sábado, 31 de dezembro de 2011

Feliz Ano Novo! Salve 2012!


Queridas Amigas e Amigos de Fé! 

Hoje vim desejar-lhes um Feliz Ano Novo! 
Que Deus abençoe vocês e suas famílias com muita Saúde
e que vocês permaneçam sempre 
na Paz de Jesus e no amor de nossa Santa Mãe Maria. 
Abraço fraterno, Adriana. 
Salve 2012!!!

 ---------------------------------------------
REFLITA

OLHA no teu jardim as rosas entreabertas,
e nunca as pétalas caídas.

OBSERVA em teu caminho a distância vencida 
e nunca o que falta ainda.

GUARDA do teu olhar os brilhos de alegria
e nunca as névoas de tristezas;

RETÉM da tua voz risadas e canções 
e nunca os teus gemidos.

CONSERVA em teus ouvidos as palavras de amor 
e nunca as de ódio.

GRAVA em tua pupila o nascer das auroras 
e nunca os teus poentes.

CONSERVA no teu rosto as linhas do sorriso 
e nunca os sulcos do teu pranto.

RELEMBRA os dias em que foi água limpa, 
esquece as horas em que foi brejo

CONTA e mostra as medalhas das tuas vitórias,
esquece as cicatrizes das derrotas

OLHA de frente o sol que existe em tua vida, 
esquece a sombra que fica atrás.

Enfim, Seja OTIMISTA, 
Tenha FÉ.
 
Fonte: Mensagens (http://www.padremarcelorossi.com.br/)



sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Sagrada Família - 30 de dezembro


No domingo dentro da Oitava do Natal ou, se não houver, 
no dia 30 de dezembro, 
é celebrada a Festa Jesus, Maria e José - a Sagrada Família.

Neste dia da Sagrada Família, celebramos em comunhão com todas as nossas famílias. Elas são convidadas a imitar e encarnar os valores propostos pela família de Jesus, Maria e José.
A Sagrada Família é exemplo de obediência à vontade de Deus.

O Papa Bento XVI presidiu na última quarta-feira (28), na Sala Paulo VI no Vaticano, a última Audiência Geral de 2011. Nesses doze meses, cerca de 400 mil pessoas participaram dos encontros semanais das quartas-feiras para ouvir as catequeses do Papa, marcadas por uma grande variedade de argumentos.
Esta última catequese, a de número 45, foi dedicada ao período natalino, propício a avivar a fé e a oração.
A oração, recordou Bento XVI, formava parte da vida cotidiana da Sagrada Família de Nazaré. Aquela casa, com efeito, é uma escola de oração, onde se aprende a escutar e a descobrir o significado profundo da manifestação do Filho de Deus, seguindo o exemplo de Jesus, Maria e José.
"A Sagrada Família é ícone da Igreja doméstica e um convite a rezar juntos" – disse o Papa. É no interior do lar que os filhos são iniciados na oração, graças aos ensinamentos de seus pais. Consequentemente, uma educação autenticamente cristã não pode prescindir da experiência da oração.
"Se não se aprende a oração em casa, depois será difícil. preencher esse vazio", afirmou o Pontífice.

Fonte: http://www.cnbb.org.br

----------------------------------------
Oração da Sagrada Família


Ó Sagrada Família de Nazaré, 
ensina-nos o recolhimento, a interioridade; 
dá-nos a disposição de ouvir as boas inspirações
e as palavras dos verdadeiros mestres; 
ensina-nos a necessidade do trabalho de preparação, 
de estudo, da vida interior pessoal, da oração, 
que só Deus vê secretamente, 
ensina-nos o que é família, sua comunhão de amor, 
sua beleza simples e austera, seu caráter sagrado e inviolável. 


Deus Pai, nós te pedimos por nossa família. 
Queremos ser sua pequena Igreja doméstica e 
que nosso lar reflita o amor com que nos criaste, livre e fortalecido. 
Ajuda-nos a nos manter unidos e a viver nossa fé comum
nesta sociedade que não favorece os valores familiares.


Que nos amemos cada dia mais, sabendo compartilhar, 
com generosidade, os bens materiais e espirituais. 
Ensina-nos a crescer na santidade de vida. 


Que os mais velhos saibam dar bom exemplo 
no cumprimento de nossos deveres cristãos. 
E que os mais jovens aprendam a viver no amor 
e a descobrir sua própria vocação na vida.


Dá-nos força para viver um amor incansável, 
sendo solidários com outras famílias necessitadas de pão, 
justiça, amor e compreensão.


Virgem Maria, Mãe da Igreja, 
protege-nos e dá-nos o amor com que Cristo nos amou. 
Amém



Fonte: Livro de orações (Ed. Ave Maria)



quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Ano Litúrgico - o que é?



Ano Litúrgico

É calendário litúrgico, o período de doze meses divididos em "Tempos Litúrgicos", onde se celebram como memorial, os mistérios de Cristo, assim como a memória dos Santos.

O Ano Litúrgico começa no 1º Domingo do Advento (cerca de quatro semanas antes do Natal) e termina no sábado anterior a ele.
 
Vale a pena lembrar que o Ano Litúrgico é composto de dias, e que esses dias são santificados pelas celebrações litúrgicas do povo de Deus, principalmente pelo Sacrifício Eucarístico e pela Liturgia das Horas. Por esses dias serem santificados, eles passam a ser denominados "Dias Litúrgicos". A celebração do Domingo e das Solenidades, porém, começa com as Vésperas (na parte da tarde) do dia anterior.

Dentre os Dias Litúrgicos da semana, no primeiro dia, ou seja, no Domingo (Dia do Senhor), a Igreja celebra o Mistério Pascal de Jesus, obedecendo à tradição dos Apóstolos. Por esse motivo, o Domingo deve ser tido como o principal dia de festa.

Cada rito litúrgico da Igreja Católica tem o seu Calendário Litúrgico próprio, com mais ou menos diferenças em relação ao Calendário Litúrgico do Rito Romano, o mais conhecido. No entanto, para todos os ritos litúrgicos é idêntico o significado do Ano litúrgico, assim como a existência dos diversos tempos litúrgicos e das principais festas litúrgicas.

