domingo, 29 de abril de 2012

Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima na Diocese de Santos


Diocese recebe Imagem peregrina de 
Nossa Senhora de Fátima 

Comemorando os 95 anos das Aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria, em Fátima-Portugal, a Catedral de Santos está organizando a Peregrinação da Imagem de Nossa Senhora de Fátima que estará na Diocese de Santos a partir do dia hoje. 

Programação da visita da Imagem Peregrina pela Diocese: 

Dia 29 de abril - 8h - chegada da Imagem na entrada da cidade Santos. 

De 30/4 a 12/5 - a Imagem permanece na Catedral Nossa Senhora do Rosário, com duas celebrações diárias:
9h - Missa Comunitária na Catedral,
e 19h - Santa Missa e trezena em Louvor a Nossa Senhora de Fátima. 

Dia 13/5 (Dia em que ocorreu a aparição) 
- Festa de Nossa Senhora de Fátima: 
9h e 12h - Missa Solene na Catedral. 
17h - Missa Campal em frente a Catedral, presidida por Dom Jacyr Francisco Braido. 
Em seguida, procissão conduzindo a Imagem até a Igreja Nossa Senhora de Fátima
(Av. N.S.de Fátima). 

Endereço: Praça Patriarca José Bonifácio, s/nº/Centro. 
Tel:(13)3232-4593 


Peregrinação pelas paróquias de Santos e Praia Grande:

13 a 15 de maio - Igreja N. Sra. de Fátima /ZN 

16 de maio - Convento Nossa Senhora do Carmo 
Endereço:Praça Barão do Rio Branco, 16/Centro.
Tel:(13)3234-5566

17 de maio - Paróquia São João Batista 
Endereço:Praça Guadalajara, s/nº/Morro da Nova Cintra.
Tel:(13)3258-6464

18 a 20 de maio - Paróquia Sagrada Família 
Endereço: Praça Dr. Bruno Barbosa, 150/Jardim Castelo.
Tel:(13)3291-1515

21 de maio - Paróquia Santa Cruz 
Endereço: Av. Senador Feijó, 444/Vila Mathias.
Tel:(13)3232-9410

22 a 24 de maio - Paróquia Rosário de Pompéia
Endereço: Praça Benedito Calixto, 1/Pompéia.
Tel:(13)3251-7191 

25 a 27 de maio - Paróquia Nossa Senhora Aparecida
Endereço: Av. Afonso Pena, 614/Aparecida.
Tel:(13)3227-4100 

28 a 29 de maio - Santuário Santo Antônio do Valongo 
Endereço: Largo Marquês de Monte Alegre 13/Valongo.
Tel:(13)3219-1481

30 a 31/5 - Liceu Santista 
Endereço: Av. Francisco Glicério, 642/José Menino. 
Tel:(13)3205-1010

1 a 3/6 - Paróquia São Paulo Apóstolo 
Endereço: Rua Dr. Gaspar Ricardo, 226/José Menino.
Tel:(13)3225-5073

4 a 5/6 - Carmelo São José 
Endereço: R. Dom Duarte Leopoldo e Silva, 50/Marapé. 
Tel:(13)3239-4052

6 a 8/6 - Nossa Senhora das Graças - Praia Grande
Endereço: Praça Roberto Andraus, 11/Cidade Ocian.
Tel:(13)3494-5242

9/6 - Igreja N. Senhora do Rosário (Centro de Santos) 
Endereço: Praça Rui Barbosa, s/nº/Centro.
Tel:(13)3219-3566

10 de junho - Catedral de Santos
Endereço: Praça Patriarca José Bonifácio, s/nº/Centro. 
Tel:(13)3232-4593 



sexta-feira, 27 de abril de 2012

Oração e Perdão - Chave para a Cura

Assim como Jesus perdoou, 
devemos também estar prontos a perdoar. 
Disse Jesus: "Mas, quando vos puserdes de pé para orar, perdoai, se tiverdes algum ressentimento contra alguém, para que também vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe os vosso pecados" (Mc 11,25).

O perdão é um ato da vontade, não de uma emoção. À medida que escolhemos perdoar  a nós mesmos e àqueles que nos fizeram mal ou àqueles que amamos, Deus vai fortalecer nossa escolha e transferi-la de nossa mente para nosso coração. O perdão a nós mesmos ou aos outros não é a admissão de que somos maus ou errados, ou de que os outros estão certos e nós errados. Não é a expressão de um julgamento, mas a avaliação honesta de que precisamos amar e ser amados, aceitar e ser aceitos incondicionalmente. Não estamos negando a responsabilidade ou a culpabilidade do pecado e do erro. Estamos apenas decidindo obedecer a Deus.
"Que o Senhor, nosso Deus, esteja convosco como esteve com nossos pais; não nos deixe, nem nos abandone, mas incline os nossos corações para ele, afim de que andemos em todos os seus caminhos, e guardemos as leis, os mandamentos e os preceitos que ele prescreveu a nossos pais" (I Rs 8,57-58).

Perdoar é amar
Ao perdoarmos, estamos amando. Isso não quer dizer que nos sentimos emocionalmente bem em relação à pessoa a quem estamos perdoando, mas que, num ato de verdadeiro amor cristão, nós perdoamos e estamos dispostos a orar por aquela pessoa. Assim Jesus, pendurado na cruz do Calvário, não se sentia bem em relação aos que O perseguiam e crucificavam, mas a eles estendeu o Seu amor através do perdão:"Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem" (Lc 23,34).

Lista de perdão
Amor e oração caminham juntos. Um emana do outro. Quando oramos por alguém, estamos agindo por amor. Quando oramos por aqueles que nos prejudicam, estamos nos abrindo para também perdoar-lhes.
Uma forma efetiva de orar por aqueles que nos têm prejudicado é manter uma "Lista de perdão" que consiste simplesmente em uma lista que contém os nomes das pessoas a quem precisamos perdoar.
Todas as vezes que rezar, ofereça essa lista ao Senhor. Talvez possa usar a imaginação e ver o Senhor atrás de cada pessoa. Diga: Senhor, eu perdôo a essas pessoas porque Tu perdoaste a todos e tens me perdoado. Tu os amas e Tu me amas. Agora eu também quero amar e perdoar a todos. Ao usar a imaginação desse modo, você estará orando diretamente ao Senhor. Traga ao Senhor, através de sua imaginação criadora, todos aqueles a quem você deseja estender o seu perdão.

