Um Sínodo altamente problemático - Devoção e Fé - Blog Católico

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Um Sínodo altamente problemático


Por Prof. Hermes Rodrigues Nery | Fratres in Unum.com: As apreenções em torno do Sínodo da Família se justificam. A crise é grave, gravíssima. Temem-se as falsas soluções. A pressão é muito forte por uma estratégia sutil: nada muda-se na doutrina, apenas no tom, na abordagem. Aí é que está o perigo. Não dá para esconder o desconforto, a perplexidade, a angústia dos católicos, em todo o mundo. “Ao menos um bispo perguntou sobre o que ocorreu com o conceito de pecado. A palavra ‘pecado’ aparece raramente no relatório de 5 mil palavras”, afirmou  John Travis. Religiosos e leigos sérios são procurados por fiéis sinceros e devotos autênticos, que querem entender o que está acontecendo. Muitos evitam se posicionar pois temem o “linchamento moral”, a represália que podem sofrer se alguma opinião for considerada intempestiva. Mas não são lideranças católicas leigas que começam a sair do silêncio e manifestar graves preocupações.  São cardeais da envergadura de Stanislaw Gadecki (Polônia), Wilfrid Fox Napier (África do Sul) e Raymond Burke (Estados Unidos) que reagem. E tais reações se intensificaram após a apresentação da  Relatio post disceptationem.

Não é a mídia internacional que está fazendo sensacionalismo e distorcendo os fatos, como falam aqueles que tentam encobrir o mal estar geral. São os próprios cardeais que querem evitar que as propostas apresentadas pelos alemães Walter Kasper e Reinhard Marx, com a anuência do prelado italiano Bruno Forte, sejam contempladas no documento final. E pior ainda, que sejam acatadas nas decisões que serão tomadas após as deliberações, no próximo ano. “Nada será mudado na doutrina”, enfatizam os defensores das propostas mais aggiornadas. Mas, é justamente isso que preocupa. Manter a doutrina e mudar o tom: em vez de condenar o pecado, recorrer a misericórdia como retórica quando direcionadas a pecadores não penitentes.

Que efeitos serão acarretados com a “lei da gradualidade”, “que permite colher os elementos positivos em todas as situações até agora definidas com pecadoras pela Igreja”, como destacou o Prof. Roberto de Mattei? A mudança no tom visa isso: relativizar e minimizar as conseqüências do pecado, algo que o próprio Jesus evitou, como fica evidente no episódio da mulher adúltera. Qual foi a atitude de Jesus para com a pecadora? Jesus disse: “quem não tiver pecado que atire a primeira pedra”, evitando o apedrejamento da mulher adúltera, porque estava diante de uma mulher inteiramente arrependida. E não se despediu dela sem dizer: “Vai e não tornes a pecar!”. Teve misericórdia para com a mulher pecadora, porque ela estava arrependida, e não deixou de exortá-la a não mais pecar. Esse é o exemplo deixado pelo Divino Mestre.

Sabemos que “a letra mata, o espírito vivifica”. A sã doutrina católica não é apenas um texto normativo, mas uma via propositiva, que requer ser vivida, para que a adesão ao Evangelho seja realmente testemunhada. Daí ser uma via exigente, que nos obriga a escolhas difíceis, a decisões penosas, muitas vezes, porque a liberdade justamente nos é dada para renunciar ao mal. Se a liberdade acaba sendo condescendente com o mal, a pessoa deixa de ser livre e se torna escrava das piores ilusões. Daí pode perder-se por deixar de recorrer à graça divina, atenuada que está a sua consciência do pecado, por uma misericórdia que apenas o anestesiou e não o levou à conversão. O papel de um Sínodo é, portanto, confirmar a fé, a beleza e a riqueza da sã doutrina católica, e não deixar-se seduzir por uma estratégia que coloca na sombra a realidade do pecado, e instrumentaliza a misericórdia numa postura que talvez não leve o pecador a tomar consciência do seu pecado, dificultando assim o seu verdadeiro arrependimento.

A mudança no tom, principalmente, no campo da moral familiar, acentua as apreensões existentes, quando o conceito do pecado deixa de ser devidamente ressaltado. É uma estratégia, portanto, de risco, pois pode acarretar o contrário do que se pretende, dando mais debilidade e criando mais dificuldade na vivência da fé católica. Por esse motivo o Sínodo tornou-se altamente problemático. E mais: os estudos mais recentes comprovam que forças políticas, culturais e econômicas agem (de fora, com parte do clero contagiado e conivente com a agenda globalista), pressionando o Vaticano a mudar o tom e a flexibilizar no modo como sempre se posicionou em relação aos “valores inegociáveis”. A mudança no tom é a estratégia desejada pelos que interessam descatolizar a Igreja e neutralizar resistências no processo já em curso, e também viabilizar outras mudanças mais profundas que muitos desejam há tempos empreender, e querem fazer o quanto antes, visando minar assim a sã doutrina. Daí a importância da posição tomada especialmente pelos cardeais Brandmüller, Burke, Caffarra, De Paolis e Müller, tão bem expressa no título da obra que eles recentemente publicaram e que diz tudo o que cada católico deve fazer, em meio aos tempos convulsivos em que vivemos: “Permanecer na Verdade de Cristo”.
Fonte:
http://fratresinunum.com/2014/10/18/um-sinodo-altamente-problematico
hermesnery.com.br/



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana/Devoção e Fé