A Igreja estabeleceu, para o Rito Romano, uma seqüência de leituras bíblicas que se repetem a cada três anos, nos domingos e nas solenidades. As leituras desses dias são divididas em ano A, B e C. 
No ano A lêem-se as leituras do Evangelho de São Mateus; no ano B, o de São Marcos e no ano C, o de São Lucas. Já o Evangelho de São João é reservado para as ocasiões especiais, principalmente as grandes Festas e Solenidades.

Nos dias da semana do Tempo Comum, há leituras diferentes para os anos pares e para os anos ímpares, tirando o Evangelho, que se repete de ano a ano. Deste modo, os católicos, de três em três anos, se acompanharem a liturgia diária, terão lido quase toda a Bíblia.

O Ano Litúrgico da Igreja é assim dividido:

Ciclo da Páscoa
Ciclo do Natal
Tempo comum
Ciclo santoral

Este Ano Litúrgico da Igreja tem leituras bíblicas apropriadas para as comemorações de cada santo em particular, perfazendo um total de 161 comemorações. Destas, apenas 10 têm leituras próprias. Aí também estão as 15 solenidades e 25 festas, com leituras obrigatórias, as 64 comemorações necessárias e 94 comemorações facultativas, com leituras opcionais. O Calendário apresenta também 44 leituras referentes à ressurreição de Jesus Cristo, além de diversas leituras para os Santos, Doutores da Igreja, Mártires, Virgens, Pastores e Nossa Senhora.

***************************
Tempos Litúrgicos

Estes tempos litúrgicos existem em toda a Igreja Católica. Há apenas algumas diferenças entre os vários ritos, nomeadamente em relação à duração de cada um e à data e importância de determinadas festividades. A descrição que se segue corresponde ao Rito Romano.

Tempo do Advento
O Tempo do Advento possui dupla característica: sendo um tempo de preparação para as solenidades do Natal, em que comemoramos a primeira vinda do Filho de Deus entre os homens, é também um tempo em que, por meio desta lembrança, se voltam os corações para a expectativa da segunda vinda de Cristo no fim dos tempos. Por esse duplo motivo, o tempo do Advento se apresenta como um tempo de piedosa expectativa da vinda do Messias, além de se apresentar como um tempo de purificação de vida. O tempo do Advento inicia-se quatro domingos antes do Natal e termina no dia 24 de Dezembro, desembocando na comemoração do nascimento de Cristo. É um tempo de festa, mas de alegria moderada.

Tempo do Natal
Após a celebração anual da Páscoa, a comemoração mais venerável para a Igreja é o Natal do Senhor e suas primeiras manifestações, pois o Natal é um tempo de fé, alegria e acolhimento do Filho de Deus que se fez Homem. O tempo do Natal vai da véspera do Natal de Nosso Senhor até o domingo depois da festa da aparição divina, em que se comemora o Batismo de Jesus. No ciclo do Natal são celebradas as festas da Sagrada Família, de Maria, mãe de Jesus e do Batismo de Jesus.

Tempo da Quaresma
O Tempo da Quaresma é um tempo forte de conversão e penitência, jejum, esmola e oração. É um tempo de preparação para a Páscoa do Senhor, e dura quarenta dias. Neste período não se diz o Aleluia, nem se colocam flores na Igreja, não devem ser usados muitos instrumentos e não se canta o Glória a Deus nas alturas, para que as manifestações de alegria sejam expressadas de forma mais intensa no tempo que se segue, a Páscoa. A Quaresma inicia-se na Quarta-feira de Cinzas, e termina no Domingo de Ramos.

Tríduo Pascal
O Tríduo Pascal começa com a Missa da Santa Ceia do Senhor, na Quinta-Feira Santa. Neste dia, é celebrada a Instituição da Eucaristia e do Sacerdócio, e comemora-se o gesto de humildade de Jesus ao lavar os pés dos discípulos.
Na Sexta-Feira Santa celebra-se a Paixão e Morte de Jesus Cristo. É o único dia do ano que não tem Missa, acontece apenas uma Celebração da Palavra chamada de “Ação ou Ato Litúrgico”.
Durante o Sábado Santo, a Igreja não exerce qualquer ato litúrgico, permanecendo em contemplação de Jesus morto e sepultado.
Na noite de Sábado Santo, já pertencente ao Domingo de Páscoa, acontece a solene Vigília Pascal. Conclui-se, então, o Tríduo Pascal, que compreende a Quinta-Feira, Sexta-Feira e o Sábado Santo, que prepara o ponto máximo da Páscoa: o Domingo da Ressurreição.

Tempo Pascal
A Festa da Páscoa ou da Ressurreição do Senhor, se estende por cinqüenta dias entre o domingo de Páscoa e o domingo de Pentecostes, comemorando a volta de Cristo ao Pai na Ascensão, e o envio do Espírito Santo. Estas sete semanas devem ser celebradas com alegria e exultação, como se fosse um só dia de festa, ou, melhor ainda, como se fossem um grande domingo, vivendo uma espiritualidade de alegria no Cristo Ressuscitado e crendo firmemente na vida eterna.

Tempo Comum
Além dos tempos que têm características próprias, restam no ciclo anual trinta e três ou trinta e quatro semanas nas quais são celebrados, na sua globalidade os Mistérios de Cristo. Comemora-se o próprio Mistério de Cristo em sua plenitude, principalmente aos domingos. É um período sem grandes acontecimentos, mas que nos mostra que Deus se faz presente nas coisas mais simples. É um tempo de esperança acolhimento da Palavra de Deus. Este tempo é chamado de Tempo Comum, mas não tem nada de vazio. É o tempo da Igreja continuar a obra de Cristo nas lutas e no trabalho pelo Reino. O Tempo Comum é dividido em duas partes: a primeira fica compreendida entre os tempos do Natal e da Quaresma, e é um momento de esperança e de escuta da Palavra onde devemos anunciar o Reino de Deus; a segunda parte fica entre os tempos da Páscoa e do Advento, e é o momento do cristão colocar em prática a vivência do reino e ser sinal de Cristo no mundo, ou como o mesmo Jesus disse, ser sal da terra e luz do mundo.
O Tempo Comum é ainda tempo privilegiado para celebrar as memórias da Virgem Maria e dos Santos.