Perdão-Chave para a cura
O perdão é a chave para a cura. Em todas as missas podemos experimentar uma enorme cura através do perdão. No rito penitencial, nós nos abrimos para receber o perdão do Senhor e alcançar o perdão a nós mesmos e aos outros.
Quando confessar a Deus suas fraquezas e falhas, peça que Ele lhe dê a revelação do porquê você faz as coisas que faz. Submeta-se humildemente ao poder do Espírito Santo de modo que, pela graça, você possa  ser levado ao verdadeiro arrependimento e estar pronto a aceitar o perdão do Senhor. Quando aceitar o perdão do Senhor, esteja preparado para estender esse perdão aos outros.
"Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente, toda vez que tiverdes queixa contra outrem. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai também vós" (Cl 3,13). 

Fonte: Caminhando na Luz ( Ann Ross Fitch e Pe. Paul Robert DeGrandis, S.S.J.)



quinta-feira, 26 de abril de 2012

Sereis odiados por todos, por causa do meu nome-Lucas 21,17

Todo Cristão Será Perseguido
"Sereis odiados por todos, por causa do meu nome"  
(Lc 21,17).

As pessoas "vos maltratarão e vos perseguirão"(Lc 21,12). "Sereis entregues até por vossos pais, vossos irmãos, vossos parente e vossos amigos, e matarão a muitos de vós" (Lc 21,16). "Pois, todos os que quiserem viver, piedosamente, em Jesus Cristo, terão de sofrer a perseguição" (Tm 3,12).  
Portanto, todos os cristãos serão perseguidos.
Muitos cristãos, ao ouvirem essas palavras de Jesus, demonstram dúvidas sobre se elas realmente acontecerão. No máximo, pensam eles, a perseguição será mais branda que nos tempos iniciais da Igreja e, provalvemente, não será de longa duração. Entretanto, a passagem apresentada no Evangelho é extremamente atual e verdadeira. Nunca, em dois mil anos de história, a comunidade cristã foi tão perseguida: na China, o país mais populoso do planeta, há perseguição de cristãos; em muitos países islâmicos, não há espaço para os cristãos, que ainda são considerados passíveis de perseguição, por serem julgados como "infiéis"; nos demais países em geral, onde se destacam os humanistas seculares, tão orgulhosos de sua capacidade intelectual e de sua tolerância total a tudo, inclusive às maiores perversões, os cristãos são mais severa e sutilmente perseguidos, pois nossos valores são considerados retrógrados e descabidos.
Sim, embora muitos não percebam, a perseguição aos cristãos está bem presente nestes tempos em que vivemos; e ela não é pequena. Por isso, devemos estar preparados, pois,  a qualquer momento, ela pode atingir a cada um de nós, de modo pessoal. Se alguém ainda tiver dúvidas, basta manifestar-se contrário às leis que favorecem os abortos, os casamentos "gays" e a retirada dos símbolos cristãos dos locais públicos, por exemplo, que terá a resposta. Entretanto, nada devemos temer, pois, para nós, cristãos, isso é "motivo de salvação. E é a vontade de Deus, porque a nós é dado não somente crer em Cristo, mas por Ele sofrer" (Fl 1,29).

Oração: "Pai, que eu me mantenha sempre em oração, para não cair em tentação" (Lc 22,40).
Promessa: "Quem não temerá, Senhor, e não glorificará o Vosso nome? Só Vós sois santo, e todas as nações virão prostrar-se diante de Vós" (Ap 15,4).

Fonte: Um Pão, Um Corpo -nº 63  

*****************************************

Irmão(a), se você não acredita nesta triste e atual realidade, leia algumas notícias: 
Uma aldeia no centro do Paquistão, perto de Lahore. A temperatura chega aos 40º C e as mulheres trabalham nos campos. Entre elas está Asia Bibi. 
Asia tem sede. Ela tira um balde do fundo do poço, despeja um pouco de água numa velha xícara de metal e bebe até ao fim. Enche de novo a xícara e oferece-a a outra mulher a seu lado. É nesse momento que assina a sua sentença de morte. Asia é cristã e a chávena de metal pertence às suas amigas muçulmanas. Ao mergulhar de novo a chávena no balde depois de ter bebido nela, Asia sujou a água. Depressa se começou a falar de blasfémia. Asia é condenada, sentenciada à morte. Por enforcamento. Tudo por um copo de água. Há já dois anos que Asia está na prisão, à espera de ser executada.
Visite os Sites da AIS
*Ajuda à Igreja que Sofre (Associação Católica Internacional)
 




segunda-feira, 23 de abril de 2012

23 de abril - Dia de São Jorge - Inabalável Fé em Deus

Nascimento: No século 3, na Capadócia
Morte: Em 23 de abril de 303, em Lídia, na Palestina
Protetor de: corporações militares e dos bombeiros

Nascido em uma família nobre da Capadócia, região que atualmente faz parte do território da Turquia, Jorge perdeu o pai e seguiu para a Palestina, terra natal de sua mãe. Isso teria ocorrido provavelmente no século 3. Chegando lá, engrossou as fileiras do exército do imperador Diocleciano - o sangue azul  garantiu a ele altas graduações desde o começo da carreira. Mas, quando o governante declarou  guerra aos cristãos, o jovem general renunciou à carreira militar e se opôs às crueldades cometidas contra seus companheiros de fé.

O imperador Diocleciano tinha planos de matar todos os cristãos e no dia marcado para o senado confirmar o decreto imperial, Jorge levantou-se no meio da reunião declarando-se espantado com aquela decisão, e afirmou que os romanos deviam se converter ao cristianismo. Todos ficaram atônitos ao ouvirem estas palavras de um membro da suprema corte romana, defendendo com grande ousadia a fé em Jesus Cristo. Indagado por um cônsul sobre a origem dessa ousadia, Jorge prontamente respondeu-lhe que era por causa da Verdade. O tal cônsul, não satisfeito, quis saber: "O que é a Verdade?". Jorge respondeu-lhe: "A Verdade é meu Senhor Jesus Cristo, a quem vós perseguis, e eu sou servo de meu redentor Jesus Cristo, e Nele confiando me pus no meio de vós para dar testemunho da Verdade."

