Devoção a Santo Antônio de Pádua - Devoção e Fé - Blog Católico

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Devoção a Santo Antônio de Pádua

 Devoção a Santo Antônio de Pádua

Nascimento em 15 de agosto de 1195 em Lisboa, Portugal
Morte em 13 de junho de 1231 em Pádua, Itália.
Padroeiro de Portugal, protetor dos pobres 
e restituidor dos objetos perdidos.

Nascido em Lisboa capital portuguesa em 15 de agosto de 1195 com o nome de Fernando de Bulhões y Taveira, filho do prefeito e oriundo de uma família nobre.
Aprendeu a fazer caridade com sua mãe Teresa e desde pequeno se interessou pela vida religiosa, sendo sua primeira atividade a de coroinha. Um de seus maiores incentivadores foi um tio, o cônego Fernando, a quem ajudava a distribuir pães aos pobres durante as missas.
Aos 15 já convicto de sua vocação, ingressou na Ordem de Santo Agostinho. Depois viveu em Coimbra como sacerdote e lá ficou sabendo do martírio de cinco freis franciscanos que haviam sido assassinados no Marrocos. Decidiu tomar o lugar deles e tornou-se membro da Ordem dos Frades Menores de São Francisco aos 25 anos.
Nessa época, Antônio já havia abandonado o nome de Fernando e usava o nome religioso pelo qual ficaria famoso.
Assim que chegou ao Marrocos, em 1221, Antônio foi acometido por uma febre e enviado de volta a Portugal. Os ventos fortes, no entanto, desviaram a rota do navio - e os rumos da vida do frade. Ele acabou desembarcando na Sicília e, a partir de então, passou a viver no sul da Itália. Em suas andanças como peregrino, chegou à cidade de Assis, onde participou de um encontro com mais de 3 mil frades que se reuniram para ouvir São Francisco. No ano seguinte, Antônio ainda era um religioso desconhecido quando foi convocado para fazer as preces durante uma cerimônia de ordenação de sacerdotes na localidade de Forli.
A missa seria realizada por um padre que havia adoecido e ninguém aceitara substituí-lo, dada a grande responsabilidade do encargo. Antônio aceitou o trabalho, demonstrando total humildade. Seu sermão foi tido como maravilhoso - e rapidamente correu entre os outros religiosos que se tratava de um notável orador. Ao saber que o jovem Antônio era também um grande conhecedor das Sagradas Escrituras, São Francisco primeiro autorizou que ele pregasse pelas cidades e depois lhe enviou uma pequena carta em que dizia: "Convém-me que leias aos frades a sagrada teologia, mas de maneira que, como sobretudo desejo, nem em ti nem nos outros se extinga o espírito de oração, conforme a regra que prometemos." Dessa forma, ele passou a ser considerado o "teólogo dos franciscanos".
Mas a vida de Antônio era realmente voltada à peregrinação. Durante três anos (1224 e 1227) ele se dedicou a viajar pela França com uma missão bem especial: foi designado para combater os "albigenses", grupo de hereges que tinha como sede a cidade de Albi. Nesse período ele teria praticado pelo menos dois milagres. Em Montpellier, França, teria recuperado um livro raro que havia sido roubado dele. Em Limoges, foi visto conversando com o Menino Jesus.
Santo Antônio viveu seus dois últimos anos em Pádua. Embora as constantes peregrinações o impedissem de passar o tempo todo naquele lugar, acabou tendo seu nome associado à cidade. Também foi ali perto que ele morreu. O frade - que sofria de uma doença de pele - piorou durante uma peregrinação. Imediatamente foi colocado em uma carroça para ser levado de volta para casa, mas os religiosos que estavam com ele aconselharam que pernoitasse no povoado de Arcela. Na mesma noite, em 13 de junho de 1231, morreu, aos 35 anos.