Festas de Guarda

A Igreja chama alguns dias festivos de “festas de guarda”, que são solenidades e festas maiores, prescritas pelo calendário litúrgico da Igreja para cada país.
Baseando-se no terceiro mandamento da Lei de Deus (guardar os domingos e festas de guarda), a Igreja Católica estipula que todos os católicos são obrigados a irem à missa em todos os domingos e festas de guarda. Por isso, esta obrigação está também presente nos Cinco Mandamentos da Igreja Católica. A maior parte das festas de guarda calham sempre num domingo (ex: Domingo de Ramos, Pentecostes, domingo de Páscoa, Santíssima Trindade, etc.), que já é o dia semanal obrigatório de preceito ou guarda. 
Para os dias de “festa de guarda” a Igreja pede aos fiéis que participem da Missa, se abstenham de atividades que impeçam a participação na celebração e guardem o descanso da mente e do corpo. (Código de Direito Canônico, nº 1247).


Além dos Domingos, os dias de guarda (ou preceito) são:
  • Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus - 01 de Janeiro;
  • Epifania (no Brasil foi transferida para um domingo entre 2 e 7 de janeiro, o que cair primeiro);
  • Solenidade de São José (No Brasil, por autorização da Santa Sé, a Solenidade de São José, isto é, 19 de março, não é de preceito) [*]
  •  Ascensão de Jesus (no Brasil foi transferida para o domingo seguinte à data original dessa solenidade; originalmente comemorada no 12 de maio);
  • Corpus Christi (data variável entre maio e junho: 1ª quinta-feira após o domingo da Santíssima Trindade);
  • Solenidade dos Santos Apóstolos São Pedro e São Paulo.(no Brasil foi transferida para o domingo seguinte à data original dessa solenidade; originalmente comemorada no 29 de junho);
  • Assunção de Maria (no Brasil foi transferida para o domingo seguinte à data original dessa solenidade; originalmente comemorada no 15 de agosto);
  • Dia de Todos-os-Santos (no Brasil foi transferida para o domingo seguinte à data original dessa solenidade; originalmente comemorada no 01 de novembro);
  • Imaculada Conceição de Maria - 08 de Dezembro;
  • Natal - 25 de Dezembro.
Obs:. [*]  O Código de Direito Canônico define os dias de festa:
"Cân. 1246:
Parágrafo 1 - O domingo, dia em que por tradição apostólica se celebra o mistério pascal, deve ser guardado em toda a Igreja como o dia de festa por excelência. Devem ser guardados igualmente o dia do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Epifania, da Ascensão e do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, de Santa Maria, Mãe de Deus, da sua Imaculada Conceição e Assunção, de São José, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, e, por fim, de Todos os Santos.
Parágrafo 2 - Todavia, a Conferência dos Bispos, com a prévia aprovação da Sé Apostólica, pode abolir alguns dias de festa de preceito ou transferi-los para o domingo."
 
***************************
Cores Litúrgicas

O altar, o tabernáculo, o ambão, a estola e a casula usadas pelo sacerdote combinam todos com uma mesma cor, que varia ao longo do ano litúrgico. Na verdade, a cor usada num certo dia é válida para a Igreja em todo o mundo, que obedece a um mesmo calendário litúrgico. Conforme a missa do dia, indicada pelo calendário litúrgico, fica estabelecida uma determinada cor (a exceção vai para as igrejas que celebram naquele determinado dia o seu santo padroeiro).

Desta forma, concluiu-se que as diferentes cores possuem algum significado para a Igreja: elas visam manifestar externamente o caráter dos Mistérios celebrados e também a consciência de uma vida cristã que progride com o desenrolar do Ano Litúrgico. Manifesta também a unidade da Igreja. No início havia uma certa preferência pelo branco. Não existiam ainda as chamadas cores litúrgicas. Estas só foram fixadas em Roma no século XII. Em pouco tempo, devido ao seu alto valor teológico e explicativo, os cristãos do mundo inteiro aderiram a esse costume, que tomou assim, caráter universal. As cores litúrgicas são seis:

Branco - Usado na Páscoa, no Natal, nas Festas do Senhor, nas Festas da Virgem Maria, de São João Evangelista (apóstolo) e dos Santos, excepto dos mártires e dos apóstolos. Simboliza alegria, ressurreição, vitória e pureza. Sempre é usado em missas festivas.

Vermelho - Lembra o fogo do Espírito Santo. Por isso é a cor de Pentecostes. Lembra também o sangue. É a cor dos mártires e da sexta-feira da Paixão e do Domingo de Ramos. Usado nas missas de Crisma, celebradas normalmente no dia dos Pentecostes, e de mártires.

Verde - Usa-se nos domingos normais e dias da semana do Tempo Comum. Está ligado ao crescimento, à esperança.

Roxo - Usado no Advento. Na Quaresma também se usa, a par de uma variante, o violeta. É símbolo da penitência, da serenidade e de preparação, por lembrar a noite. Também pode ser usado nas missas dos Fiéis Defuntos e na celebração da penitência.

Rosa - O rosa pode ser usado no 3º domingo do Advento (Gaudete) e 4º domingo da Quaresma (Laetare). Simboliza uma breve pausa, um certo alívio no rigor da penitência da Quaresma e na preparação do Advento.

Preto - Representa o luto da Igreja. Usa-se na celebração do Dia dos Fiéis Defuntos e nas missas dos Fiéis Defuntos.

Fontes: Wikipédia / http://www.pnsg312sul.org.br / http://www.movimentoliturgico.com.br/

* Veja as Celebrações do Calendário Litúrgico do ano

Editado em 29/dezembro/2011.



quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Para sermos felizes...


Necessitamos:

Uma borracha, para apagar de nossa história tudo que nos desagrada. 
Um sabonete, para retirar as marcas das máscaras que usamos no dia-a-dia. 
Uma tesoura, para cortar tudo aquilo que nos impede de crescer. 
Um pássaro, que nos ensine a voar alto e cantar com liberdade. 
Um jarro, para conservar o carinho e amadurecer. 
Um frasco transparente, para conservar os sorrisos. Sem tampa, para escutar o alegre som. 
Lentes, corretoras da visão da vida, que nos permitam enxergar, com amor, o próximo e a natureza.
Um esquilo, que nos mostre como galgar os ramos da árvore da sabedoria. 
Agulhas grandes, para tecer sonhos e ilusões. 
Um cofre, para guardar as lembranças construtivas e edificantes.
Um zíper, que permita abrir a mente quando se deseja encontrar respostas, outro para fechar nossa boca quando for necessário, e outro para abrir nosso coração. 
Um relógio, para mostrar que é sempre hora de amar. 
Um rebobinador de filmes, para recordar os momentos mais felizes de nossas vidas. 
Uma balança, para pesar tudo que é vivido e experimentado. 
Um espelho, para admirar uma das obras mais perfeitas de Deus... ... nós mesmos!!!