O castigo não tardou a vir. O homem foi perfurado por garfos de ferro, espetado com as lanças dos soldados, queimado com rochas ardentes e colocado sob o peso de uma pedra gigante. Como seu corpo resistia bravamente, o imperador chamou um alquimista do império para que envenenasse o rebelde. Fazendo o sinal-da-cruz, Jorge tomou doses fortíssimas de veneno misturado com vinho, e ainda assim saiu ileso. Depois dessa demonstração, os soldados que antes o açoitavam e até o perplexo feiticeiro decidiram se converter ao Cristianismo. As tentativas de torturá-lo não terminaram. No dia seguinte Jorge foi colocado em uma roda com facas de dois gumes espalhadas em sua volta, mas o artefato milagrosamente se quebrou. Mesmo ao ser jogado dentro de um caldeirão cheio de chumbo derretido, o cristão sobreviveu mais uma vez.
Diocleciano decidiu mudar de tática e pediu gentilmente ao guerreiro que se convertesse ao culto de seus deuses. Jorge disse ter aceitado a proposta, mas, assim que chegou ao altar pagão, pediu ao Senhor que destruísse o templo e todos os ídolos. Foi então que um raio vindo do céu imediatamente fulminou e destruiu o lugar.

Vida Fantástica

A ira de Diocleciano aumentou quando sua esposa, Alexandrina, também decidiu abraçar a fé cristã. A ex-imperatriz foi submetida a torturas e, preocupada por não ter sido batizada, perguntou a Jorge o que fazer. Ele respondeu: "Não tema, filha. O sangue que você vai derramar servirá de batismo e será sua coroa". A única maneira encontrada pelo imperador para destruir a confiança de Jorge em Deus foi matá-lo. Antes de morrer, no entanto, ele esteve preso. Na prisão recebia visitas de cristãos e operava milagres de dentro do cárcere. O guerreiro foi condenado a ser arrastado pela cidade e teve a cabeça cortada. Ele tinha menos de 30 anos aos ser decapitado.
A pequena - fantástica - biografia de São Jorge não é amparada por dados históricos. "Do ponto de vista teológico, não importa tanto que o santo tenha existido ou não. O que vale é que ele representa uma imagem do Divino criada pelos fiéis. É impossível representar Deus, então o povo precisa de figuras concretas como os santos", afirma o cientista da religião Etienne Higuet, da Universidade Metodista de São Paulo.
O sofrimento e o martírio vividos por Jorge o transformaram em um símbolo de luta e resistência." Por isso tudo, ele é tido como poderoso de todas as lutas, por mais difíceis que seja. A oração de fechamento de corpo invoca as armas e as roupas de São Jorge como proteção plena", diz Rita Amaral, antropóloga do Núcleo de Antropologia Urbana da USP.

O martírio de São Jorge ocorreu no período final da perseguição romana aos cristão. Em 313, apenas dez anos após a data em que acredita-se que o santo guerreiro morreu, o imperador Constantino assinou o Edito de Milão, que concedeu liberdade de culto aos seus governados. Ainda no século 4, em 380, o imperador Teodósio adotou o Cristianismo como religião oficial do império. Esse era o elemento que faltava para que os cristãos começassem a propagar aos quatro ventos a fascinante história de Jorge, disseminando o culto a seu nome a partir de então.

A lenda do soldado que tinha o corpo fechado se alastrou rapidamente pelos países do Oriente Médio e da Europa Oriental. No século 5 já havia cinco igrejas em Constantinopla (atual Istambul, na Turquia) dedicadas a São Jorge. O Egito seguiu o mesmo exemplo: em poucos séculos foram erguidos quatro templos e 140 conventos dedicados ao mártir. "Ele é o santo mais famoso no Oriente", afirma o padre Ignatios Lutfi, da Igreja Ortodoxa São Jorge de Santos, no litoral paulista. "A diferença é que, como usamos o calendário juliano, comemoramos o dia dele em 6 de maio". diz. De fato, só no Brasil, país sem muita tradição ortodoxa, há 8 igrejas orientais batizadas com o nome do santo. Na Rússia ele abençoa o Exército. E um país vizinho, a Geórgia, deve seu nome ao mártir.

Realeza Fiel

A devoção na Europa Ocidental não ficou atrás. Na Inglaterra, onde a paixão por São Jorge é quase tão tradicional quanto o chá das 5, há relatos de que ele já era conhecido na ilha no século 8. Conta-se que o famoso rei Ricardo Coração de Leão era seu fiel seguidor. No século 14, o monarca Eduardo III, declarou São Jorge patrono da Inglaterra e protetor da recém-fundada Ordem da Cavalaria da Jarreteira . Tida como símbolo do santo, a cruz escarlate passou a acompanhar e proteger os cavaleiros ingleses nas batalhas. Nem mesmo a vitória do Protestantismo, que condena o culto aos santos, foi capaz de suprimir a popularidade do mártir. A Capela de São Jorge, em pleno Castelo de Windsor, residência oficial da família real, ainda permanece regularmente frequentada pelos nobres britânicos.
Ainda na Europa Ocidental, ele não parou de arrebanhar fiéis em outros países: foi declarado o protetor das cidades italianas de Veneza e Gênova. Na Alemanha, o rei Frederico III dedicou a ele uma ordem militar. As cruzadas, expedições organizadas pelos militares europeus  a partir do final do século 11, multiplicaram sua popularidade - naquele tempo os cavaleiros pediam a proteção de São Jorge nas batalhas contra os muçulmanos.
Foi também na Idade Média que a lenda sobre o espetacular resgate da donzela e a vitória contra o dragão começou a ganhar força. Esse relato de tamanha valentia tornou o santo o padroeiro natural de toda sorte de corporação militar, como os policiais e  os bombeiros. Especula-se que os restos mortais de São Jorge estejam em Lídia, onde ele teria falecido, sob um suntuoso oratório erguido por ordem do imperador Constantino. Hoje em dia, muitas igrejas na Europa declaram preservar relíquias (partes do corpo) do santo. Pouco interessados na veracidade desses fatos, os fiéis seguem pedindo a proteção de São Jorge.

