e, assim, podemos vê-los, tocá-los e nunca mais esquecê-los.

Aqui, no meio duma angústia lancinante, podemos palpar a bondade heróica de que também é capaz o ser humano, a força escondida a que sempre devemos recorrer. No momento de maior angústia, sofrimento, fostes testemunhas dos maiores atos de dedicação e de ajuda. Mãos estendidas, vidas oferecidas. Numa metrópole que pode parecer impessoal, anônima, de grandes solidões, fostes capazes de mostrar a poderosa solidariedade da ajuda mútua, do amor e do sacrifício pessoal. Naquele momento, não era uma questão de sangue, de origem, de bairro, de religião ou de opção política; era questão de solidariedade, de emergência, de fraternidade. Era questão de humanidade. Os bombeiros de Nova Iorque entraram nas torres que estavam a ruir sem dar muita atenção à sua própria vida. Muitos caíram em serviço e, com o seu sacrifício, salvaram a vida de muitos outros.

E este lugar de morte transforma-se também num lugar de vida, de vidas salvas, numa canção que nos leva a afirmar que a vida está destinada sempre a triunfar sobre os profetas da destruição, sobre a morte, que o bem prevalece sempre sobre o mal, que a reconciliação e a unidade sairão vencedores sobre o ódio e a divisão.

Neste lugar de angústia e recordação, enche-me de esperança a oportunidade de me associar aos líderes que representam as numerosas religiões que enriquecem a vida desta cidade. Espero que a nossa presença aqui seja um sinal vigoroso das nossas vontades de compartilhar e reiterar o desejo de sermos forças de reconciliação, forças de paz e justiça nesta comunidade e em todo o mundo. Apesar das diferenças, das discrepâncias, é possível viver um mundo de paz. Perante qualquer tentativa de uniformizar, é possível e necessário que nos reunamos, das diferentes línguas, culturas, religiões, para dar voz a tudo aquilo que o quer impedir. Juntos, hoje, somos convidados a dizer «não» a qualquer tentativa de uniformização e «sim» a uma diferença acolhida e reconciliada.

E, com tal finalidade, precisamos de banir os nossos sentimentos de ódio, vingança, rancor. Mas sabemos que isto só é possível como dom do Céu. Aqui, neste lugar da memória, proponho a cada um de vós que faça, à sua maneira mas juntos, um momento de silêncio e oração. Peçamos ao Céu o dom de nos comprometermos pela causa da paz. Paz nas nossas casas, nas nossas famílias, nas nossas escolas, nas nossas comunidades. Paz naqueles lugares onde a guerra parece não ter fim. Paz naqueles rostos que nada mais conheceram senão angústia. Paz neste vasto mundo que Deus nos deu como casa de todos e para todos. Somente, paz. Rezemos em silêncio.

[alguns momentos de silêncio]

Assim, a vida de nossos entes queridos não será uma vida que vai acabar no esquecimento, mas estará presente todas as vezes que lutarmos por ser profetas de reconstrução, profetas de reconciliação, profetas de paz.

A oração do Papa Francisco no encontro inter-religioso no Ground Zero

Oh Deus de amor, de compaixão e cura nos olhe,
pessoas de distintos credos e tradições religiosas,
que nos reunimos hoje aqui neste lugar sagrado,
cenário de violência e dores inexprimíveis.

Pedimos-lhe que em sua bondade dê sua luz e sua paz eternas para quem morreu aqui: os heróis que primeiro responderam, os bombeiros,
policiais, trabalhadores dos serviços de emergência,
pessoal das autoridades,
assim como todos os homens e mulheres
que foram vítimas inocentes desta tragédia
simplesmente porque seu trabalho e serviço
trouxe-lhes aqui em 11 de setembro de 2001.

Pedimos-lhe, em sua compaixão,
que traga a cura a quem por sua presença aqui há 14 anos, segue sofrendo feridas e enfermidades.

Cura também a dor das famílias que ainda estão em luto
e de todos aqueles que perderam seus seres queridos nesta tragédia.
lhes dê a fortaleza para continuar suas vidas com coragem e com esperança.

Também recordamos quem sofreu a morte,
as lesões e perdas nesse mesmo dia
no Pentágono e no Shanksville, Pennsylvania.

Nossos corações estão com eles
e nossa oração recolhe sua dor e sofrimento.
Deus da paz, envia sua paz a nosso mundo violento:
paz aos corações dos homens e das mulheres,
paz entre as nações da terra.

Converte seu amor a quem tem seus corações e mentes
consumidos pelo ódio
e que justificam os assassinatos em nome da religião.
Deus da compreensão,
ultrapassados pela magnitude desta tragédia,
pedimos sua luz e guia para superar estes fatos terríveis.

Concede àqueles cuja vida foi perdida
que possam viver para que as vidas perdidas aqui
não se tenham perdido em vão.
nos console e nos conforte,
e nos dê a sabedoria e a valentia
de trabalhar sem descanso por um mundo onde a paz verdadeira
e o amor reinem entre as nações e nos corações de todos.

Fonte: ACI digital
Fonte do discurso: Vatican.va



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana/Devoção e Fé