Fonte: Mensagens (http://www.padremarcelorossi.com.br)



segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Nossa Senhora de Medjugorje - dezembro/2011



Boa noite irmãs e irmãos de fé!
Hoje trouxe para vocês as maravilhosas mensagens que nossa Mãe Maria Santíssima deixou para nós neste mês em Medjugorje.
Espero que vocês e suas famílias tenham vivido um abençoado Natal e que a alegria do nascimento de Jesus perdure por todos os seus dias futuros.
Fiquem com a paz de Jesus e o amor de Maria. 


*Mensagem do dia 25 de dezembro de 2011 à Marija Pavlovic-Lunetti

“Queridos filhos! Também hoje, em Meus braços, Eu levo a vocês MEU FILHO JESUS, para que ELE lhes dê a Sua paz. Rezem, filhinhos, e testemunhem para que em cada coração, não a humana, mas a paz de Deus prevaleça, aquela que ninguém pode destruir. Esta é a paz do coração que Deus dá para aqueles que Ele ama. Pelo batismo vocês todos são, de uma maneira especial, chamados e amados. Isto para que testemunhem e rezem a fim de serem as Minhas Mãos estendidas neste mundo que anseia por Deus e pela paz. Obrigada por terem respondido ao Meu chamado.” 

----------------------------------------------------------

*Aparição anual de Nossa Senhora a Jakov em 25/12/2011
 Na última aparição diária de 12 de setembro de 1998, Nossa Senhora disse a Jakov Colo que ele teria uma aparição anual, em 25 de dezembro, no Natal. Assim aconteceu também neste ano. Nossa Senhora veio com o Menino Jesus em Seus Braços. A aparição começou às 15:30 e durou 11 minutos. 
Nossa Senhora disse a Jakov: 

“Queridos filhos, hoje de modo particular, Eu desejo conduzi-los e entregá-los ao Meu Filho. Filhinhos, abram os seus corações e permitam que Jesus nasça em vocês, porque somente assim, filhinhos, vocês mesmos poderão experimentar o seu novo nascimento e com Jesus nos seus corações encaminharem-se na direção do caminho da salvação. Obrigada por terem respondido ao Meu chamado.” 

--------------------------------------------------------------

*Mensagem de Nossa Senhora para a vidente Mirjana em 2 de dezembro de 2011

“Queridos filhos, como Mãe Eu estou com vocês para ajudá-los com o Meu Amor, oração e exemplo, Eu possa ajudá-los a se tornarem sementes do futuro, sementes que irão crescer em uma árvore forte e espalhar os seus ramos através do mundo. Para vocês se tornarem sementes do futuro, sementes do amor, implorem ao Pai que perdoe as suas omissões feitas até agora. Meus filhos, somente um coração puro, livre do pecado, pode abrir-se e somente olhos honestos podem ver o caminho pelo qual desejo conduzi-los. Quando compreenderem isto, vocês se tornarão conscientes do Amor de Deus - O será dado como presente a vocês. Então vocês o darão como um presente aos outros, como uma semente de amor. Obrigada a vocês.” 

Nossa Senhora abençoou todos as pessoas presentes e todos os objetos trazidos para a benção e pediu a todos que rezassem pelos nossos sacerdotes. 


Fonte: http://medjugorjebrasil.com/
(site oficial da Paróquia de Medjugorje – www.medjugorje.hr)





domingo, 18 de dezembro de 2011

Jesus está presente em seu Natal?

Natal - festa do aniversário de Jesus. 
Mas cadê o Cristo no Natal? 

Há Papai Noel de tudo que é jeito, tem até mamãe Noel. Há muitas luzes... está tudo iluminado: o prédio, a casa, as lojas, as ruas. Mas será que o nosso coração também está iluminado?
Árvores de Natal também não faltam. Muitos enfeites e todos guiando para um lugar: os shoppings!
Os shoppings estão abarrotados de mercadorias "natalinas" onde o ponto alto é o consumismo desenfreado para a troca de presentes na noite de Natal.
Claro que não precisamos exterminar tudo isso de nossas vidas, mas não devemos esquecer a verdadeira razão desta celebração!
Precisamos colocar o aniversariante no lugar que Ele merece: no centro de nossas vidas e de nosso Natal. 
É Jesus que deve estar em primeiro plano nas lojas, nas ruas, nas casas e em nossos corações.
Vamos celebrar a verdadeira felicidade que é o nascimento de Jesus! 
Vamos abrigar o Menino Jesus na majedoura de nossos corações e deixar que Ele renasça em nós. 
Que Ele brilhe mais do que qualquer iluminação natalina! E que em nossa Ceia de Natal o ponto alto seja o sabor do pão verdadeiro, Pão da Vida eterna, Jesus.
Feliz Natal para você e sua família!
Adriana - Devoção e Fé
------------------------------------------------

Adoração ao Menino Jesus

   Vos adoro, amável Menino do casebre, o mais humilde e o maior dos filhos dos homens e o mais pobre e o mais rico, o mais frágil e o mais poderoso.  Vos bendigo, porque vos haveis dignado descer até mim, para ser meu modelo na prática de todas as virtudes, meu guia nas dificuldades da vida e meu asilo nos dias de aflição.
Vos amo, porque vens a mim com amor infinito; com amor generoso, que não se cansa minhas ingratidões; com amor obsequioso, que se anticipa aos tardios impulsos de meu coração; com amor paciente, que espera minha conversão para amar-me mais ternamente ainda.
Por isso, com o coração cheio de agradecimento, de joelhos aos pés deste leito de palha, vos adoro, bendigo e amo, com todo o fervor de minha alma, e me atrevo a levantar meus olhos até meu Deus, que se digna olhar-me ternamente. 

Consagração ao Divino Menino 

Oh! Divino Menino Jesus,verdadeiro Filho da Santíssima Virgem Maria, eu Vos saúdo, amo e adoro. Sob a proteção de Nossa Senhora e de São José, consagro-me inteiramente a Vós. Abençoai-me, oh! meu Redentor, e ensinai-me a imitar Vossas virtudes e exemplos. Que o Vosso Sagrado Coração seja a minha força durante a vida e o meu consolo na hora da morte. Amém. 