Devoção no Brasil

Não é difícil imaginar como a devoção a São Jorge chegou ao Brasil: o santo é muito venerado em Portugal. "Ele tinha tudo para dar certo no Brasil. Era um guerreiro e nossa colonização tem  uma herança forte dos tempos das cruzadas, da luta do Bem contra o Mal, dos cavaleiros", diz a antropóloga da Religião Lea Freitas Perez, da Universidade Federal de Minas Gerais.
No século 19, o rei português dom João VI decretou a obrigatoriedade da sua imagem nas procissões de Corpos Christi. Se os colonizadores se identificavam com a história do santo que enfrentou o Mal, fenômeno parecido aconteceu com os escravos africanos trazidos para o Brasil. "Ao chegar aqui, eles foram proibidos de manisfestar as suas próprias crenças e se apegaram à imagem de São Jorge. Aquela idéia do lutador deu a eles uma esperança de vencer a dor e o sofrimento e um dia oltar para sua terra de origem", diz Mauro Passos, da PUC de  Minas Gerais. O guerreiro católico serviu tanto para camuflar a crença proibida quanto para inspirar, com sua história de vida, os fiéis africanos. 

Porque não foi Canonizado?
Popular como poucos santos católicos, São Jorge não chegou a ser canonizado. "Naquele tempo, no século 4, a fórmula para a aceitação da santidade estava ligada ao testemunho de fé que se dava por meio do martírio", afirma o padre Francisco Greco, da Diocese de Santos. "A partir daí, passou-se a comemorar sempre a memória dessas pessoas no dia em que morreram." Em 1969, o papa Paulo VI empreendeu uma reforma do calendário litúrgico. Daquele ano em diante, os santos cuja vida foi recheada de acontecimentos lendários, mas carente de documentação histórica, tiveram o culto declarado como opcional. A devoção facultativa, no  entanto, não significou a "cassação" do título de santo do guerreiro divino. "Ele faz parte do missal romano, o livro usado durante as missas pelos padres", afirma Francisco.

O Milagre
Em um lago grande como o mar vivia um furioso dragão. De vez em quando ele saía e, com suas baforadas, ameaçava os moradores da cidade mais próxima, Selena, na Líbia. Para manter a besta longe da vila, os habitantes lhe ofertavam, todos os dias, duas ovelhas para matar sua fome. quando os animais começaram a escassear, os moradores passaram a sortear jovens da cidade para substituir as ovelhas como refeição para a fera. Um dia chegou a vez da filha do rei. Desesperado, o monarca ofereceu toda a sua riqueza para que a herdeira não fosse sacrificada. Foi em vão, pois ele mesmo havia criado a regra que queria agora desrespeitar - e os súditos, que já haviam perdido seus filhos, não deixaram isso acontecer. No caminho rumo ao lago, a donzela encontrou um jovem cavaleiro chamado Jorge que perguntou o que estava acontecendo. Ela disse a ele que fosse embora, mas o homem se recusou. Jorge então fez o sinal-da-cruz, espetou a fera com sua lança e a levou até o centro da cidade, laçada com o cinto da moça. Ao cortar a cabeça do dragão e batizar os moradores da vila, ele mostrou que, diante de Deus, tudo é possível.

A Imagem

1-O cavalo branco, usado pelos militares, lembra que 
São Jorge era soldado.
2-A lança e a espada o ajudaram a matar o dragão, que, para muitos, representa Satanás.
3-Em muitas imagens, São Jorge aparece vestindo 
uma armadura ornamentada com uma cruz vermelha que, 
mais tarde, se tornou símbolo dele.


Oração

Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam, e nem em pensamentos eles possam me fazer mal. Armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrem sem o meu corpo tocar, cordas e correntes se arrebentem sem o meu corpo amarrar. Jesus Cristo, me proteja e me defenda com o poder de sua santa e divina graça, Virgem de Nazaré, me cubra com o seu manto sagrado e divino, protegendo-me em todas as minhas dores e aflições, e Deus, com sua divina misericórdia e grande poder, seja meu defensor contra as maldades e perseguições dos meu inimigos. Glorioso São Jorge, em nome de Deus, estenda-me o seu escudo e as suas poderosas armas, defendendo-me com a sua força e com a sua grandeza, e que debaixo das patas de seu fiel ginete meus inimigos fiquem humildes e submissos a vós. Assim seja com o poder de Deus, de Jesus e da falange do Divino Espírito Santo. São Jorge Rogai por Nós.

 Oração

Jesus adiante, paz e guia, encomenda-me a Deus e a Virgem Maria, minha mãe, e aos doze apóstolos meus irmãos. Andarei este dia e noite eu e meu corpo cercado e circulado com as armas de São Jorge. O meu corpo não será preso, nem ferido, nem meu sangue derramado; andarei tão livre , como Jesus Cristo nove meses no ventre da Virgem Maria. Amém.
Meus inimigos terão olhos e não me verão, terão boca e não me falarão, terão pés e não me alcançarão, terão mãos e não me ofenderão. Amém.


Para saber mais:
Wikipédia São Jorge

Fonte: Santos e Beatos - Revista das Religiões



sábado, 21 de abril de 2012

Sofrimentos - Fogo Purificador de Cristo

"Eu vim lançar fogo à terra" (Lc 12,49) 

Na maioria das vezes em que vemos a palavra "fogo", nós pensamos em luz, calor intenso, ou, até, em entusiasmo. Entretanto, quando a Bíblia fala em fogo, normalmente ela se refere a sofrimentos que levam à purificação (ver 1Pd 1,7). Assim, quando Jesus disse que estava vindo para lançar fogo à terra (Lc 12,49), Ele estava indicando Seu desejo de sofrer para purificar o mundo todo. E Ele o fez através do batismo em Sua paixão (Lc 12,50): uma verdadeira imersão nas chamas dos sofrimentos purificadores do Calvário.
Embora Jesus já tenha feito tudo por nós, no batismo do Calvário, Ele quer que nós compartilhemos desses Seus sofrimentos purificadores (Cl 1,24). Ele nos quer ver batizados no fogo e no Espírito Santo (Lc 3,16), pois, quando recebemos o Espírito, nós passamos pelos sofrimentos da rejeição, da dor e da perseguição, tanto por parte de nossos familiares, muitas vezes, quanto por parte do mundo, sempre (Lc 12,52). Nossos sofrimentos são parte indissociável do fogo purificador de Cristo. Por isso, eles são importantes e, por isso, nós devemos estar abertos a eles. Sabendo disso, vamos demonstrar que somos verdadeiros cristãos, orando: "Vinde, ó Espírito Santo, acendei em nós a Vossa chama e purificai, totalmente, nossos corações"