Canonização

Nas cidades italianas por onde Santo Antônio peregrinou ele já era conhecido como "O Santo" mesmo antes de morrer. Essa consagração popular ainda em vida é uma demonstração de seu carisma - fosse motivado por milagres ou pelo dom da oratória.
Depois da morte, a devoção ao religioso já era muito grande não apenas na Itália, mas também em outros países da Europa.
Antônio foi canonizado menos de um ano depois da morte, em 1232, pelo papa Gregório IX. A rapidez do processo se deveu ao conjunto de milagres que havia realizado em vida e por outros que ocorreram após aquela data, relatados principalmente em Portugal, na Itália e na França. 
Seus escritos e sermões lhe renderam em 1946 o título de Doutor da Igreja, concedido pelo papa Pio XII.  
Em 1263, durante a construção da basílica que o homenageia, em Pádua, seu sarcófago foi aberto. Sua língua estava intacta. Sem encontrar explicações para aquele misterioso fenômeno, os religiosos o consideraram prova material de sua santidade. A relíquia está guardada desde então, mas já pôde ser vista no Brasil. Em 1999, a peça foi trazida ao País para procissões que percorreram vários Estados.
A devoção a Santo Antônio se espalhou rapidamente pela Europa Ocidental. Tão logo os portugueses chegaram ao Brasil, quase trezentos anos após sua morte, passaram a difundir o respeito e a admiração ao franciscano. A primeira igreja brasileira dedicada a ele foi construída em 1550, na cidade de Olinda, em Pernambuco, e mais tarde deu origem ao convento Santo Antônio do Carmo. Outro marco do culto brasileiro ao frade peregrino foi a Igreja de Santo Antônio, fundada em 1592 e hoje localizada na Praça do Patriarca, no centro de São Paulo.

Milagres

*Pregação aos Peixes
No século 3, o frei Antônio era considerado um grande pregador que era capaz de converter multidões ao Cristianismo, porém, em Rímini, na Itália, havia um grupo de hereges que não lhe dava a mínima atenção. Sem perder a paciência, o jovem religioso deu as costas ao povoado e caminhou até a praia. Começou a falar voltado para a água: "Ouvi a palavra de Deus, vós, os peixes do mar, já que os infiéis não a querem ouvir." Enquanto Antônio pregava, os peixes pareciam ouvir atentamente tudo o que ele dizia. O frade falou sobre o milagre de Jonas e a baleia e sobre os preceitos cristãos. Depois concluiu: "Bendizei ao Senhor, vós, que sois também nossos irmãos." Os peixes escutaram todo o sermão e retornaram saltitantes para a água. Dessa forma, Antônio acabou convertendo muitos moradores de Rímini. 
Este é um dos feitos mais conhecidos do santo.

*O Herege e o Burrinho
Para voltar a frequentar a Igreja, um homem fez um trato com frade Antônio: "Deixarei o meu burrinho três dias sem comer, colocarei diante dele uma bela refeição e o frade mostrará a eucaristia. Se o burrinho recusar a comida e se ajoelhar, eu volto." No terceiro dia de jejum do burrinho, Santo Antônio se encontrou com o homem. Dito e feito: o burrinho se ajoelhou diante da hóstia consagrada e o homem, consternado e arrependido, voltou para a vida cristã.

*Traição na Ceia
Os devotos de Santo Antônio contam que, certo dia, o frade estava faminto e debilitado. Era Quaresma e ele fazia jejum de carne. Mas, ao chegar à casa de um herege, disse que Deus lhe daria permissão para se alimentar do que fosse servido. O anfitrião lhe preparou um prato de carne, mas guardou os ossos e os levou ao bispo para denunciar o pecado de Antônio. Ao abrir o lenço, porém, viu que eles haviam se transformado em espinhas de peixe e imediatamente se converteu.

*Ele tirou o pai da forca
Um dos milagres mais conhecidos de Santo Antônio foi a chamada bilocação (capacidade de estar em dois lugares ao mesmo tempo). Dizem que, quando estava pregando em Pádua, foi avisado de que seu pai seria enforcado em Lisboa, após uma acusação injusta de homicídio. Naquele instante, o frade teria aparecido em Portugal e, diante de várias pessoas, teria despertado a vítima do assassinato para perguntar quem o matara. Com o pai inocentado, Antônio teria retornado para sua pregação em Pádua. Acredita-se que essa história seja a origem da expressão "tirar o pai da forca".

*Pessoas Perdidas
Santo Antônio é considerado o santo dos objetos perdidos. Isso porque ele teria restituído um livro roubado e encontrado um anel desaparecido, entre outros feitos miraculosos. Por converter hereges e fazer fiéis retornarem à Igreja, muitos também recorrem a ele como restituidor das "pessoas perdidas".