    Fonte: http://www.oracoes.info/




sábado, 17 de dezembro de 2011

Presépio - símbolo do Natal de Jesus


O presépio é uma referência cristã que remete para o nascimento de Jesus na gruta de Belém, na companhia de José e Maria. Conta a Bíblia que, depois de muito tempo à procura de um lugar para albergar o casal, que se encontrava em viagem por motivo de recenseamento de toda a Galileia, José e Maria tiveram que pernoitar numa gruta ou cabana nas imediações de Belém. De acordo com a mesma fonte, Jesus nasceu numa manjedoura destinada a animais (no presépio, uma vaca e um burro) e foi reconhecido, no momento do nascimento, por pastores da região, avisados por um anjo, e, mais tarde, por magos (ou reis ou astrólogos, a bíblia não diz se eram três) vindos do oriente, guiados por uma estrela, que teriam oferecido ouro, incenso e mirra à criança.
Segundo a história, estes acontecimentos ocorreram no tempo do rei Herodes, que teria mandado matar todas as crianças por medo de perder o seu trono para o futuro rei dos judeus.

O primeiro Presépio

A tradição católica diz que o presépio (do lat. praesepio) surgiu em 1223, quando São Francisco de Assis quis celebrar o Natal de um modo o mais realista possível e, com a permissão do Papa, montou um presépio de palha, com uma imagem do Menino Jesus, da Virgem Maria e de José, juntamente com um boi e um jumento vivos e vários outros animais. Nesse cenário, foi celebrada a Missa de Natal.
Nesse ano, em vez de festejar a noite de Natal na Igreja, como era seu hábito, o Santo fê-lo na floresta de Greccio para melhor explicar o Natal às pessoas comuns, camponeses que não conseguiam entender a história do nascimento de Jesus.

O sucesso dessa representação do Presépio foi tanta que rapidamente se estendeu por toda a Itália. Logo se introduziu nas casas nobres européias e de lá foi descendo até as classes mais pobres. Na Espanha, a tradição chegou pela mão do Rei Carlos III, que a importou de Nápoles no século XVIII. Sua popularidade nos lares espanhóis e latino-americanos se estendeu ao longo do século XIX, e na França, não o fez até inícios do século XX. Em todas as religiões cristãs, é consensual que o Presépio é o único símbolo do Natal de Jesus verdadeiramente inspirado nos Evangelhos.

As peças do presépio

*Menino Jesus: É o filho de Deus. Foi o escolhido para ser o salvador do povo.

*Maria: É a mãe do filho de Deus. Do seu ventre, nasceu Jesus Cristo.

*José: É o pai adotivo do menino Jesus; foi um homem judeu, provavelmente carpinteiro/pedreiro.

*curral: É o local simbolizado pelo presépio. O curral era onde guardava-se o gado. Por isso, no presépio, Jesus fica sobre palhas, em uma manjedoura.

*manjedoura: É um lugar de aconchego onde Jesus ficou quando nasceu. É como se fosse o berço de Jesus.

*O burro e o boi: Os animais representam a simplicidade do local onde Jesus nasceu. "Jesus não nasceu em palácios, nem em lugares luxuosos, mas sim em meio aos animais".

*Anjos: Os anjos anunciam a chegada do filho de Deus aos pastores. Eles sabem que nasceu o salvador.

*Pastores: Os pastores são homens do campo, que simbolizam a simplicidade do povo, já que Deus acolhe todos, sem se importar com sua condição social.

*Estrela: A estrela de Belém é aquela que se coloca no alto da árvore. Foi ela que guiou os três Reis Magos quando Jesus Cristo nasceu.

*Reis Magos: Os três Reis Magos - Melquior, Baltazar e Gaspar eram considerados sábios. Eles vieram do Oriente conduzidos pela estrela. Chegaram à cidade de Belém, local de nascimento do menino Jesus, trazendo presentes: mirra, ouro e incenso. O padre explica que o ouro representava a realeza, a mirra era símbolo da paixão e o incenso significava a oração.

Fonte: Wikipédia



quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Imaculada Conceição de Nossa Senhora - 08/dezembro


1-"Ave, cheia de Graça, o Senhor é contigo" (Lucas 1,28).
Estas são palavras do anjo Gabriel à Nossa Senhora, por ocasião da anunciação do nascimento de Jesus. Nesta saudação, Maria é chamada de "Cheia de Graça". Tal expressão diz-nos quem é Maria: é aquela repleta da Presença de Deus, do favor divino, da Santidade e do Amor do Senhor. É aquela que a gratuidade amorosa de Deus beneficiou com uma especial Santidade, desde o primeiro momento de sua existência.
Cheia de Graça! A saudação angélica à Maria, é um fundamento bíblico para um dos mais importantes dogmas marianos: A IMACULADA CONCEIÇÃO DE NOSSA SENHORA. Após muito tempo de reflexão, a Igreja chegou à certeza absoluta acerca deste privilégio concedido por Deus à Virgem Maria. No dia 08 de dezembro de 1854, o Santo Padre, o Bem-Aventurado Pio IX, com a Bula Ineffabilis, proclamou solenemente o dogma da Imaculada Conceição: "...Nós declaramos, pronunciamos e definimos que a doutrina com a qual se afirma que a Beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante da sua concepção, por singular graça e privilégio de Deus onipotente, em consideração dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do gênero humano, foi preservada imune de toda a mancha de culpa original, é uma doutrina revelada por Deus e deve ser, por este motivo, firme e constantemente acreditada por todos os fiéis" (DS,2803).

2-"Porei inimizade entre ti e a mulher, 
entre a tua descendência e a dela. 
Esta te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar" 
(Gênesis 3,15).
Este versículo bíblico é chamado de Proto-Evangelho (o Primeiro Evangelho), pois trata-se do primeiro anúncio da Salvação, após o pecado original. O Senhor Deus fala de uma mulher e sua descendência, que triunfarão sobre o pecado e sobre o mal, sobre o pecado e sobre o seu autor, isto é, Satanás (a serpente). A mulher é Maria (nova Eva). A sua descendência é Cristo (o novo Adão). Este, sobretudo através do Mistério Pascal, venceu o pecado. Maria intimanente unida ao seu Filho, Redentor do homem, participou e participa plenamente desta vitória. Em nenhum momento da sua existência, Ela esteve sob o jugo do pecado.
Maria é o fruto mais perfeito da Redenção. A sua Redenção foi mais perfeita, impedindo que ela contraísse o pecado original, com o qual todos somos concebidos. A sua concepção foi imaculada e, desde então, Ela foi e é a "Cheia de Graça". O ser e a vida de Maria jamais foram manchados, nem sequer pelo menor pecado. Ela é Maria Santíssima! Diz o Prefácio da Solenidade da Imaculada Conceição: "Puríssima, na verdade, devia ser a virgem que nos daria o Salvador, o Cordeiro sem mancha, que tira os nossos pecados". Maria Imaculada nos ajuda a vivermos na Graça de Deus.