Oração: Pai, que eu seja obediente como Jesus, e busque minha purificação através dos sofrimentos (HB 5,8-9). 
Promessa: "Dobro os joelhos em presença do Pai, ao qual toda família, no céu e na terra, deve a sua existência" (Ef 3,14-15). 

Fonte: Um Pão, Um Corpo - nº 63



quinta-feira, 19 de abril de 2012

#7BXVI - Tuitaço Católico-7 Anos do Pontificado de Bento XVI


19/abril - 7 Anos de Pontificado do Papa Bento XVI

Para comemorar esta data, os blogueiros católicos estão preparando um tuitaço para celebrar os sete anos de pontificado de Bento XVI. O hashtag escolhido é #7BXVI.
Todos os católicos que estão presentes nas redes sociais estão convidados para apoiar a campanha, em especial aqueles que desenvolvem apostolado on-line ou são agentes de Pastoral da Comunicação (PASCOM). A ideia é que todos os católicos celebrem com alegria o Pontificado de Bento XVI. Seja no facebook, no twitter ou nos blogs. Replique este texto em seu blog ou perfil nas redes sociais e convide seus contatos a participar dessa comemoração. Vamos mostrar ao mundo o carinho que o Brasil católico nutre por seu pastor! [a]

Quando: 19 de abril – A partir das 16h
Onde: Twitter, Facebook, Orkut, etc.
Mote: #7BXVI – Colocar no título dos posts dos blogs para os “robôs” dos sistemas de busca captarem.

Palavras do Papa:
No domingo passado, dia anterior ao 85º aniversário natalício, Bento XVI apelou às orações dos católicos: “Na próxima quinta-feira, por ocasião do sétimo aniversário da minha eleição para a sede de Pedro, peço-vos que rezem por mim, para que o Senhor me dê a força de cumprir a missão que me foi confiada”, afirmou o Papa, em francês, perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro, para a recitação da oração do “Regina Coeli”. 

Joseph Ratzinger, que nesta segunda-feira completou 85 anos, nasceu na localidade alemã Marktl am Inn, Diocese de Passau, região da Baviera. O então cardeal Ratzinger foi eleito sucessor de João Paulo II na tarde de 19 de abril de 2005, no quarto escrutínio do conclave iniciado um dia antes, tendo escolhido o nome de Bento XVI.

“85 anos de idade e 7 de pontificado. Quando o Card. Joseph Ratzinger foi eleito Papa, já em idade avançada, muitos se perguntaram se depois de tantos anos de enfermidade do grande Predecessor, o novo pontificado seria intenso e duradouro – como era o desejo de todos – e se um teólogo que por tanto tempo dirigiu um dicastério tão doutrinal saberia assumir uma tarefa tão diferente: o governo pastoral da Igreja universal. Nestes sete anos, vimos 23 viagens internacionais a 23 países, e 26 viagens na Itália; assistimos 4 Sínodos dos Bispos e 3 Jornadas Mundiais da Juventude; lemos três Encíclicas, inúmeros discursos e atos magisteriais; participamos de um Ano Paulino e de um Ano Sacerdotal. Por fim, vimos o Papa enfrentar com coragem, humildade e determinação – ou seja, com límpido espírito evangélico – situações difíceis como a crise consequente aos abusos sexuais. Lemos ainda a sua obra “Jesus de Nazaré” e o seu livro-entrevista “Luz do mundo”. Da coerência e da constância de seus ensinamentos, aprendemos sobretudo que a prioridade de seu serviço à Igreja e à humanidade é orientar nossas vidas a Deus; que a fé e a razão se ajudam mutuamente na busca da verdade e respondem às expectativas e dúvidas de cada um de nós e de toda a humanidade; que a indiferença a Deus e o relativismo são riscos gravíssimos de nossos tempos. Somos imensamente gratos por tudo isso. E estamos ainda em caminho com ele: rumo ao Encontro Mundial das Famílias e ao Oriente Médio; rumo ao Sínodo da Nova Evangelização e ao Ano da Fé. Nas mãos de Deus, a serviço de Deus e de sua Igreja."[b] 

             http://www.radiovaticana.org/ [b]



Formas e o Conceito de Devoção

Oratório-Casa de Frei Galvão
Oratório da Casa de Frei Galvão / foto-acervo pessoal