*Pães Abençoados
Reza a tradição que, certo dia, o santo retirou todos os pães do mosteiro onde vivia para doá-los. Ao notar a despensa vazia, o padeiro correu até ele para anunciar o roubo. Antônio, então, sugeriu que o homem retornasse à cozinha e verificasse novamente a despensa. Para sua surpresa, viu que os cestos estavam milagrosamente lotados de pães, o suficiente para alimentar todos os frades e ainda ajudar os miseráveis.

Em 1894, o santo foi invocado por uma senhora rica e teve seu pedido milagrosamente atendido. Em agradecimento ela doou dinheiro para que a Igreja cuidasse dos pobres em nome de Santo Antônio. Desde então, os devotos colaboram com o Chamado Pão de Santo Antônio - fundo de contribuição destinado a ajudar os pobres. No dia 13 de junho, quando se festeja Santo Antônio, é realizada a bênção dos pães, que depois são guardados pelos católicos em potes de mantimentos para garantir fartura e saúde o ano inteiro.

*Santo Casamenteiro
Apenas no Brasil Santo Antônio também é cultuado como "o casamenteiro". A origem desta devoção vem das várias histórias e lendas contadas sobre ele:
- Segundo as convenções da época, a mulher que não tivesse um enxoval ficava impedida de casar. Assim, as moças pobres, sabendo da bondade do frade Antônio, o procuravam para que as ajudasse a preparar o dote, recolhendo doações. 
- No Brasil conta-se que uma jovem fez uma promessa a Santo Antônio e colocou sua imagem na janela de casa à espera do milagre de conseguir um noivo. Irritada com a demora em ser atendida, a jovem derrubou a estátua na calçada. Diz a lenda que a imagem caiu justamente na cabeça de um rapaz. Ela o socorreu e os dois se apaixonaram e casaram.
Com o tempo, além dos pedidos de casamento, surgiram as chamadas "torturas" como colocar a imagem do santo de cabeça para baixo, mergulhada na água ou virada contra a parede; e o Tira-Menino, onde o fiel separa o Menino Jesus de Santo Antônio até que a graça seja alcançada.

*Carreira Militar
Durante o Brasil Império, Santo Antônio teve uma extensa "carreira" militar. Foi soldado em Pernambuco e chegou a Tenente-Coronel, nomeado por Dom João VI. O santo era invocado por portugueses e brasileiros durante as ocupações francesa e holandesa (entre 1640 e 1710), realizando muitos milagres e trazendo a vitória nas batalhas. Com isso, recebeu simbolicamente patentes de Oficial do Exército em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Paraíba, Espírito Santo, Minas Gerais e Goiás. O soldo era pago aos Conventos Franciscanos e revertido à caridade. Com a República, porém, Santo Antônio entrou para a lista dos oficiais reformados.

Fonte: Revista das Religiões- 2005 



3 comentários :

  1. DEUS ESSE JUVENTUDE LINDA É CORAJOSA QUE BUSCA VIVER NA SANTIDADE!!!!!

    ResponderExcluir
  2. JOVENS VOCÊS ESTÃO DE PARABÉNS NESSE LINDO ENCONTRO COM O QUERIDO PAPA,DEU DERRAME COPIOSAS BENÇÃOS NAS SUAS VIDAS.AMEM!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Olá Td bem! Estou com alguns problemas no blog mas aos poucos tudo vai se resolvendo.
    Neste final de semana celebramos a ASSUNÇÃO.
    E assim, podemos conceber a idéia de que Maria é intercessora por nós junto a Jesus. Ela é sim a medianeira diante do fruto de seu ventre. Por Maria se chega ao Filho e por Ele ao Pai. A escada que leva ao céu tem degraus distantes e ás vezes fica difícil a subida, mas Nossa Senhora está de pé, firme e incansável a nos estender a mão para ajudar a alcançar o próximo degrau. No alto da escada está Jesus, sempre pronto a atender aos pedidos da Mãe. Jesus nos pega pelos braços e nos leva ao Pai.

    Abraços, Reinaldo Fonseca
    Paróquia São Pedro Apóstolo

    ResponderExcluir

Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana/Devoção e Fé