3-"Tu és a Toda Bela, que o Altíssimo 
vestiu com o seu poder. Tu és a Toda Santa, 
que Deus preparou como sua intacta habitação de glória. 
Ave, Templo misterioso de Deus, 
ave, cheia de graça, intercede por nós!" 
(Da oração do Papa João Paulo II à Nossa Senhora, 
na Solenidade da Imaculada Conceição-08/12/01
disponível em www.vatican.va).
Autor: Pde. Denis O. P. Silva -ASJ. 

------------------------------------------------
Oração a Nossa Senhora da Conceição

Virgem Santíssima,
que fostes concebida sem o pecado original
e por isto merecestes o título
de Nossa Senhora da Imaculada Conceição
e por terdes evitado todos os outros pecados,
o Anjo Gabriel vos saudou com as belas palavras:
"Ave Maria, cheia de graça";
nós vos pedimos que nos alcanceis
do vosso divino Filho o auxílio necessário
para vencermos as tentações
e evitarmos os pecados e,
já que vós chamamos de Mãe,
atendei-nos com carinho maternal
e ajudai-nos a viver como dignos filhos vossos.
Nossa Senhora da Conceição, rogai por nós.

 Fonte: http://www.paroquias.org/oracoes



segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Presença de Jesus no meio de nós


Senhor, o tempo de Advento nos prepara, uma vez mais, para acolher tua presença no meio de nós.
Sim, uma vez mais, tu vens ao nosso encontro. Assim, "fica superada a distância infinita entre Deus e o homem", dizia o Papa na missa da noite de Natal do ano passado.
Mais uma vez, tu desces até nós, entras no nosso mundo, tornas-te um de nós; entras no coração de cada um de nós, para atrair a todos ao teu coração.
Tu, Filho eterno do eterno Pai, tornas-te um menino frágil e mortal, para que ninguém mais tenha medo do Deus forte, do Deus imortal.
Tu me ofereces, mais uma vez, tua amizade. "Que tenho eu que minha amizade procuras?", perguntava um poeta. Quem sou eu, para te ocupares de mim, Senhor?
Na eucaristia, te confias nas minhas mãos, para que eu te entregue a todos os que te buscam, para saciar a fome e sede de ti, para levar tua paz aos corações que não têm paz.
Dá-nos tua paz, Senhor! Faze com que se cumpram as antigas promessas de "uma paz sem limites". Que a justiça corra como um rio e que a paz floresça em toda a terra.
Abre-nos as portas da vida nova, que não terá fim. Ensina-nos a viver em fraternidade, a verdadeira fraternidade dos filhos e filhas de Deus.
Ajuda-nos a reconhecer teu rosto ensanguentado em todo homem, em toda mulher, especialmente os mais pobres, os doentes, os mais necessitados de afeto e compreensão.
Sim, verdadeiramente tu és o Emanuel, o Deus conosco!, Aquele que esperávamos. Nós queremos te acolher com alegria, juntando nossa voz à dos anjos: "Glória a Deus no mais alto dos céus e paz na terra aos homens que Ele ama!".
Deixa-me agradecer tua presença àquela mulher que te deu seu ventre como tua primeira morada neste mundo, Maria Santíssima, bendita entre todas as mulheres.
Deixa-me agradecer, também, ao divino Espírito Santo, a ruah, o sopro de ar, o alento de Deus, que comunica vida, o vento, a força cósmica, a força viva de Deus que te gerou no seio de Maria.
Um padre da Igreja, Irineu de Lyon, disse que o Filho e o Espírito Santo são as duas mãos do Pai. A Igreja latina, ocidental, celebra mais a mão do Filho, mais forte e ativa. Mas a Igreja bizantina, oriental, enfatiza a mão do Espírito, mais feminina e contemplativa.
Que estas duas mãos, Senhor, nos trasmitam o abraço do Pai, que renovem em nós a alegria de sermos amados incondicionalmente. E que a festa do Natal deste ano renove nossa fé na tua presença no meio de nós. amém!
Padre Luís González_Quevedo-SJ

Fonte: Revista O Mílite



domingo, 27 de novembro de 2011

Tempo de Advento - Vivência da Fé

Tempo de Advento - Vivência da Fé

Neste domingo, dia 27 de novembro começamos a vivenciar o tempo litúrgico do advento, que é tempo de esperança, confiança e conversão. É o tempo que aponta para as três vindas de Cristo: a do passado, sua vinda histórica; – a do presente: Cristo atuante no povo que celebra a eucaristia e pratica a caridade; – a do futuro: Cristo aparecendo em sua glória. É o mesmo acontecimento: ontem histórico e visível; hoje sacramento e realidade oculta; amanhã manifestação gloriosa.

O advento nos chama a levantar a cabeça, a olhar para o horizonte, enxugar as lágrimas e a viver a novidade que virá, e que nos convida a partilhar o pão e o coração, a superar o ódio e a vingança, a não querer destruir o difícil e o diferente, o louco, o pobre e o importuno. A vinda de Cristo vem no inesperado, no empobrecido e no evitado, em quem Deus faz sua morada.

Para que a vinda de Cristo não nos surpreenda, a exemplo do que aconteceu com as jovens imprudentes da parábola de Jesus (Mt 25,1-13) precisamos colocar azeite em nossas lâmpadas. Esperar com alegria e discernimento, vigilância e cuidado, lendo os sinais dos tempos, percebendo os vestígios de esperança que tornam a vida mais humana. Revestir-nos da atitude de espera e não de entorpecimento; espera criativa e amorosa, que aplaina os caminhos, superando a injustiça, a impostura e a corrupção que fabricam o desalento e deixam o povo sem perspectiva.