Formas de Devoção

Ao longo dos séculos, o Espírito Santo tem suscitado na vida da Igreja diversos modos de responder à vocação comum da santidade (cf. LG 40). Diversas vezes, homens e mulheres inspirados pelo Senhor se tornaram autênticos modelos de vida, e puseram em destaque um ou outro aspecto da vida e verdade cristãs, dando início a diversas escolas de espiritualidade (cf. Catecismo da Igreja Católica, nn. 2683ss). Em outras ocasiões, o povo de Deus de uma determinada região se sentiu impelido a expressar a sua fé através de gestos, palavras e símbolos que, com o passar do tempo, se tornaram uma marca registrada de sua história religiosa, alimentando o seu amor a Deus e aos irmãos. Isto sem falar no fato de que a Sagrada Liturgia, cujo centro é a Celebração Eucarística, desde os primórdios do cristianismo também foi assumindo contornos particulares nesta ou naquela região do mundo (rito bizantino, sírio, ambrosiano etc.), mantendo um núcleo comum, mas com elementos rituais bem diversificados.
Liturgia, espiritualidade e piedade popular pretendem ser, na vida da Igreja, expressão de uma mesma fé, esperança e caridade, e, ao mesmo tempo, fomentá-las no coração das pessoas, dos grupos, das comunidades, na diversidade de formas autenticadas posteriormente pela autoridade da Igreja. Como dons do Espírito, não devem estar em conflito, mas confluir para a edificação do Corpo de Cristo, para a encarnação do Reino de Deus no "aqui e agora" (hic et nunc) da história. Abusos e desvios hão de ser discernidos e corrigidos, na certeza de que pelos frutos se conhece a árvore, e igualmente na certeza de que o Senhor deseja dos batizados muito fruto, e frutos que permaneçam.
Neste contexto é preciso resgatar o exato valor das devoções, que deverão sempre estar em processo de purificação e renovação, como de resto toda a vida eclesial, sujeita às vicissitudes dos tempos e às fraquezas humanas. O recente Diretório sobre piedade popular e liturgiaPrincípios e orientações, da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos (17/11/2001), sublinhou o "primado da liturgia" na vida cristã (n. 11), que se insere no âmbito daquilo que é "necessário" para nossa santificação. Ao mesmo tempo, porém, observa (nn. 7-10) que na vida eclesial há espaço para os "pios exercícios" (expressões públicas ou privadas de piedade cristã calcadas no espírito e na estrutura da Liturgia), para a "piedade popular" (manifestações cultuais derivadas da índole de um povo que tem fé), bem como para as "devoções"

Como entender o conceito de "devoção"? 

O Diretório assim se expressa:


"No nosso âmbito, o termo vem usado para designar as diversas práticas exteriores (por exemplo: textos de oração e canto; observância de tempos e visita a lugares particulares, insígnias, medalhas, hábitos e costumes), que, animadas por uma atitude interior de fé, manifestam um acento particular da relação do fiel com as Pessoas Divinas, ou com a Beata Virgem (...), ou com os Santos (...)" (n. 8 – destaques nossos). O documento faz referência a outros textos: Concílio de Trento (DS 1821-1825); Pio XII, Encíclica Mediator Dei; SC 104; LG 50.
Vê-se que a Igreja admite a possibilidade de expressões devocionais dirigidas ao Senhor Deus (Pai, Filho e Espírito), focalizando um aspecto particular do Seu inesgotável mistério (ad intra e ad extra); assim, p. ex., temos a devoção ao Pai eterno, à Divina Providência, ao Sangue de Cristo, ao Senhor Bom Jesus, ao "Divino" (Espírito) etc. Se autênticas, brotam de um coração filial e eclesial, uma alma repleta de amor e gratidão, na simplicidade de quem confia não na força de suas palavras, ou na sofisticação das expressões, mas na graça divina. 

À guisa de conclusão: "devoção", em seu genuíno sentido, nada tem que ver como "devocionalismo" vazio, supersticioso, desequilibrado, intimista, sectário. Há expressões exteriores de piedade que pretendem ser uma manifestação das virtudes da fé, esperança e caridade, ao mesmo tempo em que as confirmam e fortalecem. Redento M. Valabek, carmelita, ainda faz notar outra dimensão da autêntica "devoção" cristã: ela pretende indicar "o obséquio e o empenho devido em primeiro lugar a Deus", ou seja, é uma "atitude habitual/permanente em uma pessoa que, com fervor, prontidão e constância, oferece a Deus o seu serviço expresso em várias formas", chegando em algumas circunstâncias ao "sacrifício da própria vida" (Dizionario di Mistica, Libr. Editr. Vaticana, 1998, p. 408). 
Santo Tomás de Aquino, Doutor da Igreja, sublinha que um ato de devoção inclui particularmente a pronta oferta da própria vontade a Deus (cf. S. Th. II-II, q. 82).




segunda-feira, 16 de abril de 2012

Aborto: Direito a Vida Sem Exceções!



O que você recomendaria, ou o que faria, nos cinco casos de gravidez abaixo?

01 - O pai é asmático, a mãe está tuberculosa. Têm quatro filhos. O primeiro é cego, o segundo é surdo, o terceiro morreu e o quarto tem tuberculose. A mãe está grávida de novo. Você recomendaria o aborto nesta situação?

02 - Um homem branco viola uma menina negra de 13 anos deixando-a grávida. Se fosses o pai/mãe desta jovem recomendava-lhe o aborto?

03 - Uma senhora está grávida; já tem muitos filhos, dois deles morreram, o seu esposo está na guerra e a ela resta-lhe pouco tempo de vida. Recomendaria o aborto a esta senhora?

04 - Um pastor e a sua esposa enfrentam problemas econômicos muito fortes, já têm 14 filhos, são realmente pobres. Você recomendaria à esposa que abortasse o seu décimo quinto filho?

05 - Uma jovem está grávida; não está casada e o seu noivo não é o pai do bebê que está esperando. Você recomendaria o aborto ?

Pensou? Já tem a resposta na ponta da língua? Se a sua resposta foi “SIM” em alguma das situações anteriores, veja a conclusão dos seus atos:

No primeiro caso: Você teria matado Beethoven e privado o mundo das mais belas 9 sinfonias já compostas. Você simplesmente teria impedido Beethoven de crescer e se tornar um dos maiores gênios da nossa historia.

No segundo caso: Você teria matado ninguém menos que Ethel Waters, uma das maiores cantoras negras da historia

No terceiro caso: Uma senhora está grávida; já tem muitos filhos, dois deles morreram, o seu esposo está na guerra e a ela resta-lhe pouco tempo de vida. Você impediria de nascer João Paulo II um dos maiores homens do nosso tempo, uma pessoa que foi responsável pela conversão de muitas almas.

No quarto caso: Um pastor e a sua esposa enfrentam problemas econômicos muito fortes, já têm 14 filhos, são realmente pobres. Você teria matado John Wesley, um dos maiores pregadores do século passado.

No quinto caso: Uma jovem está grávida; não está casada e o seu noivo não é o pai do bebê que está esperando. Você teria impedido o Mundo de conhecer JESUS CRISTO.

