Papa Francisco: Meditação na Via Sacra "Deus colocou na cruz de Cristo o peso dos pecados da humanidade"(18/04/2014) - Devoção e Fé - Blog Católico

sábado, 19 de abril de 2014

Papa Francisco: Meditação na Via Sacra "Deus colocou na cruz de Cristo o peso dos pecados da humanidade"(18/04/2014)

Papa Francisco: Meditação na Via Sacra

Papa Francisco celebrou os ritos da Sexta-Feira Santa. Primeiro, presidiu a Paixão de Cristo com o rito da Adoração da Cruz, na Basílica de São Pedro. Depois, foi ao Coliseu para liderar a Via Crúcis, em que recordou o calvário de Jesus Cristo até sua crucificação e rezou para cerca de 40 mil fiéis, pelas vítimas da crise econômica na Europa, pelas crianças e mulheres maltratadas e abusadas, e pelas vítimas de álcool e drogas.

Papa: "Na Cruz, vemos a monstruosidade do homem 
quando se deixa guiar pelo mal"

Cidade do Vaticano (RadioVaticano) – “Nosso Jesus, guia-nos da cruz à ressurreição e ensina-nos que o mal não terá a última palavra, mas o amor, a misericórdia e o perdão”: palavras pronunciadas pelo Papa Francisco ao final da Via-Sacra no Coliseu de Roma – uma meditação que não estava prevista.

Francisco evocou os sofrimentos provocados pela doença e o abandono e condenou as injustiças cometidas por "cada Caim contra o seu irmão".

Após as 14 estações, Francisco disse que Deus colocou na cruz de Cristo o peso dos pecados da humanidade, "a amargura" da traição, a "vaidade" dos prepotentes, a "arrogância dos falsos amigos".

"Era uma cruz pesada, como a noite das pessoas abandonadas, como a morte dos entes queridos", afirmou, recordando todavia que era também "uma cruz gloriosa", porque simboliza o amor de Deus, que é maior do que nossas injustiças e nossas traições.

Na cruz vemos a monstruosidade do homem quando se deixa guiar pelo mal, mas também vemos a imensidão da misericórdia de Deus, que não nos trata segundo os nossos pecados, mas segundo a sua misericórdia.

Diante da cruz de Jesus, vemos, quase tocando com as mãos, quanto somos amados eternamente por Deus – disse ainda o Pontífice, recordando que neste momento nos sentimos seus filhos e não "coisas" ou objetos.

Citando S. Gregório Nazianzeno, o Papa completou: “Nosso Jesus, guia-nos da cruz à ressurreição e ensina-nos que o mal não terá a última palavras, mas o amor, a misericórdia e o perdão. Todos juntos, recordemos os doentes, lembremos todas as pessoas abandonadas sob o peso da cruz, a fim de que encontrem na provação da cruz a força da esperança, da esperança da ressurreição e do amor de Deus".

Injustiças, precariedade, desemprego: cerca de 40 mil fiéis acompanharam, no Coliseu, a procissão com os últimos do mundo, com os “novos crucificados”. Para Francisco, cada estação da Via-Sacra corresponde a uma ferida contemporânea: o peso da crise, os imigrantes, os doentes terminais, a exploração das mulheres, mas também a experiência da prisão, da tortura, da solidão.

As meditações foram propostas pelo Arcebispo italiano de Campobasso-Boiano, Dom Giancarlo Bregantini, com o tema “Rosto de Cristo, Rosto do Homem”.

A cruz foi carregada por cardeais, operários e empresários, imigrantes, sem-teto, detentos, mulheres, doentes, crianças e idosos.

Na cruz levada por Jesus até ao calvário, escreveu Dom Bregantini, estão “o peso de todas as injustiças que produziram a crise econômica, com as suas graves consequências sociais: precariedade, desemprego, demissões, dinheiro que governa em vez de servir, especulação financeira, suicídios de empresários, corrupção e usura, juntamente com empresas que deixam os países”.

O Arcebispo pediu que se chore “pelas mulheres escravizadas pelo medo e a exploração”, mas recordou que “não basta bater no peito e sentir comiseração”. As mulheres devem “ser tranquilizadas como Ele fez, devem ser amadas como um dom inviolável para toda a humanidade”.

Numa das estações, Dom Bregantini criticou também as condenações e “acusações fáceis, os juízos superficiais entre o povo, as insinuações e os preconceitos que fecham o coração e se tornam cultura racista, de exclusão e de descarte”.

O Arcebispo recordou que Jesus ensina a viver “não mais na injustiça, mas capazes, com a Sua ajuda, de criar pontes de solidariedade e esperança".

O texto fala ainda da dor de “toda mãe por seus filhos distantes, pelos jovens condenados à morte ou que partiram para a guerra, principalmente as crianças-soldado”, pelo filhos que morrem devido a incêndios de resíduos tóxicos ou viciados em droga e álcool.

Por fim, os detidos nos cárceres, com todas as suas desumanas contradições, como a burocracia, os suicídios, a lentidão da Justiça e a superlotação. Mais grave, no entanto, é a prática da tortura. “Em cada prisão, ao lado de cada torturado, está sempre Ele, o Cristo sofredor, encarcerado e torturado.” (BF)



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Irmãos e irmãs de fé. Paz e Bem!
Nosso único mestre e senhor é Jesus Cristo, nossa mãe no céu a Santíssima Virgem Maria, por isso, comentários desrespeitosos e orações que não condizem com a Igreja Católica Apostólica Romana não serão publicadas.

Que Deus vos abençoe, que Nosso Senhor Jesus Cristo lhes conceda a graça da cura, da resolução dos problemas, a paz e tudo que seu coração aflito suplicar. Tenha Fé e persevere na Oração, pois o Tempo de Deus é diferente do nosso. Deixe o amor de Nosso Senhor tocar sua vida.
Que Nossa Santíssima Mãe vos cubra com o manto de amor e proteção. Amém.

Adriana dos Anjos - Devoção e Fé Blog

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana/Devoção e Fé