O Advento nos convida à conversão e a mudar a nossa maneira de pensar, agir e sentir, preparando-nos para celebrar o Natal com coerência, acolhendo o Deus feito homem, a luz que veio a esse mundo e que muitos não quiseram receber. Precisamos colocar-nos a caminho em ação, pois Cristo virá somente para aqueles que lhe prepararam um tempo e um lugar em suas casas, na comunidade e na sociedade.

Os caminhos de conversão que temos a apontar para o período do Advento são os grupos de oração, as celebrações da palavra, da penitência e da eucaristia, os gestos de partilha com os mais necessitados e a generosidade com a coleta da evangelização. Não deixemos que os enfeites sem conteúdo, e que só levam ao consumo, nos levem a ignorar os marginalizados da sociedade, que foram os primeiros a quem foi anunciada a boa notícia da entrada de Jesus na história da humanidade.

A todos desejo um tempo de Advento de muita graça e bênção. Que os caminhos e as ações que vamos trilhar e realizar nos levem verdadeiramente ao Natal do Senhor.

Dom Canísio Klaus
Bispo de Santa Cruz do Sul - RS

Fonte: CNBB



Coroa do Advento

Advento

Advento é tempo de preparação para o Natal, quando celebramos o nascimento de Jesus. Ele já veio, mas continua nos visitando. Por isso precisamos estar atentos à sua nova vinda que se anuncia neste tempo especial de vivência da fé. Com o Advento iniciamos o novo ano litúrgico.
Liturgicamente, o tempo do Advento (do latim adventus = chegada) corresponde às quatro semanas que antecedem o Natal. As quatro velas representam essas quatro semanas e serão acesas, uma a uma, desde o primeiro domingo do Advento até o quarto domingo, sucessivamente. Via de regra as cores das velas devem corresponder à cor do tempo litúrgico - roxa -, diferenciando-se a terceira vela - rosa - como alegre preparação para a vinda do Senhor.
Neste sentido, relembramos que as vestes litúrgicas devem ser de cor roxa, como sinal de nossa conversão em preparação para o Natal, com exceção do terceiro domingo, onde o rosa substitui o roxo, revelando o Domingo da Alegria (ou Domingo Gaudette). 
O Advento deve ser tempo de celebração onde a sobriedade e a moderação são características peculiares da liturgia, evitando-se antecipar a plena alegria da festa do Natal de Jesus. Por isso, neste período não se entoa o "Glória" e nossos passos, nesse recolhimento, seguem em direção ao sublime momento do nascimento de Jesus. (Fonte: Página Oriente)

A Coroa do Advento
 
A coroa ou a grinalda do Advento é o primeiro anúncio do Natal. É um círculo de folhagens verdes, sua forma simboliza a eternidade e sua cor representa a esperança e a vida. Vem entrelaçado por uma fita vermelha, símbolo tanto do amor de Deus por nós como também de nosso amor que aguarda com ansiedade o nascimento do Filho de Deus.
No centro do círculo se colocam as quatro velas para se acender uma a cada domingo do Advento. A luz das velas simboliza a nossa fé e nos leva a oração, elas simbolizam as quatro manisfestações de Cristo:

1° Encarnação, Jesus Histórico;
2° Jesus nos pobres e necessitados;
3° Jesus nos Sacramentos;
4° Parusia: Segunda vinda de Jesus.

No Natal se pode adicionar uma quinta vela branca, até o término do tempo natalino e, se quisermos, podemos por a imagem do Menino Jesus junto à coroa: temos que nos atentar, porém, que o Natal é mais importante do que a espera do Advento. (Fonte: Catequisar.com.br)

Oração:
Senhor Jesus celebrar o teu Natal é fazer da minha vida, da minha casa um lugar de eternidade e salvação. Que a Tua luz brilhe em cada coração. Acendendo cada vela desta coroa do Advento queremos acender a esperança, o amor, a fraternidade e a Salvação que é o grande presente que queremos dar a todos que amamos através do menino Jesus que vai nascer em nossa família.
Padre Luizinho,
Com. Canção Nova






domingo, 20 de novembro de 2011

Jesus - Presença a teu lado


Presença

Se tiveres, um dia, em tua vida,
uns sombrios momentos de desgosto
e buscares alguém, com mão querida,
que enxugue todo o pranto do teu rosto...
Pra consolar teu peito torturado,
estarei a teu lado.

Se nesta solidão do teu degredo,
em que sossobra a força e a esperança,
quiseres confiar a angústia e o medo
a alguém que mão humana não alcança...
para escutar o teu grito assustado,
estarei a teu lado.

Se precisas de força e de coragem,
após teres deixado o bom caminho
e temes retomar essa viagem
em que se esconde a flor e sobra o espinho...
Para guiar teu passo transviado,
estarei a teu lado.

Se em tua alma possuis a sede e a fome
do que parece um impossível sonho
e o mundo só te ilude e te consome,
deixando-te vazio e mais tristonho...
Pra compensar o teu sonho frustrado,
estarei a teu lado.

Se sentes que se apagam tuas luzes
e tens a vida inteira imersa em trevas
e os teus dias são feitos só de cruzes
que sobre estes teus pobres ombros levas...
Pra iluminar o teu trilho apagado,
estarei a teu lado.

Se bem perto de ti tu necessitas
um coração que te ame com amor puro,
transbordando ternuras infinitas
que irão dar segurança ao teu futuro...
Para dar-te esse amor tão almejado,
estarei a teu lado.

E aquilo que julgavas ser poente,
espessa noite, eterna escuridão,
não era nada disso, era somente
a doce sombra desta minha Mão
tentando erguer-te, ó pobre desgarrado,
pra estares a meu lado.

Pe. Héber Salvador de Lima, S.J.



sábado, 19 de novembro de 2011

Festa de Cristo Rei–Dia do Leigo e da Leiga


Festa de Cristo Rei – Dia do Leigo e da Leiga

 Neste domingo, dia 20 de novembro, a Igreja do Brasil celebra a festa de Cristo Rei, e na mesma ocasião é comemorado o Dia do Cristão Leigo. A data fecha o ciclo do ano litúrgico e toda a comunidade é chamada a refletir, antes de começado o tempo do Advento e a preparação para o Natal, sobre a identidade e missão desses homens e mulheres, cristãos leigos, que formam a imensa parcela do Povo de Deus. A data nos faz lembrar a nossa condição de Profeta-Sacerdote-Rei, incorporada a Cristo pelo Batismo, pelo qual somos parte do mistério de amor que é a relação de Deus com sua Igreja. (CNBB)

No último domingo do Tempo Comum, a Igreja celebra a Festa de Cristo, Rei do Universo. Qual é o reino de Jesus Cristo? Poderíamos imaginá-lo sob a forma de um reino terreno, onde os valores como riqueza e poder são os critérios de julgamento? Certamente que não...