Todos tem o direito a vida, todos, sem exceções, aborto é causar a morte a um ser inocente, um ser indefeso, é um ato de crueldade. Não é questão de saúde publica como os nossos governantes teimam em nos dizer, é uma questão de consciência, de princípios.
Pense nisso, não deixe que essa pratica desumana seja legalizada no nosso país, que é considerado o maior pais católico do mundo.
Texto do blog do Agua



sábado, 14 de abril de 2012

15 de abril - Festa da Divina Misericórdia

Festa da Divina Misericórdia

A Festa da Divina Misericórdia que ocorre no primeiro domingo depois da Páscoa, foi estabelecida oficialmente como festa universal pelo Papa João Paulo II.

"Por todo o mundo, o segundo Domingo da Páscoa irá receber o nome de Domingo da Divina Misericórdia, um convite perene para os cristãos do mundo enfrentarem, com confiança na divina benevolência, as dificuldades e desafios que a humanidade irá experimentar nos anos que virão" (Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Decreto de 23 de Maio de 2000).
 

Encontra suas origens em Santa Maria Faustina Kowalska,   que na década de 30 obteve de Jesus, revelações acêrca da instituição dessa festa no seio da Igreja, bem como profecias e manifestações que o próprio Cristo mandou que as escrevesse e  retransmitisse à humanidade.  Foi Jesus quem pediu a instituição da festa da Divina Misericórdia a Santa Faustina. Jesus se refere a ela 14 vezes, expressando o imenso desejo do Seu Coração Misericordioso de distribuir, neste dia, as Suas graças.

"Nenhuma alma terá justificação, enquanto não se dirigir, com confiança, à Minha misericórdia. E é por isso que o primeiro domingo depois da Páscoa deve ser a Festa da Misericórdia” (Diário, 570).

"Neste dia, estão abertas as entranhas da Minha misericórdia. Derramo todo um mar de graças sobre as almas que se aproximam da fonte da Minha misericórdia;   a alma que se confessar e  comungar alcançará o perdão total das culpas e castigos; nesse dia estão abertas  todas as comportas Divinas, pelas quais fluem as  graças;

"Que nenhuma alma tenha medo de se aproximar de mim, ainda que seus pecados sejam como escarlate. A minha misericórdia é tão grande que por toda a eternidade não a aprofundará nenhuma mente, nem humana, nem angélica. Tudo que existe saiu das entranhas da minha misericórdia" (Diário, 699).

"Dize à humanidade que sofre que se aproxime do meu coração misericordioso, e eu a cumularei de paz (Diário 1074)

Jesus Cristo não apenas ensinou a Irmã Faustina Kowalska os pontos fundamentais da confiança e da misericórdia para com os outros, mas também revelou maneiras especiais para vivenciar a resposta à Sua Misericórdia. A devoção à Divina Misericórdia. 
A palavra "devoção" significa o cumprimento das nossas promessas. É uma entrega da vida ao Senhor, que é a própria Misericórdia.
Entregando as vidas à Divina Misericórdia - ao próprio Jesus Cristo - a pessoa se torna instrumento da Sua Misericórdia para com os outros, assim podendo vivenciar o mandamento Bíblico:  
Sede misericordiosos como também vosso Pai é misericordioso (Lc 6,36)

Através da Irmã Faustina Kowalska, Jesus Cristo deu aos fiéis meios especiais de fazer uso da Sua Misericórdia:
  1.     a Imagem da Misericórdia Divina,
  2.     o Terço da Misericórdia,
  3.     a Festa da Divina Misericórdia,
  4.     a Novena da Divina Misericórdia,
  5.     a Oração das 3 horas da tarde (em memória da hora da Sua morte).
Esses meios especiais são um acréscimo ao Sacramento da Eucaristia e da Reconciliação que foram dados à Igreja.
Algum tempo depois, Nosso Senhor lhe explicou o significado dos dois raios em destaque na Imagem:
"Os dois raios representam o Sangue e a Água. O raio pálido representa a Água, que justifica as almas; o raio vermelho representa o Sangue, que é a vida das almas. Ambos os raios saíram das entranhas de minha Misericórdia quando, na Cruz, o Meu Coração agonizante foi aberto pela lança... Estes raios defendem as almas da ira do meu Pai. Feliz aquele que viver sob a proteção deles, porque não será atingido pelo braço da Justiça de Deus."

Para saber mais:




15/04-Domingo da Misericórdia com Divino Pai Eterno em Santos-SP


Para celebrar o Domingo da Misericórdia, a cidade de Santos, recebe pela primeira vez a visita da Imagem Peregrina do Divino Pai Eterno, vinda do Santuário de Trindade de Goiás. 

A festa acontece amanhã, dia 15 de abril a partir das 13h30 (com abertura dos portões às 12h). A Santa Missa será presidida pelo Padre Robson de Oliveira,C.Ss.R, Reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno. 
A festa acontecerá na Arena Santos (Rua Rangel Pestana, 184, Vila Mathias, em Santos).
 
E para animar esta grande festa eucarística, a programação tem início às 13h20, com a cerimônia oficial, seguida das seguintes atividades: 
  • show da Banda Missão Eterna (13h30), 
  • palestra ‘Os teus pecados serão perdoados’ (14h30), 
  • show da Banda Estação XII (15h); 
  • palestra ‘Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem’ (16h) 
  • e missa proferida pelo padre Robson (17h30).
O evento é uma realização da Paróquia São Paulo Apóstolo e Filhos da Igreja - Rede Social Católica, com o apoio da Prefeitura Municipal de Santos, AFIPE (Associação Filhos do Pai Eterno). Será transmitido para todo o Brasil pela Rede Vida de comunicação.

O Padre Marco Rossi, um dos organizadores do evento, destaca a importância do trabalho evangelizador para a população, já que a missão principal é acolher pessoas que procuram graças, bênçãos ou simplesmente querem celebrar a vida. “Será um momento de poder falar com o Pai, transmitir palavras de fé e esperança”.


Paróquia São Paulo Apóstolo
COMUNICADO!

A Paróquia São Paulo Apóstolo, e Comissão Organizadora da Visita da Imagem Peregrina do Divino Pai Eterno em Santos/SP, INFORMA que NÃO há nenhuma forma de PAGAMENTO para a ENTRADA no referido evento. A entrada no ginásio será totalmente gratuita e, por questão de segurança, ao atingir o limite de lotação do estádio, não serão permitidas mais entradas. Todavia, haverá uma parte externa para acolher as pessoas que não tiverem a possibilidade (por questão de lotação) de entrar no Arena Santos.
Portanto, fica claro que o ingresso no referido evento é TOTALMENTE GRATUITO. Pedimos a doação de 1 kg de alimento não perecível para cada pessoa, deixando claro que tal pedido é caracterizado como CARIDADE, e não OBRIGATORIEDADE!

Desde já agradecemos,

Comissão Organizadora
Paróquia São Paulo Apóstolo
Assessoria de Comunicação Visita da Imagem Peregrina do Divino Pai Eterno a cidade de Santos/SP.

***********************
História da Devoção

A devoção ao Divino Pai Eterno em Trindade-GO, com uma história de mais de 170 anos, motivou esta e outras visitas em todo o Brasil. A história narra que, por volta de 1840, o casal Constantino e Ana Rosa Xavier encontrou, enquanto trabalhava na lavoura, um medalhão de barro de aproximadamente 8 cm com a estampa da Santíssima Trindade – Pai, Filho e o Espírito Santo – coroando Nossa Senhora. Beijaram a imagem, levaram-na para casa e a notícia rapidamente se espalhou, juntamente com uma sucessão de milagres.


Fontes: D.O. Santos/Facebook/Diocese de Santos
 



sexta-feira, 13 de abril de 2012

O mal venceu: Aborto de anencéfalo foi aprovado


Após dois dias de debate, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (12) que grávidas de fetos sem cérebro poderão optar por interromper a gestação com assistência médica. Por 8 votos a 2, os ministros definiram que o aborto em caso de anencefalia não é crime.

Votaram a favor: os ministros Marco Aurélio, Ayres Britto, Luiz Fux, Joaquim Barbosa, Rosa Weber, Gilmar Mendes, Cármen Lúcia e Celso de Mello.

Votaram contra: Ricardo Lewandowski e Cezar Peluso, presidente da corte. 

O caso foi julgado por 10 dos 11 ministros que compõem a Corte. Dias Toffoli não participou porque se declarou impedido, já que, quando era advogado-geral da União, se manifestou publicamente sobre o tema, a favor do aborto de fetos sem cérebro.

A decisão valerá para todos os casos semelhantes, e os demais órgãos do Poder Público estão obrigados a respeitá-lo. Em caso de recusa à aplicação da decisão, a mulher pode recorrer à Justiça para interromper a gravidez.

O advogado Luís Roberto Barroso da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde, afirmou durante sua sustentação oral no plenário do STF que não se trata de aborto, mas da “antecipação terapêutica do parto”, diante da inviabilidade de sobrevivência do feto.
Votaram contra o aborto

Apenas os ministros Ricardo Lewandowski e Cezar Peluso se manifestaram contra o aborto de fetos sem cérebro:

Para Lewandowski, o Supremo não pode interpretar a lei com a intenção de “inserir conteúdos”, sob pena de “usurpar” o poder do Legislativo, que atua na representação direta do povo. Ele afirmou que o assunto e suas conseqüências ainda precisam ser debatidos pelos parlamentares.

"Uma decisão judicial isentando de sanção o aborto de fetos anencéfalos, ao arrepio da legislação existente, além de discutível do ponto de vista científico, abriria as portas para a interrupção de gestações de inúmeros embriões que sofrem ou viriam sofrer outras doenças genéticas ou adquiridas que de algum modo levariam ao encurtamento de sua vida intra ou extra-uterina", disse.

O presidente do Supremo, ministro Cezar Peluso, que se manifestou contra o aborto de feto sem cérebro, comparou o aborto de fetos sem cérebro ao racismo e também falou em "extermínio" de anencéfalos. Para o presidente do STF, permitir o aborto de anencéfalo é dar autorização judicial para se cometer um crime.

"Ao feto, reduzido no fim das contas à condição de lixo ou de outra coisa imprestável e incômoda, não é dispensada de nenhum ângulo a menor consideração ética ou jurídica nem reconhecido grau algum da dignidade jurídica que lhe vem da incontestável ascendência e natureza humana. Essa forma de discriminação em nada difere, a meu ver, do racismo e do sexismo e do chamado especismo", disse Peluso.

"Todos esses casos retratam a absurda defesa em absolvição da superioridade de alguns, em regra brancos de estirpe ariana, homens e ser humanos, sobre outros, negros, judeus, mulheres, e animais. No caso de extermínio do anencéfalo encena-se a atuação avassaladora do ser poderoso superior que, detentor de toda força, infringe a pena de morte a um incapaz de prescendir à agressão e de esboçar-lhe qualquer defesa", completou o presidente do STF, que proferiu seu voto antes de proclamar o resultado do julgamento.



Fonte: g1.globo.com / Fotos: Facebook
*********************************************

Meus irmãos e irmãs de fé, hoje é realmente um dia de luto e temor para quem crê em Deus e em Sua justiça. O aborto no Brasil tornou-se “antecipação terapêutica do parto” , isso chega a ser inacreditável! 
E prestem atenção, a "decisão valerá para todos os casos semelhantes", pois é aqui que mora o perigo e a porta que deixaram aberta para a liberação total. Afinal, quais são os casos semelhantes aos anencéfalos? Os médicos Deuses decidirão qual feto é capaz? As mães  que ficam abaladas emocionalmente decidirão, para mais tarde se arrependerem? Enfim, os fetos indefesos ficaram nas mãos de quem não crê em Deus. 
Para mim, quem crê verdadeiramente entrega tudo nas mãos de Deus, pois somente Ele pode dar e tirar a vida de alguém. E quem é cristão nem pensa em passar por cima da vontade de Deus; eis a razão de ser radicalmente contra o aborto. 
Outro ponto perigoso e que eu não consigo entender: porque um tema tão importante não é decidido por nós brasileiros? Porque não é feito um plebiscito no Brasil? A decisão fica nas mãos de poucos que se acham donos da verdade? 
Uma decisão tão importante não deveria ficar nas mãos do judiciário ou do legislativo, mas sim, em nossas mãos.  
Eu acredito nos milagres de Deus.

Adriana-Devoção e Fé





Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana/Devoção e Fé

Pesquisar neste blog e na web

Carregando...