Diante de Pilatos, Jesus vai afirmar: o meu reino não é deste mundo (Jo 19, 36). Sim, não pode ser deste mundo um reino que prefere o pobre, o excluído, o cativo. Não pode ser deste mundo o reino onde a justiça é instalada permanentemente, onde o amor ao próximo é a medida de julgamento, onde todos são iguais e merecem as mesmas oportunidades. Por isso o confronto de nossa humanidade com a proposta de Jesus.

Instalar um reino nesses moldes entre nós ainda é um desafio. É desafiador reconhecer Jesus Cristo naquele mais pobre, mais necessitado, naquele que cheira mal ou que nos interpela por justiça. É desafiador pensar em um reino onde todos possam ser iguais, onde o que prevaleça seja o poder de serviço e não o poder autoritário que esmaga o outro.

Saberemos um dia viver assim? Seremos capazes de assumir esta proposta em toda a sua radicalidade? Seremos, nós, ativos construtores dessa nova ordem? Este é o convite que a festa de Cristo Rei nos faz. Que saibamos responder afirmativamente a ele. Que possamos reconhecer em Jesus Cristo o convite à implementação de um novo reino e que sejamos seguidores fiéis de um rei de amor e de bondade.

Junto com a festa de Cristo Rei, celebra-se também o Dia do Leigo e da Leiga. Vocação especial, muitas vezes esquecida (tendemos a acreditar que vocacionados são somente os sacerdotes e freiras), ser leigo ou leiga no mundo de hoje é um permanente desafio. Desafio de vida e testemunho: como ser do mundo, sem ser do mundo, como nos conclama São Paulo? Leigos e leigas ocupam importantes ministérios na vida da Igreja e assumem sua vocação particular de constituir família – e aceitar com generosidade a vocação matrimonial que Deus lhes dá. Assumem a vocação de atuar profissionalmente com ética, dedicação e diferencial positivo no sentido de ser uma pessoa diferente no meio de tantas. Assumem vocação missionária, dedicando-se muitas vezes solitariamente ao outro mais necessitado. Enfim, leigos e leigas assumem o grande desafio de serem pedras vivas da Igreja, trabalhadores do reino que Cristo Rei  vem implementar.

Texto para oração: Mt 25, 31-46

Fonte: http://amaivos.uol.com.br



segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Supere a depressão com Nossa Senhora do Sorriso


Atualmente virou moda falar de ansiedade e depressão. Mas essa moda não traz muitos benefícios. Precisamos evitá-la. Talvez a incidência da sua fama seja dada pela razão da vida moderna: agitada, materialista, consumista, competitiva, sem lugar pra Deus e para o irmão... mas cada caso é um caso.
Há 40 anos pouco se falava deste assunto. Dizem alguns especialistas que em 2020 será a doença que mais vai tirar a vida no planeta.
O Prof. Felipe Aquino, com muita sabedoria no seu livro "Para ser Feliz", diz que: 'O nosso mundo "pós-moderno" atingiu os mais altos níveis de avanço tecnológico, mas não atingiu o mesmo grau de felicidade; ao contrário, o homem hoje é mais infeliz do que ontem; a prova é que nunca se viu tantas doenças de fundo patológico como hoje. A depressão é uma doença hoje universal e avassaladora; as síndromes de pânico, de comportamento compulsivo, e de muitas outras doenças psicossomáticas judiam do ser humano moderno, como rissem de nossa tecnologia tão avançada'. 
Que esta oração à Virgem do Sorriso nos ajude a ter Maria como mãe com quem podemos desabafar e confiar, como poderosa intercessora diante de nossos sofrimentos e angústias. Ela, mãe, nos sorri e nos traz de volta a alegria da vida. 
Avante, a vida é bela!

Oração à Nossa Senhora do Sorriso

Ó Maria, Mãe de Jesus e nossa, que com um claro sorriso vos dignastes consolar e curar vossa filha Santa Teresinha do Menino Jesus da depressão, devolvendo-lhe a alegria de viver e o sentido da sua existência em Cristo Ressuscitado.

Ó Virgem do Sorriso, olha com maternal afeto para tantos filhos e filhas que sofrem com a depressão, transtornos e síndromes psiquiátricas e males psicossomáticos.

Que Jesus Cristo cure e dê sentido à vida de tantas pessoas, cuja existência às vezes está deteriorada.

Maria, que no seu belo sorriso não deixe que as dificuldades da vida obscureçam nosso ânimo. Sabemos que só seu filho Jesus pode satisfazer os anseios mais profundos do nosso coração.

Maria, mediante a luz que brota de seu rosto, transparece a misericórdia de Deus. Que seu olhar nos acaricie, e nos convença que Deus nos ama e nunca nos abandona, e a sua ternura renove em nós a auto-estima, a confiança nas próprias capacidades, o interesse pelo futuro e o desejo de viver felizes.

Que os familiares dos que sofrem com a depressão ajudem no processo de cura, nunca os considerando farsantes da enfermidade com interesses de comodidade, mas os valorizem, escutem, compreendam e os animem.

Virgem do Sorriso, alcança-nos de Jesus a verdadeira cura e livra-nos de alívios temporários e ilusórios.

Curados, comprometemo-nos a servir com alegria, disposição e entusiasmo Jesus, como discípulos missionários, com nosso testemunho de vida renovada.

Amém.


Fonte: Folheto (não consta autoria)



Avisos

Olá irmãs e irmãos de fé! Paz e Bem!

Para ajudar, tenho colocado as orações do programa de rádio Momento de Fé, porém muitos estão se confundindo e achando que meu blog é do Padre Marcelo Rossi. Irmãs(os), este blog não é do Padre Marcelo Rossi, para que sua mensagem chegue ao padre, você terá que acessar os sites dele : 1) Padre Marcelo Rossi 2) Facebook Padre Marcelo Rossi

Obrigada - Adriana/Devoção e Fé

Pesquisar neste blog e na web

Carregando...